Julgamento de Luka Magnotta: Magnotta tem transtorno de personalidade limítrofe, histriônica e narcisista, diz psiquiatra

Um psiquiatra convocado pela promotoria afirma que havia poucos indícios de que Luka Rocco Magnotta estivesse sofrendo de uma doença mental após o assassinato de Jun Lin, por outro...
Julgamento de Luka Magnotta - Monstros

Na foto: A mãe de Jun Lin chora ao falar com a imprensa canadense em 2013. Créditos: BCNN1.

Na foto: A mãe de Jun Lin chora ao falar com a imprensa canadense em 2013. Créditos: BCNN1.

Um psiquiatra convocado pela promotoria afirma que havia poucos indícios de que Luka Rocco Magnotta estivesse sofrendo de uma doença mental após o assassinato de Jun Lin, por outro lado, existem muitos outros que sugerem que ele poderia estar fingindo ou exagerando seus sintomas.

Existem numerosas inconsistências entre as ações de Magnotta e sua suposta doença, afirmou o Dr. Gilles Chamberland no julgamento do acusado.

Os psiquiatras da defesa afirmaram acreditar que Magnotta estava num estado psicótico. Sem tratamento de sua esquizofrenia por, pelo menos, dois anos, ele assassinou Lin num episódio em que não era capaz de diferenciar o certo do errado.

Mas Chamberland testemunhou que, em sua opinião, as ações de Magnotta e as versões dos eventos não sustentam esta teoria.

O comportamento de Magnotta não é compatível com alguém que sofre de ilusões paranoides, afirmou ele.

Magnotta se apresentou após o assassinato como alguém que estava mentalmente doente e sofrendo dos sintomas da psicose, tanto antes quanto depois do homicídio.

Ele deu uma versão diferente da morte para cada um dos psiquiatras da defesa que o avaliou. Ele também foi incapaz de se lembrar de vários detalhes.

Chamberland disse ao júri que pessoas paranoicas estão, frequentemente, sempre alertas, vigilantes e possuem uma excelente memória.

Para o psiquiatra, o vídeo de vigilância do apartamento que mostra Magnota nos dias que se seguiram à morte e desmembramento de Lin não revela nenhum sinal visível consistente com uma doença mental.

Chamberland afirmou que Magnotta contou a um psiquiatra que tinha medo de agentes do governo que supostamente ficavam do lado de fora do seu prédio e que Lin era um deles. Apesar do suposto medo, Magnotta é visto entrando e saindo nas horas após a morte de Lin.

Em outro exemplo, Chamberland observou que, apesar de Lin supostamente ser um espião, Magnotta guardou e usou seu boné de beisebol.

“Aquilo também poderia servir como uma recordação de um momento que marcou a vida dele, o que encontramos em certas pessoas que cometem tais tipos de crimes e desejam guardar uma lembrança”, afirmou ele.

Enquanto uma doença mental como a esquizofrenia não explica o comportamento de Magnotta, o psiquiatra da acusação afirma que transtornos de personalidade explicam.

Chamberland disse que Magnotta tende a exibir sintomas do transtorno de personalidade limítrofe, histriônica e narcisista, e que tais condições são uma explicação mais razoável para o seu comportamento.

Outros psiquiatras também encontraram traços de transtornos de personalidade, afirmou ele.

Continuaremos acompanhando o julgamento. Não deixe de nos acompanhar no Facebook e Twitter.

Fonte: CTV News

Esta matéria teve colaboração de:

Tradução por:

marcus

Curta O Aprendiz Verde No Facebook



“Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.” (Platão)

Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

O Aprendiz Verde no Whatsapp!

OAV no Whatsapp

Siga-nos no Twitter

Siga-nos no Facebook!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categorias

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Blogs Brasil

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers