China: condenação de serial killer por homicídio resolve caso de erro judicial

Por uma década, Zhao Zhihong insistiu que havia estuprado e matado uma mulher em 1996, e que o homem executado pelo crime era inocente. Acusado foi condenado na manhã desta segunda-feira.

133980558_14234647872181n[1]

Zhao Zhihong sendo escoltado ao banco dos réus, onde enfrentou julgamento por estupro, homicídio, roubo e estelionato. Créditos: Xinhuanet.

Por uma década, o serial killer Zhao Zhihong insistiu que havia estuprado e matado uma mulher em 1996, e que o homem executado pelo crime era inocente.

Em Abril de 1996, o adolescente Huugjilt, 18 anos na época, chamou a polícia após encontrar um corpo em uma fábrica de confecções. Ele foi preso, e após dois dias de interrogatórios confessou o crime.

Na foto: o jovem identificado apenas como Huugjilt, que descobriu o corpo e foi acusado pelo crime.

Na foto: o jovem identificado apenas como Huugjilt, que descobriu o corpo, mas foi acusado, condenado e executado pelo assassinato de uma mulher. Créditos: Ngoisao.net.

Nesta segunda-feira (09), a imprensa estatal chinesa informou que um tribunal na Mongólia Interior condenou Zhao por estupro e homicídio e o sentenciou à morte, anulando assim o veredito dado a Huugjilt 18 anos atrás.

Zhao Zhihong foi julgado pela Corte Popular Intermediária de Hohhot, capital da Região Autônoma da Mongólia Interior, no norte da China. Zhao, 42 anos, foi condenado à morte pelo tribunal e teve seus direitos políticos cassados de forma perpétua pelas acusações de assassinato, estupro, roubo e estelionato. O tribunal multou-o em 53 mil yuan (pouco mais de R$ 23 mil reais) e condenou-o a pagar 102.768 yuan (pouco mais de R$ 45 mil reais) como compensação às famílias das vítimas – da mulher morta e de Huugjilt. Zhao foi preso em 2005 e confessou uma série de estupros e homicídios, incluindo o ocorrido em um banheiro público em Hohhot, 1996, crime pelo qual o jovem Huugjilt, conhecido apenas pelo primeiro nome, havia sido injustamente condenado e executado. A decisão veio pouco menos de dois meses após Huugjilt ter sido postumamente absolvido pelo crime, em dezembro de 2014. Os pais dele estiveram no tribunal nesta segunda e choraram ao ouvir o veredito dado a Zhao.


Shang Aiyun, mãe de Huugjilt, chora ao conceder entrevista após o julgamento de Zhao Zhihong. Créditos. Xinhuanet.

Shang Aiyun, mãe de Huugjilt, irrompendo em lágrimas após o julgamento de Zhao Zhihong. Créditos: Xinhuanet.

Huugjilt foi condenado em um julgamento convocado às pressas e executado por um pelotão de fuzilamento em junho daquele ano. O caso teria sido relegado ao esquecimento se não fosse pela prisão de Zhao, que confessou 10 assassinatos, incluindo o da mulher na fábrica. No entanto, as autoridades optaram por não reabrir o caso, e Zhao foi acusado apenas pelos outros nove crimes.

Recentemente, vários casos em que um suspeito foi executado por um crime mais tarde confessado por outro começaram a atrair atenção popular na China, justamente pelo problema dos erros judiciais. O caso Huugjilt foi reaberto depois de várias condenações terem sido anuladas. Seus pais começaram a fazer diversas aparições na imprensa estatal, aceitando um pedido de desculpas do tribunal e uma indenização de mais de 2 milhões de yuan (quase R$ 900 mil reais), como compensação pela execução injusta do filho deles.

Li Sanren, pai de Huugjilt, sendo entrevistado após o julgamento do homem que arruinou a vida de seu filho. Créditos: Xinhuanet.

Li Sanren, pai de Huugjilt, sendo entrevistado após o julgamento que pôs um ponto final no drama de sua família. Créditos: Xinhuanet.

Em Janeiro, Zhao foi novamente a julgamento, dessa vez por 10 assassinatos e não 9. Ele foi condenado por 10 acusações de homicídio e 13 outras, que incluíam estupro, roubo e estelionato.

Maya Wang, pesquisadora da Human Rights Watch em Hong Kong, afirmou que a decisão do tribunal de Hohhot de reabrir o caso é uma tentativa do governo chinês de combater “a falta de confiança da população no sistema judiciário chinês”. Ela afirma, no entanto, que isso não é o bastante.

“Na ausência de acompanhamento de organizações externas, quando a mídia independente, advogados e ativistas forem atacados e sofrerem repressão por parte do governo, provavelmente estas medidas terão apenas um impacto limitado”, disse ela.

O serial killer Zhao Zhihong durante o seu julgamento pelo crime cometido em 1996. Foto: Xinhua.

O serial killer Zhao Zhihong durante o seu julgamento pelo crime cometido em 1996. Foto: Xinhua.

O caso chinês lembra o de Alesandr Kravchenko, acusado e executado por um crime cometido pelo serial killer Andrei Chikatilo.

Com informações: Xinhuanet, Sinosphere.

Curta O Aprendiz Verde No Facebook

Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

O Aprendiz Verde no Whatsapp!

OAV no Whatsapp

Siga-nos no Facebook!

Siga-nos no Twitter!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categorias

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Blogs Brasil

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Receba nosso conteúdo no WP
Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Receba nosso conteúdo no WP