Reportagem Retrô: Sentença a um assassino: cortado em 100 pedaços

Reportagem Retrô é uma coluna do blog O Aprendiz Verde que traz reportagens, matérias e artigos antigos publicados em algum lugar do nosso tempo-espaço. Trazer essas matérias é uma...
Javed Iqbal

Javed Iqbal deixa o tribunal

Sentença a um assassino: cortado em 100 pedaços

Reportagem Retrô é uma coluna do blog O Aprendiz Verde que traz reportagens, matérias e artigos antigos publicados em algum lugar do nosso tempo-espaço. Trazer essas matérias é uma forma de resgatarmos o passado e, por um instante, ter um vislumbre daquele registro de época.

A reportagem retrô de hoje foi publicada no periódico inglês The Guardian há 13 anos atrás, e é sobre a sentença proferida a um dos piores serial killers do século passado.

Sentença a um assassino: cortado em 100 pedaços

  • Publicado numa sexta-feira, 17 de março de 2000, no periódico inglês The Guardian

Um homem acusado de assassinar 100 crianças, foi condenado ontem por um juiz paquistanês a ser estrangulado com uma corrente de ferro, cortado em pedaços, e dissolvido em ácido, na frente dos pais das vítimas.

A terrível sentença do pior serial killer da história do Paquistão veio depois de um julgamento onde Javed Iqbal, 38 anos, primeiramente admitiu os assassinatos, produzindo até mesmo um diário dos seus crimes, antes de retirar sua confissão. “Javed Iqbal foi considerado culpado de 100 assassinatos. A sentença é a que ele deve ser estrangulado 100 vezes. Seu corpo deve ser cortado em 100 pedaços e colocado em ácido, assim como ele fez com suas vítimas”, disse o Juiz Alah Baksh no tribunal de Lahore.

O juiz, aparentemente guiado pela lei Sharia Islâmica, ordenou que a pena de morte seja realizada no Minar-i-Pakistan, um monumento nacional localizado num grande parque de Lahore.

O ministro do interior paquistanês, Moinudeen Haider, criticou a sentença. “Isso será contestado no tribunal superior. Tais punições não são permitidas”, disse ele. O advogado de Iqbal disse que irá recorrer.

Embora a lei Sharia regule alguns aspectos da vida do Paquistão, incluindo a proibição de álcool e leis sobre a blasfêmia, ela não diz nada sobre punições públicas. A pena de morte no Paquistão é executada privativamente dentro das prisões.

Um menino de 17 anos foi sentenciado a morte como cúmplice e outros dois homens acusados no caso receberam penas de 14 anos de reclusão.

O horror dos assassinatos de Iqbal emergiu em dezembro quando ele escreveu uma carta anônima para a polícia alegando o assassinato de crianças que posteriormente eram dissolvidas em ácido dentro de sua casa. “Eu já matei 100 crianças de rua e coloquei seus corpos em um contêiner”, disse ele na carta.

A polícia encontrou tanques de ácido em sua casa, além de ossos humanos que pertenciam a dois corpos e uma pilha de roupas infantis.

Apesar da caçada, Iqbal enganou a polícia durante um mês. Ele só foi preso depois de se entregar no escritório de um jornal local. “Eu sou Javed Iqbal, assassino de 100 crianças. Eu odeio esse mundo, eu não tenho vergonha de minha ação, e eu estou pronto para morrer. Eu não tenho arrependimentos. Eu matei 100 crianças”, disse ele ao se entregar.

Iqbal disse que as mortes eram uma vingança pelo tratamento brutal que recebeu da polícia após uma prisão no passado.

Ele escreveu um diário de 32 páginas detalhando os abusos sexuais e os assassinatos. Ele, inclusive, tirava fotografias das crianças.

Fotos e filmagens de TV de pais chorando sobre as pilhas de roupas infantis recuperadas de sua casa atordoaram a sociedade paquistanesa, que começou a questionar a preocupação dos mais ricos com a vasta classe pobre. Algumas das vítimas estavam desaparecidas a mais de seis meses, e mesmo assim os pais não relataram os desaparecimentos à polícia.

No mês passado, Iqbal retirou sua confissão e se declarou inocente, dizendo que havia inventado a história para trazer à tona a questão de crianças desaparecidas. Ontem ele repetiu que era inocente. Nenhum outro corpo foi encontrado.

Javed Iqbal, reportagem do Zero Hora

Reportagem publicada no mesmo dia no jornal Zero Hora de Porto Alegre. Imagem compartilhada por Lucy Schmitt.


Nota do Aprendiz: O psicanalista Roberto Gomes, em seu artigo “Violência e crime”, escreveu sobre a pena de Iqbal: “Esta notícia parece confirmar que quanto mais atrasada a cultura, mais cruel a punição e mais crua a racionalização… O homem primitivo reage primitivamente às injúrias e impõe ao criminoso o mesmo castigo que é sugerido pelo sentido da injúria”.

A terrível pena do serial killer paquistanês não chegou a ser cumprida, pois Iqbal suicidou-se em sua cela em 8 de outubro de 2001.

A reportagem do The Guardian foi publicada no dia 17 de março de 2000. A matéria original pode ser acessada clicando no link a seguir: Killer’s sentence: cut into 100 pieces

Você tem alguma sugestão para a coluna Reportagem Retrô? Possui alguma revista ou jornal antigo com alguma matéria que acredita ser interessante para publicação? Então não deixe participar! Faça já sua sugestão!

“Eu poderia ter matado quinhentos, isso não era um problema. Mas a promessa que fiz foi de matar cem crianças.

[Javed Iqbal)]



Curta O Aprendiz Verde No Facebook

“Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.” (Platão)

Deixe o seu comentario:
  • Bianca Rodrigues

    onde estar este livro??

    • O Aprendiz Verde

      Que livro?

  • Idêmia

    Que homem mais louco! Promessa a quem, a si mesmo?

DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

O Aprendiz Verde no Whatsapp!

OAV no Whatsapp

Siga-nos no Twitter

Siga-nos no Facebook!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categorias

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Blogs Brasil

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers