Livro sobre a serial killer Dorothea Puente é relançado

“The Bone Garden” (“O Jardim de Ossos”), um livro do ex-promotor público do distrito de Sacramento, William P. Wood, detalha um dos mais macabros casos de assassinatos da história...
Serial Killers - Dorothea Puente
The Bone Collector - Dorothea Puente

Capa do livro “The Bone Collector”, de William P. Wood.

“The Bone Garden” (“O Jardim de Ossos”), um livro do ex-promotor público do distrito de Sacramento, William P. Wood, detalha um dos mais macabros casos de assassinatos da história da cidade.

Após duas décadas da primeira publicação do trabalho, o livro foi colocado à venda novamente pela editora Turner. The Bone Garden oferece o ponto de vista de quem esteve por dentro dos crimes cometidos por Dorothea Montalvo Puente, uma senhora acima de qualquer suspeita e que gerenciava uma pensão em Sacramento.

Puente deu início ao seu caos em 1980. Na época, foi o então promotor público Wood quem a enviou por três anos para uma prisão. Sua acusação: drogar seus inquilinos e roubar seus cheques da previdência social.

Ela voltou aos negócios em 1985, oferecendo quartos a residentes inválidos e idosos, alguns dos quais ela havia conhecido em bares. Puente, com um bom papo e cabelos brancos, matava seus inquilinos fracos e idosos e enterrava-os no quintal de sua pensão, na F. Street.

Puente foi acusada de nove assassinatos e condenada pela morte de três de seus inquilinos sendo sentenciada a duas prisões perpétua. O júri não chegou a uma conclusão quanto aos seis outros assassinatos. Ela morreu na prisão em 2011 de causas naturais.

Em seu livro, Wood traça o início da vida de Puente através de sua declarada culpa em Monterey – para onde o julgamento foi deslocado por conta do intenso interesse em Sacramento. Wood vive em Sacramento e continua a escrever, com preferência para a ficção. Seu mais recente romance é “Sudden Impact”. Dois de seus livros anteriores, “Rampage” e “Broken Trust”, foram transformados em filmes.

Recentemente Wood respondeu algumas perguntas sobre Puente para o jornal Sacramento Bee. Veja abaixo as partes principais desta entrevista.

Entrevistador: Você escreveu no fim dos anos 1970; Puente era uma decana da cultura latina de Sacramento, organizando eventos e doando dinheiro. Ela comprou uma mesa em um evento de arrecadamento de fundos para Mervyn Dimally. Ela também pousou para fotos, com o então procurador geral George Deukmejian e o bispo Francis Quinn. Como você explica sua influência na sociedade e, mais tarde, tornando-se uma serial killer?

Wood: Além de ser uma pessoa má, ela sempre foi bastante inteligente. Seus delírios sobre uma carreira no cinema, glamour e coisas do tipo, foram alimentados por sua ganância. Ela precisava de dinheiro para viver de acordo com tais delírios. No primeiro momento ela o conseguiu apenas drogando vítimas. E, então, ela passou a precisar de um suprimento estável, como cheques de previdência social, e aí passou a matar. Sua estrela-guia era sempre ela mesma.

E: Você escreve que ela se movia como um tubarão através das pessoas mais velhas e fracas de Sacramento. Ela frequentava bares, pescando vítimas. Assassinatos como esses poderiam ocorrer de novo? Na escala perpetrada por Puente?

W: Nós todos gostaríamos de pensar que não poderia acontecer novamente. Mas enquanto houver marginais, agências sociais sobrecarregadas, e a constante agitação em nossas vidas, os ingredientes estão aí. Só é necessária uma feroz e tóxica personalidade como a de Puente para que aconteça de novo.

E: Você testemunhou em seu julgamento por homicídio enquanto fazia pesquisas para esse livro. Como foi?

W: Bizarro. Eu estava tomando notas enquanto testemunhas davam seus depoimentos, e então fui chamado para depor. Eu abaixei meu caderno, fui intensamente interrogado pelos seus advogados de defesa e depois voltei para meu lugar, peguei meu caderno e tentei anotar como era a sensação de assistir um caso e depois ser parte dele. Foi um pouco desorientador.

E: Há um herói real no caso Puente?

W: Várias. Mildred Ballenger, uma dedicada assistente social que suspeitou de Puente logo no início e John O’Mara, que obstinadamente a perseguiu.

Na foto: Polícia de Sacramento removem o sétimo corpo desenterrado do jardim da serial killer Dorothea Puente. Data: 14 de Novembro de 1988. Puente foi condenada em 26 de Agosto de 1993 por matar pelo menos três de seus inquilinos e ficar com seus cheques do seguro social. Créditos: Associated Press.

Na foto: Polícia de Sacramento removem o sétimo corpo desenterrado do jardim da serial killer Dorothea Puente. Data: 14 de Novembro de 1988. Puente foi condenada em 26 de Agosto de 1993 por matar pelo menos três de seus inquilinos e ficar com seus cheques do seguro social. Créditos: Associated Press.

Com informações: The Sacramento Bee

Esta matéria teve colaboração de:

Tradução por:

ester

Revisão por:

Francisca Raila

Curta O Aprendiz Verde No Facebook


"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

O Aprendiz Verde no Whatsapp!

OAV no Whatsapp

Siga-nos no Facebook!

Siga-nos no Twitter!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categorias

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Blogs Brasil

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Receba nosso conteúdo no WP
Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Receba nosso conteúdo no WP