Estrangulador de Salerno é condenado à prisão perpétua na Flórida

O homem conhecido como o “Estrangulador de Salerno” passará o resto de sua vida na prisão sem possibilidade de liberdade condicional.  Eugene McWatters, 37, declarou não contestar as três...
O serial killer Eugene McWatters

O serial killer Eugene McWatters é levado para delegacia após ser preso. Foto: Reprodução Internet.

O serial killer Eugene McWatters caminha após deixar o tribunal em 23 de Junho de 2004. Foto: AP Photo/The Stuart News, Jason Nuttle.

O homem conhecido como o “Estrangulador de Salerno” passará o resto de sua vida na prisão sem possibilidade de liberdade condicional. 

Eugene McWatters, 37, declarou não contestar as três acusações de homicídio doloso e premeditado pouco antes do começo do seu segundo julgamento, conforme divulgado pelo escritório do xerife do condado de Martin, no último dia 10. Ele foi imediatamente sentenciado a três sentenças de prisão perpétua consecutivas. 

Em 2006, McWatters foi condenado pelo massacre de três mulheres em 2004, Jackie Bradley, Christal Wiggins e Carrie Ann Caughet, no porto de Salerno, localizado no sudeste do condado de Martin. As mulheres, cujas idades iam de 18 a 43, foram encontradas com sinais de estupro e estrangulamento num período de 10 semanas entre uma e outra. 

Um juiz no ano passado, contudo, premiou McWatters com um novo julgamento, alegando que seus advogados o representaram deficientemente. McWatters estava no corredor da morte antes dessa decisão. 

“Não havia investigação significativa, nem preparação significativa, nem significativo esforço despendido, nem tipo algum de estratégia aparente”, escreveu o juiz Larry Schack em um contundente relatório de 73 páginas. 

Schack concluiu que os advogados ignoraram argumentos básicos, falharam em reconhecer oportunidades óbvias de confrontar peças-chave da acusação e falharam até em manter um arquivo completo do caso. 

McWatters pediu para fazer o acordo judicial antes do retorno do seu . 

Dois dos corpos das mulheres foram encontrados em decomposição em uma área arborizada e o outro foi encontrado escondido embaixo de pedras em um canal de drenagem. McWatters contou à polícia que ele lembra de ter feito sexo com todas as mulheres, mas não de matá-las – embora ele tenha afirmado a investigadores que escondeu os corpos. McWatters contou ao The Palm Beach Post que ele era inocente e a confissão falsa foi advinda de seu uso intenso de drogas. 

Depois que o júri o considerou culpado em 2006, Schack escreveu em sua ordem de sentença o quão macabro as mortes foram. 

“(McWatters) teve que encarar cada (vítima) cara a cara, olho a olho, por três ou quatro minutos enquanto ele as sufocava até que seus corpos ficassem moles… A cada vítima, ele ficava mais experiente no processo de matá-las. É difícil imaginar uma situação mais fria, calculada ou premeditada”, escreveu Schack. 

Em 2007, McWatters foi poupado depois que o juiz cancelou a ordem de castrá-lo quimicamente, o que pode ser ordenado em condenações por agressão sexual.

Com informações: Palm Beach Post

Esta matéria teve colaboração de:

Tradução

Curta O Aprendiz Verde No Facebook

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

Dupla Identidade – Bruno Gagliasso

Glória Perez

Ilana Casoy

OAV TV

OAV TV

Queremos Você!

Queremos Você!

Siga-nos no Twitter

Siga-nos no Facebook!

21 Anos de Arquivo-X

20 Anos da Execução de Andrei Chikatilo

20 Anos da Execução de John Wayne Gacy

O nascimento de um serial killer

Categorias

Contribua com O Aprendiz Verde!

Bate-Papo

Blogs Brasil

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers