Pra Saber Mais: Sociopatas vs. Psicopatas

O estudo do comportamento criminoso inclui um exame de distúrbios mentais que podem contribuir para um comportamento desviante. Sociopatia e psicopatia são termos usados na psicologia e criminologia, para...
Sociopatas vs Psicopatas
O psicopata Jim Jones apertando a mão do Prefeito de São Francisco George Moscone. Data: 3 de Novembro de 1977. Foto: © CLEM ALBERS/San Francisco Chronicle/San Francisco Chronicle/Corbis.

O psicopata Jim Jones apertando a mão do Prefeito de São Francisco George Moscone. Data: 3 de Novembro de 1977. Foto: © CLEM ALBERS/San Francisco Chronicle/San Francisco Chronicle/Corbis.

O estudo do comportamento criminoso inclui um exame de distúrbios mentais que podem contribuir para um comportamento desviante.

Sociopatia e psicopatia são termos usados na psicologia e criminologia, para referir a dois grupos distintos de pessoas com traços de personalidade anti-social. Significativamente, essas condições não são classificadas como doenças mentais e não são termos oficiais de diagnóstico. Na quarta edição do Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV), tanto sociopatia quanto psicopatia são listados sob o título de Transtorno de Personalidade Anti-Social (TPAS), ou seja, ambos são tratados como transtornos equivalentes.

Sociopatia e psicopatia compartilham de muitos traços, e isso causa muita confusão para diferenciá-los na psicologia e criminologia. Comportamentos comuns aos dois transtornos incluem:

  • Desrespeito pelas leis e costumes sociais;
  • Desrespeito pelos direitos dos outros;
  • Incapacidade de sentir remorso ou culpa;
  • Tendência a exibir comportamento violento e explosões emocionais.

Embora não haja consenso entre os profissionais sobre o que exatamente diferencia sociopatas de psicopatas (entre aqueles que acreditam que cada um é um transtorno separado), há uma lista de diferenças significativas.

Sociopatas


  • Sociopatas tendem a ficarem nervosos e agitados facilmente;
  • Eles são suscetíveis a serem mau educados e vivem à margem da sociedade, incapazes de manter um emprego estável ou ficar em um lugar;
  • Usualmente possuem histórico de delinquência juvenil e problemas de comportamento;
  • Alguns formam alianças com um indivíduo ou grupo, embora, em geral, eles não tenham consideração pela sociedade;
  • Aos olhos dos outros, os sociopatas parecem claramente pessoas perturbadas;
  • Crimes cometidos por sociopatas tendem a serem desorganizados e espontâneos.

A maioria dos serial killers da história eram sociopatas. Entretanto, nesses casos, a sociopatia sempre está ligada com outra doença mental, na maioria das vezes, esquizofrenia.

Exemplos famosos


Mary Flora Bell, na Penitenciária aos 16 anos.

O mais famoso caso de sociopatia infantil da história atende pelo nome de Mary Bell. A inglesinha de 2 anos não chorava quando se machucava e adorava espancar as suas bonecas. Aos 4 anos tentou matar um coleguinha enforcado e aos 5 presenciou sem nenhum tipo de emoção o atropelamento de um outro amiguinho. Depois que aprendeu a ler ficou incontrolável. Pichava paredes, incendiou a casa onde morava e torturava animais.

Em 1968, aos 11 anos o horror: Mary Bell estrangulou até a morte dois meninos de 3 e 4 anos.

“Ela não demonstrou remorso, ansiedade ou lágrimas. Não sentiu emoção nenhuma em saber que seria presa, nem ao menos deu um motivo para ter matado. É um caso clássico de sociopatia,” disse o psiquiatra Robert Orton em seu laudo psiquiátrico.

Especialistas dizem que sociopatas não podem ser curados e, geralmente, são resistentes à terapia. Isso foi provado no caso Mary Bell, durante anos a garota não quis ser tratada. Ela saiu da prisão em 1980, aos 23 anos. Seu paradeiro é até hoje mantido sob sigilo. Ela casou em 1984 e teve uma filha, que hoje tem 28 anos.

Jack, O Estripador.

Ninguém nunca soube quem foi Jack, O Estripador. Mas para muitos, o seu modus operandi não deixa dúvidas, ele era um sociopata. Os crimes cometidos pelo serial killer que aterrorizou Londres há 124 anos não eram planejados, ele simplesmente saia à noite e estripava a primeira mulher que encontrava. Os corpos eram deixados no chão com os órgãos espalhados. Muitos especialistas acreditam que Jack tinha sífilis e essa doença naquela época, não tinha cura.

A sífilis é uma doença conhecida por causar degeneração mental e é possível que a mistura explosiva de sociopatia com a sífilis fez de Jack o carniceiro que deixava os órgãos de suas vítimas espalhadas pelas ruas.

Veja aqui a história de Jack, O Estripador

Charles Milles Manson.

Um dos criminosos mais famosos do século 20, Charles Manson era um sociopata e delirante paranoico que arregimentou um grupo de hippies que, sob suas ordens, cometeram vários crimes nos anos 60. Em 9 de Agosto de 1969, cometeu uma carnificina que entrou para a história.

Manson acreditava que os Beatles eram anjos mandados à Terra para avisar aos homens sobre o Apocalipse. Além disso, ficou irritado por ter uma música supostamente roubada pelo grupo Beach Boys. Furioso com Terry Melcher, produtor musical que havia lhe negado um contrato de gravação, Manson ordenou que os seus seguidores invadissem a casa de Melcher e matasse quem estivesse lá. Em 09 de Agosto de 1969, seus seguidores invadiram a antiga casa de Melcher e promoveram uma chacina. Mataram as 5 pessoas que estavam na casa, dentre elas, a famosa e belíssima atriz Sharon Tate, mulher do cineasta Roman Polanski e que estava grávida de 8 meses. Ela foi perfurada 16 vezes por uma baioneta e enforcada.

A inglesa Cara Marie Burke e o goiano Mohammed D’Ali dentro do avião que os levou de Londres a Goiânia

“Eu pegava gatos na rua, amarrava o pescoço no alto do muro, fazia o cachorro alcançar o gato até o momento em que, tendo alcançado, o pit bull arrancava o pescoço do gato. Eu não acho nada horripilante.”

[Mohammed D’Ali Carvalho do Santos]

O goiano Mohammed D’Ali Carvalho do Santos é um caso clássico de sociopatia. Delinquente juvenil, durante toda sua vida teve problemas de comportamento. Não frequentava a escola e nunca conseguiu ter um emprego fixo. Morou nos Estados Unidos e Inglaterra e não se adaptou a nenhum desses lugares. Era sustentado por sua mãe que morava na Inglaterra e lhe mandava todos os meses uma mesada. E foi lá , na Terra da Rainha que ele conheceu a inglesa Cara Marie Burke, de 17 anos. Os dois começaram um relacionamento e foram morar em Goiânia. Devido ao comportamento agressivo de Mohammed, Cara Marie o largou e foi morar com amigos que fizera na cidade.

No dia 28 de julho de 2008 ela visitou Mohammed em seu apartamento no Setor Universitário, região central da capital goiana. Os dois discutiram e Cara Marie ameaçou contar para a mãe de Mohammed que ele gastava sua mesada com drogas. Essa ameaça foi o gatilho: Mohammed a matou a facadas. Deixou o corpo de Cara Marie no banheiro e foi assistir a um show da Mulher Melancia. Voltou e esquartejou o corpo da inglesa, colocou os pedaços em malas e descartou em um Rio que corta a cidade.

A Junta Médica Oficial do Poder Judiciário de Goiás que examinou Mohammed disse em seu relatório que: “…tem perturbação mental, personalidade antissocial e é de alta periculosidade. A alteração que ele possui é algo que está na estrutura da personalidade e que não é passível de tratamento ou cura, pois não é uma doença, é uma característica imutável que nasceu com ele e foi se moldando no decorrer de sua vida”.

Mohammed não sentiu nenhum remorso pelo assassinato e soltou gargalhadas várias vezes durante o seu julgamento. Também se divertiu diante do juiz ao relatar, em inglês, o diálogo que travou com Cara Marie, sobre drogas, momentos antes de matá-la.

Psicopatas


Ao contrário dos sociopatas, os psicopatas muitas vezes, tem personalidades encantadoras e atraentes. Eles são manipuladores e podem facilmente ganhar a confiança de qualquer pessoa. Aprendem a imitar emoções, apesar de sua incapacidade para realmente senti-los, o que faz com que, aos olhos de outras pessoas, pareçam inocentes e normais. Psicopatas são (frequentemente) educados e possuem empregos estáveis. Alguns são tão bons em manipular, que formam famílias e relacionamentos de longo prazo com outras pessoas, sem que elas suspeitem de absolutamente nada.

Ao cometer crimes, psicopatas planejam cuidadosamente cada detalhe. Muitas vezes eles tem até um plano B, para se algo der errado.

Exemplos famosos


Thomas Andrew Parker (Nome de Nascimento: Andreas Cornelis Van Kuijk.

“Qual o segredo para o senhor estar sempre por cima da situação?”, perguntou em 1960 um repórter da revista Variety ao coronel Thomas Andrew Parker, o tirânico empresário do Rei do Rock Elvis Presley. Como um bom psicopata, Parker respondeu: “Situação? É muito simples: Eu sou a situação!” 

Em 1933, Parker serviu o exército norte-americano e foi lá que veio o seu diagnóstico:

“Depressão aguda psicogênica, estado de psicopatia constitucional e psicose. Caráter violento e instável. Potencialmente homicida.”

O homem que 22 anos depois viraria o empresário de um dos maiores cantores da história da música, tinha um passado nebuloso. Nascido na Holanda, ele foi para os Estados Unidos em 1929, no mesmo dia que sua amante, de nome Anna, fora espancada até a morte.

Nos Estados Unidos inventou o nome que o deixou famoso e criou uma nova biografia. Em 1955 virou empresário de Elvis Presley que sempre advertia os funcionários da gravadora RCA: “Sejam sempre amigáveis com o coronel”. Parker nunca se naturalizou americano e isso é uma prova de que ele tinha medo do passado. Por causa dessa obsessão com o sigilo, nunca permitiu que Elvis excursionasse fora dos Estados Unidos, sempre recusando ofertas milionárias para que o Rei do Rock se apresentasse na Europa e América Latina.

Que Tom Parker era um psicopata isso todos sabem, mas ele seria um psicopata que mata? Nunca saberemos. Esse mistério foi junto com ele para o túmulo.

Bernard Lawrence Madoff.

“Eu ainda não acredito no que ele fez”, disse o advogado Joseph Kavanau, amigo de longa data de Bernard Lawrence Madoff, presidente da L. Madoff Investment Securities, uma corretora que conquistou a confiança e quase 65 bilhões de dólares de investidores num esquema de pirâmide. Foi o maior golpe financeiro individual da história do capitalismo.

Para muitos, Madoff era um sujeito tranquilo e, segundo seus funcionários, tratava todos como uma família. Ele tinha livre trânsito entre os grandes players de Wall Street, da City Londrina e com políticos de Washington. Também era um homem que adorava o luxo, e não deixava de esbanjá-lo. Gastava ostensivamente com festas nas quais era bajulado pelos seus clientes. Nos jantares de gala e nas partidas de golfe de figurões, o assunto era um só: Madoff e como ele estava gerando dinheiro para todo mundo. Os lucros na realidade eram fantasia, frutos de um esquema de pirâmide, no qual os primeiros investidores são remunerados com a infusão de dinheiro de recém-chegados ao esquema. Como o lucro era alto, dezenas de novos investidores eram atraídos, o que mantinha funcionando o esquema. Dentre as vítimas de Madoff, estão o Santander (3,1 bilhões em perdas), o cineasta Steven Spielberg e Elie Wiesel, ganhador do Prêmio Nobel da Paz e sobrevivente do holocausto.

“Num esquema de pirâmide, só uma pessoa está na ponta da coisa, e isso é fascinante para um psicopata narcisista como Madoff”, disse o psicólogo Steven Norton.

“Mentira, manipulação, enorme capacidade de enganar e sentimento inflado de autoimportância. Eles são mestres em impressionar os outros,” disse o especialista em perfis criminosos do FBI, Gregg O. McCrary.

Posar de bem sucedido andando de helicópteros, alugando mansões para morar, carros importados e fotos em iates, são umas das armadilhas de psicopatas como Madoff. E isso realmente chama a atenção da maioria das pessoas que são facilmente compradas inconscientemente pelo luxo e poder.

Dennis Lynn Rader.

Dennis Rader, conhecido como “O Assassino BTK” (BTK são as iniciais de Bind – Torture – Kill, no português Amarrar – Torturar – Matar). Dennis tinha família, era um funcionário público de carreira e para todos, um cidadão tranquilo e pacato. Mas em 2005 foi preso acusado de ser o serial killer que a mais de 30 anos zombava da polícia do estado do Kansas. Ele foi oficialmente acusado de 10 assassinatos. Dennis é um exemplo forte de até onde o pensamento psicopata pode ir. Para ele, a ideia de matar suas vítimas era o de menos, pois em sua mente doentia ele já os tinha desumanizado de uma forma que matá-los era o menor dos pecados. Para ele, estuprar suas vítimas era mais repugnante do que o ato de matar, pois se sentia envergonhado por trair sua esposa e a sua igreja. Por isso, descontava essa ira em suas vítimas. Antes de matá-las, ele as torturavam de maneira sádica e depois voltava para sua vida normal, filhos, mulher, trabalho, igreja…

John Wayne Gacy Jr.

Outro exemplo clássico é John Wayne Gacy Jr., conhecido como “O Palhaço Assassino”. Gacy era um cidadão modelo, empresário bem sucedido, fora casado duas vezes e chegou até a ser fotografado ao lado da primeira dama dos Estados Unidos Rosalyn Carter em 1978 (imagem acima). Além disso , era membro de instituições religiosas e adorava vestir-se de palhaço para divertir criancinhas em festinhas infantis e em hospitais. Como um bom psicopata, Gacy podia racionalizar suas ações, era calculista e encantador. E foi através dessa personalidade que conseguiu esconder por debaixo da sua máscara de bom homem um serial killer que assassinou 33 adolescentes entre 1972 e 1978.

Quando foi pego não sentiu nenhum remorso pelo ocorrido e chegou a dizer uma frase que entrou para a história:

“A única coisa da qual eu deveria ter sido acusado era a de ter um cemitério em casa sem licença para isso.”

Ele tinha plena consciência dos seus atos, mas era incapaz de fazer um julgamento moral consciente dos seus crimes. Enterrou a maioria das suas vítimas debaixo da sua casa. Ao ser perguntado porque jogou os corpos de suas últimas vítimas em um rio ele disse: “Ah, cavar dava dor nas costas!”

Veja aqui a história de John Wayne Gacy Jr.

James Warren Jones, conhecido como Jim Jones.

Convencer uma pessoa a tirar a própria vida beira o impossível. Fazer com que mais de 900 atendam a esse chamado, então, é obra para alguém muito inteligente, bom de marketing e psicopata! E o pastor Jim Jones era. Graduado em duas universidades, fundou nos anos 50 a sua própria igreja, o Templo do Povo. Jones levou o templo para São Francisco e Los Angeles.

Em meados dos anos 70, a revista New West levantou suspeitas de atividades ilegais. Foi a senha para que Jones deixasse os Estados Unidos e inaugurasse Jonestown, um latifúndio na Guiana. Ali criou a crença da tradução, por meio da qual ele e seus seguidores deveriam morrer juntos e partir para uma vida de prazeres em outro planeta.

No dia 18 de novembro de 1978, o congressista norte-americano Leo Ryan visitou Jonestown. Alguns fiéis quiseram partir com o congressista, o que motivou um ataque ao político e a mais 3 jornalistas que o acompanhavam. Eles conseguiram correr até a pista onde estava o avião mas foram mortos a tiros por seguranças de Jim Jones. Começava o horror: a cúpula decidiu que a hora do suicídio coletivo havia chegado. Por meio da ingestão de veneno e dos tiros dados com quem tentava fugir, 914 pessoas morreram, 638 adultos e 276 crianças.

Theodore Robert Cowell. Ted usava o sobrenome Bundy do seu padrasto.

Psicopatas são encantadores e tem um talento especial pra encontrar fraquezas nas pessoas e… explorá-las. Ted Bundy talvez seja o exemplo mais famoso dos quatro. Extremamente inteligente, era formado em direito e psicologia e tinha trânsito livre dentro do Partido Republicano norte-americano. Alto, atlético e bonitão, era o sonho de consumo das mulheres de Washington. Mas na verdade, nada em Ted Bundy era o que parecia ser. Ele era um verdadeiro artista, controlador e manipulador, que se fazia de coitadinho para matar mulheres. E foi com essa máscara que assassinou de modo selvagem mais de 30 mulheres nos anos 70. Vaginas perfuradas por canos de metal, mamilos arrancados à mordidas, corpos esquartejados… A maioria das vítimas de Ted Bundy passou por horrores indescritíveis.

Mas nem a prisão tirou o carisma e a páfia do psicopata serial killer. Showman até o fim, Ted Bundy demonstrou outro traço comum de um psicopata: o narcisismo. Segundo ele, nenhum outro advogado no mundo poderia defendé-lo tão bem quanto ele próprio. E realmente Bundy fez um trabalho fenomenal defendendo a si mesmo, tanto que o Juiz lamentou o fato dele ter se tornado um assassino dizendo que ficaria orgulhoso se aquele mesmo Ted Bundy estivesse praticando a lei naquela sala.

Por causa da grande diferença entre o método dos crimes cometidos por sociopatas e psicopatas, a distinção entre esses transtornos é, talvez, ainda mais importante para a criminologia do que para a psicologia. Isso porque os criminosos psicopatas, ao contrário dos criminosos sociopatas, cometem crimes de forma altamente organizada, muitas vezes depois de um meticuloso planejamento. Ted Bundy é um exemplo clássico de um psicopata e organizado serial killer.

Outro ponto de diferença é a etiologia. Muitos suspeitam que a psicopatia é o resultado da “natureza” (genética), enquanto que a sociopatia é o resultado da “criação” (ambiente). De acordo com David Lykken, um geneticista comportamental conhecido por seus estudos sobre gêmeos, a psicopatia está relacionada a um defeito fisiológico que resulta no subdesenvolvimento da parte do cérebro responsável pelo controle dos impulsos e emoções. Sociopatia, por outro lado, seria o resultado de abusos e traumas na infância. O goiano Mohammed D’Ali assassinou e esquartejou a inglesa Cara Marie em 2008. Isso poderia ser apenas um indício de que ele queria se livrar do corpo de maneira mais fácil. Mas um fato interessante é que o pai do próprio Mohammed foi assassinado e esquartejado quando ele era apenas uma criança. É bem possível que o assassinato por esquartejamento do pai lhe causou um trauma na infância que ele carregou (e ainda carrega) por toda sua vida.

Com base neste modelo, os sociopatas são capazes de empatia ou conexão emocional com outras pessoas, mas somente pessoas específicas, como um membro da família ou amigo, e mesmo assim, em contextos específicos. Psicopatas simplesmente são incapazes de ter empatia e de formar verdadeiros laços emocionais com alguém. E é essa habilidade de imitar empatia e emoção, que faz do psicopata um indivíduo perigoso e, muitas das vezes, pessoas altamente bem sucedidas.

Universo DarkSide – os melhores livros sobre serial killers e psicopatas

http://www.darksidebooks.com.br/category/crime-scene/

Colaboração:


Revisão por:

vania

Curta O Aprendiz Verde No Facebook

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

O Aprendiz Verde no Whatsapp!

OAV no Whatsapp

Siga-nos no Facebook!

Siga-nos no Twitter!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categorias

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Blogs Brasil

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Receba nosso conteúdo no WP
Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Receba nosso conteúdo no WP