Richard Ramirez, O Perseguidor da Noite

Verão de 1985, Los Angeles, Califórnia. Quando pensamos em Los Angeles, logo vem à cabeça os filmes de Hollywood e as famosas gravadoras musicais que lançaram os maiores músicos...
Richard Ramirez - O Perseguidor da Noite

Richard Ramirez, O Perseguidor da Noite

Verão de 1985, Los Angeles, Califórnia.

Quando pensamos em Los Angeles, logo vem à cabeça os filmes de Hollywood e as famosas gravadoras musicais que lançaram os maiores músicos que este mundo já viu. The Byrds, The Doors, Beach Boys, Van Halen, Metallica e Guns’ N Roses são alguns deles. Se você curte rap, deve saber que 2Pac e Snoop Dog desenvolveram suas carreiras por lá, assim como as teen-idols Miley Cyrus e Hilary Duff. Certamente Los Angeles é a Meca da cultura, berço ocidental da cultura cinematográfica e musical. E talvez seja por isso que quando um serial killer espalhou o terror por lá, em meados de 1985, ganhou status de estrela do crime, uma celebridade.

Esqueçam a tranquilidade e a cara boêmia de Los Angeles. No final do mês de agosto de 1985, pessoas trancavam suas casas e dormiam com revólveres debaixo dos seus travesseiros. Escolas noturnas não funcionavam. O movimento em boates, bares e cinema chegou a zero. Empresas de segurança vendiam como nunca sistemas de alarmes, assim como lojas de armamentos faturavam ao máximo com a venda de armas. Naquele verão, o medo estava nos rostos das pessoas.

Sangue, corpos mutilados, olhos arrancados, símbolos satânicos desenhados nas vítimas. A população reagiu com horror e desespero quando o prefeito da cidade veio a público dizer que a polícia caçava um homem suspeito de, pelo menos, 13 assassinatos. Em outras palavras, havia um serial killer à solta na cidade, e ninguém estava a salvo. Seu medonho retrato falado, divulgado pela polícia, assustava quem passava por bancas de jornal.

E seu nome era Ricardo Muñoz Ramirez, ou simplesmente, Richard Ramirez.

seta

The Nightstalker

The Nightstalker

Logo depois de o seu retrato falado ter sido divulgado na mídia, foi reconhecido por homens de uma banca de jornal. O que se seguiu foi uma das perseguições mais alucinantes da história da cidade. Sete viaturas da polícia e um helicóptero perseguiram Ramirez pelos becos e ruas do oeste de Los Angeles. E não era só a polícia que estava em seu encalço, uma multidão de pessoas se formou, as mesmas que há dias se trancavam em suas casas com medo do Perseguidor da Noite, e correram feito loucas para pegá-lo. Ramirez correu 3 km em 12 minutos, tentou roubar um Ford Mustang vermelho, mas o dono apareceu. Correu mais um pouco e tentou roubar outro carro. Um morador local o derrubou e ambos começaram uma violenta luta corporal. Logo uma multidão de homens cercaria o serial killer. Ele foi espancado pela população com porretes de metal.

Quando a polícia chegou, Ramirez gritava em espanhol: “Dejame en paz! Dejame en Paz!”

Ele agradeceu aos policiais por resgatá-lo.

“Vocês tem o cara! Vocês tem o Perseguidor da Noite!”, gritavam os populares aos policiais.

Acabava ali uma onda de matança até hoje nunca vista em Los Angeles. Era o fim da linha para o homem que destroçou inúmeras famílias e cujos ataques até hoje permanecem sem explicação.

seta

Vítimas

Morre Richard Ramirez, O Perseguidor da Noite - Mei LeungNome: Mei Leung

Idade: 09 anos

Cidade: São Francisco

Morte: 10 de abril de 1984

Obs.: Mei Leung foi encontrada morta no porão do hotel onde morava com a família. Ela foi espancada, estuprada, esfaqueada e seu corpo deixado dependurado pelo pescoço em um cano. O caso só seria desvendado 25 anos depois, após a criação de um banco de dados com amostras de DNA de assassinos. Um teste realizado em 2009 mostrou que o DNA de Richard Ramirez era o mesmo deixado na cena do crime.

Nao possui fotoNome: Jennie Vincow

Idade: 79 anos

Cidade: Los Angeles

Morte: 28 de junho de 1984

Obs.: A aposentada Jennie Vincow foi encontrada morta pelo seu filho no dia 29 de junho de 1984. Ela foi esfaqueada várias vezes e teve sua cabeça parcialmente decepada. No quente verão californiano, a aposentada deixou sua janela aberta e foi por ela que Ramirez entrou. Após assassiná-la, Ramirez a violentou sexualmente.

Morre Richard Ramirez, O Perseguidor da Noite - Dayle OkazakiNome: Dayle Okazaki

Idade: 34 anos

Local: Los Angeles

Morte: 17 de março de 1985

Obs.: Na noite do dia 17 de março de 1985, Richard Ramirez atacou Maria Hernández, 20 anos, quando ela estava no seu jardim. Ramirez deu um tiro na sua cabeça antes de entrar em sua casa. Lá dentro, Ramirez atirou em Dayle Okazaki, 34 anos, que morreu na hora. Maria Hernández sobreviveu ao ataque.

Nao possui fotoNome: Tsai Lian Yu

Idade: 30 anos

Local: Monterey Park, cidade a 16 km de Los Angeles

Morte: 17 de março de 1985

Obs.: Poucos minutos depois de atacar Maria Hernández e assassinar Dayle Okazaki, Ramirez atacou Tsai Lian Yu. Ele a puxou do seu carro e atirou várias vezes. Um policial encontrou Tsai ainda respirando, mas ela morreu poucas horas depois no hospital. Nessa mesma noite Ramirez estuprou e espancou uma mulher de 41 anos.

Morre Richard Ramirez, O Perseguidor da Noite - Vincent Zazzara, Maxine ZazzaraNome: Vincent Zazzara e Maxine Zazzara

Idade: 64 e 44 anos

Local: Los Angeles

Morte: 27 de março de 1985

Obs.: Em 27 de março de 1985, Richard Ramirez assassinou o empresário Vincent Zazzara, 64 anos, e sua mulher Maxine Zazzara, 44 anos. O corpo de Vincent foi encontrado com uma bala na cabeça na sala de estar da casa do casal. Maxine teve o corpo mutilado por dezenas de facadas. Seus olhos foram removidos e levados por Ramirez. Ele também talhou a letra “T” abaixo do seio esquerdo de Maxine.

William DoiNome: William Doi

Idade: 65 anos

Local: Monterey Park

Morte: 14 de maio de 1985

Obs.: Ramirez invadiu a casa de William e Lillie Doi em 14 de maio de 1985. Ele atirou na cabeça de William e estuprou e espancou selvagemente sua mulher com um martelo. William Doi conseguiu ainda e dar um telefonema para o serviço de emergência americano, mas morreu antes que os paramédicos pudessem chegar. Sua mulher incrivelmente sobreviveu ao ataque. Veterano da Segunda Guerra Mundial, o L.A. Times reportou na época que o neto da vítima entrou em estado de choque ao saber da morte do avô. “Sua ligação para a polícia, enquanto morria, foi o que salvou sua esposa”, relata a reportagem.

Nao possui fotoNome: Mabel Bell

Idade: 84 anos

Local: Monrovia, cidade da grande Los Angeles

Morte: 01 de junho de 1985

Obs.: Duas semanas após atacar o casal Doi, Ramirez invadiu a casa de duas idosas, Mabel Bell, 84 anos, e sua irmã deficiente Florence Lang, 81 anos. Ramirez espancou as duas senhoras violentamente e então desenhou símbolos satânicos pela casa e na perna de uma delas. Mabel Bell morreu horas depois, mas sua irmã sobreviveu – com sequelas.

Nao possui fotoNome: Carol Kyle

Idade: 41 anos

Local: Burbank, cidade da grande Los Angeles

Ataque: 30 de maio de 1985

Obs.: “Acorde vadia!” Gritou Ramirez para Carol Kyle, quando esta dormia em sua cama. Desesperada, Carol implorou que Ramirez não fizesse nada com seu filho, que dormia no quarto ao lado. Ramirez algemou o garoto e o colocou dentro do armário. Jogou Carol na cama e a estuprou repetidamente. Quanto mais a machucava mais Ramirez sentia prazer. Após o estupro ele ainda a parabenizou dizendo que, apesar da idade, ela era boa de cama. “Você tem sorte, deixarei você viver. Eu matei um monte de pessoas que você conhece”, disse Ramirez antes de ir embora.

Nao possui fotoNome: Mary Louise Cannon

Idade: 75 anos

Local: Arcadia, Los Angeles

Morte: 02 de julho de 1985

Obs.: A aposentada Mary Cannon morava sozinha no subúrbio de Los Angeles quando, em 02 de julho de 1985, foi assassinada por Richard Ramirez. A senhora dormia em sua cama quando Ramirez atingiu sua cabeça com um abajur. Com a mulher inconsciente, o serial killer a degolou. A essa altura, investigadores do Departamento de Homicídios de Los Angeles já sabiam que estavam à procura de um serial killer. O corte na garganta das vítimas e impressões digitais deixadas nas cenas dos crimes indicavam que era um mesmo homem.

Morre Richard Ramirez, o Perseguidor da Noite - Joyce Lucille NelsonNome: Joyce Lucille Nelson

Idade: 61 anos

Local: Monterey Park

Morte: 07 de julho de 1985

Obs.: A aposentada Joyce Nelson dormia em frente da televisão em sua sala de estar, quando acordou com Richard Ramirez apontando uma arma calibre .22 para sua cabeça. Ele a agarrou pelos cabelos e puxou para o quarto. Ela tentou lutar e isso deixou Ramirez furioso. Ele a derrubou no chão e a espancou até ela ficar inconsciente. Em seguida, ele a arrastou para outro quarto e chutou seu rosto com tanta força que a marca do seu sapato, Avia, ficou impressa no rosto da vítima. Ela morreu pouco depois, em decorrência do espancamento.

Na Foto: O casal Maxson e Lela Kneiding.

O casal Maxson e Lela Kneiding.

Nome: Maxson Kneiding e Lela Kneiding | Idade: 68 anos e 66 anos | Local: Glendale, Los Angeles

Morte: 20 de julho de 1985 | Obs.: O casal Maxon e Lela Kneyling foram mortos no dia 20 de julho de 1985 no bairro de Glendale, Los Angeles. O ataque ao casal foi tão brutal que especialistas tiveram dificuldade em recriar os movimentos do assassino na cena do crime. Acredita-se que Ramirez os tenha matado de forma rápida, com tiros na cabeça. O corpo de Maxson foi brutalmente mutilado, sua cabeça ficou presa ao corpo apenas por uma tira de pele. Os corpos foram mutilados após a morte. Existe a possibilidade de que Ramirez tenha deixado Lela Kneyling viva enquanto ele mutilava o corpo do seu marido.

Nome: Chainarong Khovananth

Idade: 32 anos

Local: Sun Valley, cidade da grande Los Angeles

Morte: 20 de julho de 1985

Obs.: Na mesma noite em que matou o casal Kneiding, Richard Ramirez dirigiu até Sun Valley, cidade do entorno de Los Angeles, e invadiu a casa da família de imigrantes tailandeses Khovananth. “Não faça nenhum barulho vadia ou eu te mato!”, disse ele para Somkid Khovananth. Paralisada de medo, a mulher ficou no sofá enquanto ele se dirigiu até o quarto onde seu marido, Chainarong Khovananth, dormia. Ramirez encostou sua arma na cabeça de Chainarong e disparou, matando-o na hora. “Não faça joguinhos estúpidos comigo vadia. Cadê o anel?”, perguntou ele para Somkid quando notou que ela havia retirado seu anel de casamento. Ele a levou para o quarto e a estuprou na cama junto de seu marido morto.

Elyas AbowathNome: Elyas Abowath

Idade: 35 anos

Local: Los Angeles

Morte: 08 de agosto de 1985

Obs.: Elyas Abowath foi morto em sua casa no dia 08 de agosto de 1985. Ramirez invadiu a casa do empresário e o matou com um tiro na cabeça. A mulher de Elyas foi brutalmente espancada e estuprada. Dois dias antes, Ramirez havia atirado nas cabeças de Christopher Petersen, 38 anos, e sua mulher, Virginia Petersen, 27 anos. Milagrosamente, os dois sobreviveram. Após o assassinato de Elyas Abowath, o prefeito de Los Angeles veio a público dizer que havia um serial killer à solta. The Night Stalker foi o apelido que ele ganhou. Em 25 de agosto de 1985, Ramirez invadiu a mansão do engenheiro de computação Bill Carns e deu três tiros em sua cabeça. Espancou e violentou sua namorada. Milagrosamente, Bill Carns sobreviveu, mas com sequelas permanentes que o deixaram inválido.

Na Foto: Representante do governo, Ed Edelman, ao centro, concede placas aos cidadãos que capturaram Richard Ramirez.

Representante do governo, Ed Edelman, ao centro, concede placas aos homens que capturaram Richard Ramirez.

Na Foto: Richard Ramirez, ao centro, com seus advogados, Randall Martin, à direita e Daro Inouye, a esquerda, no Tribunal de São Francisco. Créditos: Associated Press.

Richard Ramirez, ao centro, com seus advogados, Randall Martin, à direita e Daro Inouye, a esquerda, no Tribunal de São Francisco. Créditos: Associated Press.

Em sua primeira aparição no tribunal, Ramirez levantou a mão com um pentagrama desenhado e gritou:

“Ave, Satã!”

A maratona do seu julgamento, que terminou em 1989, foi um show de horrores no qual os jurados tiveram que ouvir como Ramirez arrancou os olhos de uma vítima, a cabeça de outra… Pessoas no tribunal choraram quando os sobreviventes de alguns ataques testemunharam. O juiz chegou a dizer que os ataques, sem motivo aparente, estavam “além de qualquer compreensão humana.”

O julgamento de Ramirez levou um ano, mas todo o processo foi atolado por petições, prejulgamentos e recursos, e durou ao todo 4 anos, tornando-se um dos maiores casos criminais da história dos Estados Unidos. Devido à notoriedade do caso, mais de 1.600 jurados foram chamados. Durante o julgamento, Ramirez ficou em silêncio, mas às vezes colocava os dedos em riste ao lado da cabeça, imitando chifres, dizia obscenidades ao juiz e gritava diabo, diabo, …”

Como não poderia deixar de ser macabro, uma das juradas foi assassinada pelo namorado. Alguns dos outros jurados ficaram com medo, acreditando que, de alguma maneira, Ramirez havia arquitetado sua morte, mas depois foi provado que ele não teve relação com o crime. Antes de ouvir o veredito, disse em seu testemunho:

“Eu estou além da sua experiência, eu sou além do bem e do mal. Eu serei vingado. Lúcifer habita dentro de todos nós. Você não me entende e não pode. Estou além da sua compreensão.”

Ao ouvir o veredito de pena de morte, murmurou para os fotógrafos: “Mal”.

Ao ser levado em um ônibus para a prisão, zombou dizendo:

“Grande coisa. A morte sempre é a solução. Vejo vocês na Disneilândia.”

Na Foto: Richard Ramirez é fotografado após receber a pena de morte. Créditos: Associated Press.

Richard Ramirez é fotografado após receber a pena de morte. Créditos: Associated Press.

Como acontece com muitos assassinos famosos, Richard Ramirez tinha uma legião de fãs. Inclusive, uma de suas imagens mais famosas é ele flertando com uma fã que acompanhava seu julgamento. Mulheres acompanhavam seus passos e mandavam bilhetes de amor. Em 1996, ele casou com uma dessas mulheres, a jornalista Doreen Lioy, 41 anos, em uma sala de visitas na prisão de San Quentin.

Na Foto: Richard Ramirez e sua esposa, Doreen Lioy, durante o casório em 1996. Créditos: Associated Press.

Richard Ramirez e sua esposa, Doreen Lioy, durante o casório em 1996. Créditos: Associated Press.

Na Foto: A esposa de Ramirez, Doreen Lioy, é fotografada após casar com o serial killer na prisão. Créditos: Associated Press

A esposa de Ramirez, Doreen Lioy, é fotografada após casar com o serial killer na prisão. Com um QI de 152, Doreen Lioy era editora de uma revista independente e formada em língua inglesa. Sua virgindade foi algo que chamou a atenção de Ramirez. Créditos: Associated Press.

Em 2008, uma análise de DNA desvendou um mistério de mais de 20 anos. Em 10 de abril de 1984, Mei Leung, 9 anos, foi assassinada no porão de um hotel em um bairro residencial de São Francisco. Sua morte ficou sem solução por mais de 20 anos. Com a criação de um sofisticado banco de dados com amostras de DNA de assassinos, a polícia teve uma surpresa. Richard Ramirez era o assassino de Mei Leung. 

Richard Ramirez passou os últimos 24 anos preso. Na última sexta-feira, 07 de junho de 2013, o serial killer foi encontrado morto em sua cela. Ele tinha 53 anos. As autoridades americanas disseram que a causa da morte foi insuficiência hepática. De acordo com uma matéria do The New York Post, o auto-proclamado satanista, um dia antes de morrer, exibia uma medonha cor verde. “Ele estava verde. Ele parecia como um marcador verde”, diz a matéria.

Ramirez aguardava a execução no corredor da morte havia mais de duas décadas. Embora ele tenha falecido de insuficiência hepática, a causa exata da doença não foi revelada. Uma sobrinha de Ramirez, Shelly Ramirez, disse ao Los Angeles Times que até o fim de sua vida o serial killer realmente acreditava ser o filho de Satã. E foi esse sinistro ingrediente, o satanismo, que mais contribuiu para sua áurea de rock star do crime. Mas a pergunta que não quer calar: seria Richard Ramirez realmente o filho de Satã?

Richard Ramirez, filho de Satã ?

Para compreender melhor Richard Ramirez e sua fascinação pelo satanismo e o macabro, precisamos examinar mais do que sua vida, precisamos examinar também o momento em que sua onda de assassinatos aconteceu.

Em 1985, durante o mesmo período da onda de assassinatos de Ramirez, explodiu um surto de cultos satânicos pelos Estados Unidos, muito em virtude do macabro caso da pré-escola McMartin, ocorrido dois anos antes. O pavor de satanistas e “conspirações malignas” se acumulou tanto, que milhares de pessoas começaram a procurar terapias, alegando que foram vítimas de rituais satânicos secretos. Todos os relatos mostravam elementos em comum, contudo, não havia nenhuma evidência de tais acontecimentos, histeria coletiva em outras palavras. Esses sintomas semelhantes nada mais eram do que psicossomáticos. Nada de mais até aí, o problema surgiu quando a mídia resolveu tirar proveito desses acontecimentos e gerou um circo de horrores sobre o assunto. Os satanistas passaram a ser sinônimo de medo (como nos velhos tempos), fazendo profissionais da área de psiquiatria acabar por levar o assunto a sério. Aí pronto, o medo estava em todos os lugares.

Muitos assassinos da época aproveitaram para vestir a roupa do satanismo como justificativa para os crimes. E Richard Ramirez foi um deles. Mas a pergunta é: Ele acreditava mesmo no Diabo?

Sempre sorrindo em suas aparições em público, com um olhar intimidador, e sem demonstrar remorso, o Perseguidor da Noite parecia levar o satanismo a sério. Mas as aparências podem enganar, e nesse caso é um tanto quanto complicado chegar a uma resposta definitiva.

Quando anoitecia, Ramirez se vestia de preto e entrava nas casas de vítimas em potencial pronto para o ataque. Às vezes ele retirava os olhos delas, como se fosse algo ritualístico. Chegou a espancar duas irmãs idosas, e acabou desenhando símbolos considerados satânicos nas coxas das mulheres. Também repetiu esse processo desenhando, com batom, pentagramas nas paredes das casas das vítimas. Seria uma mensagem, ou estaria apenas aproveitando o pavor que os cultos satanistas geraram na época?

Ao ser preso, Ramirez alegou ser um servo do Diabo, enviado para cometer o trabalho sujo do Senhor das Trevas, Satã. Sim, com essas palavras, como todos sabem.

Esse ato teria sido, de alguma forma, um preparatório para alegar insanidade na defesa, ou como já questionado, seria algo que Ramirez de fato acreditava? Foi essa crença que o levou a cometer tais assassinatos? Para tentar responder a tantas perguntas, vamos rever alguns dos fatores influentes de sua vida que têm sido comumente ligados ao desenvolvimento de seu temperamento violento. Richard Ramirez nasceu em El Paso, Texas, em 1960. Era o caçula de cinco filhos, um menino tranquilo, de acordo com os vizinhos (sempre dizem isso, não?), com pais que trabalhavam arduamente. No entanto, o pai de Richard tinha um temperamento forte e muitas vezes chegou a espancar os filhos. O modelo de abuso na imagem paterna muitas vezes pode ser um mau começo para uma criança, especialmente para um menino em fase de crescimento que tem o pai como modelo de conduta. Acrescente isso a possíveis abusos de um professor dos tempos da escola, e pronto: Richard Ramirez teve dois modelos masculinos que o denegriram de todas as formas possíveis.

Ramirez tinha muito medo de seu pai, e costumava sair de casa para passar as noites num cemitério próximo de sua casa, e este pode ter sido o começo do seu gosto pelo macabro. Estar rodeado de mortos lhe era mais seguro, mais tranquilo e mais satisfatório do que estar em sua casa.

O psicólogo forense Dr. NG Berrill apontou que a melhor forma para se superar um medo é:

“Identificar-se com o que lhe causa medo, tornando-se uma pessoa que causa medo.”

Analisando a infância de Ramirez, podemos ter uma noção de que ele guardou muita raiva dentro de si e, com o abuso físico do pai, e sexual do professor, sua visão sobre o mundo e sobre como lidar com as pessoas se distorceu completamente. O medo que sentia pode ter sido um dos picos para sua explosão futura. Mas esses não seriam os únicos fatores. Mais do que um criminoso, Ramirez se tornou de fato uma pessoa assustadora, passando pela transição de vítima a algoz. No entanto, levaria essa transformação a outro nível. Ele não queria apenas assustar as pessoas, queria mutilá-las, degradá-las, e irradiar pavor.

Outro tópico a ser levado em conta sobre sua infância é que Ramirez sofria de convulsões epilépticas, e isso era visto como uma fraqueza na cultura sulista da época. Foi obrigado a desistir do futebol, e acabou por se tornar uma pessoa solitária na escola. Era magro e tinha uma aparência muito feminina, podendo muito bem ter sido alvo de chacota; então, mais uma vez, estamos diante de Ramirez sendo humilhado, desta vez publicamente.

No entanto, sempre foi uma pessoa ambiciosa. Ele queria ser notado. Queria que o conhecessem e queria fazer a diferença, mas escolheu o caminho errado para isso.

Com o passar do tempo, seu primo mais velho, Mike, seria sua figura paterna. O problema é que Mike não era lá a figura paterna ideal. Ramirez passou a ver seu primo como uma pessoa superior, principalmente quando o tal retornou dos males do Vietnã repleto de tatuagens, e com filosofias de vida um tanto quanto macabras. O problema, na verdade, foi quando Mike passou a mostrar fotos de corpos massacrados no Vietnã, incluindo mulheres estupradas (pelo próprio Mike). O primo se gabava pelas pessoas que tinha matado e mulheres que havia estuprado, e ainda disse que matar o fazia sentir-se como um Deus, e que não havia nada mais poderoso do que aquilo. Ramirez pode ter ficado chocado a princípio, mas com a infância que teve, acabou mostrando ao primo que poderia lidar com essas coisas.

A maior problemática dessa situação específica é que a exposição de Ramirez às atrocidades de Mike aconteceu num momento de sua vida em que ele estava desenvolvendo seu caráter como jovem; com os hormônios e o passado disfuncional, as imagens em polaroid que Mike mostrara acabaram por ser associadas à excitação física, tornando-se erotizadas. Parte das fantasias de Ramirez. Tais fantasias podem ter preparado o terreno para o que viria mais tarde. Ramirez tinha visto inúmeras vezes fotos de mulheres em situações humilhantes, sendo estupradas nas mais diversas posições, e mulheres que ele sabia que tinham sido mortas por seu primo. Ele viu como seu grande ídolo era capaz de cometer tais atos sem escrúpulos, e para ele isso deveria ser sinal de como se tornar um homem de verdade. Sem dúvida, Ramirez ficou animado com as mulheres nuas em posições sexuais e, provavelmente, aprendeu que as mulheres poderiam ser facilmente usadas como objetos de degradação. Além disso, Mike também ensinava a Richard a arte da caça. Eles iam ao deserto à noite para observar os animais. Mike mostrava a Ramirez como se matava um animal, com uma faca ou uma arma, e certamente esse esporte é um espetáculo de aspectos bem sangrentos.

Mike tornou-se um modelo para Ramirez, e tudo o que Mike fazia sem medo, Ramirez queria fazer também. Mas o pico do iceberg ainda estava por vir.

Certo dia, Mike entrou numa briga com sua esposa, pois estava desempregado, e sua forma de resolver a briga foi puxar um revólver e atirar nela, a completo sangue frio. Ramirez estava presente nesse momento e Mike pediu que ele se retirasse. Por esse crime, a figura paterna de Ramirez foi para uma instituição mental, julgado como insano.

Na Foto: O primo de Richard Ramirez, Mike. Créditos: Documentário The Night Stalker

O primo de Richard Ramirez, Mike. Créditos: Documentário The Night Stalker.

Alguns psicólogos identificam este assassinato como o ponto de partida para Richard Ramirez. Mesmo não sendo cometido por ele, a visão das imagens dos mortos do Vietnã, mais as aulas de caça e a infância conturbada foram um combo. O mais curioso disso tudo é que ele não disse a ninguém que testemunhou o crime, tornando-se cúmplice. Viu seu grande ídolo assassinar a própria esposa e permaneceu calado, como quem consente.

Não demorou para que Richard Ramirez descobrisse uma Igreja Satânica, que parecia desenhar todas as linhas de seu temperamento no timing perfeito para tudo o que havia presenciado. Os temas de dominação, controle e poder chamaram sua atenção, fazendo tudo aquilo lhe parecer sagrado, mesmo que representasse o mal. Tudo isso pode ter feito com que Ramirez deixasse de lado seus sentimentos de fraqueza. A humilhação em casa, na escola, e a descoberta de que poderia ser uma pessoa forte. Uma pessoa assustadoramente forte.

Aos 18 anos, mudou-se para a Califórnia. Sem um futuro em mente, ficava roubando carros, ouvindo músicas de rock pesado e se aproveitando de oportunidades, sejam elas quais fossem. Ele roubava sem remorso e comprava drogas. Sempre na busca por algo que o tornasse alguém importante, mesmo perdido dentro de si mesmo.

Ao notar aquela cultura satânica em torno de si, notadamente o caso da pré-escola McMartin, em que professores foram presos (1983) acusados de ser um grupo satânico que corrompia crianças, Ramirez percebeu como as pessoas tinham medo do Diabo, e para ele aquela foi a oportunidade ideal para enfim se tornar a pessoa que queria ser. Alinhando-se com o Princípe das Trevas, cultivou as vestimentas comuns do satanismo que eram populares durante os anos 70 e 80, usando pentagramas, roupas pretas, olhos demoníacos, formas furtivas e uma propensão para saídas noturnas. Influenciado pela música Night Prowler, da banda de heavy metal AC/DC, e observando o medo que as pessoas tinham dele, enfim, sentiu-se em total controle.

Ele, então, perpetuou sua terrível onda de assassinatos. Ramirez certamente queria fazer um nome para si mesmo, mas ser mais um serial killer não era o suficiente, visto que havia muitos pela década de 80, e que inclusive mataram muito mais do que ele. Ele percebeu que tinha que se diferenciar deles e, para isso, aproveitou a famosa e repetida fala de ser a encarnação do Diabo. Em uma audiência preliminar, Ramirez mostrou o pentagrama que tinha tatuado na palma de sua mão.

Na Foto: Richard Ramirez é fotografado durante uma das audiências em 1985. Créditos: Associated Press.

Richard Ramirez é fotografado durante uma das audiências em 1985. Créditos: Associated Press.

Quando foi condenado, e seus advogados alertaram que ele poderia obter a sentença de morte, alegou:

“Eu vou estar no inferno, então, com Satanás.”

Ramirez viu os artigos de jornal que falavam sobre ele como a personificação do Diabo e entendeu que era enfim uma espécie de celebridade. Quanto mais mostrava o pentagrama, ou falava sobre servir Satanás, mais ganhava espaço na mídia. Passou a usar óculos escuros para aumentar a sua aparência mística, aparentemente abraçando a ideia de que era, de fato, um monstro.

Na Foto: Richard Ramirez, durante seu julgamento. Créditos: Biography Channel

Richard Ramirez, durante seu julgamento. Créditos: Biography Channel.

Até mesmo durante o seu julgamento, quando uma jurada foi assassinada, o incidente fez outros jurados ficarem curiosos se havia possibilidade de Ramirez ter convocado demônios. As pessoas de fato estavam com medo, e Ramirez abusou disso, principalmente intimidando-os individualmente com seu olhar.

As crenças de Ramirez pareceram ter caído como uma luva para sua ambição de ser único e famoso. É difícil saber até que ponto ele sinceramente estava cultuando o Diabo. No entanto, é provável que o seu desejo de matar, assim como a maneira como executou as vítimas, não tenha passado de influência psicológica do seu primo, junto com a noção de que a morte o tornava um Deus.

Veja Uma Entrevista com o Perseguidor da Noite

Informações:

Morre Richard Ramirez, O Perseguidor da Noite - MugshotNome: Ricardo Muñoz Ramirez

Conhecido como: O Perseguidor da Noite

Características: Mutilação, necrofilia, satanismo

Nascimento: 29 de fevereiro de 1960. El Paso, Texas

Morte: 07 de junho de 2013 (53 anos)

Causa da Morte: Insuficiência hepática

Acusações: 13 assassinatos, 5 tentativas de assassinatos, 11 estupros e 14 assaltos

Vítimas: 14 confirmadas

Pena: pena de morte

Captura: 31 de agosto de 1985

Local: São Francisco, Los Angeles. Estados Unidos



Fontes Consultadas: LA Times, New York Times, Crime Library, Daily Mail, CNN, Murderpedia.

Colaborou com esta matéria:

anastacia
enrique<

Revisão por:

hellen

Curta O Aprendiz Verde No Facebook


"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

Siga-nos no Twitter

Siga-nos no Facebook!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categories

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers