Serial Killers: O Monstro Canibal

Desaparecimentos de crianças e adolescentes é uma tragédia que vemos quase diariamente. Familiares que tem entes queridos desaparecidos sofrem em silêncio a dor de não saberem o que realmente...
Serial Killers - O Monstro Canibal
O Monstro Canibal

Desaparecimentos de crianças e adolescentes é uma tragédia que vemos quase diariamente. Familiares que tem entes queridos desaparecidos sofrem em silêncio a dor de não saberem o que realmente aconteceu. Talvez isso seja pior do que a própria morte. As causas de desaparecimentos são inúmeras, mas as mais comuns são a fuga do lar (muito devido a violência doméstica) e o envolvimento com a criminalidade.

“Mais da metade dos desaparecimentos é em decorrência de conflitos do lar, muitas vezes em razão de violência doméstica”, diz Ariel de Castro Alves, Presidente da Fundação Criança, órgão da prefeitura municipal de São Paulo.

Mas existem também outras causas. Segundo a ONG Desaparecidos do Brasil, muitos desaparecimentos ocorrem devido ao tráfico de crianças por quadrilhas que sequestram para trabalho escravo, prostituição e adoção ilegal. De qualquer forma, seja uma fuga de casa ou um sequestro, são os familiares os que mais sofrem com isso. Sofrem duas vezes: pelo desaparecimento em si e pela falta de empenho das autoridades.

O que muita gente não sabe é que alguns casos de desaparecimentos são obra de um predador invisível, um predador que se camufla na sociedade, um predador em pele de cordeiro. Eles sorriem, te cumprimentam ao passar por você e… são acima de qualquer suspeita. São… os serial killers. Posso citar inúmeros casos envolvendo desaparecimentos que culminaram na descoberta de serial killers. Isso não é comum, claro, serial killers representam menos de 1% dos assassinos conhecidos, mas mesmo assim, as autoridades não podem continuar negando esse tipo de crime. Elas parecem ser cegas e, até mesmo, céticas com relação a isso. A polícia parece investigar apenas quando eles encontram um corpo (claro, com um corpo não dá pra eles ficarem de corpo mole). Quando chegam para eles um desaparecimento… é a velha ladainha de sempre… “Espere 48 horas” “ele fugiu de casa”“adolescentes são assim, ele provavelmente irá voltar em poucos dias”. E a negligência policial é, talvez, um dos maiores aliados desses perversos assassinos. Estou mentindo? Aqui mesmo no blog já escrevi sobre vários casos de pessoas que desapareciam e não eram devidamente investigadas. Quando a polícia finalmente abria o olho… Bum! Já era tarde demais. Serial Killers… eles estão à espreita, há muito deles nas ruas esperando o momento certo para atacar. Quem sabe um deles não possa estar olhando para você agora! Imaginando, fantasiando o momento em que ele irá te pegar! É isso o que eles fazem.

Exageros (ou não!) a parte, o texto de hoje é sobre um desses casos. Um caso recente, bem recente, ocorrido na China.

Todos vocês sabem que os chineses não são um exemplo de país que sabe lidar com a liberdade de imprensa. As informações sobre esse caso são mínimas. Escrevemos esse texto com o que conseguimos levantar. Então… sem rodeios… Let’s Go!!

Nanmen, cidade de Jincheng, China

Nanmen é uma pequena aldeia na cidade chinesa de Jincheng, Distrito de Yunnan. É uma daqueles lugares onde o tempo parece ter parado. Seus habitantes são em sua grande maioria camponeses que vivem de suas plantações e comércios de grãos, carnes, verduras… É um lugar bucólico, cercado pela natureza, incrustado nas montanhas no sudoeste chinês. É um lugar totalmente pacato e tranquilo.

Na foto: Uma bela construção chinesa em meio às montanhas na aldeia de Nanmen.
Na foto: Uma casa na aldeia de Nanmen, ao fundo na imagem podemos ver a cidade de Jincheng.

Mas a tranquilidade desse paraíso foi drasticamente quebrada em 25 de abril de 2012. Nesse dia, um adolescente de 19 anos sumiu sem deixar rastros.

Han Yao, 19 anos, desapareceu misteriosamente no dia 25 de abril de 2012. Estudante de Administração de Empresas da Universidade de Yunnan, ele desapareceu no caminho de volta para casa.

Treze dias depois do desaparecimento de Han Yao, o jornal chinês Global Times publicou a seguinte reportagem:

“Durante o ano passado, os moradores da cidade de Jincheng, Condado de Jinning, ficaram abalados devido a vários e inexplicáveis desaparecimentos de adolescentes e adultos locais. Seis pessoas, com idades entre 12 e 22 anos, estão desaparecidas desde janeiro de 2011, com o caso mais recente ocorrido em 25 de abril. Os desaparecidos são todos jovens da cidade de Jincheng, a 30 quilômetros ao sul de Kunming.

A polícia não conseguiu encontrar qualquer pista que levasse ao esclarecimento dos desaparecimentos. Em abril, um homem que havia desaparecido de Jincheng voltou para a casa dos seus pais depois de escapar do trabalho forçado em uma fábrica de tijolos. Lei Yusheng foi sequestrado em 7 de abril de 2012 por dois homens armados com espadas. Ele foi levado para uma fábrica e forçado a fazer tijolos com outros sequestrados, trabalhando até dez horas por dia. Ele escapou em 25 de abril.

A história de Yusheng levou os moradores e a polícia local à acreditar que os adolescentes desaparecidos podem ter sido levados contra a vontade para trabalhos forçados. A Secretaria de Segurança Pública de Kunming enviou policiais para Jinning em 3 de maio para ajudar nas investigações.

Fábricas de tijolos ilegais foram notícias em 2010 quando 24 pessoas foram libertadas de uma olaria ilegal no Condado de Shilin em Yunnan. Em um caso relacionado de sequestro em Jinning, sequestradores pegaram um rapaz e pediram 300 mil dólares de resgate. A polícia local os prendeu em 4 de maio.”

A notícia dos desaparecidos em Jincheng, cidade do Condado de Yunnan, pegou a todos de suspresa. Ninguém na região sabia que, desde 2011, uma série de desaparecimentos estavam acontecendo. A maioria dos moradores não sabiam, mas certamente os familiares das vítimas e a própria polícia de Jincheng sabiam muito bem.

Os primeiros a sofrer com o desaparecimento de um ente querido é a família e, normalmente, a primeira coisa que eles fazem é procurar a polícia. A polícia de Jincheng tinha sim conhecimento dos desaparecimentos, mas, como em centenas de casos que vemos pelo mundo, eles não deram a mínima para eles. Para a polícia, os vários relatos de desaparecimentos de adolescentes na região tinham uma explicação: eles haviam fugido de casa. Adolescentes são revoltados com a vida por isso eles fogem de casa e ponto! A polícia de Jincheng literalmente se recusou a investigar esses casos. E isso não é um comportamento típico chinês não, isso ocorre no mundo inteiro.

No final dos anos de 1990, uma ONG de direitos humanos foi a público cobrar uma posição da polícia canadense sobre o desaparecimento de várias mulheres da região de Low Track na cidade de Vancouver. Desde a década de 1980, dezenas de mulheres estavam desaparecidas. A polícia sempre fez pouco caso dos desaparecimentos achando que as mulheres haviam mudado de cidade, fugido de casa ou até mesmo falecidas e enterradas como indigentes. O desfecho do caso, em 2002, chocou a todos. O desaparecimento das mulheres eram obra do macabro serial killer, Robert William Pickton, um fazendeiro criador de porcos de Port Coquitlam. Pickton matava mulheres em sua fazenda e transformava seus corpos em rações para porcos. O caso teve repercussão internacional e deixou a cidade de Vancouver em pânico já que o serial killer era um produtor de carne suína.

Um caso recente é do serial killer de Long Island em Nova York. Várias prostitutas desapareceram em Nova York na década de 2000. A polícia norte-americana fez pouco caso dos desaparecimentos. Mas quando uma mulher desapareceu em maio de 2010, em sua busca, a polícia encontrou o cemitério de um serial killer. Onze corpos foram encontrados em Long Island. Parece que o local tem sido usado como uma região de desova pelo assassino. A polícia pode ter acordado tarde demais, pois além de começar a investigar os assassinatos muito depois de terem acontecido, o furacão Sandy varreu toda e qualquer evidência que poderia ser encontrada.

Esses são apenas dois, mas posso citar inúmeros outros casos de desaparecimentos, os quais são mau investigados pela polícia e quase sempre não terminam da melhor forma possível.

Na Foto: O adolescente Han Yao. Han desapareceu misteriosamente em 25 de abril de 2012. Após o seu desaparecimento vários jornais chineses começaram a publicar matérias sobre vários outros desaparecimentos na região.

E como em vários outros casos que vemos, uma atitude só começa a ser tomada quando a mídia inicia seus bombardeios de reportagens sobre os casos. E no caso dos desaparecidos em Jincheng não foi diferente. Após a reportagem do jornal chinês Global Times, uma enxurrada de matérias em outros jornais sobre os adolescentes desaparecidos inundou o noticiário chinês. E quando algo do tipo sai na mídia o que acontece? Políticos aparecem para dizer: “Vamos fazer o máximo para resolver a situação!”

E em 3 de maio de 2012, depois da mídia chinesa publicar várias reportagens de homens desaparecidos da região de Jincheng, o Ministério chinês de Segurança Pública enviou uma equipe de investigação ao local. Começava um trabalho de investigação que duraria 20 dias.

Ao chegar em Nanmen, os investigadores, vindos diretos de Pequim, perceberam que os moradores do local estavam em pânico. Eram vários relatos de adolescentes desaparecidos e eles não poderiam ter fugido de casa. Todos trabalhavam com os pais, alguns, como Han Yao, eram universitários. Aquele era um local pacato.

Investigando os desaparecimentos, eles descobriram que o caso poderia ser muito pior do que imaginavam. Desaparecimentos vinham acontecendo não desde 2011, mas desde 2005.

Na Foto: Familiares dos desaparecidos seguram um cartaz com a foto de 5 adolescentes que sumiram da região de Jincheng.
Na Foto: Pais de um adolescente desaparecido em Nanmen seguram um cartaz com a foto e informações de seu filho.
Na Foto: Vários cartazes feitos por pais de adolescentes desaparecidos na região de Nanmen. A polícia local nunca investigou os casos, sempre argumentando que os adolescentes haviam fugido de casa.

O primeiro relato oficial de desaparecimento é do dia primeiro de maio de 2007. Li Hanxiong, 12 anos, ajudava seus pais no campo quando às 09:30h foi para casa ajudar seus irmãos a fazerem o almoço. O caminho era pouco mais de 100 metros adiante, mas o adolescente nunca chegou em casa, ele simplesmente desapareceu como num passe de mágica.

A última a vê-lo foi sua avó.

“A avó o viu entrando pelo milharal, ele tinha apenas 1,45 metros de altura, como o milho era muito alto, a avó o perdeu de vista. Quando chegamos em casa as 11h30 ele não estava lá. Pensamos que tivesse ido até a casa de um tio, ele gostava de ir pra lá para brincar com os primos”, disse seu pai Li Yudong.

Yudong não encontrou seu filho. Fez uma busca pelo local e não encontrou nenhum rastro dele. Às 17:00h ele foi até a delegacia, mas a polícia fez pouco caso.

Mesmo a polícia local fazendo pouco caso do desaparecimento do adolescente, o pai de Hanxiong continuou procurando o filho.

“A polícia disse para eu não me preocupar. Ouvimos coisas sobre tráfico de seres humanos, trabalho infantil. Colamos cartazes em postes e em escolas mas nada. Nós procuramos ele por meses. Gastamos todas nossas economias, cerca de 80 mil yuan (cerca de 20 mil reais) procurando por ele”, disse o pai do garoto.

Na Foto: Li Yudong mostra uma foto do seu filho Li Hanxiong, desaparecido em 01 de Maio de 2007.
Na Foto: Li Yudong mostra uma foto do seu filho Li Hanxiong, desaparecido em 01 de Maio de 2007.

Outro desaparecido, Xie Haijun, 16 anos, sumiu no dia 27 de janeiro de 2011 após sair da escola. O pai do garoto, Xieshun Sheng, passou a noite procurando pelo filho. Rodou locais de jogos eletrônicos na cidade, visitou casas de amigos do filho, mas ninguém havia visto o garoto. Às treze horas do dia seguinte ele reportou o desaparecimento do filho na delegacia e mais uma vez a polícia fez pouco caso. O pai de Haijun resolveu investigar o desaparecimento do filho por conta própria. Ele visitou mais de 30 olarias clandestinas e imprimiu dezenas de cartazes com foto do filho.

“Eu ofereci mil dólares por informações que levassem ao meu filho e 50 mil dólares para quem o trouxesse de volta”, disse Xieshun Sheng.

Chen Tao, 16 anos, desapareceu no dia 30 de setembro de 2011. O garoto trabalhava com os pais em um campo quando simplesmente sumiu.

“Pensamos que ele pudesse ter ido ao banheiro, passou 20 minutos e ele não voltou. Fui até o banheiro e não o vi. Seu telefone estava desligado”, disse a mãe de Chen.

E assim os investigadores iam levantando o número de desaparecidos na região. Em poucos dias eles fizeram uma lista com 17 desaparecidos, a maioria adolescentes:

Na foto: Lista de desaparecidos da região de Nanmen. Desaparecimentos datavam de 2005

 

Na foto: Mãe mostra cartaz do filho desaparecido.
Na foto: Pai de desaparecido segura um cartaz com fotos e informações de adolescentes desaparecidos na região de Nanmen.
Na foto: Familiares de adolescentes desaparecidos seguram folhetos com informações dos filhos.
Na foto: Um dos 17 desaparecidos do vilarejo de Nanmen.

A suspeita principal da polícia era de que os adolescentes foram sequestrados para trabalho escravo em olarias, algo bastante comum na China. Lá, as atividades econômicas que mais utilizam mão de obra forçada são a indústria de tijolos, as minas de carvão e a construção civil. A legislação do país não reconhece homens como vítimas de tráfico ou adultos como vítimas de trabalho escravo. Há evidências de trabalho infantil forçado em fábricas e fazendas, sob pretexto de formação profissional. A extensão do trabalho escravo na China não é clara, em parte porque o governo limita a divulgação de informações. Entretanto, esse caso era incomum (principalmente por causa da mídia), e eles deviam dar uma satisfação aos pais e a todos.

A investigação foi feita de forma secreta, nenhum tipo de informação era divulgado à imprensa, nem mesmo para as famílias dos desaparecidos. Em 23 de maio de 2012, o chefe de polícia de Jincheng juntamente com o delegado de polícia foram demitidos pela falta de empenho nas investigações dos desaparecidos. Pelo menos seis casais relataram para a polícia local o desaparecimento dos seus filhos, mas eles se recusaram a investigar. Mas a pergunta que ficou foi: Será que eles foram demitidos por isso mesmo? Ou teria os investigadores vindos de Pequim descoberto algo aterrador que justificasse as demissões?

E o que começou com a suspeita de sequestro terminaria de uma forma que muitos sequer poderiam imaginar.

Pouco mais de duas semanas após as investigações, os detetives chineses esbarraram em uma casa em Nanmen. E eles pareciam ter encontrado algo por lá, pois a vários dias eles entravam e saiam do local.

Na foto: Os investigadores vindos de Pequim há dias entravam e saiam de uma casa na vila de Nanmen. Na imagem é possível vê-los saindo com sacos plásticos. O que poderiam ter dentro desses sacos? O que eles encontraram dentro dessa casa? Estaria essa ação vinculada aos desaparecimentos de adolescentes na região?

No dia 25 de maio de 2012, o jornalista Eddie Luk do jornal The Standard, de Honk Kong, publicou a seguinte reportagem baseada em notícias que haviam saído em sites de jornais chineses:

Na foto: “Cannibal Horror”, notícia publicada no jornal The Standard, de Honk Kong, no dia 25 de maio de 2012.

“Policiais chineses temem que um assassino canibal comeu ou vendeu a carne de pelo menos 20 pessoas desaparecidas, a maioria garotos, em um horrível banho de sangue na Província de Yunnan. Um homem de 56 anos, Zhang Yongming, foi preso acusado pelo desaparecimento de pelo menos sete adolescentes. A polícia encontrou dezenas de globos oculares humanos preservados em álcool dentro de garrafas de vinho na casa de Zhang, na vila de Nanmen. Eles também encontraram pedaços de carne, que acreditam ser humano, penduradas na casa para secar. Ao longo dos últimos dias a polícia encontrou muitos ossos que acredita-se ser de humanos. Há o medo de que Zhang tenha alimentado seus cachorros com carne humana.

A imprensa de Mainland informou que pelo menos 20 jovens que moravam num raio de dois quilômetros da casa do suspeito desapareceram. O mais recente a desaparecer foi Han Yao. O corpo de Han, que vivia em uma vila perto de Nanmen, foi encontrado na casa do acusado, juntamente com seu cartão telefônico, cartão de crédito e outros documentos.”

O que a polícia chinesa descobriu chocou o mundo. Os desaparecimentos não eram obra de sequestros e sim de um macabro serial killer canibal. Começava ai toda uma ação do governo chinês para acobertar o caso.

No dia seguinte a publicação do jornal The Standard, jornais ocidentais encheram suas páginas com o caso do canibal chinês. Imediatamente, o governo chinês ordenou que todos os relatórios do caso fossem retirados dos sites do país. Pesquisas on line em ferramentas de busca para as palavras “desaparecidos em Yunnan” também foram bloqueados.

Entretanto, depois de quatro dias e devido a repercussão do caso, a China decidiu quebrar o silêncio. A agência oficial de notícias do país, Xinhua (http://xinhuanet.com/), publicou um texto com informações sobre o caso. O texto não fazia nenhuma menção ao canibalismo ou venda de carne humana. Segundo o texto, uma equipe de investigadores havia saído de Pequim para assumir o controle da investigação dos adolescentes desaparecidos na região de Yunnan.

“Uma grande quantidade de evidências físicas e comparações de DNA mostram que Zhang Yongming, da vila de Nanmen, matou 11 homens. Após os assassinatos, Zhang usou vários métodos, incluindo desmembramento, enterro e queima, para destruir as evidências”, dizia o texto.

Ainda segundo o Xinhua, o serial killer atacava suas vítimas enquanto estas caminhavam sozinhas por perto de sua casa. Antes de serem censurados, jornais chineses disseram que, pelo menos, 20 adolescentes que moravam num raio de apenas dois quilômetros do suspeito, sumiram nos últimos três anos. Seis desaparecimentos teriam ocorrido nos últimos 15 meses.

O canibalismo é um assunto delicado na China. Durante sua história, em períodos de fome em massa, o canibalismo foi praticado no país e hoje é um assunto proibido, então não nos surpreende que certas informações sobre o caso fossem censuradas.

Zhang Yongming, O Monstro Canibal

Pouco se sabe sobre Zhang Yongming. O serial killer, nascido em 1956, teve o seu primeiro ataque de fúria aos 18 anos quando tentou matar com uma facada no pescoço seu primo de 16 anos, Lu Shirong.

“Me lembro muito claramente quando ele pegou uma faca enferrujada de cozinha para cortar o meu pescoço, eu instintivamente coloquei minha mão na frente. Meus pais acordaram e ele foi embora”, disse Lu Shirong.

Na foto: Lu Shirong guarda até a hoje a cicatriz do ataque do seu primo, o serial killer canibal Zhang Yongming.

Em 1979, aos 23 anos, Zhang Yongming assassinou e esquartejou um homem. Tudo na China é um mistério, além da precariedade nas investigações, existe ainda o acobertamento de crimes violentos por parte do governo, uma herança do comunismo. Eles não podem dizer ao mundo que crimes horrendos existem por lá, portanto não está muito claro o que aconteceu em 1979. Zhang Yongming foi preso pelo assassinato com requintes de crueldade de um homem, mas há indícios de que, na verdade, ele já era um serial killer desde essa época. Entretanto tenho que escrever o que chega até mim, relatórios “oficiais” dizem que ele foi preso em 1979 pelo esquartejamento de um homem.

Ele foi condenado a morte por esse assassinato, condenação que posteriormente foi revista para prisão perpétua. Mas em 1997, ele foi solto depois de cumprir 19 anos de prisão. Foi parar em Nanmen e em 2005 começaram a desaparecer homens na região.

Na foto: A casa de Zhang Yongming.

Yongming era um solitário que não se relacionava com ninguém. Parece que ninguém nem mesmo ouvira sua voz.

“Eu conheço Zhang. Ninguém na aldeia suspeitava dele. Zhang nunca falava com ninguém, nem mesmo com as pessoas que viviam próximas a ele. Nós costumávamos ver ele todos os dias, mas nunca prestamos atenção nele. Agora, como todo mundo, acho que ele pode ser o responsável pelo desaparecimento do meu filho”, disse Li Yudong, pai de Li Hanxiong.

A China censurou o máximo esse caso. O que sabemos é que Zhang Yongming, oficialmente, assassinou sua primeira vítima na vila de Nanmen em agosto de 2008. Foram quatro anos de matança até ele ser pego em maio de 2012. As primeiras informações davam conta de que, pelo menos, 20 pessoas haviam desaparecido da região desde 2005. A polícia, porém, diz que foram 17 desaparecimentos. Por fim, através de análises de DNA, a polícia conseguiu ligar o serial killer a 11 desses desaparecimentos.

Podemos ter uma ideia do modus operandi do serial killer quando, em dezembro de 2011, Zhang Yongming foi pego enquanto tentava estrangular um adolescente de 17 anos de idade com uma cinta de couro. O moleque berrou e vizinhos apareceram. Os moradores chamaram a polícia, mas Zhang riu do episódio dizendo que ele estava apenas brincando com o menino. Brincadeira de mau gosto, não?

“Relatamos a polícia que ele tentara estrangular um menino mas a polícia simplesmente nos disse que ele tinha problemas mentais,” disse Xie Shunsheng, cujo filho Xie Haijun desapareceu em janeiro de 2011.

Na foto: Peritos chineses escavam o quintal da casa do serial killer Zhang Yongming em busca de restos mortais de vítimas.

Veja abaixo um vídeo da TV chinesa sobre a descoberta dos crimes.

Modus Operandi

Zhang Yongming pegava suas vítimas quando estas tinham o azar de passar pela região onde o serial killer morava. Não se sabe como ele se aproximava das vítimas mas possivelmente ele os espreitava e os surpreendiam por trás. Com uma cinta de couro, ele os enforcavam até desmaiarem. Levava os corpos para sua casa e lá os desossavam. Esquartejava os corpos e separava a carne dos ossos. Os ossos eram colocados em sacos e enterrados no quintal. A carne era dependurada em um local da sua casa para (provavelmente) desidratá-la. Muitas das partes dos corpos eram incineradas. Os globos oculares das vítimas eram removidos e colocados numa garrafa de vinho com álcool. Os horrores desse caso foram escondidos pelas autoridades chinesas, mas vários indícios levam a crer que Zhang consumia a carne de suas vítimas, além de vender nos mercados locais como carne de avestruz.

“Tem tempo que não o vejo vendendo carne, mas ele vendia carne na vila dizendo que era carne de avestruz”, disse Xie Shunsheng.

Na foto: Comerciante de carnes chinês anda pelas ruas vendendo sua mercadoria. Existe a suspeita de que Zhang Yongming vendia a carne de suas vítimas pela vila de Nanmen.

As autoridades chinesas se negam a dar detalhes do caso com a velha desculpa de que isso poderia causar pânico na população.

O Julgamento do Canibal

  • 28 de Julho de 2012

O julgamento de Zhang Yongming começou em 28 de julho de 2012. Os advogados de Zhang afirmaram que ele sofria de distúrbios mentais mas o tribunal considerou-o mentalmente são. Não precisamos pensar muito para saber qual foi o destino de Zhang Yongming. Ele foi condenado a morte pelo tribunal chinês. Ele foi considerado culpado de todas as suas 11 acusações de assassinatos, a maioria adolescentes. De acordo com o site Xinhua, Zhang Yongming não demonstrou qualquer tipo de arrependimento ou remorso e se recusou a pedir desculpas para a família das vítimas.

Na foto: O serial killer canibal Zhang Yongming durante o seu julgamento em julho de 2012.
Na foto: Zhang Yongming durante o seu julgamento em julho de 2012.
Serial Killers - O Monstro Canibal - Zhang Yongming no TribunalNa foto: Zhang Yongming. Créditos: Tianya999.

A polícia chinesa e o tribunal não responderam ao questionamento sobre qual a motivação dos terríveis assassinatos em série cometidos pelo chinês. Apenas informações superficiais foram divulgadas sobre esse caso, o que é uma pena pois poderíamos aprender bastante. Não sabemos, por exemplo, se Zhang sofre de algum distúrbio mental ou se os crimes tiveram conotação sexual, o que é bastante comum em casos envolvendo serial killers.

Com relação ao esquartejamento, o psiquiatra Park Dietz (O Canibal de Milwaukee, 1 Lunático 1 Picador de Gelo) diz que a maioria dos assassinos que desmembram um corpo, o faz por diversos motivos. Pode ser para dificultar a identificação ou para facilitar a desova. Outros fazem como um significado de simbolismo ou também para chocar aqueles que descobrirem ou lerem sobre o crime. Existe, entretanto, aqueles que esquartejam um corpo por razões psicopatológicas.

“Quando o desmembramento reflete perversão, a gratificação sexual por partes do corpo é o foco, mas isso não é limitado pelos genitais ou seios. Pode ser os pés, pernas ou qualquer parte do corpo que é sexualmente significativo para o assassino. Homens que desmembram por razões de perversão sexual são usualmente classificados como sadistas sexuais ou necrófilos, em literaturas antigas, eles também são chamados como necrosadistas ou assassinos de luxúria”, diz o psiquiatra.

Em minha opinião, o caso de Zhang Yongming possivelmente se enquadra na linha dos assassinos que esquartejam por razões psicopatológicas, mas para o governo chinês não! Ele esquartejava os corpos no intuito de destruir evidências e facilitar a desova. 

  • China, 10 de janeiro de 2013

Foi executado hoje, 10 de janeiro de 2013, o serial killer chinês Zhang Yongming.

Apelidado de “O Monstro Canibal”, Zhang Yongming foi preso em maio de 2012 após a polícia fazer uma macabra descoberta em sua casa.

“Hoje ele foi escoltado para um local de execução e executado”, disse com economia de palavras a agência chinesa Xinhua.

Informações

Nome: Zhang Yongming (张永明)

Conhecido Como: O Monstro Canibal

Nascimento: agosto de 1955

Altura: 1,75m

Acusação: Assassinatos em série

Vítimas confirmadas: 11

Captura: maio de 2012

Sentença: Condenado a morte

Período: agosto de 2008 a abril de 2012

Local: Nanmen, Jincheng. Condado de Yunnan. China

Situação: Executado no dia 10 de janeiro de 2013, aos 58 anos

Obs.: Zhang Yongming foi preso em 1979 pelo esquartejamento de um homem e pode estar envolvido em inúmeros outros desaparecimentos não solucionados de Nanmen.



Curta O Aprendiz Verde No Facebook

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
  • http://www.facebook.com/felipe.gamadasilva Felipe Gama Da Silva

    ta virando moda isso =/

  • Tiça

    prefiro que esses chineses continuem comendo humanos do que os 1254654 cachorros que eles matam todos os dias pra se alimentar

    • Niwk

      É? Pensamento “genial” esse seu,não?
      Simplismo é realmente incrível

    • Franco P. Da Rosa

      chineses não comem cachorro…aiai, que pessoal emm.

  • Franco P. Da Rosa

    Nossa, já li uns 5 posts hoje, acho que vou parar agora e terminar de ler este amanhã, coitado dos adolescentes 0,0

  • Stefanie

    E depois de td o governo chinês ainda faz de td para “jogar a sujeira p debaixo do tapete” …

    • Luisgb72

      Pois é, foram rápidos em matá-lo desta vez… Espertos! Calaram a boca dele o quanto antes…

      Só não entendo como alguem que é condenado a morte, tem a pena “diminuída” para prisão perpétua sai da cadeia em 20 anos… Coisas pra se pensar desta vida.. tsc tsc

  • http://www.facebook.com/hasekcoelho.silvio Silvio Jorge Coelho Souza

    Acho que ele simplismente cometia a desova e o esquartejamento,para saciar seu desejo de matar ou seja comsulmar o ato !!!

  • Juliana

    Parabéns ao site, excelentes matérias. Já li muito sobre serial-killers, mas nunca matérias tão completas! Continuem postando!

  • Carolina

    isso é o que ganha um povo que nao tem limites pra ganancia e são de maldade pura. os mesmos que lhes dao as mãos e lhes ajudam amanha estao no fogo assando ou mortos de quaisquer maneiras! Isso é o que eles de fato MERECEM

  • Carolina

    isso é o que ganha um povo que nao tem limites pra ganancia e são de maldade pura. os mesmos que lhes dao as mãos e lhes ajudam amanha estao no fogo assando ou mortos de quaisquer maneiras! Isso é o que eles de fato MERECEM

  • Pingback: Crimes Históricos: 22 Notorios e Horripilantes Crimes de 2012 | Blog O Aprendiz Verde()

  • Maikel Galvão

    Seus textos prendem a atenção do inicio ao fim, parabéns pela qualidade.

  • Pingback: China: Após 28 Anos Polícia Prende Serial Killer Mutilador De Mulheres | Blog O Aprendiz Verde()

DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

Siga-nos no Twitter

Siga-nos no Facebook!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categories

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers