Jack, o Estripador desmascarado? Exames de DNA revelam identidade do mais famoso serial killer de todos os tempos

É o maior mistério criminal de todos os tempos, um quebra-cabeça que tem intrigado criminologistas por mais de um século. Essa história gerou livros, filmes e inúmeras teorias que...
Aaron Kominski - Jack o Estripador
Jack, o Esripador Desmascarado - Exames de DNA revelam identidade do mais famoso serial killer da historia

Na foto: Cena do filme “From Hell” (2001).

É o maior mistério criminal de todos os tempos, um quebra-cabeça que tem intrigado criminologistas por mais de um século. Essa história gerou livros, filmes e inúmeras teorias que vão desde o plausível até o absolutamente bizarro.

Mas agora, graças à ciência forense moderna, a identidade do mais famoso serial killer da história pode ser revelada. Pelo menos é o que afirma Naming Jack The Ripper, de Russell Edwards, livro que será lançado daqui há dois dias (em 9 de Setembro).

Jack o Estripador foi um serial killer responsável por, pelo menos, cinco brutais assassinatos de prostitutas no bairro de Whitechapel, oeste de Londres, durante o outono de 1888.

Segundo Edwards, exames de DNA mostraram além de qualquer dúvida razoável que o segundo principal suspeito da Scotland Yard na época dos crimes era Jack o Estripador.

O xale vestido por Catherine Eddowes, uma das vítimas do Estripador, foi analisado e uma amostra contendo o seu DNA, assim como a do assassino, foi encontrada.

A descoberta foi feita após o empresário Russell Edwards, 48, ter comprado o xale em um leilão. O empresário teve ajuda do renomado especialista em genética, Dr. Jari Louhelainen. Usando técnicas de ponta, o Dr. Louhelainen foi capaz de extrair o DNA de 126 anos e compará-lo com o DNA de descendentes de Eddowes e do suspeito, obtendo uma combinação perfeita.

A revelação põe fim à febril especulação sobre a real identidade do Estripador. No século que se seguiu a seus crimes, uma variedade de mais de 100 suspeitos foi levantada, incluindo o neto da rainha Victória, o Príncipe Albert Victor, Duque de Clarence, o pintor pós-impressionista Walter Sickert, e até o ex-Primeiro Ministro William Gladstone.

Saiba mais sobre a incrível descoberta nas próprias palavras de Russel e do Dr. Louhelainen.

seta

Identificando Jack o Estripador

Naming Jack The Ripper, por Russel Edwards

Foi em Março de 2007, em uma casa de leilões em Bury St. Edmunds, que eu vi pela primeira vez o xale encharcado de sangue. Apesar de suas manchas, era muito mais bonita do que qualquer outro artefato ligado a Jack, o Estripador. Era em sua maior parte azul e marrom escuro, com um delicado padrão de margaridas Michaelmas – vermelho, ocre e dourado – em cada extremidade.

Dizem ter sido encontrado perto do corpo de uma das vítimas do Estripador, Catherine Eddowes, e embebido em seu sangue. Não havia nenhuma prova de sua origem, embora após o leilão eu tivesse obtido uma carta de seu dono anterior alegando que um antepassado policial era o seu dono original. O tal policial havia estado na cena do crime.

Eu sabia que queria o xale e estava preparado para pagar uma grande soma em dinheiro por ele. Eu esperava de alguma forma provar que era genuíno. Além disso, eu não tinha considerado as possibilidades. Eu certamente não tinha ideia de que esta peça frágil, incompleta e bastante manchada, levaria à solução do mais famoso mistério criminal de todos os tempos: a identificação de Jack, o Estripador.

Jack o Estripador - Corpo encontrado

Na foto: Gravura de época mostra policiais encontrando uma das vítimas do Estripador em Whitechapel, Londres. Créditos: Mary Evans Picture Library.

Quando o meu envolvimento no caso de 126 anos começou, eu era apenas mais um detetive de poltrona, interessado o suficiente para conduzir a minha própria e extensa pesquisa após assistir ao filme de Johnny Depp, From Hell, em 2001. O filme despertou minha curiosidade sobre as cinco – possivelmente mais – mortes em 1888; prostitutas que foram assassinadas no oeste de Londres.

Apesar dos esforços maciços por parte da polícia, o autor dos crimes conseguiu escapar, gerando o mistério que tem alimentado inúmeros livros, filmes, programas de TV e passeios em Whitechapel. Teorias sobre sua identidade tem sido praticamente ilimitadas, com todos, desde o príncipe Albert Victor, Duque de Clarence, até Lewis Carroll. Com o passar do tempo, o nome Jack, o Estripador tornou-se sinônimo do próprio Diabo, e seus crimes definiram um horrível padrão.

Eu entrei para o exército daqueles fascinados pelo mistério e pesquisar sobre o Estripador tornou-se um hobby. Eu visitei os Arquivos Nacionais em Kew para examinar ao máximo os documentos originais, e fiz o que muitos autores de livros sobre Jack não se preocuparam em fazer. Eu estava convencido de que devia existir alguma coisa, em algum lugar, que havia sido perdida.

Em 2007, seu senti que havia esgotado todas as vias até que li um artigo de jornal sobre a venda de um xale ligado ao caso Estripador. Seu dono, David Melville-Hayes, dizia que a peça era posse de sua família desde o assassinato de Catherine Eddowes, quando seu ancestral, o Sargento Amos Simpson, pediu aos seus superiores para ficar com o xale para dar à sua mulher, uma costureira.

Incrivelmente, o xale ficou guardado e nunca foi lavado, passando da bisavó de David, Mary Simpson, para sua avó, Eliza Smith, até sua mãe, Eliza Mills.

Em 1991, David o doou para o Museu do Crime da Scotland Yard, onde foi guardado, em vez de exibido (devido à falta de provas de sua real proveniência). Em 2001, David recuperou-o, sendo exibido na conferência anual sobre o caso. Um teste forense no xale foi realizado para um documentário do Channel 5, em 2006, usando um cotonete para retirar uma amostra aleatória do xale. O teste foi inconclusivo.

A maioria dos especialistas no caso Estripador não deram importância quando a peça foi a leilão, mas eu acreditava que ali tinha algo que ninguém havia percebido e que ligava ao Estripador. O xale é estampado com margaridas Michaelmas. Hoje, a festa cristã de Michaelmas (termo derivado do nome da Festa de São Miguel e Todos os Anjos, que cai em 29 de Setembro) é arcaica, mas nos tempos vitorianos era comum.

Eu descobri que havia duas datas para a festa: uma da Igreja Cristã Ocidental, em 29 de Setembro, e outra da Igreja Ortodoxa Oriental, em 8 de Novembro. Como um raio, eu percebi que as datas coincidiam com as noites das duas últimas datas de homicídio. Vinte e nove de Setembro, a noite do duplo assassinato: Elizabeth Stride e Catherine Eddowes; e 8 de Novembro, data do último e mais terrível dos assassinatos, o de Mary Jane Kelly.

Na foto: Russell Edwards segura o xale supostamente encontrado ao lado do corpo de uma das vítimas de Jack, o Estripador. Créditos: Ian Mcilgorm.

Na foto: Russell Edwards segura o xale supostamente encontrado ao lado do corpo de uma das vítimas de Jack, o Estripador. Créditos: Ian Mcilgorm.

Ponderei que não fazia sentido Eddowes possuir um xale tão caro se ela era uma mulher pobre que no dia anterior à sua morte havia penhorado os seus sapatos. Mas poderia o Estripador ter levado o xale consigo e deixado-o ao lado do corpo como uma pista obscura da próxima data que ele planejava atacar? Foi só um palpite, e isso não provava nada, mas me fez partir em minha jornada.

Antes de comprá-lo, falei com Alan McCormack, o oficial encarregado do Museu do Crime, também conhecido como Museu Negro. Ele me disse que a polícia sempre acreditou que sabiam a identidade do Estripador. O inspetor-chefe Donald Swanson, o oficial encarregado da investigação na época, havia nomeado o homem em suas notas: Aaron Kosminski, um judeu polonês que fugiu para Londres com sua família para escapar dos progroms russos, no início da década de 1880.

Kosminski sempre foi um dos três principais suspeitos. Ele é muitas vezes citado como sendo um barbeiro de Whitechapel, esta ocupação foi escrita em sua admissão em um asilo em 1890. O que é certo é que ele estava seriamente doente da cabeça, provavelmente um esquizofrênico paranoico que sofria de alucinações auditivas, além de um misógino propenso ao “auto-abuso” – um eufemismo usado na época para masturbação.

McCormack disse que a polícia não tinha provas suficientes para acusar Kosminski, apesar dele ter sido identificado por uma testemunha, mas o manteve sob vigilância 24 horas por dia até ele dar entrada em asilos psiquiátricos onde ficaria o resto da vida. Me convenci de que Kosminski era o nosso homem, e eu estava animado com a perspectiva de provar. Eu tinha certeza de que a ciência moderna seria capaz de produzir evidências reais a partir das manchas no xale. Depois de alguns falsos começos, eu encontrei um cientista que poderia ajudar.

Dr. Jari Louhelainen é um dos principais especialistas do mundo em evidência genética retirada de cenas de crimes históricos. Ele combina seu trabalho como professor de biologia molecular na Universidade John Moores em Liverpool com trabalhos de casos antigos não solucionados para a Interpol, além de outros projetos. Ele concordou em conduzir testes no xale durante seu tempo livre.

Os testes começaram em 2011, quando Jari utilizou análise fotográfica especial para estabelecer o que realmente as manchas eram.

Usando uma câmera infravermelha, ele foi capaz de me dizer que as manchas escuras nada mais eram do que sangue, consistente com o sangue arterial jorrado de uma artéria cortada – exatamente o tipo de morte sombria que havia sofrido Catherine Eddowes.

Mas a próxima revelação foi de parar o coração. Revelados por uma fotografia UV, um conjunto de manchas fluorescentes apareceram e, segundo Jari, tais manchas eram características do sêmen. Eu nunca esperei encontrar evidências do próprio Estripador, então foi emocionante, embora Jari tenha me advertido que mais testes seriam necessários antes de que qualquer conclusão fosse tirada.

Ele também encontrou evidências de remoção de partes do corpo durante o ataque. Um dos rins de Eddowes foi removido pelo assassino, e mais tarde em sua pesquisa, Jari conseguiu identificar a presença do que ele acreditava ser uma célula de rim.

Era impossível extrair o DNA das manchas no xale usando o método comum, em que cotonetes são usados. As amostras eram muito velhas. Em vez disso, ele usou um método que chamou de “aspiração”, usando uma pipeta com um líquido especial de “tamponamento” que removeu o material genético do tecido sem danificá-lo.

Como um não cientista, eu me encontrei em um novo mundo enquanto Jari me avisava que também seria impossível usar DNA genômico, o qual é usado em casos recentes e contém a totalidade dos dados genéticos de um ser humano – devido ao longo tempo, ele teria se tornado fragmentado.

Mas ele explicou que, ao invés, seria possível usar DNA mitocondrial. O DNA mitocondrial é passado exclusivamente através da linhagem feminina, e é muito mais abundante do que o DNA genômico, e sobrevive muito melhor.

Isto significava que, afim de testes comparativos, eu teria que encontrar uma descendente direta de Catherine Eddowes. Felizmente, uma mulher chamada Karen Miller, tri-bisneta de Eddowes, apareceu em um documentário sobre as vítimas do Estripador, e concordou em fornecer uma amostra do seu DNA. Jari conseguiu seis perfis completos de DNA da mancha e, quando ele testou-os com os de Karen, conseguiu uma combinação perfeita.

Foi uma descoberta surpreendente. Nós sabíamos agora que o xale era autêntico, e estava na cena do crime em Setembro de 1888, e tinha o sangue da vítima nele. Por si só, isso já era o artefato mais importante da história do caso Estripador: nunca antes nada foi ligado cientificamente à cena de qualquer um dos crimes.

Meses de pesquisa sobre o xale, incluindo a análise dos corantes utilizados, provou que ele foi fabricado na Europa Oriental no começo do século 19. Agora era hora de tentar provar que continha o DNA do assassino.

Na foto: Os seis principais suspeitos no caso Jack, o Estripador.

Na foto: Os seis principais suspeitos no caso Jack, o Estripador.

Jari usou o mesmo método para extrair os vestígios de sêmen encontrados no xale, advertindo que a probabilidade de que ele tenha durado todo esse tempo era muito rara. Ele contou com a ajuda do Dr. David Miller, um especialista mundial no assunto e, em 2012, eles fizeram uma outra incrível descoberta quando encontraram células sobreviventes. Elas eram do epitélio, um tipo de tecido que reveste os órgãos. Neste caso, era provável ter vindo da uretra durante a ejaculação.

Kosminski tinha 23 anos quando os assassinatos ocorreram, e vivia com seus dois irmãos e uma irmã na Rua Greenfield, apenas 182 metros de onde a terceira vítima, Elizabeth Stride, foi morta. Como um dos principais suspeitos, sua história de vida é bastante conhecida, mas eu também pesquisei sobre sua família. Eventualmente, nós rastreamos até uma mulher, cuja identidade eu estou protegendo – uma descendente britânica da irmã de Kosminski, Matilda, que concordou em doar o seu DNA mitocondrial. Tiramos amostras de dentro de sua boca com um cotonete. Levou meses de trabalho árduo e inovador amplificando e sequenciando o DNA das células encontradas no xale. Por esse ponto, a minha excitação já era febril. E quando o e-mail finalmente chegou, com Jari me dizendo que havia tido uma combinação perfeita, eu já estava esmagado. Sete anos depois de eu ter comprado o xale, nós tinhamos pego Aaron Kosminski.

Como um cientista, Jari é naturalmente cauteloso, não querendo deixar sua imaginação correr para fora sem testar cada elemento, mas assim mesmo ele declarou a descoberta como “o inferno de uma obra-prima”. Eu comemorei visitando o lado oeste, vagando pelas ruas onde Kosminski viveu, trabalhou e cometeu seus desprezíveis crimes, sentindo uma sensação de euforia, mas também uma descrença de que nós havíamos desmascarado o Estripador.

Kosminski não era um membro da Família Real, ou um eminente cirurgião ou político. Serial killers raramente são. Em vez disso, ele era uma criatura patética, um lunático que alcançava a satisfação sexual através do assassinato de mulheres e da forma mais brutal possível. Ele morreu de gangrena no Asilo Leavesden, aos 52 anos, pesando apenas 44 quilos.

Sem dúvida, uma série de livros e filmes agora vão surgir para especular sobre sua personalidade e motivação. Eu não tenho nenhum desejo de fazer. Eu queria dar respostas reais usando evidências científicas, e eu estou sobrecarregado que, 126 anos depois, eu resolvi o mistério.

O xale do lunático polonês e o especialista forense

por Jari Louhelainen

Como um cientista vindo da Finlândia, quando Russell Edwards se aproximou de mim em 2011, eu não estava ciente dos maciços níveis de interesse no caso Estripador.

Mas no início deste ano, eu me dei conta de que estávamos prestes a fazer uma grande descoberta, trabalhando num xale que havia tomado conta de minha vida, me ocupando desde o início da manhã até tarde da noite.

Foi um trabalho muito duro, usando técnicas científicas de ponta que há cinco anos atrás não seriam possíveis.

Para extrair amostras de DNA das manchas do xale, eu usei uma técnica que eu mesmo desenvolvi, a qual eu chamei de “aspiração” – para puxar o material genético original das profundezas do pano.

Enchi uma pipeta estéril, com um líquido “tampão”, uma solução conhecida para estabilizar as células e o DNA, e injetei no pano para dissolver o material aprisionado no tecido sem danificar as células, em seguida aspirando para fora.

Eu precisava para sequenciar o DNA encontrado nas manchas do xale, o que significa mapeamento do DNA para determinar a exata ordem das bases em uma fita. Eu usei reação em cadeia da polimerase, uma técnica que permite fazer milhões de cópias exatas do DNA, o suficiente para sequenciação.

Quando eu testei os perfis de DNA resultantes com o DNA retirado de cotonetes da descendente de Catherine Eddowes, eles eram compatíveis.

Eu usei o mesmo método de extração nas manchas que eram características do liquido seminal.

O Dr. David Miller encontrou células epiteliais – cavidades e órgãos – para nossa grande surpresa, pois não esperávamos encontrar alguma coisa útil após 126 anos.

Então, eu usei um novo processo chamado amplificação de genoma total para copiar o DNA (ampliado 500 milhões de vezes) para ser perfilado.

Uma vez que eu tinha o perfil, eu poderia compará-lo com um descendente do sexo feminino da irmã de Kosminski, que nos deu uma amostra de seu DNA retirado de sua boca.

Na foto: Russell Edwards (esquerda) e o Dr. Jari Louhelainen analisam o xale supostamente encontrado ao lado de Catherine Eddowes, uma das vítimas de Jack, o Estripador. Créditos: PA.

Na foto: Russell Edwards (esquerda) e o Dr. Jari Louhelainen analisam o xale supostamente encontrado ao lado de Catherine Eddowes, uma das vítimas de Jack, o Estripador. Créditos: PA.

A primeira fita de DNA mostrou uma compatibilidade de 99.2 por cento, com o instrumento de análise não conseguindo determinar a sequência de 0.8 por cento do fragmento de DNA faltante. Testando a segunda fita, nós alcançamos um perfeito 100 por cento de compatibilidade.

Devido à técnica de amplificação do genoma, eu também fui capaz de determinar a origem étnica e geográfica do DNA extraído. Era de um tipo conhecido como haplogroup T1a1, comum em pessoas da etnia russa-judaica. Eu ainda era capaz de provar que ele tinha o cabelo escuro.

Agora que acabou, eu estou animado e orgulhoso do que conseguimos, e convencido de que estabelecemos, sem sombra de dúvidas, que Aaron Kosminski é o culpado.

Nossa Opinião

Não há argumentos contra evidências científicas, certo? Sim. Mas sejamos cautelosos nessa hora. Eu gostaria de ver um artigo científico publicado pelo Dr. Jari Louhelainen e também críticas de outros cientistas antes de decidir sobre esta incrível história. Não há nada publicado sobre este trabalho de Louhelainen, mas provavelmente – e devido à divulgação recente-, alguma coisa a respeito está por vir.

Será interessante acompanhar esta história nos próximos dias e ver o que cientistas forenses, jornalistas e especialistas no caso Jack tem a dizer. De qualquer forma, considero esta descoberta muito mais credível e digna de atenção do que todas as outras vindas anteriormente. Patricia Cornwell viu uma pintura de um artista e escreveu um livro dizendo que o tal pintor era Jack. Um diário foi descoberto, e logo havia um livro creditando sua autoria ao Estripador. Outras tantas histórias surgiram nos últimos tempos tentando dar um nome ao serial killer misterioso, mas todas com furos e de difícil digestão. Se Aaron Kominski realmente for o estripador, o mistério estará longe de ser totalmente resolvido. O conhecimento geral diz que Jack tinha um ódio patológico de prostitutas; ele seria um lunático cuja missão de vida era limpar as ruas do pecado e da doença. Com vestígios de sêmen descobertos no xale, cai por terra a visão de que os crimes seriam resultado de um simples e puro sentimento de raiva, eles também teriam uma explícita motivação sexual.

Se há 126 esperamos por uma resposta definitiva, por que não aguardar mais alguns dias, semanas ou meses para ver o desenrolar dessa história?

Na foto: Em 2006, o Museu do Crime da Scotland Yard obteve uma cópia de um memorando do Inspetor Chefe Donald Swanson, o detetive encarregado do caso Estripador na época. Em sua última frase lê-se as palavras: "Kominski era o suspeito."

Na foto: Em 2006, o Museu do Crime da Scotland Yard obteve uma cópia de um memorando do Inspetor Chefe Donald Swanson, o detetive encarregado do caso Estripador na época. Em sua última frase lê-se as palavras: “Kosminski era o suspeito.” Créditos: Getty Images.

Com informações: Daily Mail

Curta O Aprendiz Verde No Facebook



"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

Siga-nos no Twitter

Siga-nos no Facebook!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categorias

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Blogs Brasil

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers