Bobby Joe Long: serial killer que aterrorizou a Flórida em 1984 é executado

Um serial killer que aterrorizou a Flórida com uma onda assassina que culminou na morte de 10 mulheres em 1984 foi executado ontem, 23 de maio, com uma injeção...

Kim Swann tinha 21 anos quando foi assassinada pelo serial killer Bobby Joe Long em novembro de 1984. Ela tinha um filho de 1 ano. Por três décadas sua família esperou por justiça, e ela veio ontem, às 18h55 da noite.

Um serial killer que aterrorizou a Flórida com uma onda assassina que culminou na morte de 10 mulheres em 1984 foi executado ontem, 23 de maio, com uma injeção letal. Sua execução foi testemunhada por Lisa McVey Noland, que sobreviveu ao seu ataque e ajudou a capturá-lo. Ela tinha 17 anos na época.

Bobby Joe Long, 65, foi declarado morto às 18h55 após receber uma injeção letal na Prisão Estadual da Flórida. Long não disse uma palavra sequer e simplesmente fechou os olhos quando o procedimento começou, disseram testemunhas.

O assassino aterrorizou a área de Tampa Bay por oito meses em 1984. Os corpos começaram a aparecer em 27 de março de 1984 e, muitas vezes, eram deixados em poses horríveis. A maioria das vítimas era estrangulada, mas algumas tiveram as gargantas cortadas ou foram espancadas até a morte.

Por oito meses a polícia esteve às cegas até a adolescente Lisa McVey Noland ir até uma delegacia e afirmar que havia sido sequestrada e estuprada por um maníaco. Por algum motivo ele a deixou ir embora. Ela levou os policiais até o local onde ficou em cativeiro e em 16 de novembro de 1984 Bobby Long foi preso. Ele confessou vários assassinatos e recebeu 28 sentenças de prisão perpétua e uma sentença de morte pelo assassinato de Michelle Simms, 22.

Lisa Noland, que sobreviveu ao ataque do serial killer Bobby Long em 1984, fala a repórteres após a execução do serial killer em 23 de maio de 2019. Foto: Brendan Farrington, AP.

Na fala aos repórteres após a execução, Lisa Noland revelou que sentou na sala de testemunhas de forma que Long a visse.

“Eu queria olhá-lo nos olhos. Eu queria ser a primeira pessoa que ele visse. Infelizmente, ele não abriu os olhos. Foi reconfortante saber que isso estava realmente acontecendo. Eu comecei a chorar depois que tudo estava acabado. A paz que veio sobre mim é um sentimento muito bom”.

Ser vítima de abuso não foi algo novo para Noland. No dia anterior ao seu sequestro, ela escreveu uma nota de suicídio, planejando acabar com a própria vida depois de anos de abuso sexual pelo namorado de sua avó. Sua vida poderia ter terminado pelas mãos de um serial killer, mas ele a deixou ir.

Na época, ele colocou uma arma na minha cabeça, isso não foi uma novidade para mim“, disse ela à Associated Press.

“Eu tive que estudar esse cara. Eu tive que aprender quem ele era, o que o fez pensar. Se eu fizesse o movimento errado, isso poderia ter acabado com minha vida? Então, literalmente, na noite anterior eu havia escrito uma nota de suicídio e no dia seguinte eu estava em uma posição onde eu tinha que salvar a minha vida. Se eu pudesse falar a ele diria ‘Obrigado por me escolher e não outra garota de 17 anos de idade’. Outra garota de 17 anos provavelmente não seria capaz de lidar com isso da mesma forma que eu”.

Na entrevista para a Associated Press, Noland descreveu o ataque em detalhes excruciantes: a igreja onde Long a sequestrou, a arma que ele pressionou contra a sua cabeça, a luz brilhante que ela podia notar no painel do carro – mesmo que ela estivesse vendada. O carro dele, segundo ela, era um Dodge Magnum.

Ela estava menstruada e se certificou de deixar sangue no banco de trás do carro, como evidência para ajudar a polícia caso morresse. Esperta feito um animal, ela sabia até o caminho que o seu sequestrador estava tomando: indo ao norte de Tampa pela rodovia Interstate 275. Quando ela saiu do carro e subiu até o apartamento de Long, ela contou os degraus da escada e concluiu que havia chegado ao segundo andar. Quando ele a deixou ir ao banheiro, Lisa certificou-se de encher o lugar com impressões digitais.

Ela sabia que não podia deixá-lo com raiva. Quando ele a deixou lavar o cabelo após estuprá-la várias vezes, Lisa perguntou porque ele havia feito aquilo e o maníaco respondeu que havia se separado da mulher e por isso odiava mulheres. Ela disse que ele parecia ser uma pessoa boa e legal e talvez eles poderiam namorar. Ela, claro, não contaria nada a ninguém sobre este incidente.

Muito tempo depois, após se simpatizar com a adolescente cordial, Long deixou que Lisa se vestisse. Ela colocou a venda e os dois saíram. Quando ela desceu do carro, Long orientou que ela não tirasse a venda por cinco minutos. Ela esperou o que pareceu uma eternidade. Então tirou a venda. Ela estava de frente a uma árvore em um cemitério.

Lisa McVey Noland concede uma entrevista poucos dias após Bobby Long ser preso. Data: Novembro de 1984.

De West Virginia, Bobby Joe Long mudou-se para Miami ainda criança e foi criado por sua mãe, uma garçonete. Ele nasceu com um cromossomo X a mais, causando o aumento das mamas na puberdade, fazendo dele chacota entre os colegas. Em “The Psychopathology of Serial Murder: A Theory of Violence” (1996), o autor Stephen Giannangelo afirma que Long também sofreu vários ferimentos na cabeça quando criança. Ele teria dormido na cama da mãe até a adolescência e tinha ressentimentos dela devido aos seus relacionamentos que não duravam.

Após o colegial, ele se casou com sua namorada de infância, mas a relação se tornou violenta. A ex-mulher, Cindy Brown, disse à AP que ela temia por sua vida, já que os ataques pioraram, incluindo um dia em que ele a sufocou e a deixou inconsciente. Eles se separaram em 1980.

O serial killer Bobby Long e sua esposa Cindy quando se casaram em 1974. O casal teve dois filhos antes dela pedir o divórcio em 1980. Foto: YouTube.

Investigadores deram ao serial killer o apelido de “O Estuprador do Anúncio de Classificado” enquanto tentavam solucionar dezenas de estupros. Long lia anúncios nos classificados e ia até a casa da pessoa ver os itens à venda. Se a mulher estivesse sozinha na casa, ele a estuprava.

Ele cometeu pelo menos 50 estupros do tipo a partir de 1971 em Fort Lauderdale, Ocala, Miami e no Condado Dade. Ele foi preso e acusado de estupro, mas as acusações foram desfeitas.

Ele se mudou para Long Beach, Califórnia, morando na quadra 2500 da Eucalyptus Avenue, onde alugou um quarto e continuou com sua onda de estupros. Tais crimes nunca foram investigados.

De volta à Flórida em 1983, ele alugou um apartamento em Tampa Bay e meses depois começou sua onda de assassinatos.

Em seu julgamento, Long confessou que tinha um prazer sádico em todo processo de caça: planejamento e execução do sequestro, estupro e o assassinato brutal.

Bobby Joe Long logo após ser preso em novembro de 1984. Foto: Times.

Bobby Joe Long logo após ser preso em novembro de 1984. Foto: Times.

Vítimas conhecidas


VítimaIdadeData da Morte
Artiss Ann Wick2027 de Março de 1984
Ngeun Thi Long1913 de Maio de 1984
Michelle Denise Simms2227 de Maio de 1984
Elizabeth Loudenback228 de Junho de 1984
Vicky Marie Elliott217 de Setembro de 1984
Chanel Devoun Williams187 de Outubro de 1984
Karen Beth Dinsfriend2814 de Outubro de 1984
Kimberly Kyle Hopps2231 de Outubro de 1984
Lisa McVey173 de Novembro de 1984 [Obs.: Sobreviveu ao ataque]
Virginia Lee Johnson186 de Novembro de 1984
Kim Marie Swann2111 de Novembro de 1984

“A hora da morte para Bobby Joe Long veio às 18h55. Enquanto a injeção letal era administrada, ele se contraiu um pouco, virou a cabeça, franziu os lábios e parecia estar quase rocando. Long não fez nenhuma declaração final. No final, os familiares das vítimas choraram, se abraçaram e sorriram.”

[Michel Paluska, repórter da ABC Action News]

Vídeo: sobrevivendo a um serial killer – Lisa McVey


Fontes consultadas: [1] Serial killer who took the lives of 10 women executed by lethal injection in Florida – USA Today; [2] ‘Bobby Joe Long, Thank you’ | Survivor at peace after serial killer executed – ABC Action News;

Universo DarkSide – os melhores livros sobre serial killers e psicopatas

http://www.darksidebooks.com.br/category/crime-scene/

Curta O Aprendiz Verde No Facebook

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

OAV TV

OAV TV

Queremos você!

Queremos Você!

O Aprendiz Verde no WhatsApp!

OAV no Whatsapp

Siga-nos no Twitter

As últimas notícias

Categorias

× Receba nosso conteúdo no WP