101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

Não há limites para a maldade humana. Mas adivinhe? É normal. Cento e cinquenta anos de prisão. Uma vergonha inimaginável para sua família. O filho mais velho suicidou. O mais...
101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018 - Topo

101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018 - Capa

Não há limites para a maldade humana. Mas adivinhe? É normal.

Cento e cinquenta anos de prisão. Uma vergonha inimaginável para sua família. O filho mais velho suicidou. O mais novo não teve forças para lutar contra uma doença. Estes foram alguns dos custos que Bernie Madoff arcou por administrar um esquema fraudulento que se apropriou de cerca de U$ 65 bilhões de dólares de investidores – amigos, familiares, grandes bancos e instituições, milionários do cinema, da tecnologia etc. A maioria faliu.

No outro espectro está Agnes Gonxha Bojaxhiu, que aos 18 anos deixou sua confortável casa para se tornar uma missionária, nunca mais vendo sua família. Agnes, mais conhecida como Madre Teresa de Calcutá, dedicou 45 anos de sua vida ajudando os mais pobres. Ela recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1979 e após sua morte foi beatificada pela Igreja Católica Romana. Em 2010, no centésimo aniversário de seu nascimento, houve uma celebração mundial aos seus serviços à humanidade.

A história da humanidade nos diz que ambos os espectros são absolutamente normais porque são comportamentos comuns e conhecidos desde os primórdios dos tempos. O homem, de fato, pode ser maravilhosamente bom, cuidadoso, e de uma bondade além das palavras. Simultaneamente, o homem pode explorar suas podridões; manipulação, exploração, abusos e assassinatos. Tais comportamentos, entretanto, são imorais. Mas o homem, como um todo, tem senso moral? Se a resposta é sim, esse senso pode variar de acordo com o que lhe beneficia ou não?

Talvez tenhamos nascido assassinos e maus e ao longo de nossa evolução tais características tenham sido suavizadas dando espaço para o surgimento de seres humanos bons e não violentos. As características malévolas, entretanto, ainda estão lá, adormecidas em uns e protuberantes em outros.

Um recente estudo de pesquisadores espanhóis chegou a essa linha de pensamento ao concluir que os seres humanos são predispostos para o assassinato – a violência letal, de acordo com o estudo, é parte de nossa história evolucionária – e que os gatilhos para matar uns aos outros foram desaparecendo à medida em que mudamos ou desenvolvemos o ambiente social em que estamos. Nesse sentido, um homem ou mulher que mora em um ambiente de guerra ou criminalidade tem mais chances de ver seu instinto assassino aflorar do que aqueles que moram em localidades conhecidas pelo bem estar social. Talvez esse seja um dos motivos do porquê Síria e Finlândia terem taxas de assassinatos inversamente proporcionais.

De qualquer forma, seres humanos, ao longo de sua evolução, são criaturas que se tornaram altamente sociais. Por causa disso, estamos intensamente interessados no que os outros estão fazendo e por quê. Precisamos saber quem é bom e quem é mau, pois, assim, podemos escolher quem evitar, quem tolerar e quem se aproximar.

Mas, em muitos casos, isso é praticamente impossível. 

http://www.darksidebooks.com.br/category/crime-scene/

Este post compila 101 crimes notórios e horripilantes de 2018. Sem dúvidas é um ótimo material para conhecer o mal e suas diversas formas. Aqui vocês encontrarão crimes cometidos por psicopatas, serial killers, assassinos em massa, canibais, maníacos sexuais, terroristas, pessoas com problemas mentais, pais de família, ritualistas, justiceiros etc. Ao final, vocês perceberão a falta de humanidade do homem com o homem, assim como sua genialidade quando se trata de planejar crimes diabólicos ao mesmo tempo em que sua estupidez é colocada para fora.

“Os 101 crimes notórios e horripilantes do ano mostra em que mundo vivemos. Certamente irá chocar muitas pessoas. Muitos dos crimes citados aqui são tão horripilantes que muitos não acreditariam existir no mundo real. Por isso, esteja preparado para ter sua alma sugada de um mundo doente e cada vez mais violento.”

[O Aprendiz Verde]

Uma pergunta: Está preparado(a)?

http://www.darksidebooks.com.br/category/crime-scene/

Naresh Dhankar - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

1. Madrugada da MorteÍndia


Palwal, Haryana, Índia | 2 de Janeiro

Uma hora. Seis assassinatos. Um assassino. Um homem espalhou o terror na madrugada de Palwal, cidade ao norte da Índia, percorrendo as ruas com uma barra de ferro à procura de pessoas para matar.

O relógio marcava 2h30 da manhã quando câmeras de segurança de um hospital filmaram um homem caminhando pelos corredores. Ele segurava uma barra de ferro. Uma hora depois o necrotério da cidade receberia seis cadáveres.

A primeira vítima foi uma mulher grávida de 32 anos chamada Anju Khan, encontrada em uma poça de sangue no corredor da UTI do hospital. As cinco vítimas seguintes foram mortas rapidamente, um mendigo e quatro guardas, encontrados do lado de fora do hospital, em um raio de um quilômetro.

O assassino relâmpago foi identificado como Naresh Dhankar, 39 anos. Ex-tenente do exército, ele foi dispensado do serviço militar por conduta imprópria e estava em tratamento psiquiátrico na cidade de Muradnagar. Ele também era bastante violento, raivoso e um “homem disfuncional“, segundo colegas de trabalho. Ele se casou em 2007, teve um filho, mas o casamento não deu certo devido ao seu comportamento violento.

Quando policiais o cercaram na rua, houve uma violenta briga. Subjugado, Dhankar foi levado ao hospital local e diagnosticado com hemorragia cerebral. Após se recuperar da cirurgia de emergência a que foi submetido, Dhankar revelou a investigadores que não estava bem da cabeça e que tinha parado de tomar suas medicações. Além disso, havia parado de comer, tudo porque sua esposa não quis voltar com ele, então perdeu a cabeça e saiu como um zumbi na rua para descarregar sua fúria.

Abaixo uma reportagem da TV indiana sobre o caso:

Imran Ali - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

2. O Tio do Doce


Kasur, Punjab, Paquistão | 4 de Janeiro

Em 2017, um serial killer espalhou o terror na cidade de Kasur, Paquistão, ao estuprar e assassinar crianças. Foram 10 assassinatos em seis meses, todas crianças entre 5 e 10 anos. Apelidamos o assassino em série de “Tio do Doce” e chegamos a citar o caso nos 101 crimes notórios e horripilantes de 2017 [ver Crime 57] e no post 51 serial killers nunca capturados.

E no início de 2018 o Tio do Doce voltou a atacar.

A pequena Zainab Ansari, 6 anos, estava na casa de um tio devido à viagem de seus pais à Arábia Saudita. Em 4 de janeiro, a garotinha saiu sozinha da casa do tio para ir até a escola de música onde fazia aulas de canto. A escola era bastante perto, mas ela nunca chegou ao destino. Desesperado, seu tio, Muhammad Adnan, percorreu durante dias todas as ruas da região e implorou por ajuda. Logo, a família inteira estava investigando o desaparecimento de Ansari. Sem ajuda policial, eles descobriram imagens de câmeras de segurança que mostravam Ansari de mãos dadas com um homem desconhecido, que vestia calça branca e uma jaqueta. Eles andavam pela estrada Peerowala. Veja o vídeo abaixo:

Três dias depois, o corpo de Ansari foi descoberto em um lixão na estrada Shahbaz Khan, não muito longe da Peerowala. Uma autópsia confirmou que ela foi estuprada e estrangulada. Autoridades também revelaram que ela ficou em cativeiro e sofreu tortura.

Após mais este assassinato de criança, uma população enfurecida tomou as ruas de Kasur exigindo providências da polícia. Duas pessoas chegaram a ser mortas após invadirem uma delegacia. Os protestos chegaram até outras cidades e a reação das autoridades foi imediata.

“Profundamente entristecido pelo brutal assassinato de uma garotinha em um caso de molestamento infantil. Essas sociedades que não conseguem proteger crianças estão eternamente condenadas. Não vamos descansar até perpetradores deste ato covarde forem apreendidos e punidos o mais severamente possível de acordo com a lei.”

[Shehbaz Sharif, Primeiro-Ministro do Estado de Punjab]

A ganhadora do Prêmio Nobel da Paz Malala Yousafzai também se manifestou via Twitter:

Quando as autoridades trabalham a coisa vem rápido. Foram necessárias 11 crianças morrerem pelas mãos de um predador sexual e protestos com mortes ocorrerem nas ruas para as autoridades olharem para Kasur. Em menos de 20 dias, os paquistaneses anunciaram o nome de seu homem: Imran Ali, 24 anos. Exames de DNA ligaram o suspeito ao assassinato de crianças mortas desde 2017, incluindo Zainab. No total, ele foi oficialmente ligado à morte de 13 crianças, todas meninas.

Em 17 de fevereiro de 2018, um tribunal em Lahore condenou Ali em quatro condenações de morte, uma de prisão perpétua, sete anos de prisão e uma multa. Ele foi executado às 5h30 da manhã de 17 de outubro de 2018.

Abaixo um vídeo sobre o caso.

Assassinato de Oliver Ivanonic - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Assassinato de Oliver Ivanonic - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

3. Mistério PolíticoKosovo


Mitrovica do Norte, Kosovo | 16 de Janeiro

Oliver Ivanovic - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Oliver Ivanovic | 64 anos

Há uma década atrás, o pequeno estado do Kosovo na península balcânica declarou independência da Sérvia após uma longa e sangrenta batalha pela auto-afirmação nacional. Antes capas de jornais quase que diariamente, hoje, a vida política do Kosovo pode ser desconhecida para a maioria, mas aqueles que conhecem um pouquinho de sua história tem certeza que uma coisa ainda perdura: a difícil relação com a vizinha Sérvia. Os dois principais políticos do Kosovo, o atual primeiro ministro Ramush Haradinaj e o líder da oposição Isa Mustafa, ambos vistos como heróis, são descendentes de albaneses, a maioria étnica no país. Na outra extremidade, Oliver Ivanonic era um respeitado político sérvio – a minoria étnica do Kosovo – cujas ações visavam o impossível: unir o país. A guerra no Kosovo acabou, mas a tensão étnica continua e Ivanovic foi assassinado com vários tiros quando saía de seu escritório em 16 de janeiro. Previsivelmente, os políticos sérvios foram rápidos em apontar o dedo para os figurões albaneses. Mas dez meses depois, as primeiras prisões do caso mostraram ser de suspeitos sérvios. Em 23 de novembro, a polícia do Kosovo prendeu três suspeitos: Dragisa Markovic e Nedeljko Spasojevic, membros da força policial local, e Marko Rosic, membro da torcida organizada do Partizan Belgrade, um dos principais times de futebol da Sérvia. Outro suspeito é o todo poderoso Milan Radoicic, vice-presidente do Srpska Lista, maior partido político sérvio do Kosovo. Ele conseguiu evitar a prisão e fugiu. Em 25 de novembro, ele publicou um post na página do partido no Facebook dizendo ter fugido porque a polícia queria “matá-lo”. Ele admitiu “não ser o melhor amigo de Oliver Ivanovic”, mas negou qualquer envolvimento em sua morte. As investigações continuam.

Sicarios do Horror - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

4. Sicários do HorrorMéxico


La Unión, Guerrero, México | 17 de Janeiro

O derramamento de sangue promovido pelo narcotráfico mexicano nos últimos anos atingiu o seu apogeu em 2018. Durante o mês de maio de 2018, por exemplo, em média, uma pessoa foi assassinada a cada 15 minutos no país, número que facilmente colocará o ano de 2018 como o mais sangrento da história mexicana – ultrapassando as 29.168 mortes de 2017.

Há vários motivos para o aumento da matança, um deles é a fragmentação de grupos ligados ao narcotráfico que, em menores tamanhos, acabaram migrando para novas áreas no interior do país.

Dois desses grupos menores são o La Nueva Familia e Los Viagras, que se formaram nas entranhas do estado de Guerrero, um dos mais violentos do México.

Em 17 de janeiro de 2018, os dois grupos mostraram o seu cartão de visitas compartilhando no WhatsApp o horrendo vídeo de um duplo assassinato cometido por seus integrantes.

No vídeo, homens armados agridem dois outros homens acusados de pertencer a um grupo rival da região. Um dos homens é decapitado pelos sicários e, apesar da morte horrenda, e por mais estranho que pareça, este teve um fim bem menos pior.

O segundo homem é massacrado numa forma muito parecida com os sacrifícios humanos realizados pelo povo asteca: ainda vivo, o homem teve o tórax aberto e o estômago e coração arrancados – tudo ao som dos gritos de desespero e dor da vítima.

Com a precaução de não cortar nenhum outro órgão vital, os sicários expõem a caixa torácica da vítima para finalmente cortar as artérias e veias, arrancando o coração que ainda bate. Muito pior do que filme de terror.

Posteriormente, os corpos em pedaços foram encontrados em estradas rurais dentro de sacos pretos amarrados com fita industrial e cordas.

As vítimas foram identificadas como Jorge Arturo e Marco Eduardo, supostamente pertencentes ao grupo criminoso Guardia Guerrerense.

Veja o vídeo abaixo.

ATENÇÃO: CONTEÚDO EXTREMAMENTE PERTURBADOR! NÃO RECOMENDADO PARA PESSOAS SENSÍVEIS!


Assassinato de Sara Zghoul - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

5. O Enlouquecido da FlorestaEstados Unidos


Aloha, Oregon, Estados Unidos | 20 de Janeiro

Sara Zghoul - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Sara Zghoul | 28 anos

Estava frio e chuvoso. O tipo de dia que muita gente prefere ficar em casa, mas havia algo lá fora. Eram gritos desesperados vindos do meio do nada. Michael Larsen resolveu investigar e avistou outro homem, este ajoelhado em frente a uma árvore, inclinando-se a ela de modo contínuo, no meio de uma ravina. Ele parecia desesperado e gritava por ajuda. A polícia foi chamada e quando Jeremiah ‘Jerry’ Johnston, 35, viu os policiais, cortou a própria garganta e os pulsos. Dias antes, a polícia encontrou um corpo desmembrado dentro de duas malas no bagageiro de uma BMW preta. Logo, a polícia ligou o enlouquecido da floresta Jeremiah ao macabro assassinato. A vítima era Sara Zghoul, mãe de um filho, aspirante a atriz e imigrante da Jordânia. Até o momento as autoridades americanas não revelaram como se deu a dinâmica do crime, nem se assassino e vítima se conheciam. O que se sabe é que o ex-condenado por tráfico e viciado em drogas Jeremiah decapitou e desmembrou o corpo de Sara, colocou os pedaços em duas malas e guardou-as no porta-malas do carro. Ele também foi acusado de “abusar” do cadáver. Na lei do Oregon, tal acusação pode se referir tanto ao abuso sexual post-mortem quanto à mutilação intencional do corpo. “Nós perdemos nossa filha, mãe, irmã e amiga; uma alma linda que irá permanecer em nossos corações eternamente. Por favor continue a nos manter em suas preces,” escreveu em nota a família de Sara.

Adeola Williams - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

6. Richard Kuklinski nigerianoNigeria


Lagos, Nigéria | 23 de Janeiro

Adeola Willimans - Assassino de AluguelAcusado: Adeola Williams | 39 anos

Crime: Kunle Azeez, também conhecido como Kunle Poly, é o atual presidente da União Nacional dos Trabalhadores de Transporte Rodoviário (NURTW, na sigla em inglês) da Nigéria, um órgão que serve aos interesses dos trabalhadores do setor rodoviário. Como em muitos desses sindicatos, a luta pelo poder é grande e Poly tinha uma rixa com o ex-presidente da NURTW, Alhaji Akanni Olorunwa. O ódio entre os dois era tão grande que Olorunwa decidiu tirar do caminho o seu rival que ele acusava de traição. Para isso, Olorunwa contratou ninguém menos que Adeola Williams, o mais sinistro assassino de aluguel da Nigéria. Em 23 de janeiro, portando uma AK-47, Williams abriu fogo contra Poly e seu assistente pessoal, Ganiyu Ayinla, conhecido como Pinero. Milagrosamente, Poly sobreviveu. A mesma sorte não teve Pinero. Preso, Williams falou sobre sua vida como matador de aluguel: “Meu nome é Adeola Williams. Eu sou de Ijebu Igbo, Estado de Ogun. Tenho 39 anos e sou um homem casado com três filhos. Assassinato tem sido meu ganha pão por mais de uma década. Eu sei que matei tanta gente que mal posso lembrar, provavelmente mais de cem. Eu já fui contratado para matar tantas pessoas, para ele [Olorunwa] eu matei quatro. Durante o desentendimento dele e de Musiliu Akinsanya, o MC Oluomo, eu matei para ele duas pessoas. Ele disse que Kunle Poly o traiu e me contratou para matá-lo.”

Mujahid Ullah Afridi - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

7. Asma Rani


Kohat, Província de Khyber Pakhtunkhwa, Paquistão | 27 de Janeiro

Asma RaniVítima: Asma Rani

Crime: Vinda de uma família pobre, Asma Rani teve uma oportunidade que poucas mulheres conseguem no Paquistão: a de entrar para uma faculdade. Com a ajuda de seus pais, irmãos e irmãs, ela se mudou para a cidade de Havelian para fazer medicina na Universidade de Ciência e Tecnologia de Abbottabad, uma das melhores do país. Mas os sonhos de Asma foram brutalmente interrompidos por uma saraivada de tiros em 27 de janeiro quando ela passava férias em sua cidade natal, Kohat. O assassino era Mujahid Ullah Afridi, um homem casado que estava enfurecido pelo fato de Asma ter negado um pedido de casamento seu. “Só porque não concordamos com a proposta, por que ela foi morta? A polícia só pega os pobres, eles nunca tocam os ricos. Eu apelo ao governo e ao povo paquistanês por ajuda,” disse Sofia Rani, irmã da vítima. Parente de figurões da cidade, Afridi teve ajuda para fugir do país, mas ele foi preso dois meses depois nos Emirados Árabes. Em março, veículos de mídia do Paquistão noticiaram que a família de Asma Rani estava sendo pressionada a fazer um acordo e que seis meses antes do crime, Afridi havia assassinado outra pessoa. O caso Asma Rani ganhou repercussão internacional após um vídeo dela agonizando ser divulgado nas redes sociais. No vídeo, antes de morrer, a universitária é perguntada se ela viu quem atirou, então ela diz suas últimas palavras: “Mujahid Afridi, Mujahid Afridi, Mujahid Afridi”. Veja abaixo:

Ataque Terrorista no Afeganistao - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018.jpg

8. Ambulância BombaAfeganistão


Cabul, Afeganistão | 27 de Janeiro

Um dos pontos mais movimentados da capital afegã Cabul, a Praça Sidarat, se tornou um verdadeiro inferno na tarde de sábado, 27 de janeiro de 2018.

Um terrorista dirigindo uma ambulância carregada de explosivos ceifou a vida de 103 pessoas, deixando pedaços de corpos espalhados por todos os lados, fachadas de lojas destruídas e prédios com a estrutura colapsada.

“Cadáveres que estavam perto da ambulância estavam identificáveis. Havia pedaços de corpos por todos os lados. Foi uma cena trágica e devastadora”.

[Sediqullah Popalzai, policial que estava presente no momento da explosão]

“O uso de uma ambulância no ataque de hoje em #Kabul é angustiante. Isso pode enquadrar como traição sob o IHL. Inaceitável e injustificável”.

[Comitê da Cruz Vermelha no Afeganistão]

O grupo terrorista Talibã reivindicou a autoria do ataque. Abaixo um vídeo sobre o ocorrido.

Gabisile Shabane - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

9. Caça aos AlbinosAfrica do Sul


Hlalanikahle, Província de Hlalanikahle, África do Sul | 28 de Janeiro

“As partes que estavam faltando eram os braços, o coração, os pulmões, a vagina, o útero, os ovários, todos os órgãos abdominais e a bexiga. A cabeça, um braço e uma parte da vagina foram encontrados na casa do acusado número um.”

[Fanie Mavundla, promotor de justiça]

Albinos continuam sendo massacrados na África.

Eles são uma mercadoria valiosa em algumas partes da África Oriental e Austral. Como elefantes e rinocerontes, eles são caçados e mortos. Pedaços dos seus corpos podem valer milhares de dólares e muitas vezes são traficados para além das fronteiras.

Assassinatos de pessoas albinas são comuns na Tanzânia, Malauí e Moçambique, onde partes dos corpos são usados em rituais de feitiçaria para trazer riqueza, sucesso, poder ou conquista sexual. As crianças são as mais vulneráveis. Seus corpos mutilados frequentemente são encontrados sem mãos, pés, seios, órgãos genitais, pele, olhos ou cabelos – dependendo do tipo de feitiço encomendado.

Foi o que aconteceu com Gabisile Shabane, 13 anos, e seu sobrinho Nkosikhona Ngwenya, de 1 ano. Eles foram sequestrados em 28 de janeiro de 2018 após os empresários Themba Thubane e Knowledge Mhlanga, donos de um colégio, contratarem os serviços do feiticeiro Thokozani Msibi, 32. Eles queriam que o negócio prosperasse, e o feiticeiro fez os seus contatos na Suazilândia, país fronteiriço à África do Sul, e de lá veio o ritual a ser feito, e isso envolvia albinos.

Gabisile Shabane foi obrigada a beber fluido de freio misturado a cerveja além de fumar maconha com Brilliant Mkhize, ajudante de Msibi, antes de ser decapitada e ter seus órgãos removidos. Seu sobrinho Nkosikhona Ngwenya era branco, mas não sofria de albinismo. Quando os assassinos perceberam o erro, o mataram e descartaram o seu corpo em uma rodovia.

Em maio, Djeneba Diarra, 5, uma criança albina do Mali, foi sequestrada dentro de casa e decapitada para fins ritualísticos. O crime aconteceu na véspera das eleições presidenciais do país, ocorridas em 29 de julho, e a polícia acredita que ela tenha sido morta através de um trabalho de um feiticeiro para políticos.

Já no Malauí, o albino McDonald Masambuka, 22, foi assassinado em 9 de março de 2018. Pedaços do seu corpo foram encontrados semanas depois e a polícia prendeu 12 suspeitos, incluindo o seu próprio irmão, o padre católico Thomas Muhosha, o médico Lumbani Kamanga e o oficial de polícia Chikondi Chileka.

No início do ano, um garoto albino de 11 anos foi sequestrado e assassinado em Milange, Moçambique, cidade na fronteira com o Malauí. 

Innocent Oseghale - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

10. PicadaItália


Macerata, Marcas, Itália | 30 de Janeiro

Pamela Mastroriani - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Pamela Mastropietro | 18 anos

A jovem Pamela Mastropietro foi encontrada em pedaços dentro de duas malas após passar alguns dias desaparecida. A moça, que sonhava em estudar criminologia, era usuária de drogas e fugiu de uma clínica de reabilitação antes de ser vista perambulando por uma região conhecida por suas bocas de fumo. A garota bonita e atraente chamou a atenção do traficante nigeriano Innocent Oseghale, 29, que a atraiu para sua casa com a promessa de usarem drogas. Uma vez lá dentro, Oseghale encheu Pamela de heroína e a estuprou durante dois dias. Quando a moça teve forças para se levantar, tentou correr mas foi pega pelo traficante, que a trucidou com várias facadas. Não satisfeito, ele passou a mutilar e dissecar o seu corpo, então o cortou e colocou os pedaços em duas malas. O crime chocou os italianos e uma onda de manifestações anti-imigrantes tomou conta de várias cidades. Dias depois, Luca Traini, 28, um extremista italiano de ultradireita, em retaliação ao assassinato de Pamela, saiu atirando em africanos na cidade de Macerata. Ele acertou seis imigrantes de Gana, Mali e Nigéria antes de ser parado pela polícia. As vítimas sobreviveram e ele foi condenado a 12 anos de prisão em outubro. O horrível assassinato de uma jovem italiana cometido por um imigrante africano não seria o único a chocar os italianos em 2018.

Dmitry Chernev - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

11. O Sadista de GorlovkaUcrânia


Horlivka, Oblast de Donetsk, Ucrânia | Fevereiro

Um jovem delinquente vivendo à margem da sociedade que perambulava e vagava pelas ruas num estilo de vida desregrado. Suas companhias eram homens e mulheres sem propósito de vida. Juntos, eles passavam os dias enchendo a cara de vodka, brigando e procurando o que comer.

Este jovem era Dmitry Chernev, 27 anos, natural de Odessa, Ucrânia, mas que vivia em Horlivka, cidade mais conhecida pelo seu nome russo, Gorlovka.

Em 10 de março de 2018, a polícia local anunciou publicamente que estava à procura de qualquer pista que levasse à descoberta do paradeiro de várias pessoas desaparecidas. Para os moradores da cidade, já intimidados por rumores sinistros, o anúncio causou pânico.

Três dias depois, o prefeito de Horlivka, Ivan Prikhodko, anunciou que eles tinham um suspeito de uma série de assassinatos. Era Dmitry. Logo, pessoas em redes sociais o apelidaram de “O Sadista de Gorlovka”.

Em interrogatório, Dmitry Chernev confessou ter matado várias pessoas enquanto estava sob efeito de álcool. O primeiro crime teria sido cometido por ressentimento. Durante uma bebedeira, ele decidiu se vingar de uma companheira de bebida – ela supostamente o batera antes com um pedaço de borracha. Chernev quebrou uma garrafa de vodka e rasgou a mulher com vários golpes. O cadáver foi levado até um galpão e coberto de terra.

Dias depois, durante mais uma tarde de bebedeiras, Chernev e um amigo – identificado por ele como Andrew – mataram um homem que passava pela rua. Andrew teria dado várias facadas na vítima. Vendo todo aquele sangue e o corpo impotente da vítima já morta, Chernev resolveu atiçar sua curiosidade.

“Eu virei o corpo, peguei a faca e abri a barriga. Meu amigo disse: ‘Olhe o fígado, você precisa cortar’. Fritamos em uma frigideira e comemos por dois dias”.

Chernev pegou gosto pela coisa e matou até ser preso. Na casa onde dormia, a polícia encontrou os restos mortais de pelo menos quatro pessoas, dois corpos estavam desmembrados. Vestígios de carne humana foram encontrados nas cinzas de um fogão improvisado. Abaixo uma reportagem da TV ucraniana sobre o caso.

Victorin Avagbo - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

12. Sacrifícios HumanosBenim


Akpro-Missérété, Ouémé, Benim | 3 de Fevereiro

Assassinatos ritualistas assombraram o Benim em 2018.

Em 3 de fevereiro, uma mulher foi assassinada e teve os órgãos sexuais removidos pelo feiticeiro Victorin Avagbo, também conhecido por Hounnon Kpèssè, e seus assistentes. “A pobre sacrificada teve as nádegas e seu sexo removidos, e deixada amarrada a uma palmeira“, revelou o Benin Web TV. Uma busca na casa do bruxo revelou um crânio humano fresco, uma sacola cheia de cabelos e unhas de mulheres e vários órgãos humanos encharcados de sangue fresco. Pouco antes de ser capturado, o feiticeiro, o qual podemos classificá-lo como um assassino em série, tentou sacrificar uma menina de 12 anos após estuprá-la, mas a garota conseguiu fugir e contar sua história à polícia, levando à prisão do bruxo na aldeia de Zoundji.

Victorin Avagbo contava com a ajuda de outras quatro pessoas, responsáveis por atrair mulheres até a casa do feiticeiro. Atraídas com a promessa de mudar de vida através dos caminhos ocultos do mago Victorin, uma vez dentro da casa do assassino, elas se tornavam presas fáceis: eram estupradas, levadas para uma floresta, amarradas e massacradas. Os cadáveres sem o sangue e órgãos internos eram deixados para os urubus comerem.

Semanas depois da prisão de Victorin, a polícia do Benim prendeu outro feiticeiro serial killer, Alfred Loko Gohoungo, após dois jovens desaparecerem em Adjra Hounvè.

Os dois homens queriam receber o dinheiro de uma dívida, então requisitaram o trabalho do feiticeiro Alfred para ele realizar um feitiço que faria o devedor pagar a dívida. Os homens desapareceram e investigando o caso a polícia prendeu Alfred e seus cúmplices, um deles seu irmão mais novo, que estava em posse de quatro crânios humanos.

No quintal do feiticeiro, a polícia exumou os corpos dos dois homens que tiveram os pênis e testículos removidos. Os órgãos sexuais foram encontrados dentro de enormes cabaças juntamente a crânios humanos e outros acessórios.

Em 11 de março de 2018, na cidade de Agbangnizoun, um homem identificado como Michaël, 27, assassinou a própria esposa, Inès Afossogbé, 24, drenou o seu sangue e retirou todos os órgãos internos.

Dezenas de outros casos continuaram acontecendo ao longo de 2018 no Benim, o que levou um cidadão a escrever uma carta pública ao presidente do país pedindo urgência no combate a este tipo de crime, “…nossa carta é um grito de coração da população beninense“.

alex tetteh - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

13. Crianças EspíritoGana


Bogoso, Ocidental, Gana | 6 de Fevereiro

Em 7 de fevereiro de 2018, residentes de Bogoso, uma pobre cidade no oeste de Gana, chamaram a polícia após avistarem três homens em atitude suspeita dentro de uma mata nas proximidades da rodovia Baakoyemobo. Quando a polícia chegou, dois deles saíram correndo, mas Alex Tetteh, 23, foi pego em flagrante carregando a cabeça do adolescente Ebenezer Tetteh, 12, em uma sacola.

Alex e seus cúmplices haviam assassinado Ebenezer um dia antes e arrancado a sua cabeça para vendê-la a um feiticeiro, que a usaria para fins ritualísticos.

O caso Ebenezer chama atenção para uma realidade desconhecida em Gana e vários outros países africanos. Todos os anos um número desconhecido de crianças – a maioria deficientes físicas – são assassinadas devido à crença de que elas são possuídas por espíritos malignos e que aqueles que as matam ficarão ricos.

A prática é a consequência de tradições e costumes antigos e é moldada pela pobreza e ignorância em comunidades remotas e muitas vezes marginalizadas. Ninguém sabe o número exato dessas mortes ritualísticas em Gana, Benin, Burkina Faso e partes da Nigéria, mas muitos estudiosos, como o premiado jornalista ganês Anas Aremeyaw Anas, o primeiro a chamar atenção para o caso em seu país, acreditam ser milhares.

“Quando eu ouvi falar sobre isso pela primeira vez eu não pude acreditar que isso estava acontecendo no meu país em pleno século 21. A prática originalmente surgiu como uma maneira de as famílias pobres lidarem com crianças deformadas ou com deficiência e que não podiam cuidar. Essas famílias se aproximam dos anciões das aldeias e os informam que suspeitam que seu filho seja uma criança espírito. Os anciões levam o pai da criança até um profeta que confirma ou não se a criança é o mal encarnado, sem nem mesmo colocar os olhos nela.”

[Anas Aremeyaw Anas – Spirit Children, Al Jazeera]

Uma amostra dessa prática macabra veio em uma super bizarra entrevista de um pastor-feiticeiro para a TV de Gana em julho de 2018. Usando uma máscara para proteger sua identidade, ele alegou ter assassinado mais de 670 crianças em rituais satânicos. Assista ao vídeo abaixo.

Mehmet Ali Çayıroğlu - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

14. O Incendiário SádicoTurquia


Özyurt, Província de Samsun, Turquia | 10 de Fevereiro

10 de Fevereiro de 2018: Sevim Semiz, 80, e suas filhas deficientes Emine Semiz, 50, e Eve Gülen, 60, morrem queimados vivos em um incêndio noturno na casa da família.

24 de Fevereiro de 2018: um casal morre queimado vivo em um incêndio noturno na casa onde viviam no Distrito de Yüceler.

9 de Abril de 2018: Dursun Kurt morre queimado vivo dentro de sua casa à noite durante um incêndio. Ele morava no bairro de Ormancik, em Ordu.

3 de Maio de 2018: desaparecimento do fazendeiro Şeker Köseoğlu em Ordu; seu corpo foi encontrado no dia seguinte em uma floresta; ele foi morto com um tiro no pescoço.

13 de Julho de 2018: Hasan Bayram é encontrado morto dentro de sua própria casa na cidade de Ordu. A perícia descobriu que alguém entrou em sua casa à noite e cortou a mangueira do gás de cozinha, matando a vítima por sufocamento enquanto dormia.

22 de Julho de 2018: Sabri Güneş, 68, seu filho Hasan, 53, e sua nora Zahide, 59, morrem queimados vivos dentro de casa em um incêndio noturno na cidade de Akkus.

31 de Julho de 2018: um casal morre por sufocamento após a mangueira do gás da cozinha ter sido cortada. O crime aconteceu durante à noite em Ordu.

Um sádico assassino deixou um rastro de terror no primeiro semestre de 2018 na Província de Samsun, Turquia, ao matar pelo menos 13 pessoas queimadas vivas ou sufocadas, a maioria dentro de suas próprias casas. Seus alvos eram pessoas de mais idade, portanto, vulneráveis. Investigando o rastro de corpos do serial killer, a polícia descobriu que, além de matar, ele levava pertences de suas vítimas.

O assassino era Mehmet Ali Çayıroğlu, 44 anos, um homem que apareceu no final de 2017 na região de Ordu comprando uma fazenda e estabelecendo um negócio de criação de animais. (De Şeker Köseoğlu, ele roubou o gado).

Mehmet Ali se aproximava de pessoas de meia-idade ou idosas, fáceis de subjugar, com propósito de fazer algum negócio, mas os atacava e incendiava suas casas enquanto as vítimas jaziam inconscientes no chão. Então, ele roubava seus animais e demais pertences que despertava interesse.

No decorrer da investigação, surgiram rumores de que o fazendeiro louco tivera a ajuda de cúmplices nos crimes, mas até o momento nenhuma outra prisão foi realizada pelas autoridades turcas.

anastasia onegina - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

15. Oferenda a BafoméRússia


Oryol, Oblast de Oryol, Rússia | 11 de Fevereiro

Em 12 de fevereiro de 2018, a russa Ksenia ligou para sua irmã Anastasia Onegina, 21, para perguntar o que ela estava fazendo. Anastasia respondeu:

“Estou desmembrando o meu namorado”.

Ksenia ficou petrificada e logo ligou para a polícia.

A frase poderia ser interpretada como uma mórbida brincadeira, mas Ksenia sabia que sua irmã era estranha, macabra, e provavelmente capaz de tal ato. Anastasia já havia passado 18 meses internada em um hospital psiquiátrico após a morte de seu marido (morto em circunstâncias misteriosas).

Liberada pelos psiquiatras, Anastasia conheceu o ex-policial Dmitry Sinkevich, 24, e os dois iniciaram um tórrido e sinistro romance. Eles gostavam do ocultismo e eram adeptos do sadomasoquismo. Suas redes sociais incluíam várias imagens satanistas.

Em 11 de fevereiro, Anastacia matou Dmitry estrangulado durante um “sexo violento” e desmembrou seu corpo para fazê-lo parecer com seu ídolo: Bafomé. Ela mutilou o rosto do namorado, drenou o sangue do cadáver e cortou as mãos, pés e lábios. Nos ombros, ela talhou símbolos; os dedos das mãos e pés também foram cortados.

“Os dedos foram cortados para fazer parecer como Bafomé, cuja imagem mais conhecida o mostra dobrando para dentro os dedos. [Bafomé] tem cascos fendidos, que parecem semelhantes aos dedos decepados dos pés de Dmitry. Muitas fontes descrevem Bafomé com cabelos loiros e encaracolados, a mesma aparência de Dmitry.”

[Yulia Minazova, delegada de polícia]

Segundo a polícia, os símbolos talhados nos ombros da vítima podem ser vistos como uma maneira de unir as asas, como as de Bafomé.

“Este desmembramento não foi pragmático, mas criativo, realizado em um ritual de sacrifício”.

[Yulia Minazova]

No ocultismo, o dia 11 de fevereiro é a última noite para sacrifícios no ciclo lunar, daí a suspeita da polícia de que Anastasia sacrificou o namorado.

A cabeça de Dmitry estava na geladeira e o corpo inteiro, mesmo que em pedaços, foi encontrado, menos o fígado.

Clique neste link e veja fotos tiradas pela polícia da cena do crime. ATENÇÃO: as imagens são perturbadoras, não clique se for sensível!

Grzegorz Stanislaw Wolsztajn - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

16. O Enfermeiro da MorteAlemanha


Ottobrunn, Bavária, Alemanha | 12 de Fevereiro

Grzegorz Stanislaw Wolsztajn - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Grzegorz Stanislaw Wolsztajn | 36 anos

Em um ano marcado pela confirmação de Niels Höge como o maior assassino em série de sua história, a Alemanha em 2018 descobriu mais um enfermeiro serial killer atuando em seu território que antecipava o fim da vida de seus pacientes. Era o polonês Grzegorz Stanislaw Wolsztajn. Em 12 de fevereiro, Wolsztajn chamou uma ambulância e reportou a morte de um idoso que estava sob os seus cuidados. A morte logo levantou suspeitas, principalmente após uma autópsia revelar duas pequenas perfurações no corpo do falecido. Além disso, a vítima tinha um nível de açúcar no sangue anormalmente baixo, o que intrigou os patologistas, já que o homem não era diabético. Níveis extremamente baixos de açúcar no sangue podem indicar uma overdose por insulina. Em novembro, a justiça alemã confirmou que o polonês assassinou pelo menos seis pessoas no estado da Bavária, na Baixa Saxônia, em Baden-Württemberg e em Schleswig-Holstein. O acusado admitiu ter injetado insulina nos falecidos, mas negou que a intenção fosse matá-los. Autoridades alemãs teorizaram que os motivos de Wolsztajn possam ter sido a cobiça e a ganância, já que ele roubava os pertences de suas vítimas e usava seus cartões de crédito. O polonês trabalhou em inúmeros hospitais da Inglaterra e Alemanha e em muitos casos foi demitido com pouco tempo de serviço.

Nikolas Cruz Vítimas - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

17. O Atirador de ParklandEstados Unidos


Parkland, Condado de Broward, Flórida, Estados Unidos | 14 de Fevereiro

Nikolas Cruz - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Nikolas Cruz | 18 anos

O americano Nikolas Cruz tinha como ídolos assassinos em massa adolescentes e jovens como Elliot Rodger e a dupla de Columbine Dylan Klebold e Eric Harris. “Elliot Rodger não será esquecido“, escreveu ele em seu canal do YouTube. Em vídeos gravados pelo celular, Cruz disse que seu nome será lembrado ao lado de outros assassinos em massa. “Quando vocês me virem no noticiário, todos vocês saberão quem eu sou. Vocês vão todos morrer.” Expulso de várias escolas, Cruz foi diagnosticado com depressão, autismo e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade. Ele costumava fazer ameaças a colegas de escola e escrever comentários extremistas e racistas na Internet. Em fevereiro de 2017, ele legalmente comprou um fuzil AR-15, a mesma arma que usou para invadir a última escola que foi expulso, a Stoneman Douglas High School, em Parkland, Flórida, e matar 17 alunos e funcionários – Meadow Pollac, 18; Alyssa Alhadeff, 14; Scott Beigel, 35; Martin Duque, 14; Nicholas Dworet, 17; Aaron Feis, 37; Jaime Guttenberg, 14; Chris Hixon, 49; Luke Hoyer, 15; Cara Loughran, 14; Gina Montalto, 14; Joaquin Oliver, 17; Alaina Petty, 14; Helena Ramsay, 17; Alex Schachter, 14; Carmen Schentrup, 16; Peter Wang, 15.

Yevgeniy Vasilievich Bayraktar - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

18. Menino MimadoJapão


Osaka, Japão | 16 de Fevereiro

Sari Kondo - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Saki Kondo | 27 anos

O americano descendente de russos Yevgeniy Vasilievich Bayraktar tinha um sonho: casar-se com uma japonesa. Ele morava com a mãe em Long Island, Estados Unidos, e foi descrito por seu ex-padrasto como “menino da mamãe”. “Se nós estivéssemos jantando e ele não gostasse da comida, sua mãe se levantaria no meio do jantar e cozinharia alguma coisa especial pra ele, e era uma época que não tínhamos muito dinheiro,” disse o ex-padastro ao The New York Post. Em busca do seu sonho, Bayraktar viajou até o Japão em janeiro de 2018 e para facilitar as coisas fez uso do Tinder para conhecer mulheres no país. Ele saiu com várias até conhecer a jovem bilíngue Saki Kondo. Para amigos, Kondo revelou que no dia 15 de fevereiro iria se encontrar com um rapaz chamado Jay, que conhecera através de um aplicativo. Câmeras de segurança filmaram ela e o americano entrando no prédio de apartamentos onde ele estava hospedado. Kondo nunca saiu do prédio, apenas Bayraktar, várias vezes, com sacos e uma mala. A cabeça de Kondo foi encontrada no prédio e pedaços do seu corpo foram espalhados por áreas florestais de Osaka e Kyoto. Bayraktar negou ter assassinado Kondo, mas a polícia japonesa o acusou de matá-la e desmembrá-la. O motivo e a dinâmica do crime são desconhecidos.

Anastacia Cecati - Capa - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

19. Assassinato-SuicídioMoldávia


Chisinau, Moldávia | 19 de Fevereiro

Anastasia Cecati - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Anastasia Cecati | 31 anos

Eles pareciam ser o casal perfeito. Ele, o dentista milionário das celebridades moldavas. Ela, uma linda modelo com fama no leste europeu. Mas algo aconteceu. A Moldávia ficou em choque ao escutar as notícias que a TV divulgava. Anastasia Cecati foi assassinada pelo marido apenas 20 dias após dar à luz. Seu marido, Alexei Mitachi, 34, após o crime, pulou do sétimo andar do prédio. Após ficar em segundo lugar no concurso Euro Sexy, Cecati se tornou um rosto conhecido no leste europeu ao aparecer em revistas como Playboy, GQ e Maxim. Na Romênia, ela teve participação na sitcom “Las Fierbinti” e apareceu no videoclipe “Crash and Burn” do DJ Basshunter. Em 2017, ela marcou uma consulta com o badalado dentista dos famosos e milionários Alexei Mitachi. “Foi amor a primeira vista“, disse ele a amigos. Alexei pediu o divórcio da esposa, Elena, com quem tinha um filho de quatro anos, para ficar com a modelo. O casamento teve toda a pompa que o dinheiro podia comprar. Mas durou pouco. Com os dois mortos é difícil saber o real motivo do crime. Uns dizem que foi ciúmes. Já a família do dentista revelou que Anastasia obrigou o marido a abrir uma clínica para ela em Dubai. Já separados, Anastasia supostamente cobrava mil euros do marido por visita a filha recém-nascida. Seja o que for, em 19 de fevereiro Alexei visitou sua filha de 20 dias de vida, então degolou a esposa e se suicidou em seguida.

Ján Kuciak - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

20. O dia mais sombrio do jornalismo eslovacoEslováquia


Veľká Mača, Distrito de Galanta, Eslováquia | 21 de Fevereiro

Coisa de assassino profissional.

Em 26 de fevereiro de 2018, após cinco dias desaparecido, a polícia da Eslováquia invadiu o apartamento do jornalista investigativo Ján Kuciak, 27, e o encontrou morto com dois tiros no peito. Sua noiva Martina Kusnirova, 27, também jazia morta com um tiro na testa. Ambos foram mortos com tiros a curta distância de uma pistola 9 milímetros. Não havia evidência de briga e nada foi roubado do apartamento.

O duplo assassinato chocou os eslovacos e uma onda de protestos tomou o país. O crime foi chamado pela mídia de “o mais sombrio dia do jornalismo eslovaco” já que Kuciak foi o primeiro jornalista assassinado desde a independência do país em 1993. “Chocado e horrorizado que algo deste tipo tenha acontecido na Eslováquia,” comentou o presidente do país Andrej Kiska, que ofereceu um milhão de euros por informações que levem ao assassino ou assassinos. “O Parlamento Europeu não irá descansar enquanto a justiça não for feita,” citou em nota o presidente do Parlamento Europeu Antonio Tajani.

A morte do jornalista aconteceu num momento em que ele investigava conexões de importantes figuras do país com a máfia italiana Ndràngheta, cuja operação é baseada na cidade de Calabria. Anteriormente, suas reportagens já haviam relatado uma fraude fiscal organizada por empresários ligados ao maior partido político da Eslováquia, o Smer-SD. Sete dias depois de sua morte, o site em que trabalhava, o Aktuality.sk, publicou, mesmo que incompleta, a matéria na qual Kuciak estava trabalhando.

O artigo detalha as atividades de empresários italianos com ligações com o crime organizado do leste eslovaco, que passaram anos desviando fundos da União Europeia destinados ao desenvolvimento desta região particularmente pobre do país, bem como suas conexões com altos funcionários do Estado, como Viliam Jasaň, deputado e Secretário do Conselho de Segurança do Estado da Eslováquia, e Mária Trošková, ex-modelo de revistas masculinas que se tornou conselheira-chefe do Primeiro Ministro do país, Robert Fico, do Smer-SD.

Enquanto a polícia investigava o caso, o caos político se instalou no país. O Ministro da Cultura Marek Maďarič pediu demissão. “Como ministro da cultura, eu não posso lidar com o fato de um jornalista ter sido morto durante o meu mandato“, disse ele. Em 12 de março, após muita pressão externa e interna, o Ministro do Interior Robert Kaliňák também pediu demissão. Dois dias depois foi a vez do todo poderoso Robert Fico anunciar a sua renúncia do cargo de Primeiro Ministro.

No final de setembro, autoridades eslovacas informaram ter detido três suspeitos de participação no crime. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados e o caso corre sob segredo de justiça. Em outubro, o site húngaro Heti Világgazdaság informou que a pistola 9 milímetros usada no crime foi comprada na Hungria.

Este é o terceiro ano seguido que um jornalista assassinado (ao que tudo indica) por agentes públicos aparece nos notórios e horripilantes. Em 2016, o bielorusso Pavel Grigorievich Sheremet morreu quando seu carro explodiu no centro de Kiev [Ver Crime 51]. Em 2017, a maltesa Daphne Caruana Galizia também morreu em uma explosão [Ver Crime 85]. Nos dois casos, os responsáveis pelas mortes ainda não foram identificados.

Nickson Tembo - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

21. O solteiro da casa 143/13Zâmbia


Lusaka, Zâmbia | 24 de Fevereiro

Matero é um dos bairros mais pobres de Lusaka, capital da Zâmbia. Com uma alta densidade de moradores, é conhecido pela atividade criminal, péssimas condições sanitárias e ruas esburacadas. Os que não são criminosos trabalham dia e noite para sustentar as famílias e viver com um pouco de dignidade.

Entre os moradores de Matero havia um homem solteiro que vivia uma vida isolada e não se socializava com ninguém. Os vizinhos não davam muita bola pra ele, afinal, ele ficava no canto dele e não mexia com ninguém. De vez em quando ele até compartilhava a carne que tinha com a criançada e com transeuntes que apareciam pedindo comida.

Este homem era Nickson Tembo, 29 anos, feiticeiro, canibal e serial killer.

Entre 21 de outubro de 2017 e 24 de fevereiro de 2018, sete homens entre 25 e 40 anos foram encontrados massacrados ao lado de blocos de concreto ensanguentados.

Os peitos estavam abertos, os órgãos internos haviam sumido, as orelhas e partes íntimas eram cortadas“, relatou o Ministro de Assuntos Interiores Stephen Kampyongo à imprensa.

A investigação da polícia os levou ao interior da residência de Nickson Tembo na casa de número 143/13, Lilanda West, em Matero. Lá dentro, eles encontraram um coração e um fígado humanos cozinhados dentro de uma panela. Dentro de sacos dependurados em um varal improvisado havia pedaços de corpos humanos.

Tembo cozinhava os órgãos internos de suas vítimas e comia, compartilhando a carne humana com vizinhos e moradores de rua.

“Este homem era um solteiro que vivia uma vida isolada e não era social. Eu não quero me antecipar, mas eu acredito que ele compartilhava sua comida de fígados humanos com as crianças que não tinham ideia”.

[Edward Phiri, vizinho]

Revoltados, os vizinhos atearam fogo no casebre do suspeito.

Neste vídeo, Tembo é interrogado pela polícia dentro da viatura.

Luis Alfredo Gonzalez Hernandez - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

22. O artista antropófagoVenezuela


Barlovento, Miranda, Venezuela | Março

Luis Alfredo Gonzalez Hernandez - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Luis Alfredo Gonzalez Hernandez | 30 anos

Em 5 de abril, a polícia venezuelana prendeu Luis Alfredo Gonzalez Hernandez ao descobrir restos humanos em uma fazenda na região de Barlovento, extremo norte do país. Os restos humanos pertenciam a Lisandro Rosales Garcia, 49, dono da fazenda, e supostamente amante de Luis. A polícia acredita que o crime foi um “pacto íntimo”. Lisandro teria pedido para o seu namorado o matar, depois comer a sua carne e pintar quadros com o seu sangue. Na fazenda foram encontradas várias obras de arte pintadas com o sangue da vítima além de vários potes contendo carne humana e vísceras condimentadas. Segundo a Agencia Carabobeña de Noticias, também foram encontradas três cabeças, pés, mãos e vários documentos de terceiros. Em interrogatório, o artista canibal confessou ter assassinado 10 homens e comido suas carnes desde 2016. Seis corpos foram encontrados na fazenda e acredita-se que Luis, após matar suas vítimas, cortava os músculos com facas e cozinhava os pedaços na brasa, temperando-os com suco de laranja. Douglas Rico, chefão do CIPC (Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas) publicou em seu perfil do Twitter várias fotos da cena do crime.

Massacre em Maze - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

23. Massacre de MazeCongo


Aldeia de Maze, Província de Ituri, Congo | 1 de Março

“Você vem investigar, outras pessoas vêm investigar. Mas, me diga, quem será considerado responsável por isso? As pessoas que estão mortas – quem vai ser responsável por isso? Quem vai ajudar? As pessoas vêm nos irritar com seus gravadores, mas ninguém traz uma solução. Qual é a solução? Estou desesperado”.

[David, questionando o editor da BBC África Fergal Keane]

O congolês David perdeu 18 familiares no Massacre de Maze, ocorrido no dia primeiro de março de 2018. O episódio é mais um capítulo sangrento do que se tornou o Congo.

O país é rico em recursos naturais como petróleo, minérios e metais preciosos, mas milhões de pessoas vivem muito abaixo daquilo que conhecemos como pobreza. Pior do que a pobreza extrema são os conflitos que explodiram no país entre suas várias etnias. Disputas de terras, divisões políticas e racismo são os combustíveis que levam milhares à morte todos os anos. Para piorar, o Presidente do país, Joseph Kabila, se recusou a entregar o seu cargo ao final do mandato.

Ao todo, 49 pessoas foram decapitadas e esquartejadas na aldeia de Maze. Por quê? Porque eles pertenciam à etnia Hema. Os autores do massacre eram vizinhos, moravam numa aldeia próxima, mas pertenciam ao grupo étnico Lendus.

Os Lendus chegaram de surpresa empunhando facões. Crianças e idosos se tornaram presas fáceis – foram retalhados e esquartejados.

“Eles começaram a nos perseguir e quem não conseguia correr era pego e golpeado com facões. Ela [filha de quatro anos] foi ferida, mas acabou sobrevivendo porque eles estavam com pressa e não terminaram de matá-la”.

[Jeremy Mapenzi, sobrevivente]

Como muitas das crianças da aldeia, Rose, a filha de Jeremy, estava amarrada às costas da mãe quando os assassinos chegaram.

As 49 vítimas foram enterradas em duas valas comuns no centro da aldeia.

Abaixo um vídeo da BBC sobre o massacre.


Fiona Scourfield - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

24. Machado + Espada de SamuraiPaís de Gales


Laugharne, Carmarthenshire, País de Gales | 6 de Março

Rueben Brathwaite - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Rueben Brathwaite | 16 anos

Em 6 de março, o estudante de ensino médio Rueben Brathwaite chegou em casa após mais um dia de aula, cumprimentou sua madrasta Fiona Scourfield, 54, e ficou escutando música e vendo conteúdos gore na internet. Ele era obcecado em casos de decapitações e assassinatos em massa. Naquela tarde, o adolescente chamou sua madrasta do lado de fora da casa e quando ela foi ao seu encontro Rueben estava com um machado na mão. Foram nove golpes de machado na cabeça que deixaram Fiona desfigurada. Ele, então, pegou uma espada de samurai de seu pai e cortou o pescoço da madrasta. “Estou farto da minha vida e queria cometer suicídio, mas não consegui me matar. Então eu pensei que, se possível, mataria outra pessoa. Foi uma saída“, disse ele sobre o crime. Rueben considerou matar o próprio pai, mas como ele era grande, achou melhor atacar a madrasta. Após golpeá-la e cortar seu pescoço, Rueben tirou fotos do cadáver e tentou subir para o site 4Chan, mas não conseguiu. “Tinha certeza que ela e meu pai me amavam“, disse ele posteriormente na delegacia. Exames psiquiátricos não revelaram nenhum tipo de transtorno mental ou de personalidade. Em setembro, o adolescente foi sentenciado à prisão perpétua.

Marielle Franco - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

25. Marielle PresenteBrasil


Rio de Janeiro, Brasil | 14 de Março

Marielle Francisco da Silva, 38, mais conhecida como Marielle Franco, foi uma política nascida no Rio de Janeiro que morreu lutando pelos direitos das mulheres e dos moradores das favelas cariocas. Vereadora crescida na favela do Maré, ela denunciou a brutalidade policial que moradores da favela, a maioria negros, experimentavam regularmente.

Na quarta-feira, 14 de março de 2018, por volta das 21h20, homens armados emparelharam com seu carro no centro do Rio de Janeiro e a metralharam. Ela levou quatro tiros na cabeça. Seu motorista, Anderson Pedro Gomes, 39, que fazia um bico para sustentar a família, também foi alvejado com tiros nas costas e faleceu no local. Marielle havia acabado de deixar um evento organizado por ela sobre o empoderamento de mulheres negras.

Sua morte provocou uma onda gigantesca de comoção. Milhares de pessoas organizaram vigílias e protestos que chegaram a mais de 20 cidades brasileiras.

Marielle era um ícone para a comunidade negra do Rio de Janeiro. Ela era a prova viva de que uma mulher negra, nascida na pobreza de uma favela poderia ter um diploma e dignidade. Mais ainda, de que eles podiam lutar contra o preconceito e a injustiça social que assola pessoas humildes e negras. Para as mulheres, ela provou ser possível superar o sexismo em um país extremamente machista. Obviamente que a sua morte foi muito mais sentida entre as mulheres afro-brasileiras, as que mais sofrem com uma sociedade violenta, racista e sexista.

“Ela foi executada porque era uma moradora negra de favela que lutou contra o assassinato de moradores negros de favela. O genocídio da população negra continua neste país.”

[Lua Nascimento, amiga de faculdade de Marielle]

O assassinato de Marielle e Anderson foi claramente uma execução. De acordo com a Human Rights Watch, o assassinato dela relacionou-se à “impunidade existente no Rio de Janeiro” e ao “sistema de segurança falido” do estado.

Quase um ano depois, as autoridades cariocas não elucidaram o crime. 

Em novembro de 2018, a Polícia Federal abriu uma investigação em paralelo a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, baseada em depoimentos de duas testemunhas que afirmaram que agentes públicos estariam envolvidos na morte da vereadora e dificultando a investigação.

De acordo com o Atlas da Violência 2017, mais de 59 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2015. De acordo com este estudo, de cada 100 assassinatos, 71 são de pessoas negras. Para se ter uma ideia do porquê da palavra “genocídio”, na guerra civil da Síria, em 2017, pouco mais de 33 mil pessoas foram mortas.

Em julho de 2018, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro aprovou a Lei 8054/2018 que consolidou 14 de março ao Calendário Oficial do Estado do Rio de Janeiro como o “Dia Marielle Franco – Dia de Luta contra o genocídio da Mulher Negra”.

David Dragičević - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

26. Quem matou David?Bósnia e Herzegovina


Banja Luka, Bósnia e Herzegovina | 18 de Março

David Dragicevic - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: David Dragičević | 21 anos

Na noite de 18 de março de 2018, o estudante de computação David Dragičević saiu de casa para se encontrar com amigos e desapareceu. Seis dias depois, seu cadáver foi encontrado coberto de lama e areia em um esgoto na confluência de dois rios da cidade de Banja Luka, a segunda maior da Bósnia e Herzegovina. Segundo investigação policial, ele teria brigado com vários jovens em um café de Banja Luka, roubado uma residência e caído de uma ponte ao voltar para casa. Sua morte foi oficializada como “acidental”. Mas desde o início das investigações, o pai da vítima, Davor Dragičević, assegurou que seu filho fora assassinado e acusou autoridades locais de acobertarem a identidade do assassino. A tese de roubo e morte ao cair de uma ponte não colou e o caso ganhou repercussão internacional, com uma onda de protestos sacudindo o país, incluindo na capital Saraievo. Davor revelou que recebera, sob anonimato, documentos da autópsia que mostravam que seu filho sofreu tortura e abuso sexual durante dias antes de morrer. Em setembro de 2018, Milorad Dodik, Presidente da República Sérvia (um mini estado autônomo controlado pelos sérvios dentro da Bósnia e Herzegovina), disse em rede nacional que Davor “deveria parar de lamentar a morte de seu filho“. O recado foi entendido por muitos, mas o medo inexiste em um pai cujo filho foi abusado, torturado e assassinado. No mês seguinte, Davor organizou outra manifestação que contou com milhares de pessoas, transmitindo-a ao vivo na página do Facebook Justiça para David. Nesta mesma página ele compartilha as atualizações do caso. Abaixo um vídeo da Associated Press com o “líder protestante bósnio que arregimentou milhares de simpatizantes e se tornou um símbolo da resistência…tudo o que ele quer é justiça para o seu filho”.

christian omar palma gutierrez - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

27. Rapper, Youtuber & AssassinoMéxico


Tonalá, Jalisco, México | 19 de Março

Até abril de 2018, o rapper e youtuber mexicano Christian Omar Palma Gutierrez, 24 anos, conhecido como QBA, tinha 125 mil inscritos em seu canal. Lá, ele publicava vídeos em que cantava sobre a violência, armas e drogas em músicas como La muerte no tiene horario (A morte não tem horário, em tradução literal). Em outros vídeos estilo ostentação, ele e seus amigos se exibiam em veículos de luxo e motocicletas esportivas. A vida numa periferia sangrenta mexicana mostrou a QBA o quão dura e triste é a realidade de quem nasce numa região de risco. A música poderia tê-lo salvado. Poderia.

Voltando um mês antes, em 19 de março, três universitários estavam no lugar e hora errados. Estudantes da Universidade de Meios Audiovisuais de Guadalajara, eles estavam em uma casa para gravar um curta-metragem para um trabalho da faculdade. Eles eram:

  • Salomon Aceves Gastelum, 25 anos

  • Marco Francisco García Ávalos, 20 anos

  • Jesus Daniel Diaz Garcia, 20 anos

Jesus Daniel Diaz Garcia

Os três estudantes foram até os arredores de Guadalajara para filmar na casa da tia de um deles. O que eles não sabiam é que a casa, um dia, abrigou integrantes do cartel de drogas Nova Praça (Nueva Plaza) e, quando estava nas mãos dos traficantes, era usada para prostituição e tráfico de pessoas.

Após o término do trabalho, os três partiram de volta para casa, mas o carro em que estavam foi interceptado por homens que se apresentaram como policiais. Os garotos estavam sendo vigiados e os homens que os pararam não eram policiais, mas traficantes do grupo rival Cartel Jalisco Nova Geração (CJNG). A região era vigiada pelo cartel e os garotos foram confundidos com integrantes do Nova Praça.

Salomon, Marco e Jesus foram levados para uma casa onde foram interrogados, torturados e brutalmente assassinados. Um dos integrantes do CJNG que participou do crime foi o rapper QBA – que havia se juntado ao CJNG três meses antes, recebendo cerca de R$ 550 mensais do cartel para “trabalhos”. Além de participar no assassinato dos três estudantes, QBA ficou responsável por dar sumiço nos cadáveres. Para isso, ele dissolveu-os em ácido sulfúrico. No total, a polícia mexicana descobriu que QBA participou ativamente em pelo menos seis assassinatos.

O desaparecimento dos estudantes causou grande comoção no México e a polícia federal entrou no caso. Um mês depois, autoridades descobriram 46 tambores em uma casa de Tonalá, alguns ainda com ácido e “material biológico“. Na mesma casa foram encontradas manchas de sangue. Testes de DNA comprovaram pertencer a dois dos estudantes.

“As palavras não alcançam para entender a dimensão desta loucura. Três estudantes são assassinados e dissolvidos em ácido. O ‘porquê’ é impensável, e como é aterrador!”

[Guillermo del Toro, ator de cinema e cineasta]

Ekaterina Nikiforova - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

28. Comeu o coração da amigaRússia


Krasnoyarsk, Krai de Krasnoyarsk, Rússia | 20 de Março

Alexey Yastrebov - 101 Crimes Notorios e Horripilantes de 2018Acusado: Alexey Yastrebov | 35 anos

Drogas e bebidas não são uma boa combinação. Na Rússia então, nem se fala. Em 20 de março de 2018, Ekaterina Nikiforova, 27, subiu até o primeiro andar de um prédio na rua Ulitsa Energetikov para beber com o seu colega Alexey Yastrebov. Em dado momento, os dois começaram uma discussão que terminou com Alexey aplicando 129 tesouradas na amiga. Não satisfeito, ele cortou o pescoço de Ekaterina e abriu o seu tórax, retirando o coração e o pulmão esquerdo. Ao estilo requintado de Hannibal Lecter, Alexey colocou o coração em uma panela e cozinhou, comendo-o ao mesmo tempo em que saboreava uma taça de vinho tinto. “Eu disse a ela que eu comeria o seu coração. Então o fiz. Comi o seu coração enquanto bebericava um vinho tinto“, disse ele com um estranho sorriso no rosto a um amigo. Após o crime, Alexey ligou para a dona do apartamento em que morava e pediu para ela chamar a polícia e uma ambulância. “Estou deitado no sangue. Do meu lado tem um corpo“, disse ele. Quando a ambulância chegou, o canibal apenas disse: “Tem restos de um coração na panela”. Ele tentou o suicídio, mas recuperou-se em um hospital e foi condenado a 12 anos de prisão e tratamento psiquiátrico compulsório. Em seu julgamento, Alexey se mostrou arrependido: “Eu espero que os seus familiares algum dia possam me perdoar porque eu nunca irei me perdoar“.

Sudão do Sul - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018.jpg

29. Lar da BrutalidadeSudão do Sul


Aldeia de Thonyor, Leer, Sudão do Sul | Abril

Nascido da brutalidade, o Sudão do Sul, o mais jovem país do mundo, se afunda em assassinatos, estupros e incêndios criminosos.

A história do país é marcada pela complexidade de suas rivalidades. A maioria dos conflitos se baseia em torno das cidades de Leer e Mayendit, e colocam em lados opostos os soldados do vice-presidente Taban Deng contra os partidários de Riek Machar, ex-vice presidente e um antigo rival do atual presidente Salva Kiir, que domina com mãos de ferro o país desde a sua independência do Sudão em 2011. A guerra, portanto, não é entre tribos rivais ou etnias diferentes, mas sim pelo poder. Uma guerra promovida por políticos.

Um relatório da Anistia Internacional publicado em julho de 2018 detalha crimes horrendos cometidos por soldados do governo. Baseado em testemunhos de sobreviventes, o relatório cita inúmeros crimes que chocam por sua desumanidade.

Quando eles [soldados] apareceram, mataram o meu pai…Quando eles vieram nós apenas acordamos e meu pai tentou se mover…eles atiraram nele e minha mãe correu até ele e começou a chorar. Era por volta das sete da manhã…O que matou o meu pai, eu vi ele… ele não tinha um khaki [uniforme], ele vestia roupas normais…Aquele homem…atirou em todo mundo…Havia sete homens [soldados] que pegaram as crianças e as colocaram dentro de um tukul [casa com telhado de palha] e atearam fogo. Eu pude ouvir os gritos. Eram quatro meninos. Um menino tentou sair e os soldados fecharam a porta em sua cara. Ele tentou sair do fogo. Também teve cinco garotos que foram batidos contra uma árvore. Eles tinham dois, três anos.”

[Nyaweke, 20, sobre o massacre na aldeia de Thonyor]

Maria, uma mulher de cerca de 36 anos, disse à Anistia Internacional que estava em Rukway, Leer, quando sua aldeia foi atacada por soldados do governo. Ela correu com seus filhos e se escondeu numa mata. Ela descreveu como dois avós e seus dois netos foram queimados vivos dentro de uma casa, além do assassinato de uma mulher e seu filho recém nascido.

“O senhor e a senhora ficaram com as duas crianças e foram queimados dentro da casa. Quando a mulher correu com o recém nascido, ela levou um tiro e o bebê caiu no chão, e então veio o soldado e pisou no bebê, esmagando-o”.

Nyaguey, uma mulher de 45 anos, foi encontrada pelo marido dependurada pelo pescoço em uma viga dentro da casa após um ataque do governo na aldeia onde moravam no final de abril de 2018. Várias crianças testemunharam o crime.

“As crianças disseram que os soldados apareceram na casa pedindo dinheiro e bebida. Minha esposa disse que não tinha nada para dar a eles, então eles a mataram.”

O relatório continua com estupros coletivos e sequestro de adolescentes e mulheres. As que resistem são mortas. Os soldados do governo matam deliberadamente civis, incluindo mulheres, crianças, idosos e pessoas com deficiência. Muitos são mortos por armas de fogo, mas há pessoas queimadas vivas, enforcadas em árvores ou atropeladas por veículos blindados. Civis que correm para se esconder em pântanos ou matas são perseguidos e caçados como animais.

Em 2016, a Anistia Internacional já tinha chamado à atenção para o conflito com detalhes mais escabrosos. Civis eram forçados a beberem o sangue e comerem a carne de seus amigos e vizinhos mortos, já outros eram obrigados a estripar pessoas, removendo os órgãos internos. Na época, o órgão revelou que muitos no país estavam com tendências suicidas devido às atrocidades presenciadas ou que eram obrigados a fazer.

michael penttilä - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

30. Serial Killer CrossdresserFinlândia


Helsinque, Finlândia | 13 de Abril

Michael Penttilä - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Michael Penttilä | 53 anos (também conhecido como Jukka Lindholm)

Um cheiro horrível e forte tomou conta de um prédio no bairro de Kallio, Helsinque, durante o mês de abril. Não aguentando mais a fetidez, o síndico resolveu investigar e descobriu um cadáver em decomposição em um dos apartamentos. O cadáver era de uma mulher de 52 anos (cujo nome não foi divulgado) assassinada por estrangulamento. Não demorou muito (exatamente dois dias depois) para investigadores finlandeses baterem na porta de um velho conhecido deles: o serial killer Michael Pentillä. A vida de crimes de Pentillä começou em 1985 quando ele estrangulou a própria mãe. Ele não foi preso pelo crime e no ano seguinte atraiu uma adolescente de 12 até sua casa e a estrangulou também. Ele cumpriu apenas seis anos de prisão e em 31 de maio de 1993 estrangulou com um cinto uma mulher de 42 anos. Preso novamente, Pentillä passou a vestir calcinhas e roupas femininas na prisão, adotando um visual de mulher (como atesta a imagem ao lado). Em 2008 ele foi solto. No ano seguinte estuprou mulheres e tentou estrangular uma outra que conseguiu escapar. Pentillä passou sete anos preso e foi solto em 2016, mas a polícia ficou de olho nele. Em 2017, investigadores finlandeses pediram sua prisão devido à suspeita de que ele planejava matar outra mulher, mas a justiça negou o pedido. Em 13 de abril, as suspeitas da polícia se confirmaram com a morte da prostituta de 52 anos.

George Alves - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

31. Pastor do DiaboBrasil


Linhares, Espírito Santo, Brasil | 21 de Abril

Um crime bárbaro e chocante. Por mais que estejamos acostumados à violência e selvageria do ser humano – dos horríveis crimes de guerra aos macabros rituais homicidas de serial killers, comumente compartilhados nas mídias sociais ou mostrados na TV aberta enquanto comemos aquele ovo frito no jantar – muitos crimes nos deixam perplexos e confusos, com aquele sabor amargo de “Onde é que eu estou?” ou “O que é o ser humano, afinal?”, ou aquela indagação mais simples que fazemos quando somos expostos à crueldade? “O que é isso?”

O caso do Pastor homicida de Linhares é um desses, tão horrível que a resolução do crime envolveu diversas camadas do governo do Espírito Santo; uma investigação meticulosa que não poderia falhar em um só ponto dada à atrocidade cometida, uma abominação que o secretário de Segurança Pública do estado visivelmente teve dificuldades em falar. Veja abaixo:

Essa história, que é muito além do absurdo, começou na madrugada do dia 21 de abril de 2018.

Às duas da manhã, vizinhos ouviram gritos desesperados de crianças vindos de uma casa no centro de Linhares. Minutos depois, fumaça e labaredas de fogo preenchiam um dos quartos e o brilho das chamas iluminou a noite. Assustados, vizinhos correram até a casa e arrombaram o portão. Dentro, estava o pastor George Alves, seu filho Joaquim Alves Salles, 3 anos, e seu enteado Kauã Salles Butkovsky, 6 anos. Os dois últimos mortos, carbonizados em uma cama além do reconhecimento. A esposa de George e mãe dos meninos, Juliana Sales Alves, estava em um congresso religioso em Minas Gerais com o filho mais novo do casal.

No dia seguinte, George Alves comandou um culto da Igreja Batista Vida e Paz, da qual fazia parte. Bastante emocionados, os fiéis abraçaram e confortaram o casal que no dia anterior perdera dois filhos de forma brutal. Após o culto, o pastor deu uma entrevista para o canal do YouTube da igreja e disse buscar forças em Deus para superar a tragédia. Veja abaixo:

Dois dias após o incêndio, George e Juliana foram até o Departamento Médico Legal de Vitória colher material para exame de DNA, já que o reconhecimento dos corpos de Joaquim e Kauã só poderia ser feito por comparação de DNA. Na ocasião, ele falou pela primeira vez com a imprensa.

George ficou o tempo todo de óculos escuros e deu sua versão sobre a noite em que os filhos morreram.

Ao lado da esposa, ele chorou e disse que tentou salvar as crianças. Veja no vídeo abaixo:


A sinistra surpresa veio um mês depois. Após mais de um mês da tragédia, tempo o qual autoridades investigaram exaustivamente a dinâmica do ocorrido – incluindo exames de necropsia e sangue das crianças, laudo do corpo de bombeiros, perícia da polícia civil, perícia computadorizada simulando o incêndio, exame de corpo de delito no pastor, exame de DNA, exame de luminol e exame PSA – eles chegaram a uma conclusão aterrorizante.

Um ex-cabelereiro estrela de São Paulo que usava as mídias sociais para aparecer a pastor de igreja no Espírito Santo, George Alves, juntamente com a esposa, buscava uma ascensão religiosa e aumento expressivo na arrecadação de valores por fiéis. Ele queria os fiéis aos seus pés, admirando-o como se ele fosse um faraó, os reis que tinham status de deuses no antigo Egito.

Sua esposa Juliana sabia que George tinha comportamento sexual incompatível com a sua pregação. Em uma troca de mensagens com ele, ela disse ter “nojo”, ele respondeu se sentir “imundo” e um “lixo”.

Há tempos a escola de Kauã e Joaquim já notava algo de diferente nos garotos, em retrospectiva, os sinais eram claros: eles estavam sendo molestados sexualmente. Na escola, Kauã chorava desesperadamente, mas alegava aos seus professores que não podia relatar a motivação. Joaquim, o mais novinho, revelou aos professores o que o próprio “papai” fazia com ele. Chamados para conversar, George e Juliana disseram que se o filho realmente estivesse sendo abusado, isso não ocorreria no lar, ao contrário, tentaram culpar uma outra criança de cinco anos, colega de classe de Joaquim.

A investigação concluiu que Juliana sabia que George abusava sexualmente dos filhos, que deixava faltar alimento, medicamentos e atendimento médico para as crianças. Em um dos cultos ministrados por George, com a presença de Juliana, os fiéis relataram que ele, estranhamente, pregou que estupradores de crianças deveriam ser perdoados pelos membros daquela igreja.

Pastor George Alves com sua esposa, Juliana e os filhos Kauã, Joaquim e João. (Foto: Reprodução/Facebook)

Pastor George Alves com sua esposa, Juliana e os filhos Kauã, Joaquim e João. (Foto: Reprodução/Facebook)

Os pequenos Kauã e Joaquim viviam um verdadeiro inferno dentro de casa. Eles sofriam violência física e psicológica por parte do pai, Juliana sabia de tudo, já que mensagens no WhatsApp mostravam que George enviou para a esposa fotos das crianças machucadas após espancá-las. O casal tinha um relacionamento conturbado, George desprezava as crianças e Juliana parecia enfeitiçada ou presa ao marido. Seja o que for, ela se casou com um monstro e deixou-o se desenvolver, juntando-se a ele durante o processo. “Eu não estou preparada para dar errado,” disse Juliana a George no WhatsApp após ele ser chamado para prestar esclarecimentos na delegacia durante a investigação.

Vivendo em um patológico e bizarro mundo religioso próprio, o pastor fanático aliou o útil ao agradável: já que ele não gostava nem do filho e nem do enteado, por que não matá-los e usar a tragédia para ganhar notoriedade, respeito, admiração e poder sobre os fiéis? Por mais surreal que possa parecer, esse foi o motivo pra ele ter acabado com os pequenos.

Segundo investigação enviada ao Ministério Público, Juliana sabia que o marido planejava usar a morte das crianças para ganhar notoriedade e ascensão religiosa. Não está claro se ela sabia que os próprios filhos morreriam em 21 de abril, mas naquele final de semana ela não estava em casa, mas em viagem num congresso para mulheres. 

Aquela madrugada foi aterrorizante para os meninos. Eles foram selvagemente espancados e estuprados por George. Sangue de Kauã foi encontrado no banheiro da casa e material genético presente apenas no sêmen foi encontrado nos ânus de ambos. Testes de DNA revelaram ser de George. Para encobrir o espancamento e o estupro, George jogou os garotos em cima da cama e ateou fogo. Eles ainda estavam vivos quando o fogo tomou conta dos corpos. Eles ficaram completamente carbonizados.

Preso, George Alves aguarda julgamento por tortura, duplo homicídio triplamente qualificado e duplo estupro de vulnerável. Se condenado, ele pode pegar mais de 120 anos de prisão. Em junho, a polícia também pediu a prisão de Juliana Alves por omissão.

“No ordenamento jurídico brasileiro, a omissão de uma mãe tem um desvalor equivalente a uma ação. Ela tinha pleno conhecimento do risco e podia evitar esse resultado trágico. Ela responde, com o não agir de uma mãe, pelo mesmo crime. Por isso, hoje, a Juliana é formalmente ré”.

[Raquel Tannenbaum, promotora de justiça]

Alek Minassian - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

32. IncelCanadá


Toronto, Ontaro, Canadá | 23 de Abril de 2018

Alek Minassian - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Alek Minassian | 25 anos

Crime: Em meados de abril, o jovem canadense Alek Minassian, 25, postou em sua página do Facebook: “A Rebelião Incel já começou! Nós vamos derrubar todos os Chads e Stacys! Todos saúdam o Cavalheiro Supremo Elliot Rodger!“. Incel são as iniciais para a expressão “Involuntary Celibates” (Celibatários Involuntários, em tradução literal). Os incels são homens que não tem sucesso com o sexo oposto, sendo obrigados a viverem na solteirice. Raivosos pelo fato, eles se reuniram na chamada dark web e criaram a expressão na qual se autodenominam. Nos fóruns deste lado obscuro da Internet, os incels destilam sua raiva sobre o insucesso com as mulheres e o ódio para com o poder feminino. O ídolo deles? Elliot Rodger, um jovem americano que se dizia um pária sexual e matou seis pessoas em 2014 na Califórnia porque não conseguia arrumar uma namorada e fazer sexo. “Stacys” são as mulheres que os rejeitam e “Chads” seus rivais (homens supostamente “garanhões” e com vida sexual ativa). Se os incels não conseguem ter uma namorada, então eles promovem tragédias. Em 23 de abril de 2018, Minassian se tornou o novo “ídolo” desse grupo ao dirigir uma Van pelas ruas de Toronto passando por cima de quem conseguisse. Dez pessoas morreram atropeladas e 16 ficaram feridas. Preso, ele aguarda julgamento.

Zhao Zewei - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

33. O Assassino FrustradoChina


Condado de Mizhi, Shaanxi, China | 27 de Abril

Zhao ZeweiAcusado: Zhao Zewei | 28 anos

Crime: a vida supostamente não sorriu para o chinês Zhao Zewei. Um homem frustrado, Zhao acreditava que merecia melhor sorte tanto no trabalho quanto na vida. Seu ódio para com sua vida desgraçada quanto de pessoas era tão grande que ele decidiu se vingar. Ele arquitetou um plano ousado: encontrar todos os seus ex-colegas de escola que supostamente praticaram bullying nele e matá-los. Zhao falhou em encontrá-los. Então ele partiu para um plano mais fácil. Armado com três facas, ele se dirigiu até o bairro de Beimendong, local em que ficava a escola em que estudou na infância, e lá promoveu um massacre. Enquanto as criancinhas iam saindo após o término das aulas, Zhao atacou-as, matando nove e deixando 12 feridas. Em seu julgamento, o juiz citou a maneira “particularmente cruel” com que Zhao matou as crianças, e que o episódio trouxe sérias e severas consequências para a sociedade. Em 20 de setembro, ele foi executado por um pelotão de fuzilamento nos arredores de Mizhi. Testemunhas filmaram de longe o pelotão de fuzilamento em linha. Abaixo, vídeo postado no Twitter mostra vítimas da chacina [não recomendado para pessoas sensíveis!]

Situação em Kansai - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

34. A Casa do DiaboCongo


Diboko, Congo | Maio de 2018

Não há dúvidas: o Congo é hoje o maior matadouro humano do mundo. O que ocorre nas entranhas do país mostra até que ponto a depravação e maldade humana pode chegar. Pior do que isso é perceber que as atrocidades cometidas não tocam o mundo, não são noticiadas e nem alvo de discussões de líderes mundiais. O que ficamos sabendo vem dos olhos de investigadores dos direitos humanos que percorrem o país e repassam o que veem à ONU e às organizações dos direitos humanos. Um relatório publicado pelas Nações Unidas em 3 de julho de 2018 é uma das coisas mais assustadoras que alguém possa ler.

O relatório intitulado “Situação em Kasai” escancara ao mundo o horror que acontece na Província de Kasai, uma das 26 províncias do Congo, onde rebeldes e forças do governo cometeram atrocidades abomináveis. Para a ONU não há dúvidas, ambos os lados são culpados de crimes contra a humanidade.

De acordo com o relatório, em maio de 2018, homens e meninos foram levados à força de uma aldeia chamada Mudjadja por homens da milícia Kamuina Nsapu (congoleses da etnia luba que habitam o sul do país e que se rebelaram contra o governo e outras etnias) até uma tshiota na cidade de Diboko sob o pretexto de serem batizados. Mas o que é uma tshiota? Diz o relatório da ONU:

“As tshiotas são também lugares escolhidos para decapitação, muitas vezes realizada [as decapitações] por crianças, bem como para atos de canibalismo. Cabeças e outras partes dos corpos das vítimas são levadas para lá, junto com o sangue”.

[Situation in Kansai, página 7]

As tshiotas são lugares onde a milícia realiza rituais de iniciação de crianças, adolescentes e homens, uma espécie de lugar sagrado para o grupo, mas são usadas principalmente para decapitar pessoas e realizar rituais macabros.

As crianças e homens da aldeia Mudjadja foram levados até uma tshiota em Diboko simplesmente porque não pertenciam à mesma etnia da Kamuina Nsapu. Lá, pelo menos 186 deles foram decapitados vivos, muitas decapitações foram feitas por soldados crianças. Os cadáveres foram enterrados em duas valas comuns por membros da Cruz Vermelha do Congo.

Mas o massacre de Diboko é apenas a ponta do iceberg.

O relatório detalha sanguinários ataques cometidos pelas milícias Kamuina Nsapu e Bana Mura, além de forças do próprio governo, as FARDC (Forças Armadas da República Democrática do Congo). O que se conclui do relatório é que as várias etnias do país se matam entre si e as forças do governo, no meio disso tudo, matam todo mundo.

Os testemunhos são horrendos e incluem meninos que são forçados a estuprar a própria mãe e mulheres que devem escolher entre morrer ou sofrer estupro coletivo.

“Uma vítima nos disse que viu um grupo da milícia Kamuina Nsapu usando genitais femininos, vaginas e clítoris, como medalhas… Algumas testemunhas nos disseram que viram pessoas picando, cozinhando e comendo carne humana, incluindo pênis cortados de cadáveres e de homens que ainda estavam vivos, principalmente das FARDC, e bebendo sangue humano”.

[Situation in Kansai]

Grande parte dos soldados das milícias são crianças forçadas a lutar, muitas desarmadas ou segurando pedaços de pau. Os milicianos dizem a elas que após a cerimônia de iniciação no grupo elas estão protegidas pela magia, o que as torna invulneráveis, podendo até mesmo “segurar balas”. Em confrontos com as FARDC, as crianças são mortas indiscriminadamente pelas metralhadoras do exército. Acreditando estarem protegidas pela magia, elas correm sem medo em direção a morte. “Os corpos são muitas vezes enterrados em valas comuns ou pilhados em caminhões por soldados do exército e enterrados em algum lugar“, diz o relatório. Os investigadores da ONU suspeitam que existam centenas de valas comuns espalhadas por Kansai.

Ataque em Mubi - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

35. Explosões na MesquitaNigeria


Mubi, Adamawa, Nigéria | 1 de Maio

Mubi, uma cidade com cerca de 175 mil habitantes próxima à fronteira com Camarões, já sofreu nas mãos do grupo terrorista Boko Haram. Em 2014, o exército nigeriano expulsou os insurgentes e Mubi viveu relativamente em paz até novembro de 2017, quando um homem-bomba se explodiu levando consigo mais de 50 pessoas. Então, seis meses depois, o Boko Haram repetiu a mesma tática, desta vez, vitimando muito mais inocentes.

Pedaços de corpos ficaram espalhados quando dois homens bomba detonaram suas vestimentas matando 86 pessoas na tarde de primeiro de maio. O primeiro suicida se explodiu dentro de uma mesquita lotada de fiéis. O segundo suicida estava do lado de fora e esperou os sobreviventes que saíam correndo ou cambaleando. Pessoas que estavam em um mercado próximo ou que passavam na rua foram ao socorro e se aglomeraram do lado de fora, então o terrorista se misturou no meio delas e se explodiu.

O governo nigeriano divulgou que 27 pessoas havia morrido no ataque, mas coveiros do cemitério local contaram à Agence France Presse outra história. Eles disseram ter enterrado 76 pessoas no dia da explosão e mais 10 no dia seguinte.

“Eu acho que este foi o pior ataque que Mubi já testemunhou. A perda humana é inimaginável”.

[Muhammad Hamidu, morador local]

 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

36. Estresse & depressãoAustrália


Vila de Osmington, Austrália Ocidental, Austrália | 11 de Maio

Peter Miles - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Peter Miles | 61 anos

Ninguém sabe o que levou um pacato aposentado australiano a dizimar toda a sua família em 11 de maio de 2018. Com o acusado também morto, restou às autoridades fazer conjeturas. Acredita-se que Peter Miles estava sob forte estresse emocional. Ele havia perdido um filho e o outro estava lutando pela vida aguardando um transplante de rim. O casamento de sua filha havia desmoronado e ela se mudara com os quatro filhos autistas para a fazenda do pai. Peter fez tudo o que pode para receber filha e netos de volta, construindo uma casa no fundo com quartos especiais para os netos. A vida num momento difícil; os netos especiais e a batalha judicial de sua filha com o ex-marido pela guarda dos filhos pode ter cobrado o seu preço. Depressivo, na noite de 11 de maio, Peter Malis matou a tiros a sua esposa Cynda, 58, sua filha Katrina, 35, e os quatro netos – Taye, 13, Rylan, 12, Arye, 10 e Kadyn, 8. Então ligou para a polícia e sentou-se numa cadeira na varanda, onde foi encontrado morto pelos policiais que chegaram logo depois. País pacato e com uma taxa pequena de assassinatos, a Austrália viu crescer o número de crimes cometidos no seio familiar. O caso Peter Miles não foi o único a chocar os australianos em 2018. Coincidentemente, outros casos de familicídios ocorreram na Austrália Ocidental. Em julho, o adolescente Teancum Vernon Petersen-Crofts, 19, matou a mãe Michelle Petersen, 48, e seus dois irmãos, Bella, 15, e Rua, 8, em Ellenbrook, subúrbio de Perth. O adolescente supostamente teria tido um surto psicótico. Dois meses depois, Anthony Robert Harvey matou suas filhas gêmeas de dois anos, Alice e Beatrix, sua filha Charlotte, 3, sua esposa Mara, 41, e sua sogra Beverly Quinn, 73, em Perth.

Palhaços Assassinos - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

37. Palhaços Assassinos


Oudenberg, Geraardsbergen, Bélgica | 13 de Maio

“Eu não sou mais um palhaço clínico, mas um palhaço criminal. É assim que eu ficarei famoso. Eu sou um monstro, eu sei disso hahahahahahah”.

[Kevin Lapeire, palhaço]

Um palhaço e seu parceiro, astros do reality show belga “Belgium’s Got Talent”, escreveram a história criminal mais bizarra da Bélgica em 2018. Literalmente, a coisa foi um circo.

Kevin Lapeire, 31, ficou conhecido após ganhar o prêmio de melhor palhaço da Holanda, Bélgica e Luxemburgo no programa “Belgium’s Got Talent” – além de entreter criancinhas doentes em hospitais com o seu alter ego “Doutor Aspirina”.

Entretanto, na vida pessoal, Lapeire não se dava muito bem com os filhos adolescentes de sua namorada, Caroline D., 16 anos mais velha, o que eventualmente levou Caroline a terminar o relacionamento. Alinhando-se com o igualmente conhecido Dietwin Haegeman, 38, o “Palhaço Tobi”, cuja carreira era gerenciada por Lapeire, o Doutor Aspirina resolveu se vingar.

A dupla palhaça invadiu a casa de Caroline na noite de 13 de maio e amarrou a mulher e os três filhos adolescentes dela, de 12, 15 e 17 anos. Segundo a mídia belga, os dois passaram horas fazendo palhaçadas e “aterrorizando” as vítimas. Então, Lapeire foi até a cozinha, pegou uma faca de cortar pão e esfaqueou selvagemente sua ex-namorada na frente dos filhos. Ela teve uma morte dolorosa e lenta.

O palhaço assassino esperou uma data especial para realizar o crime: o Dia das Mães na Bélgica.

Após matar Caroline, com a faca ainda na mão e sujo de sangue, Lapeire se dirigiu aos filhos dela e disse:

“Eu não sou mais um palhaço clínico, mas sim um palhaço criminoso. É assim que eu ficarei famoso. Eu sou um monstro, eu sei disso hahahahahah”.

Então Lapeire e Haegeman fugiram. Quando a família não deu notícias no dia seguinte, alguém deu o alerta e a polícia foi até o local, libertando os adolescentes e encontrando o cadáver de Caroline. Mas o número no picadeiro ainda não havia terminado.

Um dia depois, Lapeire fez uma live no Facebook mostrando a polícia cercando o prédio onde estava. Ele subiu até o topo e ficou balançando uma pistola enquanto atiradores se posicionavam.

Filmagens mostram o palhaço aparentemente gostando da atenção. Em dado momento, ele colocou a arma no chão, agitou os braços como se estivesse se rendendo, depois pegou a pistola novamente e disparou. Depois de várias horas de palhaçadas, Lapeire pareceu ter se cansado e se rendeu. Uma hora o show acaba.

Na maior cara de pau, o Palhaço Tobi comentou na live do Facebook que não podia acreditar no que estava vendo. Talvez ele não tenha acreditado também quando a polícia bateu em sua porta pouco tempo depois.

Jheyderson de Oliveira Chavier - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

38. Demônios da Mega-SenaBrasil


Iguatu, Ceará, Brasil | 18 de Maio

“Eles escolhiam aleatoriamente. Eram serial killers psicopatas que se fingiam de religiosos para se infiltrar na sociedade. Eles escolhiam pessoas frágeis psicológica e emocionalmente, mas se [a vítima] fosse alguém que tinha alguma rixa com eles, era um alvo preferencial.”

[Marcos Sandro Lira, delegado de polícia]

Há dois mil e seiscentos anos atrás, no norte da África, os cartaginenses queimavam vivos bebês menores de dois anos em busca de prosperidade. Já os daometanos, dois mil e cem anos depois, realizavam sacrifícios humanos para honrar os antepassados. Quanto mais eles sujavam o chão de sangue, maior era a honraria. Mas nenhum povo dominou tão profundamente a sinistra arte do sacrifício humano quanto os Astecas. Para eles, os deuses se sacrificavam todos os dias para manter o mundo funcionando. Em agradecimento, e para garantir que o planeta continuasse inteiro, eles matavam pessoas – em grandes quantidades e de modo violento. Em um dos sacrifícios mais usados, quatro sacerdotes seguravam um guerreiro asteca ou um prisioneiro de guerra deitado sobre um altar. Um sacerdote-chefe abria a barriga dele, inseria a mão pelas vísceras e arrancava o coração.

Tais práticas, você deve estar pensando, estão apenas nos livros de história e só poderiam ter sido realizadas por seres humanos ignorantes e pré-históricos, certo? Errado. Leitores do blog conhecem a história de Adolfo de Jesus Constanzo, que no final dos anos 1980 assustou meio mundo com suas oferendas a Kadiempembe. Magia negra, sacrifícios humanos e rituais satânicos são tão reais hoje em dia quanto os realizados há milhares de anos atrás. Um trio cearense que o diga.

Jheyderson de Oliveira Chavier, 24, desapareceu em 18 de maio de 2018 após dizer a amigos que se encontraria com um pai de santo. Quando o tal pai de santo foi localizado pela polícia, caiu em contradição várias vezes. Investigadores resolveram dar uma olhada no sítio onde ele realizava práticas religiosas e encontraram um altar satânico utilizado para sacrifícios humanos.

“Eles diziam que o espírito das pessoas [assassinadas] estava aprisionado naquele sítio e que os espíritos fariam o que eles quisessem, inclusive iriam dar o número para vencer na Sena.”

[Marcos Sandro Lira]

Roberto Alves da Silva, 41, e Gleudson Dantas Barros, 30, foram presos e acusados de matar quatro pessoas, incluindo Jheyderson. As outras três vítimas encontradas enterradas no sítio eram pessoas que estavam desaparecidas desde 2017. Um terceiro integrante dos adoradores do diabo, um adolescente menor de idade, suicidou-se quando os crimes foram descobertos.

O trio atraía pessoas até o sítio Canto, no distrito de Suassurana, município de Iguatu. Lá, elas eram torturadas e tinham a cabeça coberta com um pano. O líder, Gleudson, pedia para eles se concentrarem, pensarem no número da Mega-Sena, então o menor chegava por trás e dava um tiro na nuca.

Quando os policiais chegaram no sítio, havia uma enorme cova que estava sendo preparada para matar e sepultar três mulheres. No altar, ossos das vítimas eram usados como enfeite.

“Eles disseram que faziam esse ritual porque queriam baixar o espírito do satanás para ajudá-los, porque eles estavam com muito azar e queriam melhorar de vida. Eles achavam que baixando o espírito do satanás, eles teriam mais sorte nas ações, ganhar mais dinheiro, melhorar de vida”.

Massacre em Santa Fe - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

39. O Atirador de Santa FeEstados Unidos


Santa Fe, Texas, Estados Unidos | 18 de Maio

Dimitrios PagourtzisAcusado: Dimitrios Pagourtzis | 17 anos

Crime: “Nascido para matar” postou o adolescente Dimitrios Pagourtzis em seu perfil já desativado do Facebook. No Instagram, ele também costumava postar imagens que remetiam à violência. Ele seguia apenas 13 perfis, oito eram fan pages de armas, os outros eram da Casa Branca, do presidente Donald Trump, da primeira-dama Ivanka Trump e da filha de Trump, Melania Trump. Em uma selfie publicada em 2 de maio, ele se fotografou usando um boné de beisebol invertido adornado com um broche rosa e roxo em formato de coração, objeto associado ao orgulho bissexual. Como muitos adolescentes assassinos em massa, Dimitrios não era visto como ameaça, era apenas mais um garoto quieto, estranho para uns e engraçado para outros. Em 18 de maio, ele entrou para mais um dia de aula na Santa Fe High School, mas diferentemente dos outros dias, naquele 18 de maio ele apareceu para matar. Dez pessoas – oito estudantes e dois professores – foram assassinados pelo adolescente; 13 outras ficaram feridas, incluindo um policial que foi aposentado compulsoriamente após levar um tiro no ombro. Ele planejou se suicidar após o ataque, mas não teve coragem e foi preso. De acordo com a lei do Texas, por ser menor de idade, promotores descartaram pedir a pena de morte. Ele aguarda julgamento e pode pegar a prisão perpétua.

Ali Bashar Ahmad Z. - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

40. Maníaco IraquianoAlemanha


Wiesbaden, Hesse, Alemanha | 22 de Maio

Susanna Feldmann - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Susanna Maria Feldman | 14 anos

Em 2015, parte da Alemanha criticou duramente a chanceler do país Angela Merkel quando ela decidiu abrir as portas do território alemão para os refugiados. Como resultado, mais de um milhão de migrantes entraram na Alemanha – a maioria gente do bem em busca de uma vida melhor. Entretanto, sempre há as ovelhas negras. Assassinatos cometidos por migrantes se tornaram o combustível da extrema-direita e racistas do país, e em 2018 não foi diferente. O jovem iraquiano Ali Bashar Ahmad Z., 21, chegou exatamente após a abertura das fronteiras alemãs em 2015 e junto com seus pais e cinco irmãos passou a viver em um campo de refugiados na cidade de Wiesbaden, vizinha a Frankfurt. Em três anos no território alemão, Ali Bashar foi preso por roubo, posse ilegal de arma branca, perturbação da ordem e teve o pedido de refúgio negado, porém, recebeu autorização provisória para permanecer no país. Ali Bashar também estuprou (por duas vezes) uma criança refugiada de 11 anos no assentamento onde morava. Mas o pior ainda estava por vir. Em 22 de maio, Ali Bashar espreitou, atacou, estuprou e estrangulou a adolescente Susanna Maria Feldmann, deixando o seu corpo parcialmente enterrado perto de uma linha ferroviária nas imediações do assentamento. Ele fugiu para o Curdistão Iraquiano, sua terra natal, mas foi encontrado e extraditado para a Alemanha meses depois. Preso, ele aguarda julgamento. Christian Lindner, político alemão do FDP (Partido Democrático Liberal) argumentou que o assassinato de Susanna Feldmann não deveria ser visto como um incidente isolado. Ao contrário, deveria ser observado como parte de um novo fenômeno onde jovens vindos de sociedades patriarcais, cujas religiões e culturas, em suas palavras, legitimam a violência e agressão sexual, vêem as mulheres alemãs como putas porque, por exemplo, usam decotes no verão ou fumam cigarros. 

Peterson Mota Cordeiro - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

41. Maníaco BrasileiroBrasil


Curitiba, Paraná, Brasil | 27 de Maio

Renata Larissa - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Renata Larissa dos Santos | 22 anos

Um estuprador em série que se tornou um assassino. Um galanteador. Um psicopata. Um cara bom de papo. Um maníaco. Essas foram as características que vítimas do policial militar Peterson Mota Cordeiro, 30, deram à polícia. Baseado nas informações do caso, uma podemos citar com certeza: Peterson era um maníaco sexual. Ele ficava nas redes sociais e aplicativos de namoro, como o Tinder, se passando pelo melhor partido do mundo. No mundo virtual ele era um Don Juan que ia té a casa da moça pegá-la para um encontro, não importando onde ela morasse. A seguir, ele as levava para um local afastado e consumia o estupro, sempre filmando e tirando fotos do ato. “Estou te estuprando, vou abusar de você e você não pode fazer nada,” disse ele a uma. Para outra, ele pedia para ela repetir “estou sendo estuprada“, “estou sendo estuprada“. Na maioria das vezes ele pedia para a vítima dizer o nome e a idade enquanto era estuprada. Ele continuava os contatos com aquelas que ele mais gostava, mas sem o romantismo do começo. “Você está com aquela sandália que eu te pedi? Então, vai buscar sua prostituta, porque eu quero ver você de sandália,” disse para outra. Após vários estupros e sempre agindo de forma violenta, Peterson estrangulou a estudante Renata Larissa dos Santos. Em seu celular a polícia encontrou fotos e vídeos de Renata nua e algemada em um matagal nas proximidades do zoológico de Curitiba, local onde seu corpo em decomposição foi encontrado semanas depois. Após a prisão do PM maníaco, dezenas de outras mulheres apareceram na delegacia para dar queixa.

Steven Pitt - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

42. ParanoiaEstados Unidos


Scottsdale, Arizona, Estados Unidos | 31 de Maio

“Esse ofensor adotou o cálculo metódico do assassino em série, a natureza vingativa do assassino em massa e a exigência e rapidez do spree killer. Poucos infratores estão adeptos a pedalar de uma tipologia a outra em tão rápida sucessão, como ele fez.”

[Enzo Yaksic, profiler]

Era uma vez no Arizona um estuprador em série que estava aterrorizando a cidade de Phoenix atacando mulheres sem se importar com a idade delas. Em 6 de agosto de 2005, o criminoso levou à força três adolescentes para a parte de trás de uma igreja e estuprou duas delas, uma tinha apenas 12 anos.

Um ano depois, ele já não era um estuprador em série, mas um assassino em série, responsável por vários assassinatos de mulheres. A polícia o chamou de “Assassino Baseline”, devido à região onde os crimes eram cometidos, a rodovia Baseline, que corta o sul de Phoenix. Sem pistas do assassino, a polícia resolveu pedir ajuda a um renomado psiquiatra forense especialista em serial killers, assassinos em massa e spree killers.

Steven Pitt, 59, tinha um currículo de dar inveja. Professor de psiquiatria na Escola de Medicina da Universidade do Arizona, trabalhou e esteve envolvido em casos notórios como os Massacres de Columbine e Aurora, e do assassinato da estrela infantil JonBenét Ramsey, em 1996. O Assassino Baseline foi um desafio para o psiquiatra, mas ele traçou um perfil do assassino e forneceu à polícia. O perfil foi compartilhado com autoridades da lei de todo o estado e em agosto de 2006 oficiais do sistema penitenciário do Arizona informaram à polícia que o perfil que eles receberam era muito parecido com o de um camarada que eles conheciam: Mark Goudeau, um ex-presidiário que estava em liberdade. Exames de DNA confirmaram o resto – 9 assassinatos e 15 estupros.

E quis o destino que 12 anos depois de ajudar a colocar atrás das grades um perigoso serial killer, o psiquiatra Steven Pitt seria assassinado a sangue frio por uma outra mente doentia e desequilibrada. E não foi só ele.

Pitt foi contratado pela advogada Elizabeth Feldman, especialista em divórcios, para ajudá-la em um difícil caso que se arrastava desde 2009. Elizabeth tinha como cliente uma médica chamada Connie Jones, que tentava desesperadamente se separar de seu marido, Dwight Lamon Jones, 56, desde 2009, quando ele a espancou.

A advogada queria que Pitt, um profissional super respeitado e reconhecido nacionalmente, avaliasse a situação do casal para fazer uma avaliação de risco de Connie, e assim usar o relatório do psiquiatra na ação judicial. O psiquiatra aceitou e realizou diversas entrevistas com Connie, sempre gravando os encontros. (Dwight, possivelmente através da justiça, teve acesso às entrevistas do psiquiatra com sua esposa e passou a postar os vídeos no seu canal – já desativado – do YouTube, com o título “entrevista com uma médica mulher mentirosa/molestadora de criança”). Pitt também testemunhou a favor de Connie em audiências judiciais, relatando como o seu marido era agressivo e temperamental.

Quando sua esposa pediu o divórcio em 2009, Dwight passou a morar em hotéis e construiu ao longo dos anos um ódio mortal de Connie e de todo o processo de divórcio, mas, principalmente, de todas as pessoas envolvidas. A raiva e o ressentimento se enraizou de tal forma na mente de Dwight que ele planejou se vingar. Indivíduos como ele, raivosos e ressentidos, acreditam que combaterão as injustiças atacando aqueles que lhes causam problemas. Um ponto interessante neste caso é que Dwight não atacou a esposa, mas as pessoas que, de alguma forma, estavam envolvidas em seu divórcio. (Ou talvez ele não teve tempo de acertar as contas com a esposa).

Steven Pitt foi assassinado em 31 de maio de 2018 às 17h30min do lado de fora do seu consultório em Scottsdale. Dwight ficou de tocaia, esperando o psiquiatra sair. Quando Pitt saiu, o confrontou e os dois discutiram, então Dwight sacou uma arma e efetuou vários disparos. 

No dia seguinte, Dwight entrou em um prédio comercial e matou duas paralegal (nos EUA, é uma profissão cuja função é assistir um advogado ou empresa de advocacia), Veleria Sharp, 48, e Laura Anderson, 49, que trabalhavam para a Burt, Feldman, Grenier, escritório de advocacia de Elizabeth, advogada de Connie. Horas depois, ele matou o psicólogo Marshall Levine, 72, dentro do seu consultório. Marshall não teve nenhum tipo de participação no processo de divórcio, mas como parte dos procedimentos, o filho de Dwight e Connie foi obrigado a passar por uma avaliação psicológica, e esta foi feita por um psicólogo que alugava um consultório na mesma clínica de Marshall.

O acusado Dwight Jones e suas seis vítimas. Foto: CBS News.

O acusado Dwight Jones e suas seis vítimas. Foto: CBS News.

Em 3 de junho, Dwight assassinou dois conhecidos, Mary Simmons, 70, e Byron Thomas, 72, na casa onde moravam em Fountain Hills.

Menos de uma semana antes de iniciar sua onda assassina, Dwight publicou nas redes sociais o que ele acreditava ser uma conspiração de sua esposa, psiquiatras, advogados e do sistema judicial americano para que Connie ficasse com a guarda de seu filho.

Dwight se matou com um tiro na cabeça em 4 de junho, deixando para trás um rastro de destruição e a prova de que todos nesta história eram vítimas, menos ele.

Abaixo um dos vídeos publicados por Dwight em seu canal do YouTube mostra uma das entrevistas do psiquiatra Steven Pitt com sua esposa Connie Jones.


Sophia L - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

43. Crime sem explicaçãoAlemanha


Francônia, Bavária, Alemanha | 14 de Junho

Frau Sophia LöscheVítima: Frau Sophia Lösche | 28 anos

Podemos tirar várias lições do assassinato da alemã Frau Sophia Lösche. Ativista dos direitos humanos, Sophia carregava a bandeira dos refugiados, chegando a trabalhar na Grécia como voluntária na ajuda às milhares de pessoas que chegavam nas ilhas gregas fugindo da guerra na Síria ou da fome na África. Sophia não enxergava o mal, apenas o bem, e isso precipitou sua morte. Acostumada a viver uma vida sustentável andando de bicicleta ou pedindo caronas, Sophia desapareceu após ser vista entrando em um caminhão após pedir carona. Ela estudava em Leipzig e estava indo para a casa dos pais passar o final de semana. Quando ela não chegou ao destino, seu irmão Andreas Lösche passou a procurá-la e com muita pressão da família, eles descobriram a placa do caminhão e da empresa detentora do veículo. Analisando dados de GPS e informações sobre pedágios, a polícia alemã, em conjunto com a espanhola, conseguiu prender o motorista marroquino Boujemaa L., 41, em Jaén, no sul da Espanha. Casado, com três filhos, religioso e trabalhador, ninguém acreditou quando investigadores alemães acusaram Boujemma de ter assassinado Sophia. A polícia basca encontrou o corpo da alemã em Asparrena, norte espanhol, tão queimado que a identidade só foi possível devido a exames de DNA. Não bastasse a perda de Sophia, sua família teve que lidar com os grupos de extrema direita alemães usando o seu nome para afirmações do tipo: “é isso o que acontece quando deixamos imigrantes entrarem na Alemanha”. Em uma carta ao jornal Bild, Andreas escreveu: “Gostaríamos de salientar que a nacionalidade de um possível assassino não tem nada a ver com suas ações. Sophia era ativa no apoio aos refugiados e tinha comprometimento com a lei…É insuportável o desaparecimento de Sophia ser usado pelos racistas. Essas pessoas são contra tudo o que minha irmã defendia“. Quando finalmente foi enterrada, Andreas foi ao Twitter e disse:

“Agora você pode finalmente descansar em paz, minha maravilhosa irmã! Nunca deixaremos a AfD [partido alemão de extrema direita] e toda a sua horda raivosa arrastar a sua memória para a lama!”

Shantadevi Nah - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

44. Índia + WhatsApp = AssassinatosÍndia


Ahmedabad, Gujarat, Índia | 27 de Junho

Nenhum país no mundo em 2018 matou tanto quanto a Índia em relação a notícias falsas compartilhadas pelo WhatsApp. Em apenas dois meses (maio e junho), 27 pessoas foram assassinadas em incidentes envolvendo justiceiros inspirados por fake news no aplicativo. As mensagens falsas disseminadas entre milhares de pessoas advertiam sobre sequestradores de crianças e traficantes de órgãos. A maioria dos crimes aconteceu em regiões remotas e os justiceiros atacavam, principalmente, visitantes ou pessoas que não eram conhecidas da maioria, ou pessoas que falavam uma língua diferente.

Os linchamentos públicos cruzaram o país, do estado de Tamil Nadu, no sul, onde uma mulher de 55 anos foi assassinada após ser vista dando doces a crianças, passando por Jharkhand, onde, no mesmo mês, sete pessoas foram espancadas até a morte. Em Assam, no nordeste, dois homens foram assassinados após pararem em uma comunidade para pedirem informações sobre onde pescar peixes. Já no estado de Gujarat, oeste indiano, uma mulher de 45 anos, ShantaDevi Nah, [foto no celular acima] foi cercada por uma multidão enfurecida e espancada até a morte. Em Maharashtra, no extremo leste da Índia, cinco pessoas de uma mesma família, pertencentes a uma comunidade nômade, morreram após serem acusados de roubarem crianças. Mais uma vez, os rumores vieram do WhatsApp – “eles matam e roubam os rins“, dizia o áudio. Os casos foram tantos durante o ano que o governo do país passou a chamar estes crimes de “assassinatos whatsapp”.

A Índia é o maior mercado do WhatsApp com cerca de 200 milhões de usuários. Em 3 de julho, o governo indiano advertiu o WhatsApp a tomar medidas para prevenir a disseminação de fake news no aplicativo ameaçando tomar medidas legais contra a empresa detentora do serviço, o Facebook. Dias antes, autoridades de Tripura derrubaram a internet em todo o estado após mais um linchamento. O WhatsApp respondeu ao problema oferecendo uma bolsa de U$ 50 mil dólares a quem apresentasse projetos eficazes de combate às fake news. Além disso, implementou um limite de compartilhamento de mensagens para até 20 pessoas (antes era 200) e 5 grupos (antes era 250).

Até o fechamento deste texto, 46 pessoas inocentes foram assassinadas na Índia após compartilhamento de fake news.

Abaixo um vídeo sobre o linchamento de cinco pessoas da mesma família em Maharashtra.


Mastung - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

45. Ataque Suicida em Mastung


Mastung, Balochistan, Paquistão | 13 de Julho

Siraj Khan Raisani Baloch - 101 Crimes Notorios e Horripilantes de 2018Vítima: Siraj Khan Raisani Baloch

Se eu morrer, não desperdice um pingo de sua lágrima. Ao contrário, continue a prosperar pelo Paquistão. Pois, então, eu saberei que vencemos. Eu sou Siraj Khan Raisani Baloch & eu morrerei pelo Paquistão“. E assim morreu Raisani, doze dias antes das eleições gerais em seu país. Político do Partido Awami do Baluchistão, ele buscava uma vaga como deputado, mas foi morto quando o homem-bomba Hafeez Nawaz detonou seu cinturão de explosivos, matando o político e outras 148 pessoas. O ataque em Mastung foi o pior atentado terrorista do ano no Paquistão. “Uma mão do terrorista foi encontrada no local da explosão, o que nos levou à sua identificação… Quando Siraj Raisani começou o seu comício, o terrorista se aproximou e detonou seu cinturão suicida perto do palco“, disse um porta-voz do CTD (Departamento de Contra Terrorismo paquistanês). Investigações apontaram que Hafeez Nawaz pertencia ao Lashkar-e-Jhangvi (LeJ), uma organização sunita fundamentalista que opera no país e em partes do Afeganistão. Fundada em 1996, o LeJ é uma das mais violentas organizações terroristas do Paquistão e esteve envolvida no sequestro e morte do jornalista norte-americano Daniel Pearl em 2002.

Teodora Quispe Ccayllahua - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

46. Os Escolhidos do Rei das TrevasPeru


Andabamba-Paccha, Província de Santa Cruz, Peru | 14 de Julho

Em 2018, falatórios sobre estranhos e sinistros rituais acontecendo em áreas remotas da província de Santa Cruz, no Peru, assustaram muitos moradores. Entretanto, o que ninguém poderia imaginar é que realmente coisas estranhas estavam acontecendo por ali e que uma remota aldeia da província ganharia as manchetes do mundo por isso.

Essa história começa quando três irmãos conspiraram juntos a realização de um grotesco ritual no qual um ente querido deveria ser sacrificado ao demônio. Eles escolheram a própria mãe.

Aurelia Quispe, 38, alegou ter sido ela quem escolheu a mãe para ser sacrificada depois de um sonho. Ela convenceu seus dois outros irmãos, Percy Quispe, 41, e Marcelina Suane, 46, a ajudá-la no rito.

A mãe dos três, Teodora Quispe Ccayllahua, de 75 anos, teve uma morte horrenda: durante o ritual satânico, seus olhos foram arrancados; Aurelia abriu sua barriga e Percy retirou os intestinos e outros órgãos enquanto Marcelina enchia uma bacia com o sangue da vítima.

Para concretizar o ritual, os três invocaram o demônio tomando banho no sangue da própria mãe.

Eles foram pegos após os intestinos de Teodora terem sido encontrados boiando em um riacho. A polícia apareceu e um detetive escutou Percy dizendo que aqueles intestinos estavam ali “porque tinha de seguir ordens do rei das trevas“.

Na delegacia, Aurelia ameaçou dizendo que “o mestre das trevas me enviou ordens. O rei dos demônios já está conosco, estamos mais fortes a cada dia e nos tornaremos ainda mais poderosos“.

Se condenados, os irmãos podem pegar prisão perpétua.

Tatiane Spitzer - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

47. Monstro MisóginoBrasil


Guarapuava, Paraná, Brasil | 22 de Julho

Tatiane SpitzerVítima: Tatiane Spitzner | 29 anos

Crime: Em um ano marcado por feminicídios no Brasil, o da advogada paranaense Tatiane Spitzner resume o tipo de violência brutal que milhares de mulheres sofrem anualmente no país. Olhando para o seu perfil do Facebook, a foto de capa nos mostra um casal feliz e bonito, nada que pudesse indicar o terror pelo qual Tatiane passaria e o monstro que era aquele que ela escolheu para passar o resto da vida, seu marido Luis Felipe Manvailer, 32. Muitos leitores citam nos comentários não gostar de nossas colocações de juízo de valor, mas para este que aqui escreve não existe adjetivo mais adequado para Luis Felipe do que Monstro. Os indícios de que Tatiane vivia um casamento abusivo estavam lá: ele a tratava mal, a rebaixava na frente dos outros, disse que a odiava, que não tinha relações sexuais porque tinha “nojo” dela; se referia a ela com apelidos humilhantes como “bosta albina”. Segundo acusação do Ministério Público, Luis “praticou todas as formas de violência familiar e doméstica contra Tatiane Spitzner“, incluindo violência psicológica e patrimonial – ele não deixava a esposa usar o dinheiro que recebia do trabalho de forma livre. Em 22 de julho, Luis espancou Tatiane, dando tapas, puxões de cabelo, empurrões, chutes, socos e golpes de artes marciais antes de estrangulá-la e jogá-la do quarto andar do prédio onde moravam. A divulgação das imagens das câmeras de segurança do prédio mostrando a agressão contra a esposa chocou o Brasil e o mundo, “filmagem assustadora” citou o The Sun. Preso, Luis aguarda julgamento.

Carlos Antonio Rojas Castro - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

48. Homens sem almaVenezuela


Ocumare del Tuy, Miranda, Venezuela | 24 de Julho

Carlos Antonio Rojas Castro - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Carlos Antonio Rojas Castro | 19 anos

Pense duas vezes antes de entrar para o mundo do crime. No final de julho de 2018, um vídeo horrível se tornou viral na Venezuela e logo se espalhou por outros países mostrando um homem sendo esquartejado vivo. A vítima era Carlos Antonio Rojas Castro, que já tinha várias passagens pela polícia por roubo e porte ilegal de arma de fogo. Carlos Antonio havia sido preso meses antes e no final de abril foi solto. Se ele pudesse voltar atrás, talvez escolhesse ter ficado trancafiado em uma cela. Carlos Antonio pertencia a uma gangue chamada “el Edgar” e no final de julho ele foi pego por integrantes de uma gangue rival, os “Cari-Cari de Rangel”, e pagou o preço pela escolha errada de vida. Levado até um local afastado por vários homens, após a tortura psicológica, a vítima recebeu um golpe de facão no braço e gritou de dor. “Morre maldito!”, gritou um dos assassinos. Carlos Antônio teve as orelhas e mãos decepadas, depois os braços e pernas, tudo isso com ele vivo, até finalmente ser decapitado. O vídeo choca por sua brutalidade. Seis pessoas foram presas em conexão com o crime – Copa, Ilustre, Pepon, Pepa Negra, el Negrito, Yeison, Alfredito, Jonathan, Walkter e Kevin. O vídeo da execução de Carlos Antonio pode ser visto abaixo. ATENÇÃO: VÍDEO EXTREMAMENTE PERTURBADOR. NÃO RECOMENDADO PARA PESSOAS SENSÍVEIS!


as-suwayda - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

49. Ataque SurpresaSíria


As-Suwayda, Síria | 25 de Julho

Em um ataque surpresa brutal do Estado Islâmico que envolveu múltiplos homens-bomba e invasões a vilarejos, 258 pessoas foram assassinadas na cidade de Sweida e imediações – áreas que antes da guerra eram habitadas principalmente pelos drusos (pequena comunidade religiosa que não passa de 1 milhão de pessoas e estão espalhados por países do Oriente Médio).

“Eles atacaram casas em um ataque coordenado. Eles batiam nas portas, entravam nas casas e matavam as pessoas dentro. Muitas vítimas morreram antes de qualquer bala ser disparada porque eles entravam nas casas e massacravam as pessoas silenciosamente, ao amanhecer, sem que ninguém soubesse”.

[Ahed Mrad, jornalista de Sweida, ao The Guardian]

Forças do governo enfrentaram os terroristas e dois deles detonaram seus cintos de explosivos. Outros dois homens-bomba foram mortos antes de poderem se explodir. No final, 258 pessoas e mais 63 terroristas morreram neste que foi o pior ataque homicida de 2018.

Nirmala Panta - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

50. Quem matou Nirmala?Nepal


Município de Bhimdutta, Kanchanpur, Nepal | 26 de Julho

Era apenas mais um dia comum para Durga Devi Panta. Ela acordou cedo, realizou algumas tarefas domésticas e se dirigiu para o trabalho por volta das oito da manhã. Essa era a sua rotina. Antes de partir, ela orientou suas três filhas a cuidarem da banca de Panipuri – lanche comum nas ruas do Nepal – da família.

Durga vivia sozinha com as filhas há nove anos desde que seu marido, Yagya Raj Panta, a abandonou por ela não ter gerado um filho homem. A vida era dura para Durga, a renda na banca de Panipuri não era suficiente e todos os dias ela cruzava a fronteira com a Índia para trabalhar transportando mercadorias contrabandeadas para empresários de Banbasa, Índia.

Quando Durga voltou do trabalho na tarde do dia 26 de julho de 2018, duas de suas filhas, Manisha e Nirmala Panta, 13 anos, não estavam em casa. Manisha, a filha mais velha, estava na casa de um vizinho e logo apareceu. Sua caçula, Saraswati, contou que Nirmala saíra pra se encontrar com uma amiga chamada Roshani Bam. Durga não gostou. Nirmala não pedira sua permissão para sair, mas dado que ela conhecia a amiga da filha, logo ficou tranquila. Mas a noite caiu e Nirmala não apareceu. Seu corpo foi encontrado na manhã seguinte por voluntários em um canavial há um quilômetro de sua casa. Ela foi brutalmente estuprada e assassinada. O crime chocou o Nepal e se tornou o mais notório do ano no país. Abaixo, imagem da cena do crime.

Nirmala Panta

Protestos se espalharam no país, muitos condenando o pouco caso da polícia na elucidação do crime e a pressão de autoridades para que o corpo fosse cremado. Rumores falsos começaram a circular por todos lados e a polícia chegou a prender um suspeito com histórico de crimes contra mulheres, mas ele foi inocentado por um exame de DNA – o material genético do sêmen recolhido na vagina de Nirmala não pertencia a ele. Abaixo, vídeo dos protestos que tomaram Kanchapur. Vários civis foram mortos pela polícia.

Dias depois, o Escritório de Investigação Central (CIB), espécie de polícia federal do Nepal, entrou no caso. Logo, eles concluíram que o assassino tomou extrema precaução durante a execução do crime. O corpo de Nirmala foi encontrado em um canavial, mas era evidente que ela havia sido morta em outro lugar e levada para lá. Quase não havia pegadas ou vestígios de resistência. Os investigadores suspeitaram que o assassino poderia ser um membro da família ou um vizinho, alguém conhecido da vítima. Talvez, quem sabe, um assassino experiente ou militar, já que na região havia um quartel. Mas todos os suspeitos investigados eram descartados pela perícia. Desesperados, membros do CBI chegaram a prender os homens que encontraram o corpo de Nirmala, o que só enfureceu ainda mais a população, que acusou o órgão de tentar encontrar um bode expiatório.

Seis meses depois, a investigação continua em aberto. Em meio a alegações de encobrimento do caso e teorias conspiratórias, vários órgãos do governo foram instados a participar da investigação; mais de 300 pessoas foram interrogadas, milhares de chamadas de telefone e mensagens de aplicativos rastreadas; cinco suspeitos foram testados em exames de DNA, mas a questão principal permanece: quem estuprou e matou Nirmala?

Dragoslav Ognjanović - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018.jpg

51. Advogado do DiaboSérvia


Belgrado, Sérvia | 28 de Julho

Um dos mais famosos e respeitados advogados da Sérvia, Dragoslav Misa Ognjanovic, 56, foi executado a tiros em frente ao seu apartamento em Belgrado, no dia 28 de julho de 2018.

Ognjanovic foi um dos advogados do sanguinário ex-presidente da Iugoslávia Slobodan Milosevic, quando este foi acusado de terríveis crimes de guerra e de ordenar a matança de adversários políticos. Nos anos recentes, Ognjanovic representou os mais famosos mafiosos de seu país. Seu assassinato e o de 20 outros homens relacionados de alguma forma com criminosos poderosíssimos, parece não deixar dúvidas de que ele sabia de muitas coisas que não deviam ser faladas; uma teia de corrupção nos mais altos níveis políticos e sociais. Coisa de filme.

Aqueles que conhecem o submundo do crime de Belgrado alegam que o assassinato de Ognjanovic é parte de uma grande disputa entre os dois maiores cartéis de drogas do país. Até pouco antes de sua morte, Ognjanovic era advogado de Luka Bojovic, o “Fernandinho Beira-Mar” da Sérvia. Embora Bojovic esteja preso na Espanha, ele ainda comanda o seu negócio nos balcãs [apesar de várias baixas nos últimos anos como o assassinato de seu irmão – morto por um assassino profissional – e de associados próximos].

Muitos observadores internacionais suspeitam que a classe política, a polícia, e até mesmo o judiciário estão ligados aos vários assassinatos. O KRIK, uma organização sérvia sem fins lucrativos de jornalismo investigativo e que investiga crimes e corrupção, revelou que dos 124 casos de assassinatos ligados à máfia desde 2012, apenas nove foram solucionados. Em 87 casos, nem mesmo um único suspeito foi nomeado.

E não é difícil enxergar que a Sérvia inteira é uma máfia, começando pelo presidente do país, o aspirante a ditador Aleksandar Vucic, que comanda a Sérvia com punhos de aço há seis anos. Durante a Copa do Mundo na Rússia, seu filho Danilo, de 20 anos, foi fotografado ao lado de criminosos no jogo Sérvia X Costa Rica.

Aleksandar Stankovic, conhecido criminoso que tinha ligações com a máfia montenegrina, pertencia ao círculo íntimo do presidente Vucic e chegou a ser sentenciado por venda de drogas e tentativa de assassinato, mas evitou a prisão muitas vezes com documentos médicos que comprovavam sua “frágil” saúde. Mas ao mesmo tempo em que ele supostamente estava doente, Stankovic era visto em partidas de futebol do time local Partizan Belgrad. Então, ele foi assassinado em outubro de 2016. Mais uma morte sem solução.

O vigésimo primeiro assassinato relacionado à máfia sérvia ocorreu em 2 de dezembro de 2018. Vladimir Popović foi morto dentro de um café por dois homens mascarados que fugiram em um Audi – o carro preferido da máfia nos anos 1990.

Abaixo um vídeo da Associated Press mostra uma conferência de imprensa dos advogados do “Carniceiro dos Balcãs” Slobodan Milosevic. Dragoslav Ognjanovic aparece aos 44 segundos do vídeo.

lauren geoghegan - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

52. Viagem MalditaTajiquistão


Distrito de Danghara, Tajiquistão | 29 de Julho

“Olá. Nós somos Lauren e Joy, dois americanos andando de bicicleta pelo mundo”.

Esta é a mensagem de boas vindas do blog Simply Cycling, criado pelo casal americano Lauren Geoghegan e Jay Austin, ambos de 29 anos. Eles largaram tudo para trás para embarcar em uma viagem de volta ao mundo de bicicleta.

A vida é curta, o mundo é grande e queremos tirar proveito da nossa juventude e boa saúde antes de perdê-las,” escreveu Austin. No blog, eles registravam os principais momentos da jornada – dos grandes encontros a imprevistos e infortúnios.

A ideia de largar tudo para trás e conhecer o mundo começou em 2016 quando Austin adotou um estilo de vida minimalista e se aventurou a conhecer o norte dos Estados Unidos em cima de uma scooter. Logo, inspirada pelo namorado, Geoghegan começou a ir de bicicleta para o trabalho. Em 15 de maio de 2017, Austin publicou em seu perfil do Instagram:

Visualizar esta foto no Instagram.

HEY FRIENDS! Big news. In 6 weeks, @lauranne09 and I are quitting our jobs and leaving DC to go bike around the world for the next few years. 🚲🚲🌍 I'm really excited, but also terribly sad to be leaving so many beautiful, familiar faces for so long. 🎭 I'd love to see y'all (if you're in DC) or catch up on the phone (if you're not) before heading out, so let me know if/when you're around! 💙 DETAILS: We leave July 6️⃣. We're flying into South Africa and plan on biking north through eastern Africa, then onwards to Europe and Asia (and, if we make it this far, Australia and the Americas). We'll mostly bike, but there may be a few boats or planes involved in crossing oceans. 🚢✈️🌊 We'll be carrying a few panniers with a tent and stove and everything else we'll need for the journey. ⛺🔥 We're blogging at simplycycling.org, and I'll be posting photos here as cell service allows. ✍️📷 More soon! Lots of love, Jay

Uma publicação compartilhada por Jay Austin (@simplycycling) em

“OLÁ AMIGOS! Grandes notícias. Em 6 semanas, @lauranne09 e eu sairemos do trabalho para andar de bicicleta pelo mundo pelos próximos anos. Estou muito empolgado, mas também terrivelmente triste por deixar tantos rostos bonitos e familiares por tanto tempo…”

Como prometido, no final de junho de 2017, Austin confirmou a decisão que mudaria a vida de ambos: “Pedi demissão hoje“, escreveu ele. Um mês depois, o casal iniciou a viagem.

“Estou cansado de passar as melhores horas da minha vida diante de um retângulo que brilha (a tela do computador), de colorir os melhores anos da minha vida com tons cinza e bege. Perdi muito pôr do sol enquanto estava de costas. Muitas tempestades passaram despercebidas, muitas brisas sem serem apreciadas”.

[Jay Austin]

Inicialmente, eles pedalaram pela África, então Europa e Ásia. Enquanto pedalavam, o casal publicava no blog curiosidades e acontecimentos sobre a aventura. Os relatos mostram que, em algumas ocasiões, eles confirmaram suas convicções sobre a bondade humana, mas em outras se viram diante de pessoas mal intencionadas.

A maldade existe, é verdade, mas ainda assim é rara“, escreveu Austin, quando estava no Marrocos.

Em geral, os seres humanos são bons. Algumas vezes, egoístas, míopes em outras, mas são bons. Generosos, maravilhosos e bons. Não temos uma revelação maior do que essa em nossa viagem“.

[Jay Austin]

A bondade pôde ser vista no Cazaquistão. No dia 319 da jornada, um cazaque parou seu caminhão, disse oi e deu a eles picolés. 

Na outra ponta, a maldade, rara segundo Austin, existia, e mostrou o seu lado desumano e perverso. 

No dia 369, o casal pedalava em formação junto a outros ciclistas, entre eles o suíço Markus Hummel, 62, e o holandês Rene Wokke, 56, em um trecho panorâmico de estrada no sudoeste do Tajiquistão. Foi lá, em 29 de julho, que eles cruzaram o caminho de um grupo fiel ao Estado Islâmico.

Um vídeo gravado pelo celular de um motorista que passava na hora mostra parte do que aconteceu: um sedan preto Daewoo atropela intencionalmente os ciclistas deixando vários no chão. Alguns conseguem se levantar, então o carro volta e os atinge em cheio novamente. Em seguida, homens desceram do carro e esfaquearam impiedosamente os ciclistas, matando o casal americano Jay Austin e Lauren Geoghegan, o suíço Markus Hummel e o holandês Rene Wokke.

Dias depois, o Estado Islâmico publicou um vídeo mostrando cinco homens sentados debaixo de uma árvore em uma área montanhosa com a bandeira do grupo terrorista ao fundo. Eles encaram a câmera e falam em matar os “infiéis”.

Orkhan Dzhemal - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

53. Cavalgada das ValquíriasRepública Centro Africana


Sibut, Kémo, República Centro-Africana | 30 de Julho

Wagner é uma empresa secreta comandada por Dmitry Utkin, um ex-coronel das forças armadas russas investigado pelo ocidente por ajudar separatistas pró-russos no conflito do leste da Ucrânia.

É uma empresa fantasma, não tem endereço, número de telefone ou registros oficiais. Wagner recruta centenas de soldados russos, muitos deles das forças especiais, as chamadas Spetsnaz, para atuarem em missões secretas, incluindo zonas de conflito como a Síria e Ucrânia. Em fevereiro de 2018, dezenas desses “mercenários” da Wagner foram mortos em um confronto com o exército dos Estados Unidos e seus aliados na Síria. Não houve qualquer comentário da Wagner ou do governo russo sobre o episódio. Realmente, é como se a empresa não existisse.

Em julho de 2018, o assassinato de três renomados jornalistas chamou a atenção do mundo para a Wagner e para a presença russa na África.

No final de janeiro de 2018, um gigantesco avião de carga russo, o Ilyushin-76, aterrizou no aeroporto de Bangui, capital da República Centro-Africana (RCA). Foi o primeiro de nove voos que levaram toneladas de armas russas para reforçar o frágil governo local.

Nada de secreto. Os voos eram de conhecimento do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que autorizou o governo de Vladimir Putin a armar as forças armadas locais nos conflitos sem fim com rebeldes. Junto com as armas, 175 especialistas militares russos também desembarcaram. O que os russos não disseram para ninguém é que várias empresas russas pegaram uma carona no avião ansiosas para explorar a conhecida riqueza mineral do país africano (leia-se ouro, diamante e urânio).

As atividades secretas dessas empresas, que têm ligações com o círculo interno do presidente Vladimir Putin, foram o alvo de três renomados e independentes jornalistas russos que apareceram na República Centro-Africana em julho. Mais do que isso, os jornalistas estavam interessados em saber o que a Wagner estava fazendo lá.

O conhecido correspondente de guerra Orkhan Dzhemal, o documentarista Alexander Rastorguyev e o cinegrafista Kirill Radchenko, foram contratados pelo Centro de Investigação (Center for Investigation, em inglês), projeto de jornalismo investigativo patrocinado pelo ex-magnata do petróleo Mikhail Khodorkovsky, exilado na Suíça e inimigo público de Vladimir Putin. Mikhail também é o fundador do Dossier Center, outro projeto investigativo cujo objetivo é investigar a corrupção entre os membros do círculo interno do presidente russo.

Os três homens viajaram até o Marrocos com vistos de turistas e de lá desceram até a República Centro-Africana. No país do ouro, eles visitaram uma mina em Ndassima e descobriram que a mesma era operada por uma empresa russa e vigiada por mercenários da Wagner. Então os três jornalistas foram assassinados.

Segundo autoridades da RCA, os jornalistas teriam ignorado conselhos de não viajarem à noite e foram emboscados em uma estrada a cerca de 32 quilômetros da cidade de Sibut. Eles foram mortos a tiros por homens que supostamente falavam árabe e vestiam turbantes. O motorista sobreviveu ao ataque e alertou as autoridades.

Especialistas internacionais duvidam dessa versão. O jornalista africano Alain Nzilo revelou à CNN que o suposto local da emboscada é estranho, pois quase não há rebeldes na região. Além disso, “os motoristas são os primeiros a serem mortos e não os estrangeiros”.

Em um post no Facebook, Mikhail Khodorkovsky revelou que os jornalistas estavam trabalhando em um projeto sobre “mercenários russos” e desmentiu várias afirmações do governo russo e da RCA sobre o episódio.

A verdade sobre este caso provavelmente nunca será conhecida. Quando governos estão envolvidos, dificilmente a verdade vem a tona, que o diga Gerald Bull, Serguei Skripal, Nikolay Glushkov…

Machboos - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

54. MachboosEmirados Árabes Unidos


Al Ain, Emirados Árabes Unidos | Agosto

Em novembro, o jornal The National, dos Emirados Árabes Unidos, publicou uma história assustadora.

Uma mulher do Marrocos, que não teve o nome divulgado, foi presa acusada de matar o namorado, cujo nome também não foi divulgado.

Eles namoravam há sete anos, mas o relacionamento acabou quando o homem comunicou que a estava deixando para se casar com outra mulher e deixar o país. Ele nunca mais foi visto. Isso foi em agosto de 2018, de acordo com o The National.

No início de novembro, desconfiada, a polícia resolveu fazer um pente fino no apartamento da marroquina com cães farejadores. Dentro de um liquidificador, eles encontraram um dente humano. A polícia encaminhou o dente para análise e um exame de DNA confirmou pertencer ao homem desaparecido.

Então vieram os sinistros testemunhos de vizinhos da mulher. Um disse nunca ter esquecido da barulheira no apartamento da marroquina em meados de agosto, barulhos que pareciam ser de uma serra elétrica. Já outro disse que passou semanas sem comer em casa porque o cheiro de carniça, que ninguém descobriu de onde vinha, impregnou o prédio.

Um interrogatório mais duro e a mulher confessou ter assassinado a facadas o namorado, desmembrado o seu corpo e usado seus utensílios domésticos para preparar deliciosas receitas. Uma delas é o machboos, um prato típico de Dubai – com carne ou frango ou peixe misturado ao arroz temperado com especiarias (cardamomo, canela, limão seco e cravo). A mulher teria cozinhado machboos com a carne do namorado e distribuído para paquistaneses que trabalhavam na construção de um prédio no bairro. Só sobrou um dente.

hamdi kayapınarl - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

55. O Caçador TurcoTurquia


Kayseri, Anatolia Central, Turquia | 2 de Agosto

hamdi kayapınar - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Hamdi Kayapınar | 39 anos

Crime: O turco Hamdi Kayapınar nunca foi flor que se cheire. Ou você acha que alguém que estrangula até a morte o próprio irmão é confiável? Em 1994, aos 14 anos, um enciumado Kayapınar estrangulou seu irmão de 13 anos por achar que seus pais gostavam mais dele. Por ser menor de idade, passou quatro anos em um reformatório e foi solto. Péssima decisão da justiça turca. Nos três anos seguintes, o psicopata mataria mais sete pessoas. Na época, a mídia turca o apelidou de “O Caçador” após o serial killer se referir às suas vítimas como “presas” e seus pertences como “recompensas”. Para o juiz, Kayapınar disse ter começado a matar pessoas devido ao seu ódio pela sociedade, que o baniu do convívio de sua família e comunidade após ele matar seu irmão. Ele só estava se vingando do mal que a sociedade lhe fez. Em 2017, o serial killer saiu em liberdade condicional. Outra vez, péssima decisão. Em 2 de agosto de 2018, o sargento de polícia Sami Yılmaz, 47, foi assassinado por um homem vestindo balaclava e luvas. Cinco dias depois, Kayapınar foi preso e uma busca em sua casa revelou a balaclava, luvas, duas pistolas que roubou da vítima e 83 cartuchos. Ele se declarou culpado da morte perante um juiz afirmando que matou o policial porque “ele gostou da minha arma“.

Owen Sebuyungo - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

56. Sindicato de FeiticeirosUganda


Naggalama, Distrito de Mukono, Uganda | 10 de Agosto

“Seguindo pistas, a polícia conduziu investigações que levaram à prisão de um sindicato de feiticeiros que acredita-se estar por trás do ato hediondo”.

[PM Daily, 13 de agosto de 2018]

Como em quase toda a África, Uganda sofre com os chamados assassinatos ritualísticos.

Em 11 de agosto de 2018, os pais da jovem Mirembe Zuraika relataram o seu desaparecimento na delegacia de Naggalama. Para o delegado, os pais disseram que a filha havia saído para se encontrar com o feiticeiro Owen Sebuyungo, 24. Como os médicos no ocidente, na África, muitas pessoas, quando estão com algum tipo de dificuldade, marcam horários com feiticeiros para pedir orientação.

Não foi muito difícil para a polícia encontrar Zuraika, ou melhor, o que sobrou dela.

O feiticeiro Sebuyungo revelou à polícia que Mirembe apareceu em seu santuário pedindo ajuda porque estava “possuída por empewos” (espíritos malignos).

Vendo que o caso era barra pesada, Sebuyungo pediu ajuda a um outro conhecido, o experiente feiticeiro Mohammed Wamala, 35, apelido Bob. Ao tomar conhecimento do caso, e segundo as palavras do feiticeiro mais jovem, Bob o orientou a matar Mirembe.

Bob teria dito a Sebuyungo que ele ficaria muito rico se cortasse a cabeça de uma pessoa. Se fosse uma mulher então, melhor ainda.

Vai daqui e vai dali, a polícia prendeu quatro feiticeiros: os dois já citados mais Junior Kibuuka e Fred Kiiza Semanda.

Após um interrogatório com os quatro, eles confessaram ter atraído a jovem até ao santuário e, no raiar do Sol, a decapitaram e enterraram a sua cabeça no quintal.

Então veio a surpresa. Cavando os arredores do santuário, a polícia exumou cinco corpos que estavam enterrados “em uma posição perturbadora“. O feiticeiro-mor Bob confessou ainda possuir cinco outros santuários na região e que em um, na cidade de Ntunda Kayunga, havia oito mulheres enterradas.

A polícia também recuperou uma série de itens, desde lanças a vasos contendo sangue fresco, que acredita-se ser humano.

Owen Sebuyungo - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

Owen Sebuyungo, agachado, orienta a polícia durante exumação. Ao seu lado, vários cadáveres ensacados. Foto: PML Daily.

Este não foi o único crime ritualístico a chamar a atenção em Uganda em 2018. Em novembro, uma mãe levou sua filha de apenas um ano de idade até um hospital e quando o médico percebeu que a menina morta não tinha a genitália, intestinos, útero e outros órgãos internos, chamou a polícia.

O crime, que aconteceu em Kira, Distrito de Wakiso, foi um ritual satânico executado pela própria mãe da criança junto com a babá. Elas abriram a barriga da bebê e a ofereceram ao Demônio em troca de riquezas.

Abaixo, um vídeo da TV de Uganda mostra os quatro feiticeiros de Naggalama.


Nibaldo Villegas - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

57. DescuartizadoChile


Valparaíso, Chile | 10 de Agosto

“É um pedaço de corpo humano!”

O mais notório crime do ano no Chile começou como uma cena de terror para um grupo de 50 turistas que fazia um passeio de barco pela bela praia de Muelle Prat, em Valparaíso. Eles viram alguma coisa boiando no mar, o piloto do barco acreditou se tratar de um lobo marinho morto, afinal, é um animal comum naquela área, mas quando se aproximou todos deram conta de que se tratava de algo macabro, como atesta o vídeo abaixo gravado por um dos ocupantes do barco.

Para entender como este tronco apareceu boiando nas bonitas águas de Muelle Prat vamos voltar cinco dias antes.

No dia 10 de agosto de 2018, às 19h, Nibaldo Villegas, 50, um carismático e conhecido professor de computação morador do bairro Villa Alemana, foi até a casa de um de seus nove irmãos pedir para que ele cuidasse de sua filha de sete anos por algumas horas. Ele iria sair com alguns amigos e provavelmente voltaria na madrugada.

Nibaldo estava com a guarda provisória de sua filha por 90 dias e aguardava a resposta do processo que lhe garantiria ou não a guarda definitiva da criança. As horas passaram e o sol do meio-dia do dia seguinte brilhou como de costume. Nibaldo não apareceu para buscar a filha que teria um evento na escola. Estranhando a situação, pois Nibaldo sempre foi responsável e muito preocupado com a filha, seu irmão resolveu ir até a casa do professor ver o que tinha acontecido. Chegando lá, ele encontrou o carro do irmão estacionado e a chave pendurada no lugar de sempre. A única coisa estranha era um copo de vidro quebrado no chão. Perguntando por informações aos vizinhos, estes disseram não saber de nada, mas alguns escutaram alguns barulhos estranhos vindos da casa do professor por volta das 23h.

Nibaldo estava a um ano separado da sua esposa, Johana Hernández, 32, mãe de sua filha de sete anos. Os dois se relacionaram por nove anos. Apesar da família dele nunca ter concordado com o relacionamento, eles se casaram e Nibaldo realizou o sonho de ter uma casa grande que ele mesmo construiu, onde pudesse viver com a esposa, sua filha e os dois filhos dela de outro matrimônio.

Apesar do pouco tempo de separação, Johana já estava em outro relacionamento com Francisco Silva, 37, um técnico em enfermagem que ela conheceu em 2014 quando começou a estudar e estagiar na área da saúde.

Johana Hernández e Francisco Silva. Foto: 24horas.cl.

Francisco Silva e Johana Hernández. Foto: 24horas.cl.

Em um interrogatório, os amigos com quem Nibaldo supostamente ia se encontrar negaram qualquer possibilidade de reunião entre eles na noite do dia 10 de agosto. O desaparecimento do professor teve grande repercussão no Chile e uma grande busca por ele se iniciou. Cartazes nas ruas, jornais e todos os meios de comunicação procuravam descobrir alguma pista sobre o paradeiro de Nibaldo.

Johana se mostrava afetada com tudo isso, e estava sempre disposta a dar entrevistas, bem maquiada e vestida (algo que chamou a atenção das autoridades), falando sobre seu carinho e admiração pelo ex-marido, como atesta o vídeo abaixo:

Cinco dias depois um tronco humano foi retirado do mar e uma análise da polícia concluiu que o corpo havia sido esquartejado após o falecimento da vítima. Os cortes, que separaram os membros superiores e inferiores, foram precisos, diretamente nas articulações, o que significava que o autor do crime tinha conhecimento de anatomia humana. Pelo bom estado de conservação, investigadores concluíram que ele havia sido jogado a poucas horas no mar. Um exame de DNA confirmou que o tronco era do professor Nibaldo.

Johana rapidamente se ofereceu para fazer o reconhecimento do corpo, e antes mesmo de vê-lo já dava entrevistas afirmando que “ele não merecia ter morrido assim“. Após a confirmação da identidade, ela ligou para a família de Nibaldo, não para pedir que lhe entregassem a filha ou para prestar solidariedade, mas para perguntar onde estava o carro do professor. Em seguida ela foi a um cartório da cidade levantar os trâmites necessários para passar a casa do ex-marido para o seu nome.

O comportamento levantou suspeitas e a polícia passou a investigar Johana e o seu atual namorado. Dois dias depois do tronco ser retirado do mar, um saque da conta do professor foi feito por um homem em um caixa eletrônico. Imagens da câmera frontal do caixa mostraram ser Francisco Silva. Os celulares de ambos foram apreendidos e periciados. Troca de mensagens entre os dois mostrava fotos apagadas do celular de Johana, que foram enviadas a Francisco justamente na noite do desaparecimento de Nibaldo. Peritos recuperaram algumas fotos que mostravam o professor dormindo com comida na boca e outra dele deitado, aparentemente dormindo.

Uma pressãozinha a mais e o casal confessou o crime.

O plano de eliminar o professor surgiu tão logo eles se conheceram. A ideia inicial era cortar os pulsos de Nibaldo e fazer parecer um suicídio. Mas logo as coisas tomaram um outro rumo. O plano macabro foi colocado em prática no dia do aniversário de Johana. Ela comemorou com o namorado em um Pub e depois Francisco a levou até um miradouro, e deu a ela 10 comprimidos moídos de clonazepam.

Naquele dia, Johana propôs a Nibaldo que tivessem um encontro a sós na casa dele. Sabendo que sua família não gostava de Johana, ele mentiu dizendo ao irmão que se encontraria com amigos. Naquela noite, Nibaldo subiu ao seu quarto para ligar a TV e colocar um filme enquanto Johana ficou na cozinha preparando uma bebida misturada com o clonazepam moído. Assim que o professor tomou a bebida, ficou inconsciente, então Johana enviou fotos dele desacordado para Francisco, dando-lhe o sinal para entrar na casa. Francisco a orientou a limpar tudo que havia tocado. Desacordado, Nibaldo foi assassinado com uma facada acima do seu pulmão direito, que adentrou 7 centímetros em seu corpo. O esquartejamento começou na própria casa de Nibaldo, depois continuou em um segundo endereço, em Laguna Verde.

Preso, o casal aguarda julgamento.

Aadesh Khambra - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

58. Matador das EstradasÍndia


Bilkhiriya, Madhya Pradesh, Índia | 13 de Agosto

“Nos últimos meses, muitos corpos de motoristas de caminhões foram descobertos em Bhopal e região. Eu percebi que poderia ser o trabalho de serial killers e alertei o SIT”.

[Jaydeep Prasad, inspetor de polícia]

O modus operandi de um dos maiores matadores de estradas da Índia era limpo e suave: ele iniciava uma conversa com suas vítimas, motoristas de caminhões, oferecia um chá com sedativos, e quando a vítima adormecia era estrangulada. Os corpos eram jogados em desfiladeiros, florestas ou de pontes pouco movimentadas. Quando descobertos, eles estavam em tão avançado estado de decomposição que a identificação era quase que impossível, permanecendo em câmaras frigoríficas.

Aadesh Khambra, 48, tem 1.70m de altura, um corpo em forma e a mente de um quase gênio. O QI alto fazia dele um homem extremamente perspicaz e com excelentes habilidades de comunicação, que inclusive fizeram investigadores de polícia sentir simpatia por ele. Khambra não era um psicopata, mas um criminoso obcecado pelo dinheiro.

Aadesh Khambra passou sua vida trabalhando como alfaiate em Mandideep, uma cidade industrial a 15 quilômetros de Bhopal, no estado de Madhya Pradesh. Em 2007, um homem fez piada de sua profissão e Aadesh o agrediu com um tijolo. Preso, o alfaiate fez amizades com condenados por roubo de carga. Uma vez fora da cadeia, os homens decidiram se juntar e formaram uma quadrilha – eles roubavam caminhões, mas não matavam os motoristas e seus ajudantes.

Isso foi por pouco tempo. Logo, Aadesh resolveu que além de roubar, os motoristas também deveriam ser assassinados. E assim ele o fez. Com o tempo, o matador das estradas foi se aperfeiçoando. No começo, ele jogava motoristas de caminhões em movimento e dava marcha-ré passando por cima de seus corpos. Mas isso era só quando ele estava nervoso. Em 2014, ele decidiu dar o fora da quadrilha e, sozinho, matou 23 pessoas até setembro de 2017 – o gosto pelo assassinato se tornou tão forte que um desses crimes foi um assassinato de aluguel.

Em janeiro de 2018, Aadesh contratou um assistente, Jaikaran Prajapati, 30, também assassino. De janeiro a setembro de 2018, a dupla matou 12 motoristas de caminhões.

“Prajapati era como um soldado obediente a Aadesh. Ele não era o assassino principal, mas ajudava Aadesh na procura por vítimas e o assistia nos assassinatos e descarte de corpos”.

[Jaydeep Prasad, inspetor de polícia]

Achando que poderia liderar sua própria quadrilha, Prajapati, sem o conhecimento de Aadesh, roubou um caminhão carregado de ferro em Bilkhiriya, matou o motorista, e descartou o corpo de qualquer jeito. Quando a polícia prendeu Prajapati, o assassino contou a história sobre o seu mestre.

Aadesh pareceu surpreso, mas não se perturbou [ao ser preso]. Ele era tão confiante que, inicialmente, suspeitamos que Prajapati nos havia enganado. Foram quatro dias de intenso interrogatório até ele confessar. Ele era teimoso e oscilava entre resistência e maturidade. Ele sabia exatamente aonde queríamos chegar e dispersava nossos investigadores em longas conversas.”

[Rahul Lodha, Superintendente de Polícia]

A polícia somente quebrou o matador das estradas indiano quando tocou em seu ponto fraco: seus cinco filhos.

Aadesh não demonstrou nenhum tipo de remorso pelos assassinatos, fez piadas e até soltou para os policiais: “Você não está com medo de se tornar meu alvo de número 34 já que eu matei 33 pessoas?” Seu único remorso foi ter se alinhado com o “traidor” Prajapati – em um interrogatório com os dois, Aadesh pegou Prajapati pelo colarinho e lhe deu umas bofetadas na cara antes de ser contido pelos detetives.

Como relatou a mídia indiana, seus filhos não acreditam que o pai é o monstro assassino que aparece na TV. Para suas três filhas e dois filhos, Aadesh é apenas um pacato alfaiate.

Shannann Watts - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

59. Aniquilação FamiliarEstados Unidos


Frederick, Colorado, Estados Unidos | 13 de Agosto

As fotos e vídeos que Shannan Watts, 34, compartilhou em seu perfil do Facebook pintam a imagem de uma mulher feliz. Casada e com duas filhas, ela e seu marido Christopher Watts, 33, parecem super apaixonados. Mas atrás da aparência de uma família perfeita havia mentiras e mais mentiras.

Como os brasileiros citados neste post, George Alves e Luis Manvailer, não há outro adjetivo para o americano Christopher senão o de Monstro. Enquanto ele recebia telefonemas e mensagens preocupadas de amigos e parentes a respeito de sua esposa e filhas desaparecidas, Christopher, tranquilamente, planejava sua nova vida como solteiro, mesmo sabendo que suas filhas pequenas estavam a menos de 30 metros de sua casa, mortas dentro de tanques de petróleo, e sua esposa grávida enterrada nas proximidades. Enquanto sua sogra ligava para saber da filha, Christopher buscava no Google as melhores ofertas para um final de semana nos resorts de Aspen.

Os tanques de petróleo onde os corpos das duas filhas pequenas de Christopher Watts foram encontrados. Foto: Weld County District Attorney office.

Os tanques de petróleo onde os corpos das duas filhas pequenas de Christopher Watts foram encontrados. Foto: Weld County District Attorney office.

Os detalhes deste caso escabroso foram divulgados no início de dezembro de 2018 após Christopher Watts ter sido condenado à prisão perpétua pelo que a mídia americana chamou de “aniquilação familiar”. São 1.960 páginas de uma meticulosa investigação sobre uma família aparentemente feliz e comum, mas que se revela um ventre de mágoa, deslealdade e instabilidade financeira.

Entretanto, os documentos não dão o motivo real que levou Watts a aniquilar a família inteira. Embora tenha se declarado culpado de três assassinatos, ele confessou apenas o assassinato da esposa. Segue o que a investigação revelou.

O casal Watts e suas duas filhas. Foto: Denver Channel.

O casal Watts e suas duas filhas. Foto: Denver Channel.

A imagem de família perfeita contrasta com a brutalidade do assassinato de Shannan e suas filhas Celeste, 3 e Bella, 4. Shannan era uma mulher altamente metódica e organizada. Já Christopher era o oposto dela, sempre quieto e passivo. Para os amigos, no entanto, o casal parecia bem juntos, carinhosos e apaixonados com as filhas e entre eles.

Mas Shannan reclamou com amigos que o marido estava distante. Em uma viagem de visita à mãe de Shannan na Carolina do Norte, “Christopher mal me tocou“, revelou ela a amigas. Ele voltou mais cedo para casa e não atendia aos telefonemas da esposa ou respondia suas mensagens de texto via WhatsApp. Em dado momento, Christopher revelou que não queria o bebê e que o casamento deles não estava mais funcionando. Shannan, que estava grávida, perguntou se ele estava tendo um caso. Ele negou.

“Eu disse a ele ontem a noite que não me sinto mais segura com ele depois do que ele disse sobre o bebê. E se ele me ama, que venha me abraçar e dizer que vai ficar tudo bem”.

[Shannan Watts, em mensagem de texto a uma amiga]

Amigos disseram aos investigadores que a família tinha gastos acima de seus ganhos. O casal Watts discutia a venda da casa onde moravam e a mudança para uma cidade mais barata. Christopher revelou aos investigadores que a família gastava mais de U$ 500 dólares semanais com creche para as duas filhas. Eles estavam devendo três meses de hipoteca e os cartões de crédito estavam bloqueados.


“Eu amo este homem” Ele é o meu ROCK!”

Apesar dos problemas e da distância de Christopher, Shannan estava otimista em salvar o seu casamento. Ela comprou duas edições de um livro de auto-ajuda para casais e deu um para o seu marido. A polícia encontrou a edição de Christopher no lixo. Em 10 de agosto de 2018, ela viajou a trabalho e confessou a amigas estar otimista com a manutenção de seu casamento. Três dias depois ela e suas filhas estariam mortas.

O que Shannan não sabia era que seu marido a estava traindo desde o final de junho. Dois dias depois de sua família ter sido dada como desaparecida, enquanto todos buscavam freneticamente por elas, Christopher transferiu um nude de sua amante para um telefone secreto que ele utilizava para se comunicar com ela.

“Estou tão viciado em você. Dormir sem o seu corpo quente ao meu lado esta noite não vai ser divertido”.

[Christophe Watts, mensagem enviada em 29 de junho para sua amante Nichol Kessinger]

O desaparecimento de mãe e filhas parou os Estados Unidos e a polícia teve de lidar com muitas pistas falsas e outras que não puderam ser verificadas. Uma mulher telefonou e disse ter conhecido através do Tinder “o marido da mulher desaparecida”. Milhões de investigadores virtuais passaram a compartilhar seus achismos em fóruns e chats na Internet e a polícia de Frederick teve de lidar com centenas de fake news. Tamanha foi a repercussão do caso que teve até oportunistas querendo ganhar dinheiro no Craiglist vendendo “cuecas não lavadas” de Watts.

Não demorou muito para experientes investigadores de polícia quebrarem psicologicamente Christopher Watts, que acabou confessando ter estrangulado a esposa grávida e a enterrado. Em 19 de novembro de 2018 ele foi sentenciado à prisão perpétua sem direito a condicional.

“Eu confiei a você o cuidado delas, não matá-las. Elas também confiavam em você, seu monstro sem coração, e então você as remove como lixo. Você me enoja.”

[Frank Rzucek, pai de Shannan]

Fahmeeda - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

60. Ácido, Machado etc.Índia


Baramulla, Vale da Caxemira, Índia | 23 de Agosto

Em 23 de agosto, Mushtaq Ahmad Ganai, 42, foi até a polícia dar queixa do desaparecimento de sua filha de nove anos. Em 2 de setembro, o corpo em decomposição da garotinha foi encontrado a cerca de um quilômetro da casa da família. 

Durante a investigação, a polícia descobriu que Mushtaq tinha duas esposas: Fahmeeda Bano, 35, a primeira esposa, e Khushboo (mãe da vítima), segunda esposa. Acreditando que o marido passava mais tempo com a segunda esposa e que gostava mais da filha que teve com ela, Fahmeeda arquitetou um plano diabólico: matar a menina, mas com requintes de crueldade.

Ela chamou seu próprio filho (também filho de Mushtaq), Sahil Mushtaq, 14, e disse a ele para chamar alguns amigos para estuprar a meia-irmã. Os amigos que se juntaram à empreitada macabra foram os irmãos Kaiser Ahmad, 19, e Aadil Ahmad, 14, além de Naseer Ahmad Khan, 28.

Fahmeeda levou a criança – Muskan – até uma área isolada e lá ela foi brutalmente violada pelos quatro homens. Após o estupro coletivo, Fahmeeda pessoalmente estrangulou a menina e o seu filho Sahil terminou o serviço aplicando uma machadada na cabeça da vítima. Não satisfeito, o adolescente pegou uma faca e arrancou os olhos da meia-irmã, derramando ácido no corpo logo em seguida. Quando o cadáver foi encontrado, a polícia acreditou que ela havia sido atacada e morta por animais selvagens.

O crime, ocorrido nos confins da Índia, gerou protestos por todo o país, que todos os anos registra um sem número de crimes envolvendo estupros coletivos.

Na imagem acima a avó da vítima e mãe de Mushtaq, Bakhti Begum, 70, Mushtaq Ahmad Ganie e sua segunda esposa Khushboo.

Avihe Cheryl Ujaha - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

61. A menina cuja morte assombra a naçãonamibia


Katutura, Região de Khomas, Namíbia | 26 de Agosto

Avihe Cheryl Ujaha - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Avihe Cheryl Ujaha | 9 anos

“Nossa Namíbia está doente. Para alguém fazer algo assim… Nós precisamos seriamente de ajuda,” disse um namibiano sobre o assassinato de Avihe Cheryl Ujaha, “a menina cuja morte assombra a nação”. Já outro morador da pobre cidadezinha de Katutura, no centro do país, revelou “nunca ter visto algo assim“. O choque dos namibianos não é para menos. Após desaparecer a caminho da escola em 26 de agosto, Avihe Ujaha foi encontrada massacrada dois dias depois em uma desolada estrada de terra não muito longe de sua casa. O porta-voz da polícia local, Pendukeni Haikali, revelou que “quem quer que a tenha matado a cozinhou antes“. Mas não era só isso. Não foram encontradas as mãos, um pé, as costelas, o pescoço e a carne da coxa esquerda. Outras partes do corpo também estavam faltando, mas foram encontradas nas redondezas. O assassinato da pequena Avihe Ujaha chocou de tal forma a Namíbia que um ex-presidente e outras autoridades do país compareceram ao seu funeral. “Quem poderia ter feito isso com ela? Eu acredito que a pessoa que fez isso era conhecida dela. Ela nunca conversava com estranhos“, disse sua tia Tjatjitwa. Até o momento o assassino (ou assassinos) não foi identificado.

Alberto Flores - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

62. Live no FacebookMéxico


Acatlán de Osorio, Puebla, México | 29 de Agosto

Pessoas pacatas e humildes, Ricardo Flores, 21, e seu tio Alberto Flores, 53, precisavam de alguns materiais de construção para concluírem uma obra em um poço e decidiram ir até o centro da pequena cidade de Acatlán comprá-los. Nenhum dos dois moravam ali. Ricardo, que estudava Direito, estava na região visitando o seu tio Alberto que morava em uma comunidade há quilômetros de distância de Acatlán.

Acatlán é uma cidade extremamente pobre cuja economia depende do dinheiro enviado por parentes que migraram para os Estados Unidos. Entres os emigrantes estavam os pais de Ricardo, Maria e Jose, que se mudaram para os Estados Unidos no início de 2000 na esperança de proporcionar melhores condições de vida para seus dois filhos, que permaneceram no México. Ricardo e seu irmão José Jr. se comunicavam com os pais através do Facebook.

Quando sobrinho e tio dirigiam pelo centro de Acatlán, alguma coisa estranha aconteceu. Populares cercaram o carro em que estavam, os obrigaram a sair e começaram a ameaçá-los. Sem entender o que estava acontecendo, Ricardo e Alberto confrontaram aquelas pessoas e o entrevero só foi resolvido quando a polícia chegou e levou sobrinho e tio para a delegacia. Isso porque a polícia temeu pela vida dos dois após uma multidão ameaçar linchá-los.

Ricardo Flores e seu tio Alberto presos em uma cela na delegacia de Acatlán. Foto: Univision.

Por medida de segurança, policiais de Acatlán levaram Ricardo Flores e seu tio Alberto até a delegacia e os colocaram em uma cela. Foto: Notiteoti.

Logo, uma horda se formou em torno da delegacia. Mas por que as pessoas de Acatlán estavam ameaçando Ricardo e Alberto? A resposta é: fake news.

“Por favor, estejam todos atentos porque uma praga de sequestradores de crianças entrou no país. Parece que estes criminosos estão envolvidos com o tráfico de órgãos. Nos últimos dias, crianças de quatro, oito e 14 anos desapareceram e algumas foram encontradas mortas com sinais de que seus órgãos foram removidos”.

[Trecho de uma mensagem de áudio compartilhada no WhatsApp entre os residentes de Acatlán e região]

Desconhecidos na cidade e andando em uma camionete preta, Ricardo e Alberto, antes de serem parados pela população, foram vistos comprando bebidas em um bar. E na frente deste bar ficava uma escola. A população tinha agora os dois “responsáveis” pelos supostos assassinatos de crianças.

A notícia da prisão dos dois se espalhou tão rápido quanto as fake news no WhatsaApp sobre as crianças mortas.

Um dos instigadores da horda assassina foi o morador de Acatlán Francisco Martinez, conhecido como El Tecuanito. Ele passou a enviar áudios e mais áudios em grupos do WhatsApp chamando a população para vingar as crianças mortas. Do lado de fora da delegacia, ele usou o celular para fazer uma transmissão ao vivo pelo Facebook.

“Povo de Acatlán de Osorio, por favor, venha dar seu apoio, mostre seu apoio”, dizia ele na live do Facebook, sempre olhando para a câmera.

Um outro homem identificado apenas como Manuel, subiu no telhado do prédio da prefeitura, ao lado da delegacia, e ficou ouvindo o que os policiais diziam. Quando ele ouviu os policiais comentarem com Alberto e Ricardo que os soltariam quando a multidão se dispersasse, Manuel alertou a todos que estavam em frente a delegacia os planos da polícia.

Em um alto-falante, Petronilo Castelan, conhecido como El Paisa, pedia – como se vendesse um refrigerante – contribuições dos presentes para comprar gasolina e atear fogo nos dois homens, saindo em seguida no meio das pessoas coletando dinheiro.

Não demorou muito e a população cega invadiu a delegacia e arrastou para fora sobrinho e tio, espancado-os pelo caminho. Foto: Univision.

Não demorou muito e a população cega invadiu a delegacia e arrastou para fora sobrinho e tio, espancando-os pelo caminho. Foto: Univision.

Sem ter muito o que fazer, os poucos policiais presentes não tiveram reação quando a delegacia foi invadida e Alberto e Ricardo arrastados para fora. Aqui faço um parênteses para inserir um comentário pessoal. Nesta triste e horrível história, mais do que o duplo assassinato em si, o mais horrendo para este que aqui escreve é o comportamento das pessoas durante o episódio. Enquanto Ricardo e Alberto eram espancados, encharcados com gasolina e queimados vivos, a maioria da população – ao invés de ajudá-los ou saírem correndo para pedir ajuda ou, sei lá, sentirem repulsa por aquilo e irem embora – empunhou seus dispositivos móveis e começou a filmar e a tirar fotos como se fossem urubus sedentos e esfomeados em cima da carniça. As pessoas se acotovelavam pelo melhor espaço para a selfie ou melhor ângulo de filmagem. Dois seres humanos estavam sendo queimados vivos, mas o mais importante ali era filmar aquilo para mandar no grupo do WhatsApp ou tirar fotos para ganhar curtidas no Instagram.

Todos os anos elegemos a foto mais representativa dos 101 Crimes Notórios e Horripilantes. E esta é a foto que escolhemos para representar a edição de 2018. Foto: Univision.

Todos os anos elegemos a foto mais representativa dos 101 Crimes Notórios e Horripilantes. E esta é a foto que escolhemos para representar a edição de 2018. Uma foto carregada de significados e que pode ser usada para reflexão em aulas de diversas disciplinas seja no ensino fundamental, médio ou superior. Pessoas gritam, aplaudem e se espremem com seus celulares para filmar a brutal e horrenda morte de Alberto e Ricardo. Foto: Univision.

Os corpos carbonizados permaneceram no local por duas horas até promotores públicos chegarem. Enquanto isso, mais e mais fotos.

Durante a live assassina de El Tecuanito, a mãe de Ricardo recebeu uma série de mensagens no Facebook informando que o seu filho havia sido preso e que a população de Acatlán queria linchá-lo. Ela clicou no link da transmissão ao vivo e se deparou com seu filho e cunhado sendo espancados. Ela chegou a postar um comentário na live, mas ninguém deu ouvidos a ela.

Ricardo estudava Direito com o dinheiro que os pais enviavam dos Estados Unidos, já seu tio Alberto era um homem de 53 anos, pai de família, que viveu uma vida como a de muitos homens pelo mundo: nasceu pobre, casou, construiu com dificuldades um casebre numa aldeia mexicana, teve filhos, e trabalhava para o sustento da casa. Não havia crianças mortas tampouco sequestradas. Tudo não passou de boato.

Abaixo imagens da cena do crime. As imagens são extremamente fortes. Não recomendado para pessoas sensíveis!




Juan David Ortiz - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

63. Doze dias de assassinatosEstados Unidos


Laredo, Texas, Estados Unidos | 3 de Setembro

Juan Ortiz - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Juan David Ortiz | 35 anos

O motorista da picape Dodge Ram branca circulava o bairro de San Bernardo à procura de sua próxima presa. Ele parou ao lado de Stephany Gonzalez, uma garota de programa, enquanto ela caminhava com sua amiga, Nikki Enriquez, 28. Ele abaixou o vidro e disse: “Quanto é?” Stephany teve um mau pressentimento. Duas de suas melhores amigas, também garotas de programa, recentemente haviam sido assassinadas com tiros na cabeça. Ela procurava por clientes naquela noite, mas não se sentiu bem com aquele homem estranho. Ela segurou uma faca pequena que carregava no bolso e mentiu: “Não estou trabalhando”. Sua amiga Nikki, transgênero, entrou na picape. Ela nunca mais foi vista. Era 16 de setembro de 2018, a última vez que Juan David Ortiz mataria uma pessoa. Em 12 dias, ele assassinou quatro garotas de programa em Laredo, cidade fronteiriça ao México. Veterano da U.S. Border Patrol, ninguém sabe por que o pai de família matou Melissa Ramirez, 29, em 3 de setembro; Claudine Anne Luera, 42, em 13 de setembro; Giselda Alicia Hernandez Cantu, 35, em 15 de setembro; e Nikki. Ele foi capturado após uma vítima conseguir escapar. “Ele não era estranho. Ele não era desequilibrado. Ele era completamente normal“, revelou um amigo que serviu com ele no exército.

Juan Carlos - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

64. O Demônio de EcatepecMéxico


Ecatepec de Morelos, México | 6 de Setembro

Em 25 de abril de 2018, Arlet Samantha Olguín Hernández, 23, desapareceu em Ecatepec, região metropolitana da Cidade do México. Três meses depois, em 26 de julho, Evelyn Rojas Matus, mãe de dois filhos, saiu para se encontrar com uma mulher que vendia roupas dos Estados Unidos e também desapareceu. Em 6 de setembro, foi a vez de Nancy Noemi Huitrón Solorio, 28, desaparecer com a sua filha Valentina, de dois meses de idade.

Investigando os desaparecimentos, a polícia chegou até um casal morador do bairro Jardines de Morelos, em Ecatepec. Juan Carlos e sua esposa Patricia passaram a ser monitorados por detetives dia e noite. No dia 4 de outubro, eles foram parados na rua por policiais que queriam saber o que eles carregavam em um carrinho de bebê e em um carrinho de mão.

Suspeitando do casal, a polícia passou a monitorá-los e quando eles saíram na rua empurrando alguma coisa em um carrinho de bebê e em um carrinho de mão, eles resolveram ver o que era. Foto: Ministério Público da Cidade do México.

Suspeitando do casal, a polícia passou a monitorá-los e quando eles saíram na rua empurrando alguma coisa em um carrinho de bebê e em um carrinho de mão, eles resolveram ver o que era. Foto: Ministério Público da Cidade do México.

Era o corpo picado de Nancy Solorio.

Na delegacia, Juan Carlos deu um depoimento assustador.

“…Eu prefiro que meus cachorrinhos comam carne do que todas essas mulheres continuem respirando o meu oxigênio. Eu prefiro milhares de vezes mulheres para os meus cachorrinhos ou para os ratos do que caminhando por aí. Eu não sei se vou sair disso, mas se eu sair livre eu digo a vocês policiais, eu vou continuar matando mulheres.”

Perguntado se havia um motivo por trás dos assassinatos ele respondeu:

“Primeiro, porque as vezes elas não me deixam dormir. Segundo, porque eu tenho ódio delas. E terceiro, porque eu ainda tenho uma necessidade.”

A polícia encontrou os restos mortais de 10 mulheres na casa onde o casal morava com os três filhos pequenos e em terrenos baldios de Ecatepec, mas Juan Carlos admitiu ter assassinado pelo menos 20 mulheres desde 2012. 

Psiquiatras mexicanos atestaram que Juan Carlos é psicopata e psicótico e sua esposa Patricia tem retardo mental. 

O papel de Patrícia era atrair mulheres para a casa do casal com a promessa de vender roupas a um preço bem  barato. Uma vez dentro da casa dos horrores, Juan Carlos pedia para sua esposa tirar os filhos de dentro da casa e matava as vítimas a facadas. Ele fazia sexo com os cadáveres [em alguns casos abusou das vítimas antes de matá-las] e picava todo o corpo, tirando o coração para dar aos seus cachorros. Já outras partes do corpo eram mantidas no freezer para consumo próprio da família. “Meu marido cortava as pernas e eu assava e comia com ele“, confessou Patricia. Autoridades mexicanas também revelaram que o casal guardava partes dos corpos em cubos cheios de cimento, em baldes e em um frigobar e os vendia. A pele era transformada em uma espécie de fertilizante para plantas. No final de outubro, a polícia encontrou um santuário em Nezahualcoyotl e recuperou 20 crânios humanos e centenas de ossos. Autoridades investigam se Juan Carlos vendia os ossos das vítimas a feiticeiros da região.

A bebê Valentina foi encontrada viva. Após matar a mãe, o casal vendeu a criança para um conhecido. Valentina foi encontrada e entregue a avó materna.

Pranay Perumalla - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

65. Justiça para PranayÍndia


Miriyalaguda, Telangana, Índia | 14 de Setembro

Na Índia, existem leis que proíbem a discriminação de pessoas devido à sua origem. Mas nas ruas e dentro do seio familiar o preconceito é visível. As castas dividem a sociedade indiana e na prática determinam o destino de um bebê a partir do seu nascimento.

Os dalits estão na base da pirâmide social. São eles que fazem os serviços mais degradantes da cultura hindu, como manuseio de cadáveres e limpeza de banheiros e de esgotos. (Em 17 de setembro, a foto de uma criança dalit chorando ao lado do cadáver do pai, morto enquanto trabalhava no esgoto, comoveu o mundo). Ser um dalit na Índia é conviver diariamente com o preconceito, desrespeito e violência. Não há dados sobre o assunto, mas centenas de pessoas são mortas todos os anos no país nos chamados crimes de honra – por se apaixonarem ou casarem com pessoas de quem suas famílias não gostam. Muitas famílias ainda preferem casamentos arranjados dentro da sua própria casta e religião.

Pranay Perumalla, 24, e Amrutha Varshini, 21, namoravam desde os tempos de escola. Mas o namoro nunca foi tranquilo, pois ela era de uma família rica, de casta alta, enquanto ele era um dalit.

Desde criança, Amrutha escutava as ordens de sua mãe sem entender direito: não brinque e não faça amizades com crianças de outras castas! Mas eis que o destino colocou Pranay em sua vida e ela se apaixonou.

“A gente tinha que fugir para se ver. Eu não ligava para a casta dele ou para quanto dinheiro ele tinha. O que importava era que a gente se amava.”

[Amrutha Varshini]

Em abril de 2016, seus pais a trancaram em casa. Em uma reportagem da BBC, ela conta que não tinha como falar com Pranay, mas manteve a mente livre motivada pelo amor que tinha por ele. Um dia ela conseguiu fugir.

Pranay dizia a Amrutha que a casta não devia impedir o amor deles, então, em janeiro de 2018, o casal decidiu se casar e foram morar juntos na casa dos pais de Pranay. Para começar uma vida nova longe do preconceito e ódio dos familiares de Amrutha, eles decidiram mudar para o Canadá. Então, veio a grande notícia: ela estava grávida e acharam melhor esperar na Índia até o bebê nascer. Quando ela contou a novidade para sua família, seu pai ordenou que ela abortasse.

Em 14 de setembro de 2018, Amrutha acordou tarde. Com cinco meses de gravidez, ela estava com dor nas costas e decidiu ir ao hospital. Pranay e sua sogra foram com ela.

Quando saíram do hospital, Amrutha fez uma pergunta ao marido ao mesmo tempo em que percebeu alguma coisa estranha. Veja no vídeo abaixo o que aconteceu após os três saírem do hospital.


Imagens de câmeras de segurança flagraram um homem seguindo a família com um machado. Por trás, ele golpeou Pranay na cabeça. Quando ele caiu, o assassino golpeou novamente. Amrutha e sua sogra correram para o hospital para pedir ajuda.

“Meu pai mandou matar meu marido porque ele não era da nossa casta. A gente vivia com medo, mas não imaginava que meu pai seria tão cruel.”

[Amrutha Varshini]

O assassinato teve grande repercussão na Índia e vários grupos de direitos dos dalit e grupos de direitos das mulheres fizeram manifestações no estado de Telangana. A casa da família de Pranay foi cercada por manifestantes carregando faixas e gritando “Viva Pranay!”

Ninguém da família de Amrutha ligou para ela ou foi visitá-la após o crime. Ela ligava muito para sua mãe, mas acredita que todas as confissões que fez para ela foram compartilhadas com seu pai. Em uma entrevista, Amrutha diz que a sua família agora é a família de Pranay.

Ela criou uma página no Facebook chamada Justice for Pranay (Justiça para Pranay, em tradução literal), que atualmente possui 128 mil seguidores. Ativa na página, ela compartilha fotos de protestos e dela com Pranay.

A polícia prendeu Maruti Rao, pai de Amrutha, e seis outras pessoas, incluindo um tio e três supostos assassinos de aluguel. A motivação, segundo investigadores de polícia indianos, foi o fato de Pranay ser um dalit e não ser de família rica.

“Nós dois decidimos lutar por nosso amor. Agora vou lutar pela justiça”.

[Amrutha Varshini]

Tara Fares - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

66. Morte às digital influencersIraque


Bagdá, Iraque | 27 de Setembro

Tara Fares - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Tara Fares | 22 anos

A digital influencer e modelo iraquiana Tara Fares foi assassinada em 27 de setembro após anos lidando com ameaças de fanáticos religiosos devido ao seu “estilo de vida ocidental”. Sua sangrenta morte dentro de um Porsche conversível branco provocou tanto debate quanto suas fotos “atrevidas”. Fares fez florescer um perfil no Instagram com quase três milhões de seguidores graças ao seu gosto pela moda, missivas assertivas e penteados coloridos e atraentes. Mas enquanto o abraço sem medo de Fares às mídias sociais inspirou muitos jovens em seu país, o mesmo abraço perturbou os conservadores e tradicionais. Numa sociedade em que muitos interpretam o Islã de forma fundamentalista, ela foi alvo de um dilúvio de insultos online sobre a sua “falta de modéstia”. E devido aos haters, Fares se mudou de Bagdá para o mais liberal Curdistão Iraquiano, na fronteira com o Irã. Mas ela sempre visitava sua cidade Natal. E numa dessas visitas foi morta a tiros por um assassino que até o momento não foi identificado. Semanas antes de Tares ser assassinada, outras duas digital influencers iraquianas morreram sob circunstâncias misteriosas. Em agosto, Rafeef al-Yassir, uma cirurgiã plástica conhecida como “Barbie do Iraque”, morreu sob suspeita de envenenamento. Uma semana depois foi a vez de Rasha al-Hassan, proprietária de um centro de beleza em Bagdá.

Yambio Granada - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

67. Granada na BoateSudão do Sul


Yambio, Gbudwe, Sudão do Sul | 28 de Setembro

Quando uma granada explodiu no meio da pista de dança de uma boate em Yambio, sudoeste do Sudão do Sul, todos pensaram ser um ataque relacionado à sangrenta guerra civil que há anos assola o país.

Mas não, o ataque não tinha nada de político, pelo contrário, foi um ato homicida de um homem solitário que queria se vingar da esposa.

As poucas fontes sobre o caso revelam que Justin Angelo Gbaki estava tendo problemas conjugais com a esposa. Quais seriam estes problemas não se sabe [e como um assassino em massa do Sudão do Sul não desperta interesse da mídia ocidental, então a história morre aqui].

Em 28 de setembro, Justin Angelo entrou em uma boate lotada de pessoas à procura da esposa. Quando a viu, jogou uma granada em sua direção. Morreram na explosão a sua esposa, sua sogra, um tio da esposa, e mais sete pessoas, incluindo um recém nascido. Trinta e duas pessoas ficaram feridas.

“O incidente foi um ato criminoso isolado. O acusado irá enfrentar um tribunal de direito”.

[James Monday Enoka, Comissário de Polícia]

Pashupati - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

68. Horror Sem CabeçaÍndia


Aldeia de Kolathur, Karnataka, Índia | 29 de Setembro

Pashupati - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Pashupati | 24 anos

Um chocante vídeo emergiu nas redes sociais no início de outubro mostrando um homem caminhando tranquilamente com uma cabeça na mão em direção a uma delegacia de polícia. O homem foi identificado apenas como Pashupati. Segundo o Times of India, Pashupati tinha um amigo que conhecia desde criança, Girish, 35, mas a amizade dos dois ficou estremecida há três anos quando Girish supostamente começou a agir de “maneira inapropriada” – em outras palavras, Girish queria namorar a mãe do amigo. Uma briga entre os dois aconteceu e os anciões da vila advertiram Girish sobre suas intenções. Mas isso não foi o suficiente para Pashupati, ele queria vingar a honra da família. Em 29 de setembro, após dizer a Girish que o perdoava, Pashupati o convidou a ir até a sua casa, onde lhe serviu um chá. Então, ele chamou Girish para sair e quando chegaram em uma área desolada, Pashupati o confrontou e o golpeou no pescoço com um facão, arrancando a cabeça. O assassino dirigiu por 20 quilômetros em uma moto e caminhou até uma delegacia de polícia. Transeuntes filmaram ele caminhando pelas ruas com a cabeça na mão. Veja abaixo:


Arkady Zverev - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

69. Novinha CanibalRússia


Vila de Novinka, Oblast de Leningrado, Rússia | 2 de Outubro

Apesar da proximidade com uma das maiores cidades russas, pouco mais de 100 pessoas vivem na remota vila de Novinka.

Novinka é um lugar tranquilo, mas assustador. Não há nada na rua principal (dê uma navegada pelo Street View e saiba do que estou falando), apenas casebres de pau cercados por uma densa e sinistra floresta. As pessoas que ali vivem permanecem avessas ao que acontece no mundo, antissociais seria um bom adjetivo. No escuro, dificilmente alguém responderia ao grito de um vizinho.

Talvez o falecido Alexander Popovic, 21, tenha pedido ajuda. Não adiantou.

A casa onde ele morava estava em um estado deplorável. O telhado estava quase caindo, as janelas quebradas. Uma casa desolada. Como um jovem na flor da idade, Alexander sentia o peso de não ter amigos, e para não passar o tempo sozinho, ele frequentemente convidava pessoas para curtir o tempo com ele. Mas ninguém ia. Em dado momento, ele começou a alugar os quartos de sua casa para estranhos. De acordo com rumores, ele cobrava apenas alguns centavos. Mas muitas vezes abria de graça a porta de sua casa para alguém que quisesse dormir por um único motivo – espantar a solidão.

Uma parente de Alexander, identificada como Natalya, disse ao site Moskovskij Komsomolets que “Alexander era uma pessoa muito gentil, até demais, por isso ele deixava todo mundo entrar em sua casa. Ele era uma pessoa versátil e sociável, ele se enturmava com qualquer um. Ele não era ganancioso. Se ele tivesse só uma camiseta e alguém precisasse, ele não pensaria duas vezes em doar. Era romântico, escrevia poesia e era muito carinhoso, nunca se esquecendo de parabenizar seus amigos nos aniversários. Ele não tinha dinheiro, adorava crianças, mas sua vida não transcorreu bem, nem na pessoal nem na profissional.”

Em sua rede social, Alexander tinha 300 amigos virtuais, mas na vida real, não mais do que 10 pessoas se comunicavam com ele. Ele participava de grupos de cinema na rede social VK, onde era conhecido por discussões sobre filmes e por convidar os participantes a ir até a sua casa para passar um final de semana. Ninguém nunca foi.

No final de setembro de 2018, Alexander se esbarrou com um casal esquisito em São Petersburgo. Ele tinha 22 anos, ela apenas 12. Eram namorados. Alexander ficou animado em fazer amizade com este peculiar casal e os convidou para passar quantos dias quisessem em sua casa.

Eles eram Arkady Zverev, 22, e Valeria, de apenas 12 anos. [Valeria não é o nome verdadeiro. Por ser menor de idade, a justiça russa a identificou com um pseudônimo]. Rebelde sem causa, quando os pais não compraram para ela um celular do momento, Valeria já tinha motivos suficientes para odiá-los. Foi até fácil para o delinquente Arkady seduzir a menina. Ambos fugiram de Sochi e subiram invisíveis rumo ao norte fazendo sexo e vivendo uma vida nômade. Foi a própria adolescente, para espanto dos policiais, quem revelou a atrocidade do casal.

Alexander Popovich, 21 anos, foi brutalmente assassinado em 2 de outubro de 2018.

Alexander Popovich, 21 anos, foi brutalmente assassinado em 2 de outubro de 2018.

Valeria esperou Alexander ir dormir, então o esfaqueou várias vezes. Ela abriu seu abdomen porque “sempre quis ver o que existia dentro“. Então Zvarev terminou o serviço usando um machado para decapitar a vítima e desmembrá-la. Não parou por aí.

Eles estavam com fome, pelo menos foi isso o que disseram, então arrancaram os olhos da cabeça e cozinharam em uma frigideira junto com o coração. Outras partes do corpo foram assadas no microondas.

O banquete canibal estava longe de terminar e o casal achou o gosto do coração “muito doce“, então decidiram experimentar o cérebro da vítima, “muito mais gostoso“, disse Valeria.

Preso, Zvarev poderá pegar prisão perpétua. Já Valeria, por ser menor de idade, não será indiciada. Zvarev ainda é suspeito de assassinar sua antiga namorada Olga Semibokova, que caiu do oitavo andar do prédio onde o casal morava em maio de 2018. 

Abaixo um vídeo do interior da residência de Alexander. 

Jamal Khashoggi - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

70. Assassinato de EstadoTurquia


Istambul, Turquia | 2 de Outubro

O consulado da Arábia Saudita em Istambul é um lugar de aparência caseira, muito menor do que parece, situado em uma tranquila rua suburbana da capital turca. Se não fosse por uma gigantesca porta de aço e uma bandeira verde tremulando no telhado – ambas ostentando duas grandes espadas – poderia ser facilmente confundida com uma casa estilo Otomana, como muitas nas proximidades.

À esquerda do prédio, barreiras policiais demarcam um ponto onde visitantes param antes de receber autorização para entrar. Em 2 de outubro, o cidadão saudita Jamal Ahmad Khashoggi, 59, parou na barreira e permaneceu ali por algum tempo. Ele foi até a embaixada para tratar de assuntos burocráticos: Jamal precisava de uma papelada para se casar legalmente com a sua noiva turca, Hatice Cengiz, que permanecia ao seu lado, embora nervosa. Jamal andou de um lado para o outro da barricada por cerca de 20 minutos, tirou seus dois telefones do blazer e entregou à noiva. “Me deseje sorte“, disse ele. “Este será um presente de aniversário“, respondeu ela.

Então, Jamal caminhou em direção ao consulado. Uma câmera no telhado o capturou entrando. Era 13h14 da tarde, horário local. Esta foi a última vez que Khashoggi foi visto vivo.


A embaixada da Arábia Saudita em Istambul. Google Street View.

Nos extraordinários 19 dias do seu desaparecimento até a confirmação do governo saudita de que ele estava morto, o destino do colunista do The Washington Post foi montado como um quebra-cabeça por autoridades turcas e cooperação da CIA, a agência de inteligência dos Estados Unidos. O que aconteceu dentro das paredes do consulado foi rastreado até as entranhas da corte real saudita, provocou repulsa em todo mundo, expôs o reino saudita como nunca antes havia sido feito e fez dois poderosos países, os Estados Unidos e a Arábia Saudita, inventarem histórias para proteger tanto seus interesses mútuos quanto o todo-poderoso herdeiro do trono, o príncipe Mohammed bin Salman, descrito por muitos observadores internacionais como “impulsivo”, “impaciente” e “paranoico”.

Desde o início os sauditas deram várias versões sobre o desaparecimento de Khashoggi, crítico ferrenho do governo de seu país natal. Primeiro, eles não sabiam o que tinha acontecido com ele, e que Jamal entrou e saiu normalmente do consulado. Os sauditas até apresentaram (com muito atraso) as imagens das câmeras de segurança que mostravam o jornalista saindo do local. Quando peritos turcos provaram que as imagens eram falsas, e depois de muita pressão, além da minuciosa investigação dos turcos, os sauditas confirmaram que sim, Jamal estava morto. Ele teria brigado dentro da embaixada e morrido em decorrência das pancadas. Uma morte acidental. Mas e o corpo?

A última vez que Jamal Khaggoshi foi visto com vida foi entrando no consulado saudita em Istambul, às 13h14 do dia 2 de outubro.

A última vez que Jamal Khashoggi foi visto com vida foi entrando no consulado da Arábia Saudita em Istambul, às 13h14 do dia 2 de outubro.

Quando a porta foi fechada atrás de Khashoggi, ele foi conduzido ao segundo andar do prédio, para o escritório do cônsul Mohammed al-Otaibi. Se encontrar pessoalmente com o cônsul não é para qualquer um e tal gesto, na sociedade saudita, é somente para aqueles que desfrutam de prestígio. De fato, Khashoggi, antes de fugir da Arábia Saudita, fez parte do círculo íntimo do príncipe, aconselhando grandes autoridades, do embaixador saudita em Londres e Washington ao ex-chefe de inteligência Turki al-Faisal.

O que era desconhecido de Khashoggi é que nas salas adjacentes havia 15 homens, todos membros do serviço secreto da Arábia Saudita. Eles haviam chegado em Istambul naquele mesmo dia em dois jatos particulares, ambos alugados pelo governo saudita em uma base de jatos no aeroporto de Riad. Um software de rastreamento de voo mostrou que um dos aviões aterrizou em Istambul na madrugada do dia 2 de outubro. O segundo pousou no aeroporto de Ataturk logo após o meio-dia.

Nove homens do primeiro voo se hospedaram no hotel Mövenpick, cujas janelas dão de cara para o consulado. Dentre aqueles que autoridades turcas conseguiram identificar através de imagens de câmeras de segurança do hotel, estavam Maher Abdulaziz Mutreb, coronel que cuida da segurança particular do príncipe, e Salah Muhammed al-Tubaigy, médico-forense e chefe de inteligência do reino saudita. À tarde, antes da chegada de Khashobbi, Mutreb foi filmado entrando no consulado com outros três homens, todos membros da equipe de segurança pessoal do príncipe: Nayif Hassan al-Arifi, Mansour Othman Abahussein e Walid Abdullah al-Shiri.

Em março de 2018, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, viajou até os Estados Unidos. Na imagem ele cumprimenta autoridades em Boston. Ao fundo, à direita, Maher Abdulaziz Mutreb. Foto: Bandar Algaloud / Saudi Kingdom Council / Handout/Anadolu Agency/Getty Images.

Em março de 2018, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, viajou até os Estados Unidos. Na imagem ele cumprimenta autoridades em Boston. Ao fundo, à direita, o coronel Maher Abdulaziz Mutreb. Foto: Bandar Algaloud / Saudi Kingdom Council / Handout/Anadolu Agency/Getty Images.

O patologista forense do reino saudita Salah Muhammed al-Tubaigy foi capturado pelas câmeras do aeroporto em 2 de outubro. À direita uma foto de arquivo.

O patologista forense do reino saudita Salah Muhammed al-Tubaigy foi capturado pelas câmeras do aeroporto em 2 de outubro. À direita uma foto de arquivo.

Na manhã do dia 2, os funcionários turcos do consulado foram informados de que eles deveriam trabalhar até o meio-dia, já que uma importante delegação diplomática chegaria naquele dia para uma reunião a tarde. Ficaram apenas aqueles que os sauditas consideravam inquestionavelmente leais, incluindo os homens que faziam a segurança do lado de fora.

No momento em que o segundo pelotão de homens chegou ao consulado – não muito antes de Khashoggi entrar – o que estava prestes a acontecer nunca sairia daquelas paredes, nunca seria conhecido. Pelo menos era o que eles pensavam. E eles estavam errados. Na Turquia, como em outros lugares, ninguém chega sem ser visto e ninguém sai sem ser notado, ainda mais pessoas como aquelas. Lugares como embaixadas tem ouvidos. Já ouviram falar de espionagem?

Pouco depois de Khashoggi entrar na sala do cônsul, dois homens entraram e começaram a torturá-lo. Sem o conhecimento dos sauditas, agentes da agência nacional turca de espionagem, o MIT, estavam ouvindo tudo (não ouvindo em tempo real, mas gravando tudo o que se passava dentro). Literalmente, os áudios gravados pelo MIT se tornaram a trilha sonora da morte, tão horríveis que o presidente dos Estados Unidos Donald Trump se recusou a ouvir.

Os áudios mostram que Khashoggi foi interrogado e, depois, torturado. Teve os dedos das mãos cortados enquanto ainda estava vivo e depois foi degolado. Na gravação, é possível ouvir o cônsul Mohamed al Otaibi se queixando do que estava acontecendo.

“Façam isto em outro lugar. Vocês vão me arrumar problemas!”, diz ele. O médico legista então responde: “Se quiser continuar vivo quando voltar para a Arábia Saudita, fique quieto”. Os gritos eram horrendos e cessaram quando algum tipo de narcótico foi administrado à vítima. Foram sete minutos de tortura até o legista começar a esquartejar o corpo enquanto escutava música com fones de ouvido. “Quando faço este trabalho, escuto música. Vocês deveriam fazer o mesmo”, diz Tubaigy aos colegas na gravação. Após o desmembramento, os pedaços teriam sido dissolvidos em ácido. “Vocês vão ter que limpar tudo,” disse o cônsul, cujo assassinato e desmembramento aconteceu em sua sala.

Em 16 de novembro, o The Washington Post publicou que a CIA concluiu que o príncipe Mohammed bin Salman ordenou o assassinato de Khashoggi.

Corpos na Estrada - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

71. Cadáveres na EstradaArábia Saudita


Abha, Província de Asir, Arábia Saudita | 4 de Outubro

Era uma quinta-feira como outra qualquer com a lua iluminando o céu de Abha, uma pacata cidade árabe que fica ao pé das rochosas montanhas de Aseer. Motoristas dirigiam seus carros tranquilamente pelas rodovias que levam a cidades como Bisha e Al Dayer quando, de repente, alguma coisa apareceu no meio da estrada.

Imagine que você esteja dirigindo por uma estrada qualquer a noite e de repente aviste o que alguns motoristas de Abha avistaram no dia 4 de outubro.

Uma cama no meio da estrada. Mas espere, o que está amarrado à cama? Foto: sabp.org.

Uma cama no meio da estrada. Mas espere, o que está amarrado à cama? Foto: sabp.org.

Sim, parece aqueles filmes policiais sobre serial killers que começa com um misterioso crime e ao longo da película mais corpos vão aparecendo de maneira espetacularizada e os policiais tentam ao mesmo tempo decifrar o misterioso quebra-cabeça.

No caso árabe, um cadáver foi amarrado a uma cama e deixado bem no meio de uma estrada. Por que o assassino teve o trabalho de fazer isso? Ele, literalmente, não quis esconder o horrendo ato de matar um ser humano. Não escondeu e ainda enfeitou o crime. No México, os narcotraficantes fazem isso como uma mensagem aos inimigos e à sociedade, uma forma de instaurar o medo. Mas e na Arábia?

O médico legista que examinou o corpo concluiu que a vítima estava na casa dos 30 anos e morreu de múltiplos ferimentos a bala. Os vídeos e fotos tirados por civis do insólito episódio se tornaram virais na Arábia Saudita.

Oito dias depois, outro corpo enrolado e amarrado foi encontrado em uma estrada nos arredores de Al Dayer, província de Jazan, cidade vizinha a Abha.

Quarenta e oito horas depois, um terceiro corpo foi encontrado esticado em uma estrada de Bisha, também vizinha a Abha. Neste caso, o cadáver estava apenas coberto com um pano.

Em duas semanas três corpos enrolados ou cobertos por panos foram encontrados em estradas da Arábia Saudita. Foto: twasul.info.

Em duas semanas três corpos enrolados ou cobertos por panos foram encontrados em estradas da Arábia Saudita. Foto: twasul.info.

As três vítimas eram africanos que não tinham registros no país, o que indica que eles entraram ilegalmente. Após o aparecimento do cadáver em Bitsa, muitos foram às redes sociais teorizarem sobre a ação de um serial killer. Até o momento a polícia árabe não se pronunciou sobre os assassinatos e as investigações continuam.

Um serial killer racista matando imigrantes? Assassinatos copycat? Ou apenas coincidência? Façam suas apostas.

Severin Krasimirov - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

72. Maníaco BúlgaroBulgaria


Ruse, Bulgária | 6 de Outubro

Victoria Marinova - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Victoria Marinova | 30 anos

Na tarde do dia 7 de outubro de 2018, os búlgaros ficaram chocados com as notícias que apareciam na TV. Victoria Marinova, uma famosa jornalista e apresentadora de TV, não apareceu como de costume para informar os telespectadores, ao contrário, seus colegas é que davam a notícia de que seu corpo havia sido encontrado. Seis dias antes, ela havia aparecido em rede nacional com seu programa investigativo revelando um esquema de corrupção envolvendo fundos europeus na Bulgária. O caso deu origem ao escândalo GPGate (#GPGate scandal), e foi primeiramente revelado pelo website búlgaro Bivol e o romeno Rise Project. A polícia revelou que Marinova foi estuprada, espancada e estrangulada. A morte da jornalista, porém, não teve ligação com a sua atuação profissional, como foram os casos dos jornalistas Ján Kuciak, Pavel Sheremet e Daphne Galizia. Marinova se juntou à jornalista sueca Kim Wall, esquartejada em 2018 na Dinamarca, na caixa de mulheres mortas por maníacos sexuais. Dias depois a polícia prendeu o também morador de Ruse Severin Krasimirov, 21, que confessou o crime mas disse não se lembrar porque estava sob efeito de álcool e drogas. Até o fechamento deste texto Krasimirov estava passando por exames psiquiátricos em um hospital para verificar sua sanidade mental.

Moa do Katendê - Capa - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

73. Moa do KatendêBrasil


Salvador, Bahia, Brasil | 8 de Outubro

Moa do Katendê - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Romualdo Rosário da Costa | 63 anos

Na noite de 8 de outubro de 2018, os irmãos Reginaldo e Romualdo Rosário entraram no Bar do João, em frente ao Dique do Tororó, ponto turístico da capital baiana. Há muitos anos eles frequentavam o lugar e naquela noite sentaram em uma mesa, pediram uma cerveja e começaram a conversar sobre política. Pouco tempo depois, Germínio Divino, primo dos dois, passou na frente do bar, viu os primos e se juntou a eles. Cerca de dez minutos depois, Paulo Sérgio Ferreira de Santana, 36, entrou no estabelecimento e após algum tempo se intrometeu na conversa de Reginaldo, Romualdo e Germínio. Paulo Sérgio escutou os três dizendo que haviam votado no candidato à presidência Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, e questionou-os afirmando que quem deveria ganhar a eleição era o candidato Jair Bolsonaro, do PSL. “Rapaz, você é novo, ainda não sabe nada da vida“, disse Reginaldo a Paulo Sérgio, que ficou nervoso, levantou o tom de voz e começou a agir de forma agressiva. Romualdo entrou na discussão e disse a Paulo Sérgio “você não sabe o quanto sofri pra ter liberdade“. A discussão só foi interrompida quando o dono do bar repreendeu Paulo Sérgio: “Rapaz, olhe com quem você tá discutindo, com um senhor!” Paulo Sérgio, então, foi embora, mas voltou logo em seguida e por trás desferiu 12 facadas em Romualdo, matando-o na hora. “Foi só uma discussão política e pronto. Se fosse coisa séria [a discussão] a gente ia ficar lá sentado bebendo?“, questionou Reginaldo após o assassinato do irmão. “Intolerante e agressivo“, disse a delegada Milena Calmon sobre o assassino. O acusado já tinha duas passagens pela polícia.

James Closs - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

74. Mistério AmericanoEstados Unidos


Barron, Wisconsin, Estados Unidos | 15 de Outubro

Jayme Closs - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Jayme Closs | 13 anos

Na madrugada do dia 15 de outubro, o serviço de emergência norte-americano 911 recebeu a chamada de um número de celular vinda da casa da família Closs em Barron, estado do Wisconsin. O atendente do 911 não teve nem a chance de conversar. Ele escutou apenas pessoas gritando e a pessoa do outro lado da linha nem chegou a pedir ajuda. Mesmo assim, ele comunicou o fato à polícia e em apenas quatro minutos uma viatura policial chegou ao local. A noite estava tranquila e o silêncio presenciado até incomodou os policiais. A porta da frente da casa dos Closs estava arrombada. Dentro, James Closs, 56, e sua esposa Denise, 46, estavam mortos – a tiros. O cachorro da família estava dentro da casa e não fez um só movimento, talvez ainda em choque pelo que testemunhou. A filha de James e Denise, Jayme, não foi encontrada. O misterioso caso da família Closs mexeu com os Estados Unidos e até o momento ninguém sabe o que aconteceu ou onde está Jayme – se ela está viva ou morta. O FBI entrou no caso e acredita que Jayme tenha sido sequestrada. Câmeras de segurança instaladas no bairro capturaram dois carros suspeitos. A polícia já recebeu mais de duas mil ligações com pistas e examinou milhares de horas de vídeos de câmeras de segurança de estabelecimentos, rodovias e casas, mas até o momento não encontrou nada que pudesse lançar alguma luz sobre o que ocorreu naquele dia. As investigações continuam. Atualização: Jayme Closs foi encontrada viva em 10 de janeiro de 2019. Ela conseguiu fugir do local onde estava sendo mantida presa e pediu ajuda. Mais informações neste link.

Vladislav Roslyakov - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

75. Massacre na EscolaUcrânia


Kerch, Península da Crimeia, Ucrânia | 17 de Outubro

Vladislav Roslyakov - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Vladislav Igorevich Roslyakov | 18 anos

Galina Roslyakova trabalhava como enfermeira no Hospital No1 Pirogov quando dezenas de adolescentes começaram a chegar, uns já mortos, outros gravemente feridos. Minutos antes um massacre havia acontecido no Colégio Politécnico de Kerch: um adolescente assassino em massa percorreu os corredores do lugar atirando em quem visse pela frente. Quando Galina descobriu que o autor da barbárie era o seu filho de 18 anos, ela entrou em desespero e tentou o suicídio, sendo contida por policiais e colegas do hospital. O massacre foi horrível. “Os músculos das crianças foram picados…aqueles que tiveram seus órgãos dilacerados, estamos encontrando bolas de metal nos rins, intestinos, nos vasos sanguíneos. Todos eles tem traumas nas pernas, ou pernas e veias rasgadas, membros arrancados“, disse Veronika Skvotsova, ministra da saúde da Crimeia. O autor do massacre, Vladislav Roslyakov, tinha como ídolos serial killers e assassinos em massa – durante o ataque, inclusive, ele vestiu o mesmo tipo de roupa (camiseta branca e calças pretas) que Eric Harris, um dos autores do massacre em Columbine (1999). O garoto era estudante do colégio e foi citado por colegas como tendo um grande ódio da escola e dos professores. Ele matou 20 estudantes e feriu 70 outros antes de se matar com um tiro na cabeça que lhe arrancou o cérebro. Abaixo, fotos do corpo do assassino em massa, um vídeo gravado por estudantes durante o massacre e outro vídeo de Vladislav comprando munições.



Desirée Mariottini - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

76. Supermercado das DrogasItália


Roma, Lácio, Itália | 18 de Outubro

Se a morte de Pamela Mastropietro causou repulsa nos italianos e um sentimento de ódio contra imigrantes africanos, a de Desirée Mariottini foi TNT pura.

A adolescente de apenas 15 anos estudava em Roma e na noite do dia 17 de outubro ligou para os avós informando que havia perdido o último ônibus da linha que levava até Cisterna di Latina, a cidade onde morava. Então, Desirée desapareceu.

Seu corpo foi encontrado dois dias depois no bairro de San Lorenzo, conhecido pela animada vida noturna e alternativa. Exames toxicológicos confirmaram que ela morreu devido a uma mistura de morfina, heroína, cocaína, metadona e outras drogas psicotrópicas.

Vivendo as incertezas da adolescência e com seus pais recém separados, Desirée deixou-se levar por amizades negativas. Acredita-se que ela tenha aparecido na Via dei Lucani, um beco de San Lorenzo, para reaver o seu telefone celular que havia dado em troca de drogas, mas os traficantes e usuários de drogas africanos e árabes tinham outros planos para ela.

O Ministério Público italiano afirma que a adolescente foi drogada com altas quantidades de drogas para reduzi-la a um estado de inconsciência e, assim, ser submetida à violência sexual. Desirée foi estuprada por mais de um dia por vários homens diferentes em um prédio da Via dei Lucani conhecido como “supermercado das drogas”. Mesmo inconsciente e agonizando, muitos homens se revezaram no estupro coletivo. Enquanto ela morria, traficantes e usuários de drogas fumavam e usavam drogas ao seu lado sem se preocupar. Quando ela não acordou mais, eles a vestiram e a deixaram em uma rua perto.


Via dei Lucani – local onde Desirée foi assassinada em Roma

Três homens foram presos em conexão com a morte de Desirée, os senegaleses Mamadou Gara, 26, e Brian Minteh, 43, e o nigeriano Alinno Chima, 40. Um quarto homem, um imigrante da Gâmbia, também foi preso.

Os detalhes da curta vida de Desirée mostram um lar desfeito, abuso de substâncias ilícitas e falhas institucionais (sua mãe tentou sem sucesso ajuda do governo para tratar a filha). Mas o momento atual da Itália não permite que ela se olhe no espelho. O Ministro do Interior italiano, o ultradireitista Matteo Salvini – que encabeça um grupo que busca a expulsão dos imigrantes – chamou os assassinos de “vermes”. A BBC o chamou de “um mestre surfando na onda” após ele tentar tirar vantagem política do assassinato indo visitar o local onde a adolescente foi encontrada. Antes mesmo da polícia prender os suspeitos do caso, ele deu entrevistas na TV prometendo ser duro contra a imigração ilegal. Suas visões extremistas o fizeram ser, atualmente, o mais popular político italiano.

Em suas redes sociais, Salvini aponta os inúmeros crimes cometidos pelo país por imigrantes. Ele vende a ideia de que crimes horrendos cometidos por imigrantes contribuem muito para o aumento da violência na Itália – embora as estatísticas oficiais do seu próprio governo contradizerem suas afirmações.

Rasha Bassis - Capa - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018.jpg

77. Atire! Lave a sua honra!Síria


Jarablus, Província de Alepo, Síria | 20 de Outubro

Rasha Bassis - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Rasha Bassis | Idade desconhecida

No final de outubro, um chocante vídeo causou indignação e revolta nas mídias sociais. Nele, Bashar Besis (Bassis, em algumas fontes) aparece metralhando a própria irmã, Rasha Bassis, que aparenta ser menor de idade, no quintal da casa da família. Bashar diz no vídeo sobre “lave a sua honra”. Algumas fontes revelam que Rasha supostamente teria feito sexo com um turco, o que despertou a ira do irmão, um militante rebelde sírio. Para limpar a sua “honra”, ele perpetua um horrendo e brutal ato contra a irmã, um retrato das ações desumanas que há anos homens perpetuam contra as mulheres sírias. O pretexto de “lavar a honra” mata e continuará matando mulheres numa sociedade que ainda vê sua honra no corpo de mulheres e quantas mulheres são mortas todos os dias por este pretexto vago. Costumes e tradições medievais, assim como leis que não reconhecem o direito das mulheres como cidadãs permitirão que homens continuem cometendo atrocidades como sequestro, estupro, assassinato e mutilação dos corpos. O vídeo pode ser visto abaixo. (Não recomendado para pessoas sensíveis!)


Toyah cordingley - capa - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

78. Honre ToyahAustrália


Praia de Wangetti, Queensland, Austrália | 21 de Outubro

Toyah cordingley - 101 Crimes notórios e horripilantes de 2018Vítima: Toyah Cordingley | 24 anos

Toyah é minha única filha. Encontrar o seu corpo colocou uma imagem permanente em minha mente. É algo que um pai nunca deveria sofrer. Eu me sinto perdido e vazio por dentro, mas eu sempre terei as maravilhosas memórias desses 24 anos juntos“, escreveu Troy Cordingley em seu perfil do Facebook sobre sua filha Toyah Cordingley, assassinada aos 24 anos quando passeava com o seu cachorro em uma paradisíaca praia de Queensland. Como fazia sempre, Toyah saiu de tardezinha para caminhar com o cão de estimação da família, mas não voltou. Desesperado, seu pai comunicou o fato à polícia e começou ele mesmo a procurar a filha. No dia seguinte, após horas caminhando, Troy teve a visão que o marcará pelo resto da vida. Toyah foi estuprada e espancada até a morte. Seu cachorro foi encontrado nas proximidades, amarrado a uma árvore. Até o momento a polícia australiana não prendeu nenhum suspeito. Um indiano chamado Rajwinder Singh é procurado e citado como “pessoa de interesse” no caso. Casado e pai de três filhos, Singh deixou tudo para trás e voou para a Índia pouco depois do corpo de Toyah ser encontrado. A polícia indiana, após pedido das autoridades da Austrália, montou uma força-tarefa para tentar encontrar Rajwinder. Membros de sua própria família que moram na Austrália, também pediram para ele aparecer e responder as perguntas dos australianos. A família de Toyah criou um grupo no Facebook, “Honre Toyah“, onde publica atualizações do caso.

Serial killer em Meyerton - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

79. Serial killer à soltaAfrica do Sul


Meyerton, Gauteng, África do Sul | 22 de Outubro

Zoleka Ngwenyeni - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Zoleka Ngwenyeni | 16 anos

A adolescente Zoleka Ngwenyeni desapareceu após sair de casa para ir até um salão de beleza. Seu corpo foi encontrado dois dias depois, parcialmente nu, com arranhões no pescoço, camisinhas ao lado e ferimentos na barriga e cabeça. Segundo a polícia, após ser estuprada, Zoleka foi esfaqueada com uma chave de fenda. Zoleka foi a quinta mulher estuprada e morta em Meyerton desde julho de 2017. Todas as vítimas são mulheres jovens – Zoleka foi a mais nova e a mais velha tinha 27 anos. “A morte de Zoleka foi o gatilho para a polícia juntar todas as mortes da área e transferir o caso para a divisão provinciana… e devido ao fato deles acharem que existe um assassino em série na área…bem, a polícia está cautelosa em confirmar isso, e isto é porque eles não tem nenhuma evidência…essas mulheres estão sendo metodicamente mortas, esfaqueadas com uma chave de fenda, estupradas e descartadas nas proximidades, este é o padrão“, disse Govan Whittles, jornalista da Enca. A polícia sul-africana continua as investigações dos assassinatos em série e até o momento não apresentou nenhum suspeito.

fransiskus xaverius ong - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

80. O PianistaIndonésia


Palemang, Sumatra do Sul, Indonésia | 24 de Outubro

Na manhã do dia 23 de outubro de 2018, uma das empregadas da família Ong percebeu algo estranho: seu patrão estava tocando piano.

Fransiskus Xaverius Ong, 45, só tocava piano quando estava com algum problema. Mais tarde naquele dia, ele fez algo que nunca fazia: telefonou para cada um dos empregados de sua empresa, assim como os empregados de sua casa, e pediu para que todos comparecessem a sua casa. Ao longo do dia, a cada funcionário que aparecia, Ong lhes dava dinheiro.

Na madrugada do dia seguinte, às 2h48, ele enviou uma mensagem para o seu grupo do ensino médio no WhatsApp pedindo perdão e pedindo também que todos se lembrassem dele por suas qualidades. Cerca de três horas depois, um amigo respondeu: “O que você está fazendo tagarelando às três da manhã?

Mensagem enviada por Fransiskus Ong em um grupo do WhatsApp na madrugada do dia 24 de outubro. Foto: The Jakarta Post.

Mensagem enviada por Fransiskus Ong em um grupo do WhatsApp na madrugada do dia 24 de outubro. Foto: The Jakarta Post.

Horas depois, uma das empregadas entrou no quarto de uma das filhas de Ong para acordá-la para ir a escola e saiu em desespero quando viu uma poça de sangue no travesseiro. O sangue escorria da cabeça da menina.

Ong matou a tiros a esposa Margereth Yentin Liana, 43, e seus dois filhos Rafael Fransiskus, 18, e Kathlyn Fransiskus, 11. Os tiros foram disparados enquanto as vítimas dormiam, a curta distância.

Após matar a família, Ong pegou os dois cachorros de estimação, Choky e Snowy, e os afogou na banheira. Então retornou até o seu quarto, trancou a porta e atirou na própria cabeça.

A polícia acredita que o familicídio ocorreu devido a uma briga entre marido e esposa. Margereth teria pedido o divórcio após descobrir que o marido tinha um caso extraconjugal.

Em uma nota de suicídio, Ong escreveu:

“Estou tão cansado. Me desculpe…Eu amo muito minha esposa e filhos [assim como] Choky e Snowy. Eu não poderia deixá-los sozinhos neste mundo.”

Abaixo um vídeo da página Berita Viral mostra o sofrimento de familiares no velório da família.


Abaixo imagens da cena do crime. Fotos 1 e 2: Fransiskus Ong; Foto 3: Kathlyn; Foto 4: Rafael.




Robert Gregory Bowers - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

81. Antissemita DeliranteEstados Unidos


Pittsburgh, Pensilvânia, Estados Unidos | 27 de Outubro

Robert Gregory Bowers, 46 anos, era tão antissocial que seus vizinhos o apelidaram de “fantasma” por ele nunca ser visto na rua ou interagindo com alguém. Se na vida real ninguém sabia nada sobre ele, na virtual era diferente. Ele gostava de interagir na Gab, uma rede social cujos integrantes são neo-nazistas, supremacistas brancos e pessoas com viés político de extrema direita [a Gab é cheia de brasileiros]. Na descrição do seu perfil (já desativado) ele escreveu: “Judeus são as crianças de Satã”.

Bowers gostava de postar sobre a teoria do genocídio branco, uma teoria da conspiração de neo-nazistas e supremacistas brancos criada pelo neo-nazista David Lane em 1995, que diz que a imigração em massa, a integração racial, a miscigenação, as baixas taxas de fertilidade, o aborto e a violência promovidos em países de maioria branca são uma forma de causar a extinção das pessoas brancas através da assimilação forçada ou genocídio violento.

Em uma de suas postagens, Bowers citou a HIAS (Sociedade de Ajuda ao Imigrante Hebreu):

“HIAS gosta de trazer invasores que matam nossa gente. Eu não posso ficar sentado e ver minha gente sendo abatida. Que se dane o que vocês pensam, estou indo.”

E Bowers foi.

Na manhã de 27 de outubro de 2018 ele promoveu o maior massacre antissemita da história dos Estados Unidos ao fuzilar 11 pessoas na sinagoga Árvore da Vida na cidade de Pittsburgh. “É uma cena horrorosa. Uma das piores que vi, e eu trabalhei em alguns acidentes de avião“, disse o diretor de segurança pública de Pittsburgh, Wendell Hissrich.

Irving YoungerVítima: Irving Younger | 69 anos

Ex-agente imobiliário, Younger sempre frequentou a região do bairro Squirrel Hill, onde fica a Sinagoga. Quando sua esposa faleceu dez anos atrás, decidiu passar mais tempo com seus dois filhos adultos, Jared e Jordanna. Aposentado, ele gostava de passar o tempo na mesa de uma calçada do bairro, conversando. Ele também foi treinador de um time de beisebol. Na Árvore da Vida, Irving gostava de distribuir panfletos e livros de orações, e ficar na entrada recepcionando as pessoas. Era a primeira pessoa que todos os frequentadores viam ao chegar.

Melvin WaxVítima: Melvin Wax | 87 anos

As grandes paixões de Melvin Wax eram seu neto, sua religião e o time de beisebol Pittsburgh Pirates. Sempre alegre, vivia fazendo piadas e sempre era um dos primeiros a chegar para os encontros de sexta-feira à noite e sábado de manhã na Árvore da Vida. De coração bom, quando jovem foi no lugar do irmão para o serviço militar, servindo na II Guerra Mundial e Guerra da Coréia. Segundo conhecidos, ele odiou estar na guerra e pediu dispensa do exército ao voltar.

Rose MallingerVítima: Rose Mallinger | 97 anos

Uma mulher que vivia para a família, Rose Mallinger frequentava regularmente a Árvore da Vida com sua filha Andrea, que ficou ferida no ataque. Apesar da idade, Mallinger era ativa, vibrante e cheia de vida, como relatou quem a conhecia. Em uma declaração pública, a família disse que Rose conhecia seus filhos, netos e bisnetos melhor do que eles mesmos.

Sylvan, 86 anos, e Bernice Simon, 84 anos

Sylvan, 86 anos, e Bernice Simon, 84 anos. Foto: CNN.

O casal Sylvan e Bernice morreram juntos na mesma sinagoga em que se casaram 60 anos atrás. Eles tinham pouco mais de 20 anos quando se casaram na Árvore da Vida em 1956.

Jerry Rabinowitz

Vítima: Jerry Rabinowitz | 66 anos

No início da epidemia da AIDS, quando a doença ainda era um estigma e os acometidos banidos do convívio social, Jerry Rabinowitz ficou conhecido por segurar as mãos de seus pacientes sem luvas e abraçá-los. Um de seus pacientes, Michael Kerr, publicou um texto emocionado em seu perfil do Facebook: “Antes de existir um tratamento efetivo contra o HIV, ele ficou conhecido na comunidade por nos manter vivos o máximo possível. Obrigado Dr. Rabinowitz por sempre estar lá durante os mais terrível e assustador período da minha vida“.

Joyce Fienberg

Vítima: Joyce Fienberg | 75 anos

Pesquisadora e professora universitária por quase 40 anos, Joyce Fienberg nasceu em Toronto, Canadá, e morou em várias cidades americanas até se estabelecer em Pittsburgh. “Minha mãe ficaria muito brava se o seu velório não fosse na Árvore da Vida“, disse seu filho Howard. A igreja se tornou um refúgio para Joyce após a morte de seu marido em 2006. Ela recusou convites de seus filhos para morar perto deles. Ela queria ficar perto do lugar onde havia encontrado paz. “Meu coração dói, minha irmã está morta, minha irmã foi assassinada. Ela era meu modelo de vida…a luz ainda está em nossos corações, mesmo que despedaçados,” disse seu irmão Robert durante o velório.

Richard GottfriedVítima: Richard Gottfried | 65 anos

Nas comemorações para o Halloween, o dentista Richard Gottfried fez algo diferente e que era a cara dele. Ao invés de distribuir doces para as crianças, ele passou de porta em porta e deu aulas de escovamento para os pequeninos do seu bairro. Gottfried e sua esposa, que também era dentista, realizavam trabalhos voluntários para uma clínica médica e davam conselhos matrimoniais em uma igreja católica de Pittsburgh. Para Gottfried, todos eram iguais perante a Deus – cristãos, muçulmanos, judeus, kardecistas etc. Na Árvore da Vida, foi citado por frequentadores como a “pilastra” da igreja, aquele que sempre estava lá para dar suporte, seja nos projetos, eventos ou arrecadação de fundos para trabalhos humanitários.

Daniel SteinVítima: Daniel Stein | 71 anos

Joe Stein disse que seu pai era um “homem simples” que “não precisava de muito”. As notícias da morte de Daniel devastaram sua família. “Nossas vidas tomarão agora um caminho diferente, um que nós não acreditávamos que aconteceria“, disse Joe em seu perfil do Facebook. Daniel morava com sua esposa em Squirrel Hill em era um frequentador assíduo da Árvore da Vida. “Ele era um grande homem, um homem engraçado, que tinha um ótimo senso de humor. Todos o amavam,” disse seu sobrinho Steven Halle à WPXI.

David e Cecil Rosenthal. Foto: CNN.

David e Cecil Rosenthal. Foto: CNN.

Os irmãos David, 54, e Cecil, 59, eram inseparáveis. Com deficiência mental, os dois passaram a vida cuidando um do outro e eram muito queridos pela comunidade judaica de Pittsburgh.

O assassino em massa Robert Gregory Bowers foi preso após trocar tiros com a polícia e acusado em 29 crimes federais e 36 estaduais.

Juninho Riqueza - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

82. Família RiquezaBrasil


São José dos Pinhais, Paraná, Brasil | 27 de Outubro

“Psicopata. Ele é doente. Agir com essa ausência de remorso, essa frieza. Ele mata, pede que limpe a casa e ainda pede para fazerem comida. Ele consegue se alimentar mesmo depois de tudo.”

[Amadeu Trevisan, delegado de polícia]

Na era das selfies e Instagram, aparecer se tornou o principal objetivo de vida de grande parte das pessoas. E em busca deste propósito narcisista, as pessoas acabam se perdendo em um mundo fantasioso de prazeres imediatos e valores distorcidos. O enriquecimento da mente dá lugar à busca por curtidas. O tortuoso caminho pode não ter volta.

Edison Brittes Júnior, 38, era chamado pelos amigos de “Juninho Riqueza”. Junto com sua esposa Cristiana, 35, e sua filha Allana, 18, gostava de ostentar nas redes sociais. Motos de alta cilindrada, carros esportivos, viagens perfeitas e festas de luxo e arromba; selfies generosos nos decotes com direito a biquinhos; cabelos maravilhosos, roupas e acessórios da moda. Literalmente, as redes sociais dos Brittes provocava ataques cardíacos nos invejosos.

Mas faltava o principal para os Brittes, aquilo que chamamos de ética e moral.

O que os Brittes não compartilhavam nas redes sociais é que a moto Honda Repsol de mil cilindradas era de um traficante; que o celular de Edison estava no nome de um homem assassinado; que o seu carro Hyundai Veloster foi adquirido de forma fraudulenta; que Edison se fingia de policial para extorquir pessoas e roubar veículos etc. etc.

Adquirindo bens e dinheiro dessa forma fica fácil pagar quase R$ 30 mil reais na festa de aniversário da filha Allana, que aconteceu em uma das boates da moda de Curitiba, a Shed. Reserva de camarotes com garrafas e mais garrafas de vodka, a “Família Riqueza” parou a boate. Dentre os amigos de Allana presentes na Shed estava o jogador de futebol Daniel Correa Freitas, 24, cujo passe pertencia ao São Paulo, mas que estava emprestado ao São Bento na disputa do campeonato brasileiro da série B.

Após saírem da boate, a família Brittes e alguns amigos de Allana resolveram esticar a madrugada em um “after party” na casa da família, onde continuaram bebendo. Em dado momento, Edison saiu para comprar cerveja. Daniel, que conversava com um colega pelo WhatsApp, enviou um áudio pra ele. Escute abaixo:

Ao dizer “coroa”, Daniel se referiu à esposa de Edison, Cristiana, que dormia no quarto do casal. Em uma ação que é considerada crime, Daniel entrou no quarto e tirou selfies ao lado de Cristiana, sugerindo na troca de mensagens com o amigo que teria feito sexo com ela. “Comi ela“, diz ele. Daniel participava de um grupo no WhatsApp onde homens compartilhavam fotos de mulheres que tiveram relações sexuais. Entretanto, nas fotos que Daniel tirou com Cristiana, ela aparece dormindo.

Daniel Correa - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

As fotos que Daniel compartilhou em seu perfil do WhatsApp. Exposição pornográfica sem consentimento é crime perante a lei brasileira.

Essa brincadeira de mau gosto custou a vida de Daniel. Edison voltou para casa e encontrou a porta do quarto fechada. Ele deu a volta e pela janela viu Daniel deitado na cama ao lado da esposa. Enfurecido, ele arrebentou a porta e com a ajuda de outros jovens presentes na casa espancou Daniel até que ele perdesse a consciência. Manchas de sangue foram encontradas nas paredes e no chão. Não satisfeito, Edison arrastou Daniel pela casa e o colocou no porta-malas de seu carro. Junto com ele estavam Eduardo da Silva, Ygor King e David Willian da Silva.

Eles levaram Daniel até uma região afastada e no percurso os agressores continuaram espancando a vítima com cotoveladas e socos. Daniel foi retirado do carro pelos acusados e Edison o matou por “degola parcial de sua cabeça”. A cervical da vítima ficou exposta. Não satisfeito. Edison cortou o pênis de Daniel e o jogou a 20 metros de distância.

“Ele é um criminoso que acredita na impunidade. Ele é inconsequente. Quem pratica um crime assim no meio de tantas pessoas para se mostrar e mostrar que era o bom? Ele é um homem perigoso e deve permanecer preso. Em liberdade ele representa risco para as testemunhas”.

[Amadeu Trevisan]

Sete pessoas foram indiciadas pela morte do jogador. São elas:

  1. Edison Brittes Júnior – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, corrupção de menor, fraude processual e coação no curso do processo;
  2. Cristiana Brittes – homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor;
  3. Allana Brittes – coação no curso do processo, fraude processual e corrupção de menor;
  4. Eduardo da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor;
  5. Ygor King – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor;
  6. David Willian da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e denunciação caluniosa;
  7. Evellyn Brisola Perusso – denunciação caluniosa e falso testemunho.

Abaixo, imagens do corpo da vítima. 


Samuel Akpobome Emobor - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

83. Um AmorNigeria


Ologbo, Ikpoba-Okha, Nigéria | 29 de Outubro

Samuel Akpobome Emobor - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Samuel Akpobome Emobor | 18 anos

Eu queria usar a minha mãe em um ritual. Eu tenho 18 anos de idade. Meu pai é falecido. Foi um homem [bruxo] chamado Um Amor que me disse para usar minha mãe em um ritual em troca de dinheiro. Ele prometeu me dar 50 mil nairas [cerca de R$ 535 reais] se eu matasse a minha mãe e dormisse com ela. Ele disse que eu podia cortar as orelhas da minha mãe e seus dedos e levar para ele. Eu dormi com a minha mãe [fez sexo com o cadáver] uma vez só. Eu esganei o pescoço da minha mãe enquanto ela dormia. Um Amor vende poções. Ele colocou alguma coisa dentro da bebida e me disse para eu usar e matar minha mãe. O dia que eu fui até a sua casa com a polícia, ele fugiu. Eu cresci em Oghara. Eu trabalho em uma fábrica de água mineral. Eu agora me sinto muito mal porque as pessoas me bateram muito. Eu fiz o que o ritualista me pediu pra fazer“. O corpo de Christiana Ighoyivwi, 58 anos, foi descoberto pela sua mãe. O adolescente estaria fazendo sexo com o cadáver quando foi pego pela avó. Ele tentou correr, mas os gritos da avó chamaram a atenção de vizinhos que o pegaram na rua e chamaram a polícia. Sêmen foi recolhido do lençol e um exame de DNA confirmou ser de Samuel. Assassinatos ritualísticos tem várias formas. Dos albinos aos crimes que envolvem matar um ente querido na esperança de que espíritos trarão riquezas. Matar a mãe seria algo muito mais poderoso e é dinheiro na certa, pelo menos foi o que disse Um Amor.

Sergey Moskovets - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

84. Canibais ManíacosRússia


Nakhodka, Krai do Litoral, Rússia | Novembro

Sergey Moskovets - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Sergey Moskovets | 59

Em novembro, o tronco sem cabeça e membros de uma mulher foi encontrado em um depósito de lixo no porto de Nakhodka, Rússia, após transeuntes reclamarem de um mau cheiro. Logo, as pernas também foram encontradas, mas nada da cabeça e braços. Um cão farejador levou os policiais até o apartamento de Sergey Moskovets, um ex-condenado, na rua Leningradskaya. Quando os investigadores abriram a porta, encontraram o fígado da mulher cozinhado em uma panela com batatas. “Sinais assustadores escritos em sangue estavam nas paredes“, relatou a mídia russa. Pelo que foi relatado até o momento, Sergey e um colega – cujo nome não foi divulgado – atraíram uma mulher de 40 anos (que também não teve o nome divulgado) até o apartamento e lá a mataram e esquartejaram. A dupla foi presa e nenhum outro tipo de informação foi divulgada. O bizarro perfil russo do Instagram @plohie_novosti_18 trouxe as imagens do cadáver e do fígado cozinhado na panela. Veja abaixo (Não recomendado para pessoas sensíveis!).


O Bruxo da Floresta - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

85. O Bruxo da FlorestaUcrânia


Vila de Babai, Carcóvia, Ucrânia | 3 de Novembro

Alisa Onyshchuk - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Alisa Onyshchuk | 15 anos

Crianças e meninas encontradas destroçadas em florestas foi um crime comum ao longo da história europeia, tão comum que deu origem ao conto de fadas João e Maria – perdidos em uma floresta, crianças vagavam por uma floresta escura até encontrar a casa de uma bruxa que decide comê-las. Todos os dias, a adolescente ucraniana Alisa Onyshchuk tomava um atalho por uma floresta para chegar até uma estação de trem e de lá ir até a escola. No início de novembro, Alisa saiu para mais um dia de aula e, horas depois, sua mãe, Victoria, saiu para o trabalho e passou pelo mesmo caminho. Na floresta, Victoria encontrou um dos tênis da filha e ligou para o colégio, já que Alisa não atendia o telefone. A diretora da escola informou que Alisa não havia aparecido e Victoria foi na polícia. O corpo da adolescente foi encontrado no dia seguinte. Alisa foi estuprada, espancada e estrangulada; seu rosto estava inchado e coberto de sangue. No chão, em volta do cadáver, havia pinturas e desenhos satânicos e dois galos decapitados estavam dependurados em galhos perto do corpo. Até o momento, o assassino de Alisa não foi identificado. A polícia procura um homem que tenha entre 35 e 45 anos e meça cerca de 1.85m, perfil de um suspeito visto na estação de trem. Moradores locais sugeriram que Alisa possa ter sido vítima do “Maníaco de Pokotylovsky”, um suposto assassino em série responsável por assassinatos de mulheres na região desde 1983 – os crimes nunca foram solucionados e muitos suspeitam que os assassinatos tenham sido cometidos pela mesma pessoa. Neste programa de 45 minutos da TV ucraniana, especialistas debatem sobre a possibilidade do Maníaco de Pokotylovsky estar envolvido, além de entrevistarem a mãe de Alisa.

Thousand Oaks - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

86. TEPTEstados Unidos


Thousand Oaks, California, Estados Unidos | 7 de Novembro

Ian David Long - 101 Crimes Notórios e horripilantes de 2018Acusado: Ian David Long | 28 anos

Em abril de 2018, policiais de Thousand Oaks, Califórnia, responderam a um chamado de perturbação da ordem na casa onde Ian David Long morava. Ex-soldado que serviu no Afeganistão, David Long estava enfurecido e agindo de maneira irracional. Uma equipe de especialistas em saúde mental conversou com ele e sentiu que ele sofria de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). Apesar do diagnóstico e de poder levá-lo para detenção provisória de acordo com uma lei que permite prender pessoas com problemas psiquiátricos, eles não o fizeram. Sete meses depois, policiais entraram em sua casa de novo, mas dessa vez por outro motivo: assassinato em massa. David Long assassinou 12 pessoas e feriu 25 outras dentro da boate Borderline Bar & Grill e depois se matou. As vítimas naquela noite foram o Sargento Ron Helus, 54; Cody Coffman, 22; Justin Meek, 23; Alaina Housley, 18; Sean Adler, 48; Daniel Manrique, 33; Telemachus Orfanos, 27; Noel Sparks, 21; Blake Dingman, 21; Jake Dunham, 21; Kristina Morisette, 20; Marky Meza Jr., 20. Telemachus Orfanos estava presente em Las Vegas em 2017 quando Stephen Paddock abriu fogo contra a multidão que assistia a um show matando 58 pessoas. Pouco mais de um ano depois, Orfanos não sobreviveria ao segundo assassinato em massa em que esteve presente.

Murad Soltanov - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

87. ExorcismoAzerbaijão


Shabran, Azerbaijão | 10 de Novembro

Murad Soltanov - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Murad Soltanov | 25 anos

Natural de Mashtaga, o azeri Murad Soltanov foi diagnosticado com esquizofrenia e tomava medicamentos controlados. Mas sua condição foi piorada muito devido ao seu pai, Shahin Soltanov, um homem supersticioso que acreditava que o filho estava possuído por maus espíritos. E se alguém está possuído, a única alternativa é expulsar esses espíritos do corpo. Shahin alugou um apartamento na cidade de Shabran e pagou cerca de R$ 600 reais para o clérigo Fizuli Garibov conduzir um ritual de exorcismo no filho. Juntamente a outros cinco homens, e armados com galhos, Garibov deu a ordem e todos passaram a espancar o jovem. Murad gritou e chorou, mas o clérigo relatou ao seu pai que não era Murad e sim o demônio. Quando Soltanov começou a vomitar e tossir sangue, os homens consideraram aquilo um bom sinal pois significava que os demônios estavam sendo expulsos do corpo. Murad teve as costelas quebradas e estas perfuraram seus órgãos internos, levando-o a morte. Além do pai e do clérigo, foram presos Vusal Ibragimov, Aprel Halilov, Sahib Halilov, Afgan Tarverdiev e Jamil Gayibov.

Sunil Kumar - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018.jpg

88. O serial killer da camiseta azulÍndia


Gurugram, Haryana, Índia | 11 de Novembro

Sunil Kumar - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Sunil Kumar | 23 anos

Em 19 de novembro de 2018, a polícia indiana prendeu o trabalhador diarista Sunil Kumar em conexão com o assassinato de uma criança de três anos no Setor 66 da cidade indiana de Gurugram. Não demorou para que ele confessasse o assassinato de outras 15 crianças nas cidades de Nova Déli, Jhansi e Mahoba, no estado de Uttar Pradesh, e Gwalior, no estado de Madhya Pradesh. Nos dias seguintes, o serial killer levou policiais a vários locais onde matou e descartou os corpos de suas vítimas. Ele atraía meninas entre três e oito anos com dinheiro ou doces durante eventos religiosos, aproveitando-se da distração dos pais e da multidão. Ele quebrava as pernas e estuprava a vítima, matando-a em seguida a tijoladas. Muitas vezes ele visitava os locais do crime. Para a polícia, Kumar disse que só foi pego porque não estava usando sua camisa azul da sorte. “Ele disse acreditar que a polícia nunca conseguiria localizá-lo se matasse vestindo uma camisa azul. Ele ficou surpreso de ter sido pego apesar de tomar todas as precauções“, disse o comissário da polícia de Gurugram K K Rao. Em sua confissão, Kumar revelou ter assassinado uma criança de cinco anos em 15 de junho de 2013 em Gurugram. Ela foi brutalmente estuprada após ser atraída com doces nos arredores de uma estação de trem. Mas o que o assassino não sabia é que a menina sobreviveu ao ataque. A criança, que não teve o nome divulgado, teve que passar por diversas cirurgias de reconstrução de sua vagina.

Elozino Joshualia Ogege - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

89. Meninos YahooNigeria


Abraka, Delta, Nigéria | 15 de Novembro

Elonzo Ogege 101 Crimes Notorios e Horripilantes de 2018Vítima: Elozino Joshualia Ogege | 22 anos

Na Nigéria, Meninos Yahoo é o apelido dado a homens envolvidos em estelionato e fraudes. E no país dos ritualistas, se envolve dinheiro, pode envolver sacrifícios humanos. Em 15 de novembro, a universitária Elozino Joshualia Ogege se encontrou com um homem identificado como Onos, que supostamente iria lhe mostrar uma quitinete. Segue as palavras de Onos: “Eu fui contatado por Desmond [um Menino Yahoo] e outro para conseguir uma estudante para os rituais do Yahoo. Quando Elozino apareceu procurando por um quarto, eu vi uma boa oportunidade. Eu liguei para o Desmond e ele me disse para trazê-la no dia seguinte. Então, quando Elozino veio, eles usaram alguma coisa no seu rosto que a deixou inconsciente. Nós a levamos até uns arbustos e primeiramente nós arrancamos um de seus olhos enquanto ela ainda estava viva. Ela chorava e nos implorava para deixá-la ir embora, mas nós arrancamos o outro olho, decepamos os seios e tiramos o coração“. Todo esse “processo” foi feito com a vítima viva, segundo Onos. Eles ainda removeram outros órgãos e a língua da vítima. Quatro homens foram presos em conexão com o crime. Desmond revelou que Elozino foi a quinta vítima do grupo, as outras quatro foram mortas na cidade de Oghara. “Cada vez que nós matamos, nós removemos os órgãos vitais como os olhos, o coração e os seios das vítimas, normalmente mulheres, e levamos até o Baba [herbalista/feiticeiro]…Baba costuma queimar o coração e batê-lo para transformar em uma poderosa substância em pó. É o pó que ele nos dá que aplicamos em nós mesmos antes de falarmos com nossas vítimas [de estelionato] para ganhar o dinheiro delas.” Robinson, o feiticeiro, também foi preso. Um caso curioso envolvendo um menino yahoo ocorreu no final do mesmo mês quando Okan Godswill publicou em seu perfil do Facebook um vídeo de um jovem ritualista que “enlouqueceu” após a morte de seu pai. Sem camisa e sentado na terra, o garoto, em desespero, explica que matou várias pessoas com o intuito de ficar rico. De fato, ele ganhou algum dinheiro e até comprou um carro para o seu pai, mas o pai morreu em um acidente com o mesmo carro. Veja o vídeo neste link.

Margarita Kuzminova - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

90. Estatística crescenteRússia


Suvorov, Rostov-on-Don, Rússia | 16 de Novembro

Margarita Kuzminova - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Margarita Kuzminova | 24 anos

Em abril de 2013 escrevemos sobre a cidade russa Rostov e seu sinistro apelido de “capital mundial dos serial killers”. Território de matança de Andrei Chikatilo, um dos piores e mais famosos serial killers do século 20, as autoridades da cidade se tornaram especialistas na captura desse tipo de assassino, daí o grande número que acabou atrás das grades após o caso Chikatilo. Em 2018, mais um maníaco aumentou essa estatística. Em 16 de novembro de 2018, Margarita Kuzminova sentou em um banco numa pracinha do pacato bairro de Suvorov e começou a ler um livro. Ela não sabia, mas estava sendo observada por um maníaco. O homem – que não teve a identidade divulgada – de 37 anos aproximou-se por trás e jogou a jaqueta por cima da vítima, fazendo um laço em seu pescoço, então a arrastou para um beco nas proximidades. Margarita foi estuprada e estrangulada. O sêmen encontrado na vítima levou os investigadores até o apartamento de um homem casado e pai de dois filhos, morador do distrito de Myasnikovsky, em Oblast de Rostov. Através do DNA, o homem foi ligado ainda ao assassinato de uma mulher de 32 anos em 2000 e de uma adolescente de 16 anos em 2001, além de confessar um quarto assassinato. Em fase de investigação, as autoridades de Rostov não divulgaram mais detalhes do caso, mas é possível que o número de vítimas seja bem maior. A mídia sensacionalista logo apelidou o homem de o “Novo Chikatilo”. “É completamente inadequado chamar o assassino de ‘novo Chikatilo’…Tais declarações são claramente projetadas para atrair atenção dos leitores para as publicações da mídia“, disse a psiquiatra Olga Bukhanovsky, filha do lendário psiquiatra forense Alexander Bukhanovsky, peça-chave na captura de Andrei Chikatilo. Abaixo um vídeo mostra o maníaco rodeado de policiais russos.

Ataque em Metele - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

91. Carnificina MilitarNigeria


Aldeia de Metele, Borno, Nigéria | 18 de Novembro

O governo nigeriano tentou abafar e desconversar, afirmando que “apenas” 11 soldados morreram em um ataque do grupo terrorista Boko Haram a uma base militar em 18 de novembro no estado de Borno – o epicentro da guerra contra os carniceiros do Boko Haram. Depois, esse número aumentou para 23. Mas soldados sobreviventes relataram que o número foi bem maior.

Foi uma verdadeira carnificina. Mal equipados, os militares do Batalhão de Força Tarefa 157 ficaram sem munição após 40 minutos de fogo cruzado contra os bem armados terroristas. Sobreviventes que falaram à mídia nigeriana sob anonimato, contaram como tudo aconteceu:

“Nosso comandante, Tenente Coronel Sakaba, nos disse para preparar para a batalha após um sentinela avisar que eles estavam chegando. Nós enfrentamos os terroristas por mais de 40 minutos antes de nossa munição acabar. Eles estavam muito bem equipados e armados com granadas lançadas por foguete e mais de 12 caminhões montados com armas de calibre anti-aéreo, tudo atirando em nós à longa distância. Ficamos sem balas e fugimos, mas aqueles que não puderam escapar foram massacrados como galinhas. Nossa base é cercada por grandes trincheiras e arames farpados, e isso se tornou uma armadilha para nós mesmos enquanto fugíamos. Eu assisti muitos dos meus amigos morrerem impotentes e a sangue frio.”

Outro sobrevivente relatou:

“Os corpos de nossas tropas estavam espalhados por toda parte, mas vimos nos noticiários que o ‘exército repeliu o ataque’. O chefe do exército e outros generais ficam com suas bundas sentadas em Abuja [capital da Nigéria] mentindo para os nigerianos enquanto os soldados estão sendo mortos diariamente. Não temos recursos humanos…O presidente deve exigir o paradeiro de todos os soldados… a resposta é que todos eles foram esmagados pelo Boko Haram e suas novas armas.”

Acredita-se que 118 soldados nigerianos tenham sido mortos em Metele. Outros 153 simplesmente desapareceram e muito provavelmente estão mortos.

Espalhando o terror na Nigéria e países vizinhos desde 2002, o grupo Boko Haram – também chamado de Estado Islâmico do Oeste Africano – parece ficar mais forte a cada ano. Eles se financiam através de extorsões e sequestros. Em 2013, o grupo sequestrou uma família de turistas franceses e recebeu mais de três milhões de dólares como resgate.

Njuku Mpata - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

92. Colheita Maldita


Aldeia de Kalamwa, Mulanje, Malauí | 20 de Novembro

No Malauí, a crença em feitiçaria tem raízes profundas na cultura e sociedade. Maldições e feitiços são muitas vezes apontadas como causas de desgraças – de mortes repentinas a infecção do HIV/Aids; de problemas financeiros ao amor não correspondido.

No início de novembro, Chifundo Mwenye morreu na remota aldeia de Kalamwa, perto da fronteira com Moçambique. Não demorou muito para que seus parentes acusassem um outro morador da aldeia, Mandson Benson, 55, de ter realizado um feitiço que levou Mwenye ao outro mundo.

Em 20 de novembro, os parentes de Mwenye arregimentaram um grupo de vigilantes que marchou até a residência do suposto mago. Lá, eles o arrastaram para fora e o apedrejaram até a morte.

Mas não foi apenas a morte de Mandson Benson que fez o Malauí ser destacado em nossa lista dos 101 crimes notórios e horripilantes do ano.

Crianças estão morrendo nos confins do país e ninguém parece se importar. Não há nomes, não há datas, apenas corpos sem olhos, sem órgãos, amputados, decapitados…

Com a contagem crescente de crianças desaparecidas e encontradas mortas ao longo de 2018, notícias se espalharam e cruzaram a fronteira, chegando aos ouvidos de jornalistas da BBC Africa. Anas Aremeyaw Anas, um jornalista investigativo ganês, famoso por nunca ter divulgado o seu rosto, resolveu verificar as alegações e quase teve o mesmo destino de Mandson Benson.

As menções vinham do norte do Malauí e Aremeyaw Anas, com dois outros jornalistas, foi investigar. Lá, eles se depararam com várias famílias de crianças alegando que seus filhos foram mortos pelos “assassinos muti” – as “Matanças Muti” são crimes que envolvem o assassinato de uma pessoa para remoção de alguma parte do corpo, usada como ingrediente para feitiço.

Foto de um dos corpos sem cabeça encontrados no norte do Malauí em 2018. Foto: BBC - Malawi Human Harvest.

Foto de um dos corpos sem cabeça encontrados no norte do Malauí em 2018. Foto: BBC – Malawi Human Harvest.

Várias crianças foram mortas no norte do Malauí em 2018. Em julho, um repórter disfarçado da BBC África foi até lá investigar os assassinatos. Foto: BBC - Malawi Human Harvest.

Várias crianças foram mortas no norte do Malauí em 2018. Em julho, um repórter disfarçado da BBC África foi até lá investigar os assassinatos. Foto: BBC – Malawi Human Harvest.

“Feitiços matam pessoas. Isso requer que você mate pessoas todos os anos. Então, 25 pessoas podem ser mortas em um mês ou 50.”

[Daniel Maluca, curandeiro]

Um dos mortos identificado pela reportagem da BBC foi o jovem sem cabeça da primeira foto acima. Innocent Moyu era de uma remota aldeia chamada Yaqoob. Na casa dos 20 anos, Moyu deixou a aldeia em busca de trabalho e encontrou a morte. “Somos uma colheita para os ricos e eles estão nos matando, é como se eles estivessem colhendo suas colheitas“, diz Tobias Mwaulambo, um jornalista do Malauí, no excelente documentário da BBC África Malawi’s Human Harvest. Segundo o jornalista, os assassinatos decorrem de um mercado de magia no qual pessoas ricas solicitam trabalhos de enriquecimento e status social a feiticeiros que por sua vez saem em busca da matéria-prima: pedaços de corpos humanos. Os feiticeiros podem terceirizar o serviço de “colheita” ou eles mesmo “colherem”.

Se fingindo de homem de negócios a procura de enriquecimento, Aremeyaw Anas foi atrás dos “assassinos muti”. Não foi difícil encontrá-los. Logo, o jornalista se deparou com o feiticeiro Mathias Kamanga, que revelou ter um profundo conhecimento do corpo humano baseado na medicina muti e nos chamados “sugadores de sangue”. Juntamente a um assistente, Njuku Mpata (também conhecido como Joseph Mwakigunga), o bruxo afirmou ter assassinado 12 pessoas, incluindo crianças, a mais nova de cinco anos. Com uma câmera escondida, Aremeyaw Anas gravou os homens afirmando que a última vítima que mataram tinha 10 anos, e que eles removeram a língua e o pênis da vítima; tudo para suas receitas muti. Além de feiticeiro, Kamanga é um vampiro. Isso mesmo. Ele explica como suga o sangue de pessoas e tenta fechar o negócio: um feitiço com três partes do corpo humano e sangue em troca de míseros seis milhões de Kwacha, a moeda local.

"Depende da parte do corpo, mas principalmente a cabeça e os genitais", responde o feiticeiro Kamanga, ao ser perguntado que partes do corpo humano são mais poderosas em um feitiço para o negócio crescer.

“Depende da parte do corpo, mas principalmente a cabeça e os genitais”, responde o feiticeiro Kamanga, ao ser perguntado que partes do corpo humano são mais poderosos em um feitiço para o negócio crescer. “As poções são mais poderosas em pessoas jovens com menos de 20 anos”. Foto: BBC – Malawi Human Harvest.

O bruxo Njuku Mpata. Foto: BBC - Malawi Human Harvest.

O bruxo Njuku Mpata, em um dos momentos mais assustadores do documentário. Foto: BBC – Malawi Human Harvest.

“[Podemos matar uma criança] entre 6 e 9 anos de idade… O fato é que nós vamos matá-la e jogá-la fora. Nós não podemos deixá-la viva. Se deixarmos, ela nos delata… A primeira coisa que nós retiramos são os genitais. Nós arrancamos a cabeça. Se você quiser, nós podemos quebrar o crânio e tirar o cérebro. Ou nós podemos quebrar o crânio e tirar a língua. Nós já fizemos isso com muita gente. Temos trabalhado com sete clientes. Nós já matamos cerca de 12 pessoas.”

[Njuku Mpata]

Na calada da noite, cercado de feiticeiros assassinos, o pior estava por vir. A movimentação e conversas no escuro chamaram a atenção de moradores locais. Acreditando que o grupo de homens eram assassinos muti, vários residentes cercaram os jornalistas e os feiticeiros, ameaçando matá-los. Aremeyaw Anas tentou argumentar com os moradores, dizendo ser um repórter, mas como os parentes de Chifundo Mwenye, nada poderia deter a fúria daqueles homens. Aremeyaw Anas chegou a levar uma facada nas costas, mas, por um milagre, e juntamente com os outros, conseguiu correr e desaparecer na escuridão.

O excelente documentário Malawi’s Human Harvest (Colheita Humana no Malauí, em tradução literal) pode ser visto neste link.

Assassinatos em Colts Neck - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

93. Assassinatos em Colts NeckEstados Unidos


Colts Neck Township, Nova Jérsei, Estados Unidos | 20 de Novembro

Os irmãos Keith, 50, e Paul Carneiro, 51, vieram de origens humildes. Filhos de pais que imigraram da Espanha, os dois foram criados no Brooklyn, Nova Iorque, e na adolescência trabalharam como atendentes no McDonald’s e Burger King.

Ao mesmo tempo, Keith desenvolveu um interesse na incipiente tecnologia de computadores, trabalhando de graça em lojas do ramo organizando e limpando prateleiras. O trabalho deu a ele acesso a manuais de softwares de computadores que ele devorava ao chegar em casa.

Com os anos, Keith se inseriu na área e cresceu profissionalmente, de limpador de vitrines a instalador de redes de computadores para grandes empresas financeiras como o Citibank.

Em 1989, ele realizou o seu sonho e fundou com seu irmão Paul a própria empresa de tecnologia: a Jay-Martin Consulting. A dupla familiar aproveitou o boom tecnológico dos anos 1990 e levou a Jay-Marting Consulting a um patamar que eles nunca imaginaram. Com o nome da empresa alterado para Square One, em 1993 ela já gerava quase seis milhões de dólares anuais em receita e até o ano passado tinha uma lista de mais de 30 clientes, incluindo as gigantes Nike, Reuters e Prudential. Um amigo de longa de data dos dois, Demetris Potamianos, disse que eles eram “os irmãos perfeitos”.

À medida que os negócios prosperavam, os irmãos iam acumulando bens. Eles mudaram para bairros ricos no Condado de Monmouth, em Nova Jérsei, e viviam uma vida super confortável.

Entre os dois, Keith era mais pé no chão, sempre controlando as finanças e nunca ostentando, ao contrário de seu irmão Paul, que dirigia um Porsche e gostava da noite. Sempre inquieto, Keith buscava o crescimento dos negócios, ficando de olho no mercado e em outras empresas para investir. Aos 42 anos, surpreendeu todo mundo quando se matriculou no curso de história antiga da Universidade de Colúmbia, um sonho antigo. Keith era o melhor aluno da turma e só parou quando terminou um mestrado.

Já seu irmão Paul, em 2012, sofreu um grave acidente de carro que o deixou várias semanas no hospital e com várias cirurgias no prontuário. Como sequela, Paul ficou manco e muitos dizem que sua personalidade mudou.

A lua de mel entre os irmãos Keith e Paul terminou com a decadência de seus negócios. A Square One passava por tempos difíceis e os empreendimentos conjuntos dos dois não pareciam estar com a saúde boa.

Ninguém ainda sabe o que aconteceu, nem mesmo promotores e investigadores de polícia. Eles suspeitam que dinheiro seja o motivo por trás de um dos mais notórios crimes do ano nos Estados Unidos.

Em 20 de novembro, Paul Carneiro foi até a casa do irmão e o matou a tiros do lado de fora. A esposa de Keith, Jennifer Karidis Caneiro, 45, e seus filhos Jesse, 11, e Sophia, 8, estavam dentro da casa e foram queimados vivos quando Paul encharcou a residência com gasolina e ateou fogo. Os corpos dos filhos de Keith ficaram tão carbonizados que só foram identificados através de exames de DNA.

Após matar o irmão e sua família, Paul voltou para sua casa e também ateou fogo. Sua mulher e duas filhas estavam dentro, mas milagrosamente conseguiram escapar das chamas.

Preso, Paul Carneiro continua em silêncio.

No caso dos Assassinatos em Colts Neck, o dinheiro e o sucesso profissional parecem ter tido um papel fundamental na tragédia familiar.

Masahiro Iihoshi - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

94. Mistério no OrienteJapão


Takachiho, Província de Miyazaki, Japão | 25 de Novembro

Há três anos atrás, Masahiro Iihoshi, 42, e sua esposa Mikiko, 41, tiveram um problema que abalou o casamento. Mikiko descobriu que o marido tinha um caso extraconjugal e coube a um amigo da família, Fumiaki Matsuoka, 44, apaziguar as coisas. Entretanto, o casamento nunca mais foi o mesmo e o casal passou a viver sob tensão.

No final de novembro de 2018, o corpo de Masahiro foi encontrado 100 metros abaixo da ponte do rio Gokasegawa, na montanhosa e pitoresca cidade de Takachiho. A polícia acredita que Masahiro se suicidou após matar toda a família e o amigo Matsuoka.

O crime que chocou o Japão começou a ser desvendado em 26 de novembro quando o pai de Matsuoka comunicou à polícia o desaparecimento do filho. Matsuoka havia dito ao pai que iria na casa do amigo Masahiro “apaziguar as coisas”. Quando um irmão de Masahiro também ligou para a polícia dizendo que não conseguia contato com o irmão, policiais resolveram dar uma olhada na casa de Masahiro.

Lá, eles encontraram o corpo dos pais de Masahiro, Yasuo Iihoshi, 72, e Mihoko Iihoshi, 66, da esposa Mikiko, da filha de sete anos do casal Yui, e de Matsuota. O cadáver de Mihoko estava mutilado, desfigurado e decapitado. A polícia encontrou um facão cheio de sangue na casa.

Até o fechamento deste texto a polícia japonesa tentava desvendar o quebra-cabeça da chacina. Acredita-se que devido às tensões do casamento, Masahiro tenha assassinado a família inteira, o amigo e depois pulado da ponte.

Feminicídios em Israel - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

95. Feminicídios na terra de CristoIsrael


Tel Aviv, Israel | 26 de Novembro

O feminicídio é entendido como o assassinato intencional de mulheres em razão do gênero, mas definições mais amplas incluem qualquer assassinato de mulheres ou meninas.

Em geral, o feminicídio é perpetrado por homens, mas às vezes mulheres podem estar envolvidas. O feminicídio difere do homicídio masculino de maneiras específicas.

Por exemplo, a maioria dos casos de feminicídio são cometidos por parceiros ou ex-parceiros e envolvem abuso contínuo em casa, ameaças ou intimidação, violência sexual ou situações em que as mulheres tem menos poder ou menos recursos que seus parceiros.

No ano de 2018, em Israel, os crimes mais notórios envolveram feminicídios. Os assassinatos chocaram de tal forma os israelenses que uma grande manifestação aconteceu no dia 27 de novembro em Tel Aviv, o chamado “Dia Nacional de Protesto” da violência contra a mulher. “Fizemos história hoje“, disse uma das organizadoras ao jornal Haaretz.

Segue abaixo alguns dos casos que abalaram Israel.

Sylvana Tsegai - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Sylvana Tsegai, 13, nasceu na Eritrea e mudou-se para Israel com quatro anos porque sua mãe queria que ela crescesse em um lugar seguro. Sylvana foi assassinada em Tel Aviv em 26 de novembro pelo ex-namorado de sua mãe, o também eritreano Tesfebarhan Tesfasion. De acordo com a mídia israelense, as autoridades tinham conhecimento de que Sylvana e sua mãe sofriam violência doméstica. Para se vingar da companheira, Tesfasion acabou assassinando a adolescente. O próprio pai de Tesfasion o condenou, dizendo que seu filho era “louco” e que não importaria se a polícia o matasse. De acordo com a autópsia, Sylvana foi estuprada e estrangulada. O caso gerou uma gigantesca comoção em Israel, pois Sylvana foi a última de uma série de mulheres mortas ao longo do ano.

Yara Ayoub - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018No mesmo dia em que Sylvana Tsegai foi assassinada, a polícia israelense encontrava o corpo da adolescente Yara Ayoub, 16, desaparecida cinco dias antes na vila de Jish, Galileia. Foi outro crime que chocou Israel. Milhares compareceram ao seu funeral e as escolas e comércio da Galileia fecharam as portas em protesto. Ela desapareceu após sair de casa para ir até o aniversário de uma amiga. Seu corpo foi encontrado em um latão de lixo. Cinco homens foram presos em conexão com o assassinato, incluindo um menor de 17 anos. A identidade de nenhum dos suspeitos foi revelada e a polícia não divulgou nenhum detalhe ou as circunstâncias em torno do desaparecimento e morte de Ayoub, implementando uma lei do silêncio enquanto a investigação corre.

Angoach Malkmu Wasa - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Em 14 de outubro, Angoach Malkmu Wasa, 36, foi assassinada pelo marido, o policial Masresha Wasa, 24. Os dois filhos do casamento anterior de Angoach, um de 7 e outro de 4, assim como o bebê do casal, de dois meses de idade, estavam na casa e presenciaram o crime. Após uma discussão, Masresha acertou a esposa na cabeça com uma panela e chutou suas pernas, fazendo-a cair no chão. Ele então foi até o seu quarto, pegou uma arma, e retornou até a sala, atirando no rosto de Angoach. Segundo a polícia, nunca houve um incidente de violência doméstica relatado pela vítima. Até mesmo os vizinhos do casal ficaram chocados porque sempre os viam trocando carinhos com as crianças e entre os dois.

Ofira Chaim - 101 Crimes Notorios e Horripilantes de 2018Ofira Chaim, 56, foi assassinada em julho de 2018. Seu corpo foi encontrado enterrado no pé de uma árvore no quintal da sua casa na cidade de Tel Mond, duas semanas após o seu desaparecimento. Seu ex-marido, David Chaim, confessou o assassinato. David já havia sido condenado em 2005 por agressão e ameaça contra a esposa. Em uma ocasião ameaçou “quebrar os ossos” de um dos amigos da esposa e em outra não a deixou sair da garagem dizendo que “alguma coisa vai acontecer”, se ela saísse de casa. Três anos antes, ele também já havia sido condenado por ameaça e agressão.

Zubeida Mansour - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Em 10 de maio, Zubeida Mansour, 19, foi morta a tiros dentro de sua casa. Ela morava com os quatro irmãos e morreu ao abrir a porta ao escutar a campainha. Um homem abriu fogo e se evadiu do local. Nenhuma prisão foi feita até o momento e os irmãos da vítima acreditam que ela foi morta por um admirador que levou um fora. Como em muitos casos em Israel, as investigações do assassinato de Zubeida correm sob sigilo. Antes do ataque, a vítima reclamou de uns homens que mexeram com ela. Os irmãos Mansour haviam passado por uma recente tragédia – a mãe deles faleceu em 2017 de câncer. Deprimido com o falecimento da esposa, o pai de Zubeida teve um ataque cardíaco um dia depois e também faleceu.

Elizabeth Cardona - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Em 28 de março de 2018, Elizabeth Cardona, 53, foi esfaqueada até a morte pelo ex-namorado, Martinez Jorge Mario, 59, em Tel Aviv. Mesmo após a separação, os dois continuaram se relacionando, dessa vez profissionalmente, devido ao restaurante que mantinham juntos. Em várias ocasiões, Mario ameaçou de morte Cardona por causa das amizades que ela tinha com outras pessoas e à decisões relacionadas ao negócio. Pouco antes de ser assassinada, a vítima se encontrou com um advogado. Enquanto ela falava com o advogado, Mario desligou as imagens das câmeras de segurança do estabelecimento e quando a ex-namorada chegou, eles discutiram e Mario a matou com várias facadas.

Vinte e quatro mulheres mortas em Israel este ano (2018). Thread da blogueira e feminista israelense Emily Schrader.

Ekaterina Sverdlov, 70, foi a primeira mulher assassinada em Israel em 2018, em 29 de janeiro. De acordo com a investigação policial, seu filho golpeou o rosto da mãe com um objeto contundente e a estrangulou. Três dias depois, em primeiro de fevereiro, Anat Zabari, 45, foi assassinada pelo filho de 23 anos em Kiryat Ekron, com golpes de faca no pescoço.

Em 11 de março de 2018, em Bat Yam, Lottie Gantz, 91, foi morta a tiros pelo próprio filho, que se suicidou logo em seguida. Em um bilhete, o filho se disse em dificuldades financeiras e diz que matou sua mãe para ela não ficar sozinha após o seu suicídio.

Em 3 de abril, em um apartamento de Kfar Saba, Margarita Kazinik, 62, também foi assassinada pelo filho, a marteladas, e depois teve o corpo encharcado com produtos de limpeza.

Os chamados crimes de honra também são comuns em Israel. Em 17 de maio, as irmãs Hayat, 21, e Nura Malouk, 19, foram degoladas pelo irmão devido ao estilo de vida que levavam. Sifras Einlam, 36, mãe de quatro filhos, foi assassinada pelo marido em 10 de junho. Em primeiro de agosto, Rasmia Masalkha, 62, foi empurrada de uma escadaria por um parente e morreu. Em 12 de agosto, na região de Negev, Nora Abu Saleb, 36, mãe de sete filhos, foi assassinada quando chegava em casa por um grupo de homens “que eram contra o seu estilo de vida”. Afaf al-Jarjawi, 22, foi assassinada a tiros em 25 de setembro, em Segev Shalom, por parentes. Em 28 de setembro, Miriam Shalom, 62, foi morta pelo marido dentro de casa em Moddin após pedir a separação.

Aliza Safek, 51, foi esfaqueada pelo ex-marido dentro de casa em Netanya, 11 de outubro. Em fevereiro, o ex-marido de Aliza já havia sido condenado pela justiça de Israel por ameaça e agressão. Em 21 de novembro, Manal al-Frizat, 40, foi morta a tiros pelo irmão na cidade de Tel Sheva. Doze anos antes, uma irmã de Manal havia sido assassinada pelos seus dois outros irmãos.

Outros assassinatos de mulheres ocorreram durante o ano em Israel. Os protestos em várias cidades surtiram efeito e o primeiro ministro Benjamin Netanyahu, no início de dezembro de 2018, criou um comitê para estudar a violência contra a mulher e tomar medidas para diminuir os feminicídios.

Ayodeji Obadimeji - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

96. Carregando uma cabeçaNigeria


Ibeju-Lekki, Lagos, Nigéria | 27 de Novembro

Em uma patrulha noturna de rotina, policiais avistaram dois homens em atitude suspeita entre as vias expressas Ajah e Epe na cidade de Ibeju-Lekki, Nigéria. Ao se aproximarem eles tiveram uma visão aterrorizante.

Os irmãos Ayodeji Obadimeji, 18, e Saheed Obadimeji, 19, carregavam uma cabeça humana recém decepada do corpo. Na delegacia, eles disseram que a cabeça era para um feiticeiro local, Sodiq Abefe, que os havia contratado.

A vítima foi identificada como Joseph Makinde, 10. Eles atraíram a vítima dando dinheiro a ela para comprar Coca-Cola. Uma vez que o garoto voltou com o refrigerante, e achando que também ia tomar com os irmãos, eles o seguraram e o decapitaram com uma faca.

O tronco foi encontrado em um prédio em construção no bairro de Shapati. Abaixo imagens tiradas pela polícia dos dois adolescentes assassinos segurando a cabeça e o corpo da vítima.


Luis Genaro Estebes Rodríguez - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

97. Dissolvida em ácido e cimentadaPeru


San Juan de Miraflores, Província de Lima, Peru | 29 de Novembro

Marisol Estela Alva - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Vítima: Marisol Estela Alva | 25 anos

Um feminicídio chocou os peruanos e se tornou o crime mais notório do país em 2018. A estudante de enfermagem Marisol Estela Alva se tornou a centésima trigésima mulher assassinada pelo ex-companheiro ou atual companheiro em 2018 no Peru, mas foi o seu rosto e história que chamou a atenção de todos no país para a violência contra a mulher. Durante seis anos, Marisol manteve um romance com o soldado do exército Luis Genaro Estebes Rodríguez, 32. Mas, na verdade, Marisol não tinha um romance, e sim um relacionamento abusivo no qual era alvo de agressões físicas e psicológicas. Então, ela deu um basta e voltou a morar com sua irmã na avenida San Francisco de la Cruz, região de Pamplona Alta. Na noite de 29 de novembro, Luiz Estebes apareceu lá e eles discutiram porque Marisol mais uma vez se negou a voltar para ele. Luis, então, a esfaqueou selvagemente, colocou o seu corpo em um tambor e encheu de cal e ácido muriático, e depois cimentou tudo. Ele levou o tambor até um descampado na Villa El Salvador, cavou um enorme buraco com uma retroescavadeira e enterrou. Atualmente, o homem de “personalidade controladora, psicopata, que não se conecta com as emoções dos outros” está sendo caçado por todo Peru. Abaixo, um vídeo mostra o tambor já arrebentado e policiais removendo o cadáver da vítima. Não recomendado para pessoas sensíveis!


Grace Millane - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

98. Maníaco neozelandêsNova Zelândia


Auckland, Nova Zelândia | 1 de Dezembro

“Dois podem manter um segredo, se um dos dois estiver morto”.

[Grace Millane, em sua última postagem no Instagram]

Em um país pouco acostumado com assassinatos, a Nova Zelândia se viu consternada com o feminicídio da turista britânica Grace Millane. O crime mexeu tanto com os neozelandeses que a autoridade máxima do país, a primeira-ministra Jacinda Ardern, fez uma declaração pública emocionada:

“…é uma vergonha que isso tenha acontecido em nosso país, um lugar que se orgulha de sua hospitalidade, gentileza e generosidade para aqueles que nos visitam. A filha de vocês deveria estar segura aqui, mas não estava…então, em nome da Nova Zelândia, eu quero pedir desculpas à família de Grace”.

Em 12 de dezembro, mais de mil pessoas saíram às ruas da capital Auckland para prestar uma homenagem à vítima, assassinada por um neozelandês obcecado por mulheres.

Em meados de outubro, a britânica saiu com uma mochila nas costas para conhecer o mundo. No final de novembro ela chegou à Nova Zelândia após se encantar com as belezas de Machu Picchu, no Peru, e se hospedou em um hostel de Auckland. Para sua infelicidade, Jesse Shane Kempson, 26, morava na mesma rua. De acordo com a lei do país, os detalhes do crime não foram divulgados, mas câmeras de segurança de um hotel flagraram Grace na companhia de Jesse no dia 1 de dezembro, a última vez que ela foi vista com vida. Quando Grace não fez mais contato com a sua família na Inglaterra, seu pai alertou as autoridades da Nova Zelândia e o seu corpo foi encontrado dias depois.

Semanas antes de matar Grace, Jesse postou em seu perfil do Facebook:

“…Eu tomei decisões ruins em minha vida até agora que não tenho orgulho e que afetaram outros. Eu, primeiramente, quero estender as mais sinceras desculpas por isso…. Meu claro egoísmo e arrogância realmente afetaram os relacionamentos que tive com as pessoas em minha vida pessoal. Eu não estou orgulhoso de algumas [decisões]…Eu sei que estava crescendo emocionalmente, mentalmente. Quando crescemos, cometemos erros. É assim que melhoramos…nós podemos mudar a forma como tratamos uns aos outros e com o tempo aprendi quanta compaixão todos nós temos como pessoas… Recentemente, eu fui diagnosticado com ansiedade severa e atualmente tomo medicações para manter isto sob controle… Colocando tudo de lado, eu apenas quero pedir àqueles que machuquei, eu realmente peço desculpas do fundo o meu coração.”

O acusado foi chamado de mentiroso patológico e um jovem obcecado por mulheres. Ele tinha poucas amizades masculinas e chegou a ser descrito como “caçador” por um colega devido ao fato de sempre tentar se aproximar do sexo oposto. Jesse tinha centenas de contatos de mulheres em seu celular, pegos através do aplicativo Tinder – no qual se passava por um homem de negócios. “Ele parecia ser um homem decente. A única coisa estranha sobre ele é que ele me pediu para mandar fotos dos meus pés e de salto alto“, revelou, sob anonimato, uma mulher que havia marcado um encontro com o acusado na mesma noite em que Grace desapareceu, mas acabou desmarcando devido a um imprevisto.

Wu Mokang - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

99. Pirralho MatricidaChina


Sihushan, Província de Hunan, China | 2 de Dezembro

Wu Mokang - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Wu Mokang | 12 anos

Pais, cuidado quando forem dar um corretivo em seus filhos! Em 2 de dezembro, a chinesa Chen Xin, 34, tentou ensinar boas maneiras ao seu filho de 12 anos e acabou morta. Wu Mokang tinha pouco mais de um metro de altura e uma aparência frágil, e definitivamente não deveria ser flor que se cheire. Na fatídica noite, sua mãe mais uma vez o pegou fumando e resolveu aplicar uma surra com um cinto. O garoto não gostou nada de ter apanhado e planejou se vingar. Na mesma noite, ele pegou uma enorme faca na cozinha e surpreendeu a mãe em seu quarto, atacando-a selvagemente com mais de duas dezenas de golpes. Os ossos do pulso de Chen Xin ficaram expostos e seu rosto foi picado. Como se nada tivesse acontecido, o garoto trocou de roupas, pegou o celular da mãe e, fingindo ser ela, enviou uma mensagem para a sua professora dizendo que não iria na aula no próximo dia. Quando o avô chegou e perguntou pela filha, Wu desconversou. “Ela saiu“, disse ele. Quando finalmente o corpo de sua mãe foi encontrado, Wu mentiu para a polícia: “Eu não a matei, ela cometeu suicídio“. Mas depois de algumas horas ele admitiu tê-la matado. “Eu odeio ela“, confessou Wu. O caso gerou um grande debate na China pois Wu não foi acusado de nenhum crime e simplesmente foi devolvido à sua família por ser novo demais. As leis chinesas não permitem nem mesmo ser aplicada uma medida socioeducativa para menores de 14 anos. A escola não o aceitou de volta e a família se mudou para um hotel já que os vizinhos deixaram claro que Wu não seria bem-vindo.

euler fernando grandolpho - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

100. Ataque na CatedralBrasil


Campinas, São Paulo, Brasil | 11 de Dezembro

Euler Grandolpho - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018Acusado: Euler Fernando Grandolpho | 49 anos

No começo do século 20, o chamado “amok” foi um fenômeno registrado no sul da Ásia que estudiosos explicaram como “a forma de alguns homens buscarem ser socialmente reconhecidos“. O amok foi descrito em 1901 como o fenômeno de pessoas sem histórico criminoso que tinham rompantes de violência e saíam cometendo assassinatos indiscriminadamente, atacando a quem não havia feito nada contra elas. Os perpetradores eram, na maioria dos casos, homens frustrados que passavam por um período de reclusão e isolamento antes de se lançarem em um ritual catártico e bárbaro: ir a um lugar público e movimentado para matar pessoas desconhecidas, sem motivo ou conexão aparentes. Há muitas semelhanças do amok e o caso do paulista Euler Grandolpho, que matou cinco pessoas na Catedral Metropolitana de Campinas em 11 de dezembro de 2018 durante uma missa. Em dado momento, ele simplesmente se levantou do banco e passou a atirar nas pessoas, suicidando-se logo em seguida quando policiais entraram no local e o alvejaram na barriga. As motivações e detalhes do caso ainda estão sendo investigados pela polícia. O que se sabe até o momento é que Euler tinha pensamentos paranoicos de perseguição, mantinha um diário com anotações confusas e sem linearidade, e tinha uma imensa raiva da religiosidade do pai. Morreram no ataque Sidnei Vitor Monteiro, 39; José Eudes Gonzaga Ferreira, 68; Cristofer Gonçalves dos Santos, 38; Elpídio Alves Coutinho, 67; e Heleno Severo Alves, 84. Abaixo imagens da cena do crime. As duas primeiras imagens são do atirador.




Louisa Vesterager Jespersen - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

101. Homens BestiaisMarrocos


Vila de Imlil, Cordilheira do Atlas, Marrocos | 16 de Dezembro

“Como o homem pode ser tão cruel?”

Em 21 de novembro de 2018, a dinamarquesa Louisa Vesterager Jespersen, 24, publicou em suas redes sociais:

“Queridos amigos, estou indo para o Marrocos em dezembro. Algum de vocês que estão por aí ou qualquer amigo que conhece montanha sabe alguma coisa sobre o Monte Toubkal?”

Menos de um mês depois jornais e sites pelo mundo publicaram a seguinte notícia:

Turistas Escandinavas - 101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2018

Louisa e a norueguesa Maren Ueland, 28, se conheceram na Universidade do Sudoeste da Noruega e se tornaram amigas. Ambas compartilhavam o amor pela natureza e pela descoberta de novas culturas.

Em dezembro elas programaram a viagem que acreditavam ser perfeita: uma aventura de mochilão de um mês pelo norte da África. No Marrocos, elas armaram barracas em um popular ponto turístico conhecido por mochileiros do mundo inteiro: o Monte Toubkal. Mas infelizmente para as garotas, quatro monstros descansavam por perto.

No dia 17 de dezembro, mochileiros franceses encontraram Louisa e Maren mortas – uma estava decapitada e a outra foi parcialmente decapitada.

Não demorou e um vídeo surgiu na internet mostrando o horrendo assassinato de Louisa. Os próprios assassinos filmaram tudo e compartilharam. Simpatizantes do Estado Islâmico, os homens simplesmente invadiram a barraca das vítimas e o que se vê a partir daí ultrapassa aquilo que conhecemos como animalesco – em um resumo não menos grotesco, Louisa é decapitada viva.

Após uma caçada da polícia marroquina, os quatro homens foram presos. Seus nomes não foram divulgados e autoridades do Marrocos, Noruega e Dinamarca classificaram o episódio como um “ato de terror”. “Isto é em vingança por nossos irmãos em Hajin“, grita um dos assassinos no vídeo em referência à cidade síria de Hajin, recentemente perdida pelo Estado Islâmico em um bombardeio da coalizão internacional, da qual Dinamarca e Noruega fazem parte.

Pedaços do vídeo gravado pelos assassinos podem ser vistos no site Best Gore. ATENÇÃO: imagens extremamente perturbadoras! Não indicado para pessoas sensíveis.

Epílogo


Chegamos ao final de mais uma edição dos 101 Crimes Notórios e Horripilantes.

Se você sobreviveu até aqui, espero que não tenha perdido a fé na humanidade, pois para cada pessoa má existem muitas outras boas que fazem e trabalham para que este seja um mundo melhor para se viver. Seja uma delas! Como citamos todos os anos, o objetivo do post não é deixá-lo paranoico com o mundo, mas apenas dar uma visão realista do que ocorre à nossa volta.

Compartilhe o post com seus amigos e deixe o seu comentário. O que achou da lista? Que crime mais te marcou? Alguma sugestão ou crítica? Algum link ou vídeo quebrado? Algum erro ortográfico? Deixe-nos saber sua opinião.

Fontes


Veronyca Veras
Revisão

Talita Dias
Crime 57

Universo DarkSide – os melhores livros sobre serial killers e psicopatas

http://www.darksidebooks.com.br/category/crime-scene/

Curta O Aprendiz Verde No Facebook

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

OAV TV

OAV TV

Queremos você!

Queremos Você!

O Aprendiz Verde no WhatsApp!

OAV no Whatsapp

Siga-nos no Twitter

As últimas notícias

Categorias

Receba nosso conteúdo no WP
Receba nosso conteúdo no WP