George Stinney, inocente ou um assassino brutal?

Um velho galpão de armazenamento, meio engolido pelo mato, brilha no sol do nebuloso inverno em frente à Igreja Missionária Batista de Green Hill. Isso é tudo que restou...
George Stinney, inocente ou um assassino brutal?

George Stinney - Inocente ou um Assassino Brutal - Capa

George Junius Stinney

Um velho galpão de armazenamento, meio engolido pelo mato, brilha no sol do nebuloso inverno em frente à Igreja Missionária Batista de Green Hill. Isso é tudo que restou da próspera serraria e madeireira ao redor da qual Alcolu, uma cidade rural na Carolina do Sul, foi construída.

Há setenta anos, quando brancos e negros não se misturavam, Green Hill era conhecida como “a igreja negra”, enquanto a Igreja Batista de Clarendon, do outro lado da ferrovia, era “a igreja branca”. Aqueles que conseguem se lembrar dos terríveis eventos que se desenrolaram neste lugarzinho, na primavera e verão de 1944, eram crianças na época, e suas memórias estão moldadas por esta mesma segregação racial que dividia a comunidade em duas.

Da igreja de Green Hill são apenas alguns minutos a pé, através de um campo arado e cheio de palha de milho até a cova rasa na mata onde os corpos de duas garotas – ambas brancas – Betty June Binnicker, 11 anos, e Mary Emma Thames, 7 anos, foram encontrados lado a lado. Os assassinatos chocaram a população, cuja maioria participou das buscas pelas meninas um dia antes. As garotas estavam colhendo flores quando foram seguidas, atacadas e agredidas de maneira tão brutal que seus crânios foram despedaçados. Os corpos foram encontrados no lado negro da cidade. Mary tinha uma laceração de 5 cm acima da sobrancelha direita e uma laceração vertical sobre a esquerda, de acordo com um relatório médico de 1944: “Ambas são irregulares e profundas e há um buraco indo direto da cavidade craniana até outro na testa. O osso frontal logo acima da órbita direita está definitivamente quebrado”, diz o relatório, acrescentando que há, também, duas áreas laceradas e com hematomas no topo da cabeça que parecem ter sido causadas por um martelo. “Há uma fratura exposta do crânio abaixo de cada uma delas.”.

Em Betty “havia evidências de pelo menos sete golpes na cabeça”, os quais, como os ferimentos de Mary, aparentavam serem produtos de “um instrumento pesado e com uma ponta pequena e arredondada, com o tamanho aproximado de um martelo. Alguns deles (golpes), apenas fraturaram o crânio, enquanto dois deles criaram buracos bem definidos no crânio. A parte posterior do crânio não é nada além de uma massa de ossos esmagados”, diz o documento.

Enquanto o médico legista notou que não havia sinais de violência sexual no corpo de Mary, havia algum inchaço na genitália de Betty e um “ligeiro hematoma”. O hímen de ambas as garotas estava intacto, de acordo com o relatório.

George Stinney - Inocente om Assassino Brutal - Betty June Binnicker

Na foto: Betty June Binnicker, morta aos 11 anos em 23 de Março de 1944. Foto: The Observer.

George Stinney - Inocente om Assassino Brutal - Familiar segura foto de sua família com Mary Emma Thames.

Na foto: Familiar segura retrato de sua família com a pequena Mary Emma Thames (à direita), morta aos 7 anos. Foto: The Observer.

Alguém deveria ser pego por este crime hediondo e logo as suspeitas recaíram sobre um garoto negro de 14 anos chamado George Stinney Jr. Stinney foi preso após participar das buscas às garotas brancas e ter comentado com alguns presentes que havia visto-as um dia antes. O que aconteceu depois lançou uma extensa sombra sobre a cidade, sobre o estado da Carolina do Sul e sobre a família Stinney. A polícia disse que o garoto confessou os crimes e, apesar de não haver evidência física, ele foi acusado de duplo homicídio, julgado, condenado e executado pelo Estado – tudo isso em menos de três meses. George foi a pessoa mais jovem a ser executada nos Estados Unidos no século 20. Seus irmãos – três deles ainda vivos –, acreditam que sua confissão foi forçada e que ele foi o bode expiatório de uma comunidade branca buscando vingança. Setenta anos depois, eles clamam por justiça. Os advogados de Aime Ruffner, Katherine Robinson e Charles Stinney, irmãos de George, entraram no final de 2013 com um pedido legal para que o veredito seja anulado. Os advogados dizem que o garoto foi coagido e que Stinney tinha um álibi, sua irmã Aime Ruffner, que alega ter estado com ele quando os assassinatos ocorreram. Tal evidência não foi apresentada no julgamento. Na verdade, segundo aqueles que acreditam na inocência do garoto, o que se seguiu foi a farsa de um julgamento no qual a defesa de Stinney não interrogou nenhuma testemunha e não apresentou nenhuma evidência ou testemunho em favor dele.

Além do álibi, os advogados que representam os irmãos apresentaram outra nova evidência, apreciada por um tribunal em Janeiro de 2014: o depoimento do reverendo Francis Batson, que encontrou as garotas e as retirou da cova inundada. Em seu depoimento, ele relembra que não havia muito sangue dentro ou ao redor da cova e isso sugere que elas podem ter sido mortas em outro lugar e levadas para lá. Um assassino branco certamente saberia que se ele despejasse as garotas no lado negro da cidade, logo uma multidão cega culparia o primeiro homem de cor que passasse por eles.

Aime Ruffner, hoje com 77 anos, viúva e matriarca de três gerações de Stinneys, cujas fotos enchem as paredes de sua casa de madeira de três andares em Newark, Nova Jersey, disse que jamais retornou a Alcolu desde que o pai deles foi demitido do emprego na madeireira e a família expulsa da cidade no dia em que seu irmão foi levado. “Eu nunca voltei lá. Eu amaldiçoei aquele lugar. Foi a destruição da minha família e a morte do meu irmão”. Ela jamais esquecerá a última vez em que viu George vivo; ela tinha oito anos na época. Escondida no galinheiro e meio paralisada de medo, ela viu quando dois carros pretos pararam na casa da família. Nem a mãe deles, uma cozinheira também chamada Aime, nem o pai, que também se chamava George, estavam em casa quando policiais brancos entraram e levaram o garoto e seu meio-irmão, Johnny, algemados. Johnny foi libertado depois. Ela adorava George e o seguia por toda parte. Ele a chamava de sua sombra.

Lembrando de suas últimas palavras a George, Aime diz: “Eu disse, ‘George, você vai me abandonar? Aonde você vai?’, e ele me disse para encontrar Charles e Katherine e dizer-lhes que ele tinha sido levado. Eu nunca mais o vi novamente até ele estar num caixão. Isto é algo que eu sempre vou rever em minhas memórias. O rosto dele estava queimado.”.

A confissão de Stinney foi testemunhada pelo oficial que o interrogou. Nem os pais dele, nem um advogado estavam presentes. Mais tarde, ele negou a confissão. Toda a documentação referente à confissão foi perdida. Nenhuma testemunha ou evidência que pudesse incriminá-lo foi apresentada durante o julgamento, que terminou em menos de três horas. O júri, inteiramente branco, o condenou num piscar de olhos, em 10 minutos, e ele foi sentenciado a “ser eletrocutado até que seu corpo esteja morto, de acordo com a lei. E que Deus tenha piedade da sua alma”, segundo os documentos do tribunal.

George Stinney - Inocente om Assassino Brutal -library.albany.edu

Na foto: George Stinney fichado pela polícia da Carolina do Sul. Foto: library.albany.edu

George Stinney - Inocente om Assassino Brutal - Prisao

Na foto: George Stinney (segundo a partir da direita) na prisão. Foto: library.albany.edu

São escassas as provas documentais deste caso, mas os jornais noticiaram que, por causa da sua pequena estatura, 1,57m, e pesando apenas 40 kg, os guardas tiveram dificuldades em prendê-lo na cadeira elétrica, já que ela fora construída para condenados muito maiores. As presilhas da cadeira ficaram frouxas e livros foram colocados no assento para que sua cabeça pudesse alcançar os eletrodos. Quando o interruptor foi acionado e os primeiros 2.400 volts atravessaram o seu corpo, Stinney convulsionou e a máscara, grande demais, caiu do seu rosto, revelando lágrimas que caíam dos seus olhos arregalados e apavorados. Uma segunda e uma terceira carga se seguiram. Ele foi declarado morto em 16 de junho de 1944.

Do momento em que foi levado até o seu julgamento em 24 de abril, o garoto não foi autorizado a ver seus pais. Eles tiveram permissão para visitá-lo apenas uma vez, na penitenciária de Columbia, após o seu julgamento. Eles retornaram convictos da inocência do garoto, mas como negros pobres do sul, tinham poucos recursos. “Minha mãe chorava e rezava”, diz Aime numa reportagem do The Guardian. “Nós queríamos que a verdade aparecesse. Mas, às vezes, quando você não possui os meios nem o dinheiro, você aceita as coisas como elas são. A NAACP (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor) tentou impedir aquilo, mas não deu certo. Naqueles tempos, se você fosse branco, estava certo, se fosse negro estava errado”.

Aime e seus irmãos, ainda vivos, Charles, que tinha 12 anos, e Katherine, que tinha 10, cresceram com duas certezas: que seu irmão era inocente e que eles não podiam mudar o passado. Em documentos legais submetidos à nova apreciação, Charles Stinney contou como toda a família foi mergulhada no medo após George ter sido levado e o pai deles ter sido demitido. Em meio a rumores sobre uma multidão enfurecida, eles tiveram que deixar a cidade rumo à casa da avó, perto de Pinewood, e, mais tarde, para Sumter.

Seus pais ficaram desamparados, relembra Charles. “Eles não tinham dinheiro, a lei estava contra eles e eles eram negros no sul dos Estados Unidos em 1944”. Linchamentos eram raros nos anos de 1940, mas as lembranças da justiça popular nos anos 20 e antes disso eram amargas. Um a um, os irmãos Stinney mudaram para o norte e se estabeleceram em Nova Iorque e Newark. Eles raramente falavam sobre o ocorrido e só recentemente deram um testemunho detalhado.

Charles, 83 anos, viúvo e pai de cinco filhos, deixou Sumter para integrar à Força Aérea antes de se tornar bispo da Igreja do Senhor Jesus Cristo, em Brownsville, Brooklyn, um dos bairros mais carentes de Nova Iorque. Ele passou a vida inteira tentando deixar tudo para trás; segundo ele, para “parar de remexer velhas feridas”.

Como religioso, Charles acredita que Deus sabe a verdade sobre seu irmão, um garoto sociável que reunia amigos para cantar junto com o rádio no quintal. “Nada o trará de volta e nada trará aquelas garotas de volta”, diz ele. Entretanto, “é importante limpar o nome dele”. E assim os irmãos, setenta anos depois, começaram a se mexer para limpar o nome de George. Inicialmente, Aime requisitou a ajuda de um advogado e escreveu uma carta para Oprah Winfrey, mas ambas as tentativas foram infrutíferas. O catalisador da ação legal veio através de George Frierson, um historiador local e membro do Conselho de Administração Escolar de Clarendon, que nasceu em Alcolu e frequentou a escola primária quando a madeireira ainda estava em funcionamento. Frierson começou a investigar o caso em 2004, após um pequeno artigo num jornal local lembrá-lo daquilo. Frierson disse que quanto mais pesquisava, mais se convencia da inocência de George. Ele afirma que havia pouco sangue na cova, evidência de que as garotas foram mortas em outro lugar. “Um garoto de 40 kg não pode carregar dois cadáveres por quatrocentos metros ou mais. Aquelas garotas foram agredidas brutalmente. Devia haver um monte de sangue”. Seu trabalho chamou a atenção de Steve McKenzie e Matt Burgess, advogados brancos da Coffey, Chandler & McKenzie, que assumiram o caso da família Stinney.

McKenzie enviou solicitações ao promotor do condado em Outubro de 2013 para pedir que o veredito de George seja anulado. Ele, Burress e Miller Shealy, um professor de processo penal na Charleston School of Law, apresentaram novas evidências que incluem testemunhos juramentados de Charles e Aime de que estavam com George no dia em que as garotas desapareceram. Wilford Hunter, que esteve na prisão com George, também testemunhou que o adolescente havia lhe contado que foi forçado a confessar. “Eu não fiz isso, eu não fiz isso’”, Hunter se lembra de Stinney ter lhe dito, “ele disse ‘por que eles me matariam por algo que eu não fiz?’”

Aime diz que sua história não foi alterada em setenta anos, apesar de durante a audiência ela ter sido acusada pelos promotores de não lembrar detalhes de um depoimento que tinha dado em 2009. Ela disse que os eventos de 24 de março de 1944, quando ela e George cruzaram com as garotas, eram tão claros na mente dela porque “nenhum branco passava” para o lado negro da cidade. Ela e George estavam sentados nos trilhos da ferrovia quando as garotas se aproximaram e perguntaram se eles sabiam onde encontrar maypops, um tipo de flor silvestre. Eles responderam que não e elas partiram. “Nós não vimos mais aquelas garotas, mas alguém as seguiu e as matou”.

Ela insiste no fato de que a confissão de George foi arrancada à força: “Eles fizeram-no confessar e o documento dessa confissão sumiu. Por que meu irmão confessaria algo que não fez?” A confissão, se é que um dia foi redigida ou assinada, desapareceu, bem como a transcrição do julgamento.

George Stinney - Inocente om Assassino Brutal - George Frierson na ferrovia onde Stinney viu as vitimas - Sean Rayford

Na foto: O historiador George Frierson na ferrovia onde Stinney e sua irmã viram as vítimas. Através do trabalho de Frierson a família Stinney entrou com um pedido na justiça americana para que o julgamento de George seja anulado. Foto Sean Rayford.

Tentativas de anular o veredito têm encontrado resistência em meio à comunidade branca de Alcolu. Sadie Duke, uma moradora da cidade, disse ao jornal local em janeiro de 2014 que, na véspera dos assassinatos, George teria dito a ela e uma amiga “Se vocês não derem o fora daqui e se um dia voltarem, eu vou matar vocês”. Outro morador local, que tinha 15 anos na época, disse que George era conhecido por ser brigão.

Perguntada se ela reconhecia essa faceta do irmão, Aime responde: “As únicas crianças brancas que vieram para a nossa área foram aquelas meninas. Nós tínhamos nossa própria escola e igreja negras. Nós não andávamos com gente branca”. Membros da comunidade negra de Alcolu dizem que é improvável que, na cidade segregada, qualquer criança negra ameaçasse uma criança branca sem que houvesse repercussões e retaliações.

No entanto, voltando a 1995, WL Hamilton, professor de George no sétimo ano, que é negro, contou ao jornal Item que ele tinha um temperamento forte e que havia brigado com uma garota na escola, cortando-a com uma faca. Aime disse que ligou para Hamilton após ler a história. “Aquele bastardo. Aquilo era uma mentira desgraçada. Quando eu soube da mentira que Hamilton havia contado, telefonei para ele. Disse que meu nome era Aime Stinney e que ele havia dito que meu irmão era um garoto mau. Você está com um pé na casca de banana e o outro indo direto pro inferno.”.

Aime Ruffner

Na foto: Aime Ruffner segura uma imagem do seu irmão. Aime e George foram as últimas pessoas a verem as vítimas com vida. Foto: The Observer.

A família de Betty nunca se mudou para muito longe de Alcolu. Em março último, Frankie Bailey Dyches, sobrinha de Betty, ajudou a organizar uma reunião de familiares e conhecidos para combater o que ela afirmou ser uma falsa impressão de George Stinney. Ela e sua prima Carolyn Geddings, ambas com 62 anos, cresceram com o sofrimento de suas mães, irmãs mais velhas de Betty, e seus avós Daisy e John Binnicker. Para elas, a confissão de George e uma declaração manuscrita feita por um policial do condado de Clarendon afirmando que ele havia confessado e os levado até a arma do crime – uma estaca de metal da ferrovia que media 40 cm –, são provas suficientes da sua culpa. “Parece que um pobre garoto negro foi atropelado por pessoas brancas, mas não foi assim”, disse Dyches. “Estou cem por cento convencida de que ele fez aquilo. Os relatos que nós ouvimos são de que ele era um garoto tímido e acanhado, mas ele era um brigão e ele era mau”, disse ela, citando alegações de um policial da época e outros. Ela questiona as lembranças da família Stinney, a motivação dos advogados e o momento da apelação. “Por que agora? Por que não nos anos 60, quando o movimento dos direitos civis estava começando? Por que não nos anos 70 ou 80? Um deles era professor. Não é porque eles não tiveram educação.”.

Os pais de Betty já haviam perdido um filho, Harold, quando ele tinha seis anos, e depois de Betty, perderam um terceiro – um filho que morreu servindo na guerra da Coréia –. De acordo com a família, eles nunca se recuperaram. Carolyn acrescentou: “Por Betty ter sido morta de maneira tão horrível, foram tempos terríveis para todos eles.”.

As primas insistem que não houve elemento racial no julgamento e condenação de George. Mas elas discordam sobre o ponto de o Estado estar ou não certo em executá-lo. “Eu sou uma defensora da pena de morte se você está cem por cento certo e eu acredito que ele fez aquilo”, disse Frankie. Carolyn é mais simpática à ideia de que erros graves foram cometidos no caso. Ela disse que George devia ter tido direito a um advogado ou um dos pais com ele durante seu interrogatório e jamais deveria ter sido condenado à morte. “Eu me sinto mal pela família dele, todos eles”, disse Carolyn. “Eles tiveram que viver com aquilo, da mesma forma que nós. Minha mãe, Vermelle, não achava que ele devia ter sido eletrocutado. Ela acreditava que por causa da idade ele não devia ser. A esta altura, após todos esses anos, se as leis judiciais não foram justas, então fico feliz com isso. Espero que a família possa encontrar alguma paz nisso.”.

Nos arquivos do estado da Carolina do Sul em Columbia, um grosso arquivo oferece uma visão da indignação que a futura execução de um menor causou na época. Centenas de cartas e telegramas insistiam para que o Governador, Olin Johnston, comutasse a sentença em prisão perpétua. Alguns citaram um caso recente de um garoto branco de 16 anos de Parish Island que havia recebido uma sentença de 20 anos por estupro e assassinato. Outros imploravam para que houvesse uma nova investigação e um novo julgamento. Muitos falavam da guerra, em que brancos e negros estavam lutando e morrendo em igual quantidade pelo seu País. Johnston, que na época concorria ao senado americano, foi irredutível. Em uma carta datada de 14 de junho, dois dias antes da execução, Johnston escreveu para uma pessoa chamada VM Ford, de Myrtle Beach, que havia pedido clemência. Ele disse: “pode ser interessante para você saber que Stinney matou a garota menor para estuprar a maior. Então ele matou a garota maior e estuprou o cadáver dela. Vinte minutos depois, ele retornou e tentou estuprá-la de novo, mas o corpo dela estava frio demais. Tudo isso foi admitido por ele próprio.”. Isso era um boato da época e foi desmentido pelo exame físico necrológico, que não apontou indício de estupro em nenhuma das vítimas.

Johnston não era o único que estava concorrendo a um cargo. Charles Plowden, defensor público designado para defender George, também estava concorrendo a uma vaga na Câmara. Duas confissões conflitantes de George foram apresentadas como evidência durante o julgamento, de acordo com os registros. No primeiro, ele dizia que foi abordado pelas garotas, que o atacaram após ele ter tentado ajudar uma delas, que havia caído numa vala, e as atacou em legítima defesa. Na segunda versão, ele havia seguido as garotas até a mata e primeiro atacado e ferido mortalmente Mary Emma, para “tirá-la do caminho” e então perseguido Betty e a atacado. O tribunal admitiu a legitimidade da “possibilidade” de estupro, apesar da falta de evidências. Os relatórios médicos dizem que embora houvesse um ligeiro inchaço e um leve hematoma na genitália externa de Betty, os hímens das duas meninas estavam intactos.

O advogado dos irmãos de Stinney Matt Burgess acredita que a confissão de George foi alterada para servir aos interesses da acusação: “A confissão mudou para juntar os elementos. A arma do crime mudou. Era um pedaço de ferro, depois uma estaca e então uma estaca de ferrovia. Aquilo mudou de forma a beneficiar a acusação. Em 1944, um menino negro de 14 anos interrogado por policiais brancos… eles provavelmente puseram diferentes situações diante dele. Acho que ele simplesmente respondeu ‘sim, senhor’ várias vezes.”.

No tribunal do condado de Sumter, em janeiro de 2014, a juíza Carmen Mullen ressaltou que o trabalho dela não era estabelecer a culpa ou a inocência de George Stinney, que “pode muito bem ter cometido este crime”, mas determinar se ele recebeu ou não um julgamento justo. Ela disse “ninguém pode justificar um garoto de 14 anos acusado, julgado, condenado e executado em apenas 80 dias”. As injustiças, disse ela, incluem uma testemunha que descobriu os corpos das vítimas tendo a permissão de comandar o interrogatório do legista; um julgamento que durou menos de um dia; um defensor público que não arrolou nenhuma testemunha, não fez nenhuma pergunta durante os interrogatórios, ofereceu pouca ou nenhuma defesa e não fez nenhuma apelação. A juíza concluiu: “essencialmente, muito pouco foi feito por esta criança enquanto sua vida estava por um fio.”. Até o presente momento, ela não emitiu sua decisão final.

George Stinney - inocente ou um assassino brutal - Aime Ruffner - tribunal

Na foto: Aime Ruffner durante audiência por um novo julgamento do irmão em Janeiro de 2014. Foto: Boston Globe.

John Douglas, ex-agente do FBI e especialista em traçar perfis criminais, diz em seu site que sem sombra de dúvidas o caso deve ser reaberto: “George era negro. As duas garotas eram brancas. Nenhuma das vítimas sofreu abuso sexual. Nenhum motivo plausível foi apresentado no tribunal.”. Douglas ainda contesta a declaração de Chip Finney, atual promotor do condado, que disse a uma emissora local que “o fato que importa é que isto aconteceu e ocorreu por causa de um sistema de justiça legal que estava em vigor e que, até onde sabemos, baseados nos registros, funcionava corretamente.”. Desmentindo o promotor, Douglas cita alguns casos da época, onde homens negros foram falsamente acusados e condenados pela justiça por matarem brancos. “Será que as pessoas de bem da Carolina do Sul considerariam a execução de um garoto branco dessa idade?”, questiona Douglas. Sugerir que afro-americanos recebiam tratamento igual ou pelo menos justiça adequada durante o longo pesadelo da era de segregação racial é ingênuo e moralmente obtuso. “Será que o Sr. Finney acha que uma deliberação de dez minutos feita por um júri inteiramente branco após um julgamento de três horas poderia possivelmente representar um sistema legal que ‘funcionava corretamente’?”, pergunta Douglas.

Douglas diz ainda em seu texto que se alguma pessoa não acredita que vale a pena enfrentar os fantasmas da injustiça do passado, o racismo e o ódio, então isso é tolice. “Se você não acha que fazer as pazes com a escravidão e os horrores que a seguiram é um processo necessário e que vale a pena, então isso é tolice. Estudar, revisitar, e ensinar às gerações atuais sobre uma época e lugar em que uma justiça igualitária era um mito vazio para uma parcela significativa do povo, bem, isso não é tolice”, ele conclui.

A população de Alcolu encolheu de 1.700 em 1944 para 400 nos dias de hoje. Aime disse que não guarda rancor no coração “de nenhum homem, mesmo aqueles que mataram meu irmão. Sinto muito pelas famílias que perderam aquelas pequeninas. Eles perderam suas filhas e eu perdi um irmão. Isso dói. Mas para pessoas se sentarem e formarem um julgamento da forma que fizeram? Eletrocutarem ele? Eles o queimaram. Foi uma morte horrível para uma criança”.

Abaixo o filme completo Carolina Skeletons, baseado no caso.

70 Anos Depois: Inocente!

  • Post atualizado em 20 de Dezembro de 2014

A família de George Stinney Jr., a mais jovem pessoa a ser executada nos EUA, pode, enfim, dormir com a consciência limpa. Essa semana o jovem garoto de apenas 14 anos, eletrocutado em 1944 pelo brutal assassinato de duas garotas brancas, teve sua condenação anulada.

A juíza Carmen Mullen disse que a velocidade com que o estado dispensou a justiça contra o menino foi chocante e extremamente injusta. Para ela, o caso Stinney foi uma das “maiores injustiças” da história do país.

Uma decisão sobre o caso era esperada desde Janeiro deste ano, quando os irmãos ainda vivos de Stinney pediram um novo julgamento. A juíza disse que é “altamente provável” que o garoto negro tenha sido coagido pelas autoridades.

Com a anulação do julgamento de 1944, Stinney passa a ser inocente – mas continua suspeito -, já que seria necessário um novo julgamento para provar ou não sua culpa.

Carmen Mullen disse que o anulamento da sentença foi tomada porque o Tribunal da Carolina do Sul falhou em garantir um julgamento justo em 1944.



Fontes consultadas: CNN (New trial sought for George Stinney, executed at 14); The Guardian (George Stinney was executed at 14. Can his family now clear his name?); Mindhunters (The Ghosts of the Past)

Esta matéria teve colaboração de:

Tradução por:

marcus

Revisão por:

Curta O Aprendiz Verde No Facebook


"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
  • Bia

    Gente não entendo q até hoje não tiveram a curiosidade de descobrirem o verdadeiro assassino!

    • Deivid

      Seria bem difícil, provavelmente depois que Stinney morreu o caso foi dado como encerrado, por isso, não houve mais investigações. E não existe nenhuma pista de nenhum outro suspeito pelas mortes.

  • Vitor

    Deve existir um lugar especial no inferno para os desgraçados que colaboraram com essa farsa nojenta que culminou com a morte do garoto. Isso se o diabo aceitar eles lá. Até pra ir para lá existe limite.

  • Leon Gutemberg

    Claro né que ele foi condenado se fosse branco duvido se iria ser condenado, teve uma vez que eu estava andando na rua uns policiais me pararam e me revistaram perguntando se eu ja tinha sido preso , eu tava vindo de um evento da igreja detalhe com tanta gente na rua so pararam eu engraçado isso e o pior o policial ficou falando muita besteira ai eu falei pucha minha ficha criminal entao quero ver vc provar que eu ja fui preso

  • Fernando Mendes

    Só lembrando que ainda há motivos para suspeitar de que ele tenha realmente assassinado as meninas. Ele não era um santo por ser “pretinho”. A cor da pele de uma pessoa não o torna santo. Ele foi e ainda é suspeito porque tinha uma má reputação de ameaçar pessoas de morte, segundo o professor dele, eles teria realmente tentado matar uma menina. Não vamos cair no mesmo erro dos que dirigiram o julgamento inicial, usando a cor da pele do suspeito para determinar se é inocente ou culpado. Também existem muitos brancos que foram julgados de forma injusta. Tentar inocentar somente pessoas negras executadas e desconsiderar outros casos de injustiça é racismo também.

    • Axel Müller

      Dann wird die Farbe nicht alles mein Freund sagen, das ist ein Junge, der legal auf dem elektrischen Stuhl hingerichtet wurde und dass seine Sprache, die von seiner nennen ihn schwarz ist reine Rassismus, weil Sie keine moralische, es zu sprechen haben.

      • Chester Ferreira

        WHAAATTTT?

    • Marcelo De Oliveira Soares

      Além dele qual outro é suspeito? Ridícula essa sua falácia. Ele tentou matar uma menina e não foi preso por tentativa de homicídio nos EUA racista? KKKKKKKKKKKKK conta outra que essa é velha. E o processo que sumiu e a confissão desaparecida. Você é apenas mais um racista vulgar e asqueroso típico do Brasil.

      • Fernando Mendes

        Eu baseei meu comentário em um estudo honesto e profundo desse caso. Em relatórios do caso na época. Eu fiz uma INVESTIGAÇÃO do assunto, em diversas outras fontes. Ele é suspeito da morte delas sim. Você achou o comentário ridículo mas isso é só sua opinião; diferente do meu comentário que não foi opinião e sim o resultado de uma pesquisa. Vá estudar antes debater comigo, ok?

        • Marcelo De Oliveira Soares

          Debater com eleitor de Aécio? Kkkkkkkkkkkkkkkk prefiro fazer algo útil.

    • Deivid

      Evidentemente q o julgamento foi cem por cento contra ele, E mesmo que anulado, não o torna inocente. Mas as ”evidências” que o condenaram a morte são quase nulas, mesmo que ele tenha matado as garotas, Não existia praticamente nada que o incriminasse.

  • Lucimara V Vaz
  • Deivid

    A polícia sabia que provavelmente nunca encontraria o verdadeiro criminoso( se Stinney for realmente inocente), E como forma de ”acalmar” a maior parte da população da época, forçou as confissões do garoto, destruiu documentos, enfim, realizaram um julgamento extremamento controverso.

DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

Siga-nos no Twitter

Siga-nos no Facebook!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categorias

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Blogs Brasil

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers