101 Crimes Notórios e Horripilantes de 2019

“Não tente se tornar um homem de sucesso, tente se tornar um homem de valor”. Nós, os seres humanos, por natureza, somos bons ou maus? Essa questão...

“Não tente se tornar um homem de sucesso, tente se tornar um homem de valor”.

[Albert Einstein]

Nós, os seres humanos, por natureza, somos bons ou maus? Essa questão tem dividido opiniões desde que as pessoas começaram a filosofar. Alguns, como os seguidores de Jean-Jacques Rousseau, dizem que somos uma espécie naturalmente pacífica corrompida pela sociedade; outros apoiam Thomas Hobbes e nos veem como uma espécie naturalmente violenta mas civilizada pela sociedade. Ambas perspectivas fazem sentido. Dizer que somos “naturalmente pacíficos” e “naturalmente violentos” parece contraditório. Acabamos num paradoxo.

Esse paradoxo pode ser resolvido se reconhecermos que a natureza humana é uma quimera. A quimera, na mitologia clássica, era uma criatura com corpo de uma cabra e a cabeça de um leão. Não era uma coisa nem outra: eram as duas coisas. Argumento que, com relação à agressão, um humano é tanto uma cabra quanto um leão. Nós temos uma baixa propensão à agressão impulsiva e uma alta propensão à agressão premeditada. Essa solução torna os seguidores de Rousseau e Hobbes parcialmente certos, mas levanta inúmeras questões: seriam os perversos diferentes em natureza ou em intensidade? Por que uma combinação tão incomum de virtude e violência evoluiu? O que há por detrás desse acordo tácito de contenção e expressão da maldade humana?

Inúmeras ciências se propuseram a analisar essas problemáticas sem nunca esgotá-las. Com isso, resta aos interessados nesse fenômeno submergir nessa grandiosa, misteriosa e sombria zona abissal da alma, nos porões da própria condição humana, no abismo real e inescapável da existência do homem.

http://www.darksidebooks.com.br/category/crime-scene/

Este post compila 101 crimes notórios e horripilantes de 2019. Sem dúvidas é um ótimo material para conhecer o mal e suas diversas formas. Aqui vocês encontrarão crimes cometidos por psicopatas, serial killers, assassinos em massa, canibais, maníacos sexuais, terroristas, pessoas com problemas mentais, pais de família, ritualistas, justiceiros etc. Ao final, vocês perceberão a falta de humanidade do homem com o homem, assim como sua genialidade quando se trata de planejar crimes diabólicos ao mesmo tempo em que sua estupidez é colocada para fora.

“Os 101 crimes notórios e horripilantes do ano mostra em que mundo vivemos. Certamente irá chocar muitas pessoas. Muitos dos crimes citados aqui são tão horripilantes que muitos não acreditariam existir no mundo real. Por isso esteja preparado para ter sua alma sugada de um mundo doente e cada vez mais violento.”

[O Aprendiz Verde]

Obs.: este post é melhor visualizado em um PC/Notebook

http://www.darksidebooks.com.br/category/crime-scene/

1. Canibal VampiroÍndia


Korba, Chhattisgarh, Índia | 1 de Janeiro

As primeiras horas de 2019 foram aterrorizantes e mortais para a indiana Suariya, 50.

Seu filho Dilip Yadav, 27, era um jovem supersticioso. Ele passava os seus dias a acreditar na bruxaria e várias vezes comentou com vizinhos sobre sacrifícios humanos. Eles eram necessários para atingir objetivos de vida, dizia ele.

Praticante de magia negra, Yadav ficou ainda mais paranoico com o oculto após a morte precoce de seu pai e irmão. Forças das trevas certamente tiveram participação nas mortes, talvez tudo isso fosse obra de uma bruxa, pensou ele. A bruxa devia ser sua velha mãe.

Na madrugada do ano novo Yadav resolveu colocar em prática o que dizia os livros de magia negra que lia.

O que ele não contava era que o horror teria uma testemunha ocular.

A vizinha dele, Samiran, após escutar barulhos estranhos vindos da casa ao lado, resolveu sair e dar uma espiada. O que ela viu a chocou de tal forma que Samiran ficou muda por dias.

Ela testemunhou Yadav assassinando a própria mãe com um machado. Ele deu vários golpes na cabeça, pescoço e seios. Então, quando a vítima agonizava no chão jorrando sangue, Yadav passou a lamber e beber o sangue que escorria.

Após o ritual macabro, Yadav desmembrou o corpo da mãe e jogou os pedaços numa fogueira, mas sem antes guardar um pouco de sangue e pedaços da carne, que foram consumidos nos três dias seguintes.

A vizinha Samiran só conseguiu se recuperar da visão do inferno oito dias depois. Avisada por ela, a polícia prendeu o vampiro canibal e confirmou toda a história através da perícia na casa e nos restos mortais queimados encontrados na fogueira.

2. EscravoSérvia


Belgrado, Sérvia | 10 de Janeiro

Acusada: Marina Becanovic | 34 anos

Crime: Petar Petrovic, 67, pareceu ter encontrado o amor de sua vida em 2017. Ela era Marina Becanovic, 33 anos mais nova. O homem mais velho caiu de joelhos à mulher mais nova. O problema era que Marina era uma mulher controladora, sádica e violenta, e nos três anos seguintes abusou de todas as formas de Petrovic, arrancando-lhe dinheiro e obrigando-o a ser sua doméstica. Ele também tinha que engolir a seco quando Marina aparecia com outros homens em casa. Preso ao relacionamento doentio, Petrovic não conseguia sair, mesmo quando era espancado pela mulher corpulenta na frente dos vizinhos. O estranho caso de amor entre os dois atingiu o macabro em 10 de janeiro de 2019 quando Petrovic se recusou a dar dinheiro a Marina. Ela respondeu a petulância espancando-o até a morte com um pedaço de pau. Para punir ainda mais a desobediência, a mulher pegou um machado e picou o corpo do parceiro. Para finalizar, Marina cortou os genitais da vítima e assou no forno. “Aquela mulher o abusava e torturava constantemente. Ela batia nele, chutava, esfaqueava. Ela o tratava como um escravo“, disse um vizinho. A assassina foi presa após ligar para o pai pedindo ajuda para se livrar dos pedaços do amante. 

3. Um filho estranhoArgentina


Guaymallén, Mendoza, Argentina | 11 de Janeiro

Acusado: Nicholas Gilad Pereg | 38 anos

Crime: quando o israelense Nicholas Pereg se mudou para a argentina em 2007, disse a todos que se chamava Floda Reltih. Entenderam? Não? Leiam o nome de trás pra frente. Ele morava ao lado de um cemitério e sua casa não tinha móveis nem água encanada. No quintal havia uma coleção de gatos dissecados e tudo era cercado por uma cerca elétrica. Nicholas não tomava banho, fedia e tinha um temperamento arredio, alguns o consideravam louco. Mesmo com esse currículo Pereg tinha 40 armas registradas. O dono da loja de armas até avisou a polícia sobre o cliente estranho mas ninguém se interessou em investigá-lo. No início de janeiro de 2019 sua mãe Pyrhia Sarusi, 63, e sua tia Lily Pereg, 54, viajaram até a Argentina da Austrália para visitá-lo. Ao chegarem elas não acreditaram no local onde ele estava morando, mas mais inacreditável ainda foi o que ele pediu a sua mãe: que fizesse sexo com ele para ambos terem um filho. Ela negou, então Nicholas matou sua mãe estrangulada e sua tia a tiros e as enterrou no lote ao lado de sua casa. E ainda tirou uma foto sentado na sepultura. Um psicólogo que o entrevistou na prisão disse que a rejeição sexual de sua mãe “produziu uma sequência psicótica de níveis altamente agressivos contra sua figura materna“.

4. Justiça da PlebeAfrica do Sul


Joanesburgo, África do Sul | 14 de Janeiro

Hillbrow é um bairro da pesada onde a polícia parece ter pequena ou nenhuma autoridade. Pessoas de boa índole e bandidos se misturam no lugar onde a criminalidade e vagabundagem impera.

Em janeiro de 2019 o bairro desconhecido do mundo ficou famoso.

O drama horrível começou quando dois homens supostamente tentaram roubar a bolsa de uma mulher. Os transeuntes interviram e dominaram os dois suspeitos. Um deles foi terrivelmente espancado e deixado desacordado no meio da rua. Este foi o que teve sorte.

O outro homem foi espancado e queimado vivo. Enquanto lutava para sobreviver, em chamas, as pessoas apenas olhavam; uns filmavam, já outros atiravam tábuas e pedaços de paus.

Um dos vídeos gravados foi compartilhado no Facebook e se tornou viral. Veja abaixo:


5. Raiva masculina primitivaAustrália


Melbourne, Austrália | 16 de Janeiro

Vítima: Aya Maasarwe | 21 anos

Crime: fazendo intercâmbio na Austrália, a estudante palestina Aya Maasarwe foi brutalmente assassinada quando voltava para casa após sair com amigos. A natureza violenta e aleatória do crime chocou os australianos e debates sobre a segurança dos cidadãos e das mulheres explodiram por todo o país. Dias após o crime a polícia prendeu Codey Herrmann, 20, um jovem problemático e desequilibrado que vivia nas ruas. Foi um crime de oportunidade. O acusado viu a vítima sozinha na rua a noite falando ao telefone e a atacou, batendo repetidamente na sua cabeça até ela desfalecer, então a estuprou, estrangulou e descarregou um spray inflamável em seu corpo, ateando fogo em seguida. Em seu julgamento, um psiquiatra revelou que o crime foi “uma manifestação da raiva masculina contra a mulher…raiva masculina primitiva, estereotipada“. Os promotores queriam a pena de morte, mas Herrmann recebeu uma pena de 36 anos de reclusão, graças ao seu advogado que foi capaz de convencer o tribunal de que o réu merecia alguma leniência devido ao seu “transtorno de personalidade severa” adquirida de uma infância traumática que distorceu sua visão de mundo. “Ele pode ter feito uma coisa monstruosa mas ele não era um monstro e teve uma vida de extraordinária desvantagem“.

6. El Caníbal de VentasEspanha


Madri, Espanha | 20 de Janeiro

Acusado: Alberto Sánchez Gómez | 26 anos

Crime: No final de fevereiro de 2019 a polícia bateu na porta de um apartamento no número 50 da rua Francisco Navacerrada, bairro de Salamanca, centro de Madri. Havia um mês que a moradora do local, María Soledad Gómez, 66, não era vista e uma amiga ligou para a polícia acreditando que alguma coisa séria tinha acontecido. Quem atendeu a porta foi o filho de María Soledad, Alberto Sánchez Gómez, um jovem viciado em drogas que não trabalhava e já havia sido preso 12 vezes por bater na mãe. “Ela está aqui”, disse ele a policiais, então desconversou. Suspeitando da conversa confusa do homem, a polícia pediu para entrar no apartamento e dar uma olhada. Alberto deixou os policiais entrarem na casa e o que eles viram estava além da imaginação. María Soledad foi assassinada e picada em mais de mil pedaços pelo próprio filho. O que sobrou dela estava em seis vasilhas de plástico dentro da geladeira e em um armário. Dos órgãos internos apenas parte do intestino foi encontrado misturado com lixo doméstico. O acusado confessou que comeu alguns órgãos e a carne da mãe em um banquete canibal juntamente com o cão da família. Conhecidos afirmaram à mídia espanhola que Alberto já havia sido internado em hospitais psiquiátricos e nos últimos anos passou a fazer vídeos de rap onde falava sobre o vício em drogas. “Não há cura para a minha loucura”, diz uma de suas letras. 

7. Vovó AçougueiraRússia


Khabarovsk, Krai de Khabarovsk, Rússia | 28 de Janeiro

“Ela trabalhou por muitos anos como açougueira. Então ela não se arrepende de matar seres vivos. Este era o seu trabalho”.

[Mikhail Vinogradov, psiquiatra]

Apesar do aspecto frágil, Sofia Zhukova, uma velhinha de 80 anos, era o tipo de vovó que fazia seus vizinhos passarem longe. Ela costumava andar pelo bairro de Berezovska com uma bengala na mão comprando briga com quem cruzasse o seu caminho.

Muitos não gostavam dela porque Zhukova tinha o péssimo hábito de torturar e envenenar os gatos da redondeza. E por falar em seres vivos, a mulher gostava de matá-los. Durante sua vida, Zukhova nunca teve problema com empregos. Isso porque ela teve uma carreira abatendo porcos de fazendeiros da região e sempre era bem vinda por não ter escrúpulos em “matar seres vivos”.

Mas o que ninguém poderia imaginar é que Sofia Zhukova também matava seres humanos e continuou na velhice a fazer o que fez em sua juventude.

“Nós sempre achamos estranho que, apesar de mal-humorada e hostil, ela frequentemente cozinhava coisas para as crianças locais. Eram sempre pratos de carne. Às vezes ela os dava aos adultos. Eu me lembro bem porque uma vez meu marido disse ‘nós não vamos comer isso, não sabemos do que foi feito’, e parece que ele estava certo”.

[Tatyana, vizinha de Zhukova]

Uma das vítimas da vovó açougueira foi Anastasia Alexeenko, uma criança de apenas 8 anos que a teria irritado por fazer barulhos enquanto brincava. A cabeça da menina foi encontrada em 2005 com o rosto desfigurado. Na época, vizinhos notaram que os cães da rua estranhamente tinham carne fresca para comer durante dias e ninguém nunca soube de onde veio. Apenas em 2019 a polícia conseguiria ligar Zukhova ao assassinato de Anastasia, e isso devido a um outro assassinato.

Vasily Shlyakhtich, 52, alugou um dos quartos do apartamento de Zukhova e desapareceu em janeiro de 2019. Pedaços de seu corpo foram encontrados em latas de lixo pela cidade e na boca de cães de rua. Investigando o assassinato, a polícia logo bateu no apartamento da morte da vovó açougueira.

Lá, eles encontraram intestinos e outros órgãos internos na geladeira, além de pedaços de carne humana em uma frigideira, o que levou à suspeita de canibalismo. Uma perícia no apartamento encontrou material biológico de duas pessoas diferentes: Anastasia e Vasil. O passaporte de Nina Babenkova, 83, desaparecida desde 2017 após alugar um quarto de Zukhova, também foi encontrado.

Cartaz de desaparecimento de Nina Babenkova. Foto: Ria.ru.

Acusada de três assassinatos, a polícia russa suspeita que ela esteja envolvida em quatro outros desaparecimentos em Khabarovsk.

No vídeo abaixo, pouco antes de ser presa, a polícia filma a vovó açougueira andando com sua bengala por uma rua.

8. Sob os cuidados dos avósRússia


Vila de Kharoy, Cacássia, Rússia | 29 de Janeiro

Vítima: Maxim Sagalakov | 11 meses

Crime: imagine a seguinte situação: você é uma mãe jovem, de 20 anos, e que tem um lindo bebê de 11 meses de idade. Todo mundo sabe o trabalho que uma criança dá, então nessas horas toda ajuda é bem-vinda. O que dizer dos avós? Nos quatro cantos do mundo são eles os que mais ajudam os filhos a cuidarem das crias, principalmente quando estas são crianças. Na fria Sibéria, a jovem mãe Viktoria Sagalakova precisou sair de casa e deixou seu filho Maxim Sagalakov, um fofinho bebezinho de 11 meses de idade, sob os cuidados dos avós. Maxim não estaria em melhores mãos correto? Errado! Ao voltar para casa Viktoria teve uma visão grotesca: o seu bebê incinerado no forno dos pais. Segundo investigação policial, a avó da vítima, Zhanna Miyagasheva, 43, ficou irritada com o choro da criança e o sufocou até ele desmaiar. Não satisfeito, o avô, Alexander Miyagashev, 48, pegou o neto e o jogou no forno. Detalhe: Maxim estava vivo. Maxim morreu “de queimaduras em 100% do corpo” e envenenamento por monóxido de carbono. O perito legista revelou que “ele estava respirando, com uma temperatura de corpo normal“, quando foi jogado no forno. Avô e avó estavam bêbados no momento do crime e durante o julgamento, ocorrido em janeiro de 2020, ficaram jogando a culpa um no outro. Alexander era conhecido entre os vizinhos como um homem que devia ser evitado. Um de seus passatempos era queimar vivo cães e gatos. Alexander pegou 15 anos de prisão enquanto sua mulher Zhanna foi condenada a nove.

9. Bebeu demaisInglaterra


Hull, Yorkshire, Inglaterra | 1 de Fevereiro

Vítima: Libby Squire | 21 anos

Crime: uma noitada que acabou em morte. A universitária inglesa Libby Squire bebeu todas na boate Welly, na cidade portuária de Hull, nordeste da Inglaterra, tanto que foi convidada a se retirar do local. Ela estava tão mal que foi colocada pelo staff da boate dentro de um táxi cujo destino era sua casa. O taxista a deixou na porta de sua casa mas a moça não entrou, ao invés disso resolveu dar uma volta pelas redondezas e sentou-se no banco de um parque. Um homem num carro parou e perguntou se ela precisava de ajuda. Ela moveu a cabeça negativamente. Libby continuou andando cambaleando por uma avenida e quando outro carro parou ao seu lado, dessa vez, ela resolveu entrar. Provavelmente ela nem tinha noção do que estava fazendo de tão bêbada que estava. Seu corpo em decomposição foi encontrado 19 dias depois numa área pantanosa. Ela foi estuprada e estrangulada. Seis meses após o crime a polícia inglesa prendeu o imigrante polonês Pawel Relowicz, 25, um maníaco sexual viciado em voyeurismo que costumava se masturbar para mulheres na rua e o acusou de 13 crimes, incluindo o assassinato de Libby e o de roubo de brinquedos eróticos. 

10. HerculesBangladesh


Rajapur Upazila, Distrito de Jhalokati, Bangladesh | 1 de Fevereiro

“Eu sou Rakib. Eu sou o estuprador da estudante de Bhandaria. Isto é o que acontece com um estuprador. Fiquem atentos estupradores”.

[Hercules]

Um serial killer justiceiro estilo Pedrinho Matador ou familiares revoltados?

No início de 2019 estupradores começaram a aparecer mortos em Bangladesh, todos com um bilhete em torno do pescoço assinado por um misterioso Hercules.

A história começa em 14 de janeiro quando uma estudante foi estuprada por dois homens. Três dias depois a polícia nomeou como suspeitos Rakib Hossain, 20, e seu amigo Sajal.

Dez dias após o estupro Sajal foi encontrado morto com uma bala na cabeça e um bilhete em torno do pescoço assinado por Hercules. Mas Hercules começou a agir mais cedo, mais precisamente em 17 de janeiro, quando a polícia encontrou o corpo de um homem identificado apenas como Ripon, 39, suspeito no caso de um estupro coletivo.

Em 1 de fevereiro foi a vez de Rakib desaparecer. Ele foi encontrado um dia depois com uma bala na cabeça e um bilhete assinado por Hercules – como atesta a imagem abaixo:

Após o terceiro corpo ser encontrado o caso ganhou repercussão na mídia do país e Hercules desapareceu, assim como outro serial killer justiceiro de 2019 que o leitor conhecerá no decorrer do post.

11. Caça NegraTanzânia


Vila de Matembo, Distrito de Njombe, Tanzânia | 3 de Fevereiro

Uma verdadeira caça às bruxas, ou melhor, aos bruxos, aconteceu em meados de 2019 na Tanzânia.

Em poucas semanas, no primeiro mês de 2019, 10 crianças simplesmente desapareceram de suas casas no Distrito de Njombe, a última delas, Racheal Malekela, 7, em 3 de fevereiro.

Um grande contingente de policiais e bombeiros foi designado para a área para investigação e procura das crianças. Elas logo foram achadas. Mutiladas.

Todas as vítimas tiveram seus órgãos genitais cortados e dentes removidos. Os pulmões também foram levados. Três das 10 crianças mortas eram da mesma família – Gdliva Mwenda, Gasper Nziku e Gillad Nziku.

Dias depois da morte da última criança, Malekela, em uma megaoperação, a polícia prendeu 28 pessoas – empresários, curandeiros e cidadãos comuns – suspeitas no caso.

Em março, 65 bruxos foram presos.

Como em muitos lugares da África, as crianças de Njombe foram mortas para que partes de seus corpos fossem usados em rituais de feitiçaria. Supersticiosos acreditam que carne e ossos humanos aumentam o poder da magia, trazendo a eles riqueza, sucesso, poder ou conquista sexual. 

12. Mamãe MonstroEstados Unidos


Bridgeton, Nova Jérsei, Estados Unidos | 8 de Fevereiro

Acusada: Nakira Griner | 24 anos

Crime: Em 8 de fevereiro de 2019, Nakira Griner, 24, estava caminhando com seus dois filhos pequenos em direção a uma loja quando um estranho a atacou a pontapés. Ela caiu e continuou sendo chutada na cabeça até perder a consciência. Quando acordou, seu filho Daniel Griner Jr., de 1 ano e 11 meses, havia desaparecido. Ela não lembrava de muita coisa, mas começou a se enrolar conforme investigadores se aprofundavam em sua história. Eles desconfiaram e resolveram fazer uma busca na residência da moça, então acharam o que sobrou da criança dentro de alguns sacos de lixo e de uma bolsa enterrados no jardim. A jovem que gostava de postar selfies nas redes sociais, confessou que ficou nervosa porque a criança não queria comer, então ela a socou e a jogou das escadas. Daniel Jr. não morreu de imediato, então foi esquartejado vivo e incinerado pela própria mãe. Em outubro ela se declarou inocente perante o tribunal. Seu advogado alega que ela sofria de depressão pós-parto.

13. Caça Branca


Região de Dedza, Malaui | 12 de Fevereiro

Maio de 2019 foi um mês importante para o Malaui. Era o mês das eleições gerais para escolher o presidente, deputados e governadores.

Se o início do ano foi excitante e ansioso para a maioria dos malauianos, para uma minoria foi simplesmente horroroso, angustiante e sangrento.

A aproximação das eleições significava para a população albina do país que eles seriam caçados, mutilados e mortos.

Assassinatos de pessoas albinas são comuns na Tanzânia, Malaui e Moçambique, onde partes dos corpos são usados em rituais de feitiçaria para trazer riqueza, sucesso, poder ou conquista sexual. As crianças são as mais vulneráveis. Seus corpos mutilados frequentemente são encontrados sem mãos, pés, seios, órgãos genitais, pele, olhos ou cabelos – dependendo do tipo de feitiço encomendado.

“Os ossos dos albinos tem qualidades magnéticas. Existe um fluido neles que permite você fazer milhões em dinheiro. Então os políticos os usam nas máquinas que imprimem dinheiro”, revelou Bon Kalindo, um político local, em uma reportagem do The Telegraph.

Além de dinheiro, políticos querem ganhar eleições, e isso significou carnificina branca.

Em 12 de fevereiro, Misa Maulidi, 38, teve segundos para decidir qual dos filhos salvar: Goodson, 14, ou Faith, 3, ambos albinos. Mudando para o meio do mato com a família com medo da matança de albinos em seu país, ela soube imediatamente o que os quatro homens com facões queriam quando apareceram na calada da noite.

Ela foi capaz de pegar Faith e sair correndo pelo mato em direção à cabana onde dormiam seu pai e irmão. Enquanto corria, gritou freneticamente ao seu filho para fugir, mas Goodson não conseguiu. Parentes tentaram salvar o garoto e ficaram todos cortados pelos golpes. O adolescente foi arrastado para dentro de um carro e nunca mais foi visto.

Na madrugada de 1 de janeiro, Yasin Kwenda Phiri, 60, foi atacado dentro da própria casa por quatro homens que o estriparam vivo e depois o desmembraram. Tudo na frente do filho da vítima de apenas 9 anos.

Três semanas depois, Loness Nkhonjera, 28, saiu brevemente de sua casa para ir ao banheiro, que ficava do lado de fora da residência. Quando voltou, sua bebê albina de 18 meses havia desaparecido. Como Goodson, a criança nunca mais foi vista.

Em maio os malauianos elegeram seu novo presidente: Peter Mutharika. Peter já foi acusado de fazer parte de uma rede de tráfico internacional de pedaços de corpos de albinos para fins ritualísticos. 

14. Inimigo da FelicidadeItália


Turim, Piedmont, Itália | 23 de Fevereiro

Vítima: Stefano Leo | 33 anos

Crime: o começo do fim para Said Mechaout, 27, aconteceu em meados de 2015 quando sua namorada o largou para ficar com outro. O casal tinha um filho e a separação teve um profundo impacto em Mechaout. Com o tempo tudo piorou e o fato de ambos terem um filho juntos não melhorou já que o menino era o elo de ligação entre eles. Com depressão profunda, Mechaout perdeu o emprego e viu sua ex-namorada tentar ao máximo afastá-lo do filho. Ele quase não conseguia mais levantar da cama e as coisas só pioraram quando ele ficou sabendo que sua ex instigava o filho a chamar o atual namorado de pai. Seus sentimentos se tornaram insuportáveis e em 23 de fevereiro entraram em ebulição. Segue sua própria confissão: “Nesse sábado, 23 de fevereiro, fiquei observando o rosto das pessoas, os aposentados que passeavam com seus cães, as mães com os filhos, os rapazes que conversavam e se divertiam. E depois eu vi ele [Stefano Leo] com esse ar feliz e sereno que me pareceu insuportável. Escolhi matá-lo porque parecia muito feliz e não suporto a felicidade. Quis matar um rapaz como eu para lhe roubar todos os projetos, os filhos, amigos e familiares.”. Stefano Leo foi assassinado aleatoriamente com vários golpes de faca por Mechaout porque “parecia muito feliz”. Como fazia todos os dias, Stefano estava indo para o trabalho escutando música em seus fones de ouvido quando foi atacado. 

15. Assassino de criançasRuanda


Nyagatare, Província Oriental, Ruanda | Março

Nove crianças desapareceram na região de Nyagatare, Ruanda, somente no mês de fevereiro de 2019. Quatro delas foram encontradas enterradas dentro da casa de um serial killer.

Investigando o desaparecimento de Jean Pierre Habineza, a polícia se encontrou na residência de John Twagirayezu, 30. Lá, corpos inteiros e em pedaços foram descobertos e o suspeito preso em 18 de março.

Crianças vinham desaparecendo na região e investigações se iniciaram após os pais das vítimas informarem às autoridades sobre os desaparecimentos repentinos.

Entre as vítimas de John Twagirayezu estão familiares, incluindo uma sobrinha de oito anos de idade, filha de seu irmão mais velho. Acredita-se que Twagirayezu matava crianças para fins ritualísticos.

Abaixo, reportagem da TV local sobre o caso.

16. O Assassino do Rosto TatuadoEstados Unidos


Corcoran, California, Estados Unidos | 9 de Março

Acusado: Jaime Osuna | 31 anos

Crime: a aparência assustadora do americano Jaime Osuna condiz com o seu passado. Em 2017, ele conheceu Yvette Pena, 37, mãe de seis filhos, e a convenceu a ir até um motel com ele. A mulher foi brutalmente assassinada. Quando a polícia chegou encontrou o corpo com várias facas e duas tesouras encrustadas em suas costas. Preso, ele pegou prisão perpétua, mas sem antes chocar a todos no tribunal com suas gargalhadas e comportamento doentio. Já Luis Romero, 44, pegou a prisão perpétua quando tinha apenas 17 anos, em 1992, por assassinato. Essas duas figuras assassinas eram companheiros de cela na Prisão Estadual de Corcoran, na Califórnia. Claro, algo deu errado. O crime “mais horripilante” que eu já vi, disse um promotor. Em 9 de março, com uma navalha improvisada como faca, o Assassino do Rosto Tatuado provou mais uma vez o gosto de sangue ao mutilar e decapitar seu companheiro de cela. Ele deve ter tido bastante trabalho já que a sua arma improvisada não era lá essas coisas. Por outro lado, o sofrimento de Romero é além da imaginação já que a mutilação ocorreu quando ele ainda estava vivo. A vítima ainda teve um olho arrancado e um pedaço da língua cortada. Indiferente como sempre, Osuna se declarou “inocente” perante um juiz.

17. Poder BrancoNova Zelândia


Christchurch, Nova Zelândia | 15 de Março

“As origens da minha língua são europeias, minha cultura é europeia, minhas crenças políticas são europeias, minhas crenças filosóficas são europeias, minha identidade é europeia e, mais importante, meu sangue é europeu”.

[Brenton Harrison Tarrant]

O australiano Brenton Harrison Tarrant, 28, era um entusiasta das novas tecnologias digitais. Mas ele as usava para destilar ódio, apenas.

Em um manifesto (“Great Replacement”, a “Grande Substituição”, em tradução literal) online de 74 páginas, ele deixava claro que atacaria migrantes muçulmanos, descritos por ele como invasores que ameaçavam a integridade demográfica de nações brancas. Como outros etno-nacionalistas do Ocidente, ele se imaginava parte de uma história de mundo distorcida, escrevendo em suas armas (compradas legalmente) nomes de guerreiros medievais da cristandade que lutaram contra os exércitos de impérios islâmicos.

No manifesto, ele descreve como o impacto de uma viagem a França em 2017 o deixou perturbado. Ele se assustou com o número de muçulmanos que viu. Tarrant era adepto da teoria da “grande substituição”, famosa entre as populações brancas de extrema-direita do ocidente, que diz que os brancos enfrentam um “genocídio” devido ao declínio da taxa de natalidade e da imigração em massa.

“Enquanto eu estava no estacionamento sentado dentro do meu carro alugado, eu vi um fluxo de invasores atravessarem as portas da frente do shopping. Para todo francês, homem ou mulher, lá, havia o dobro do número de invasores. Eu já tinha visto o suficiente, e com raiva, saí da cidade, me recusando a ficar mais tempo no lugar amaldiçoado e segui para a próxima cidade”.

[Brenton Harrison Tarrant]

Citando como inspirações de vida o assassino em massa norueguês Anders Breivik, o também assassino em massa americano Dylann Roof, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump e o ativista de extrema-direita Candance Owens, Brenton Tarrant perpetuou o que foi chamado de um “dos dias mais negros da história da Nova Zelândia” ao assassinar 51 pessoas em duas Mesquitas muçulmanas na cidade de Christchurch. Com uma câmera acoplada na cabeça, ele inovou no campo do horror: transmitiu a carnificina online para seus seguidores no Facebook. O ataque foi celebrado em fóruns racistas da Internet.

Apesar de cópias do manifesto e do vídeo terem sido distribuídos em vários websites, incluindo Facebook, LiveLeak e YouTube, eles logo foram removidos.

Acusado de 51 assassinatos, 40 tentativas de assassinatos e engajamento em ato terrorista, Tarrant se declarou culpado de todas as acusações e seu julgamento está previsto para iniciar em junho de 2020.

“O Brasil, com toda a sua diversidade racial, está completamente fraturado como nação”.

[Brenton Tarrant]

18. Massacre em SuzanoBrasil


Suzano, São Paulo, Brasil | 19 de Março

Uma tragédia que deixou 10 mortos e 11 feridos teve início na manhã de quarta feira, 19 de março de 2019.

Por volta das 9:30 da manhã, Jorge Antônio de Moraes foi morto em sua loja de revenda de carros em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, por seu sobrinho Guilherme Taucchi Monteiro, de 17 anos. Partindo da loja, Guilherme se juntou a Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, e ambos invadiram a Escola Estadual Professor Raul Brasil na hora do intervalo.

Ambos eram ex-alunos da escola. Eles estavam em um carro branco alugado, estacionaram em frente ao portão do colégio e entraram pela porta da frente, que estava aberta. Os jovens entraram encapuzados e portando um revólver calibre 38, quatro jet luders (dispositivos plásticos para recarregamento de arma), uma besta (um tipo de arco e flecha que dispara na horizontal), um arco e flecha tradicional, garrafas que aparentavam ser coquetéis molotov e uma mala com fios. Além disso, um dos autores tinha uma machadinha na cintura. A intenção era matar o maior número de pessoas possível.

Havia cerca de 400 estudantes no local, e a princípio, estudantes, professores e vizinhos acharam que os barulhos eram apenas bombinhas. Em instantes, perceberam que estavam em perigo. Guilherme começou atirando com o revólver logo na entrada, depois se embrenhou na escola atirando em quem passasse pelo caminho. O ataque durou cerca de 20 minutos. Os alunos, desesperados, correram para fora da escola, enquanto o segundo atirador tentava acertar com golpes de machadinha os que por ele passavam correndo. Além dos que pularam os muros ou conseguiram passar pelos portões, alguns encontraram abrigo na casa de uma advogada que mora na rua atrás da escola. Enquanto isso, cerca de trinta jovens permaneceram escondidos deitados na cantina, onde a merendeira Silmara Cristina de Moraes montou uma barricada com geladeira e freezer. Outro grupo se trancou no Centro de Línguas com uma professora. Mesmo usando um só revólver, a quantidade de vítimas foi alta graças ao uso dos jet loaders, que permitem o recarregamento rápido.

O resultado foram sete vítimas, sendo duas funcionárias da escola – Marilena Ferreira Vieira Umezo, 59, e Eliana Regina de Oliveira Xavier, 38 – e cinco alunos – Caio Oliveira, 15, Claiton Antônio Ribeiro, 17, Douglas Murilo Celestino, 16, Kaio Lucas da Costa Limeira, 15, e Samuel Melquíades Silva de Oliveira, 16. O número total de mortos no massacre foram dez: o tio de Guilherme, as vítimas da escola e os criminosos.

O ataque também deixou onze vítimas feridas.

Segundo a polícia, Guilherme Taucci, o atirador mais jovem, matou o comparsa Luiz Henrique de Castro e logo em seguida cometeu suicídio. Os cinco estudantes mortos tinham entre 15 e 17 anos de idade.

O ataque, inspirado em casos como o de Columbine e Realengo, foi premeditado, e contou com a participação de um terceiro adolescente, também ex aluno do colégio, e  que foi descrito pela polícia como alguém frio. Ele foi o mentor intelectual do ataque, comprou objetos e participou da compra de outros. Ele não participou do ataque porque um dos assassinos, Guilherme, teria duvidado de sua capacidade de matar após o colega ter sido visto em uma igreja.

O inquérito policial sobre o atentado foi encerrado no final de maio de 2019. Quatro homens foram presos e denunciados à Justiça por comercializarem as armas e munições usadas no crime e o menor cumpre medida socioeducativa na Fundação Casa por prazo indeterminado, e deve passar por avaliação psicológica após um ano de sua apreensão.

A germinação desse crime — assim como outros similares ocorridos no Brasil e fora  — está na Internet. Lá fóruns obscuros dão forças a grupos que destilam ódio e se apoiam em sentimentos de rancor e rejeição. Esses grupos são compostos por muitos garotos jovens, gerando um envolvimento entre eles. Juntos alimentam reações de vingança, racismo e misoginia.

Após o ato, houve uma comemoração nestes fóruns. Em seguida, postagens dos participantes de um deles informavam que os atiradores seriam frequentadores do grupo e que, inclusive, teriam confessado a pretensão de realizar o ataque. Identificado como DPR, o moderador do fórum fez uma espécie de texto manifesto com supostas explicações para o massacre. Uma mensagem datada de 7 de março e endereçada ao DPR, é atribuída a um dos atiradores, e se trata de um agradecimento às dicas recebidas para a realização do plano do massacre.

Guilherme e Luiz Henrique supostamente buscaram ajuda para planejar o atentado no Dogolachan, (um fórum na Deep Web onde os participantes são anônimos) conhecido por suas apologias ao terrorismo e à violência, com conteúdos pautados em intolerâncias às minorias.

Antes do crime, no mesmo dia, um dos assassinos postou uma série de imagens em uma rede social, em que ele aparecia com uma máscara de caveira e fazendo um símbolo de arma com a mão na cabeça.

Abaixo, dois vídeos do massacre – um de uma câmera de segurança e outro de uma testemunha.


19. Massacre de Ogossagou


Aldeia de Ogossagou, Mali | 23 de Março

“A equipe conseguiu localizar e confirmar a existência de pelo menos três valas comuns contendo pelo menos 40 corpos nas duas primeiras e pelo menos 70 corpos na terceira”.

[Relatório preliminar da ONU sobre o Massacre de Ogossagou]

Caçadores tradicionais Dozo pertencem ao grupo étnico Dogon, uma comunidade de pastores e caçadores que tem uma longa história de rixas com o povo nômade Fulani. Em março de 2019, mais de 100 caçadores Dozo, alguns outros militares e civis, promoveram o que a ONU chamou de “crime contra a humanidade”.

Em um ataque “planejado, organizado e coordenado” à vila Fulani de Ogossagou, eles mataram indiscriminadamente homens, mulheres e crianças, incendiando suas cabanas mesmo com pessoas dentro. Pelo menos 157 pessoas morreram no massacre.

O governo do Mali não forneceu uma explicação sobre o motivo do massacre e nem se havia militares envolvidos.

Nos últimos anos o Mali foi assombrado pela invasão de grupos extremistas islâmicos e o governo, com a ajuda militar da França, conseguiu deter o avanço dos terroristas, mas combates de baixo nível prosseguem e na carona do caos grupos étnicos que se odeiam aproveitam para matar uns aos outros.

Em outubro, um vídeo compartilhado nas redes sociais mostrava guerreiros Dogon exibindo orgulhosamente os órgãos internos de um homem. No vídeo, eles afirmam que o fígado do morto seria ofertado ao seu comandante, que havia pedido a iguaria para comemorar em um banquete canibal.

20. EndiabradaBrasil


São Roque, São Paulo, Brasil | 4 de Abril

Acusada: Karina Aparecida da Silva Roque | 18 anos

Crime: Daniela Cordeiro da Silva estranhou ao chegar em casa após mais um dia de trabalho e encontrar a porta trancada. Mais estranho ainda era o fato dela bater e ninguém atender. Ela deixava a filha mais velha, Karina, cuidando do irmão mais novo, Maycon Aparecido da Silva Roque, 5, durante o dia. Um pouco assustada com os barulhos que vinha de dentro da casa, Daniela pediu ajuda a um cunhado que era vizinho para ajudá-la a arrombar a porta. Quando o homem finalmente arrebentou com a porta, ambos tiveram uma visão aterrorizante: Karina estava executando um ritual satânico. O chão estava cheio de velas e Karina agachada ao lado do corpo mutilado do irmão Maycon. Como se estivesse possuída pelo diabo, Karina atacou mãe e tio, dando uma pedrada na cabeça do tio e mordendo o cachorro da família que a atacou durante a confusão. Com muito custo o homem conseguiu dominá-la. Karina assassinou o irmão, fez vários cortes em seu corpo, queimou os pés, furou seus olhos, decepou os órgãos genitais e os comeu. Acredita-se que a garota estava em um surto psicótico. Até o fechamento deste post, porém, a justiça ainda não havia realizado o exame de sanidade mental para saber se Karina, indiciada pelo homicídio do irmão, é inimputável.

21. Mártir de VerdadeBangladesh


Feni, Chitagongue, Bangladesh | 6 de Abril

Vítima: Nusrat Jahan Rafi | 19 anos

Crime: A adolescente Nusrat Jahan Rafi, 19, foi assediada pelo diretor da escola onde estudava em Bangladesh. Em uma sociedade conservadora e machista, ela teve coragem de denunciar o homem por assédio sexual. Ela prestou depoimento, mas em vez de ter garantido um ambiente de segurança e acolhimento, ela foi filmada pelos policiais enquanto dava seu depoimento. No vídeo [veja abaixo], Rafi está visivelmente incomodada e tenta esconder o rosto com as mãos. O diretor foi preso e as pessoas começaram a culpabilizá-la. Em 6 de abril, onze dias após o assédio, Rafi precisou ir à escola para as provas finais do semestre. Lá, ela foi encharcada com querosene e queimada viva por homens usando burcas. Ela conseguiu fugir e pedir ajuda. Sabendo que estava gravemente ferida, deu uma declaração que seu irmão gravou em seu telefone. “O professor me tocou, lutarei contra esse crime até o meu último suspiro“, diz ela, citando alguns de seus agressores. Ela deu seu último suspiro quatro dias depois. Em outubro de 2019, em um julgamento que surpreendeu pela rapidez, as autoridades de Bangladesh condenaram à morte 16 pessoas que tiveram ligação com a morte de Rafi, incluindo o diretor da escola, Siraj Ud Doula, três professores, duas adolescentes que eram colegas de classe da vítima, e dois políticos da cidade, Ruhul Amin e Maksud Alam.


22. Criança IncendiáriaEstados Unidos


Vila de Goodfield, Illinois, Estados Unidos | 6 de Abril

Acusado: Kyle Alwood | 9 anos

Crime: Em 6 de abril de 2019 uma casa na vila de Goodfield, estado americano do Illinois, queimou até as cinzas matando os adultos Kathryn Murray, 69, e Jason Wall, 34, e os bebês Rose Alwood, 2, Daemeon Wall, 2, e Ariel Wall, 1. Seis meses depois promotores do estado chocaram os Estados Unidos ao indiciar por homicídio quíntuplo Kyle Alwood, de apenas 9 anos de idade. Para os acusadores não há dúvidas: o menino ateou fogo na casa da família de forma intencional. Segundo a mãe de Kyle, o menino sofre de esquizofrenia, bipolaridade e TDAH. Para muitos nos Estados Unidos o indiciamento da criança foi um abuso por parte dos promotores. Na psicologia há um certo consenso de que uma criança de 9 anos não pode ser responsabilizada por assassinato já que a mente não está completamente desenvolvida. “Eles não pensam nas consequências, basicamente eles são impulsivos, eles assistem desenhos onde o Papa-Léguas cai de um penhasco de 500 metros, morre, mas está vivo na cena seguinte, então eles não tem um bom senso de vida ou morte. Crianças fazem coisas estúpidas o tempo todo sem pensar nas consequências. Pode ser, por mais terrível que seja, que ele queria ver como era alguma coisa queimar, mesmo ele sabendo que havia pessoas dentro. Meu palpite é que ele não entende a natureza da consequência e ações, mesmo se alguém vá queimar, ele provavelmente não tem o senso de que a pessoa nunca vai voltar, que vai morrer e ir para sempre“, disse o psicólogo Jeff Temple, professor da University of Texas Medical Branch. Os promotores, entretanto, pensam o contrário. Por envolver um réu de tão pouca idade, o caso corre sob segredo de justiça.

23. Família FuziladaBrasil


Rio de Janeiro, Brasil | 7 de Abril

Vítima: Evaldo dos Santos Rosa | 51 anos

Crime: Na tarde do dia 7 de abril, um domingo, Evaldo Rosa dirigia com a família pelo bairro de Guadalupe em direção a um chá de bebê quando o veículo, um Ford Ka branco, foi confundido por militares do exército brasileiro com um carro do mesmo modelo roubado por um grupo de assaltantes. Sem emitir qualquer tipo de aviso, os militares abriram fogo contra o veículo disparando 80 tiros, dos quais 9 acertaram Evaldo. O catador de papel Luciano Macedo, que passava pelo local no momento, tentou ajudar a família e também foi morto. Quando familiares saíram do carro e gritaram para parar, os soldados reagiram com deboche. De início, o Exército, em nota, culpou os ocupantes do carro por supostamente “agredirem” os soldados, mas com a repercussão do caso e indícios de erro dos militares, voltou atrás. Ao serem presos, os soldados apresentaram fotos de veículos alvejados por balas como se fossem os blindados que eles ocupavam no momento, para tentar parecer que eles agiram em legítima defesa. Eles também afirmam que viram o catador de papel Luciano armado, porém, a suposta arma não foi encontrada pela perícia.

24. Revelação Fatal IRússia


Kursk, Oblast de Kursk, Rússia | 10 de Abril

Vítima: Nina Surgutskaya | 25 anos

Crime: na noitada de Kursk, o jovem médico Mikhail Tikhonov, 27, conheceu a bela morena Nina Surgutskaya. O encontro foi perfeito já que ambos imediatamente gostaram um do outro. Um gole de vodka aqui e outro ali, Nina convidou o médico para terminar a noite em seu apartamento. No apartamento da moça eles continuaram bebendo e logo estavam fazendo sexo. Em dado momento Mikhail percebeu algo fora do comum e questionou Nina. Então ela revelou que era uma transsexual que recentemente passara por uma cirurgia de mudança de sexo. Mikhail ficou enlouquecido e a estrangulou até a morte. Não satisfeito, o médico levou o corpo até o banheiro e resolveu colocar em prática suas aulas de anatomia, esviscerando Nina, cortando em pedaços seus órgãos internos e jogando-os no vaso sanitário. A carne, “para evaporar o excesso de líquido”, foi assada no forno. A cabeça, ainda presa a coluna, e os membros foram levados pelo assassino. Para disfarçar o mau cheiro, Mikhail cobriu a cabeça e a espinha com sal. O médico negou as suspeitas de canibalismo afirmando que jogou a carne humana cozida no vaso sanitário. No link abaixo imagem da cabeça da vítima ainda presa a espinha.

25. Terra dos AçougueirosMéxico


Playa del Carmen, Quintana Roo, México | 12 de Abril

Em meados de abril um vídeo emergiu nas redes sociais mostrando membros do Gentes de Aquiles, uma das 10 células leais ao narcotraficante El Chapo, decapitando um homem que supostamente integraria um cartel rival.

Vendado e de joelhos, o homem tem a cabeça puxada para trás pelos cabelos por um dos criminosos enquanto outro golpeia o seu pescoço com um facão. Decapitar um ser humano não é para amadores e o vídeo mostra isso. Eles começam com um facão e terminam com uma serra. Com extrema dificuldade para arrancar a cabeça do homem, os bandidos se organizam com um segurando o corpo da vítima enquanto outro pisa na sua cabeça com o pé para que o terceiro serre.

Posteriormente a cabeça foi deixada na frente de um órgão da prefeitura num claro aviso para policiais e políticos corruptos que atuam em favor de organizações rivais.

“Para o povo de Playa del Carmen, nós chegamos a esta cidade para acabar com os traidores e policiais corruptos filhos da puta. Não se assustem, o problema não é com você mas contra todos os taxistas, líderes estaduais e promotores que estão a serviço dessas quadrilhas. Nós realmente somos um cartel, então cuidado, porque eu vou cortar todos vocês em pedaços e a prova está aí. Estamos vindo para todos que estão na lista e eu vou pegar vocês com as calças abaixadas”.

[Cartaz deixado ao lado da cabeça]

Veja o vídeo gravado pelos criminosos abaixo.


26. Pior atentado terrorista do anoSri Lanka


Sri Lanka | 21 de Abril

O Sri Lanka é o destino de 2,5 milhões de pessoas por ano. Eles são atraídos por paisagens que vão desde florestas tropicais e planícies áridas até praias paradisíacas, templos budistas e ruínas milenares. Após 25 anos de uma sangrenta guerra civil, esta pacata ilha ao sul da Índia investiu em infraestrutura que transformou o turismo em uma dos pilares da economia local.

Contudo, o país que era considerado um dos destinos turísticos mais seguros da Ásia foi tomado pelo caos.

O dia 21 de abril de 2019 era um dia especial para a pequena comunidade cristã do país, que representa aproximadamente 10% da população. Era Domingo de Páscoa, e as igrejas estavam repletas de fieis celebrando a tradição cristã da ressurreição de Jesus Cristo. Às 8:25, uma explosão mandou pelos ares a Igreja do Santuário de Santo Antônio. Era o primeiro de uma série de oito atentados a igrejas e hotéis de luxo que acabaria matando aproximadamente 258 pessoas, entre elas 45 estrangeiros. Os ataques ocorreram em sete cidades do país: Colombo, Kochchikade, Katuwapitiya, Batticaloa, Negombo, Dehiwala e Dematagoda. 

Planejado para causar o máximo de destruição possível, os ataques coincidiram com o horário em que pessoas estavam na missa e os turistas saboreavam o café da manhã.

Num primeiro momento era impossível dizer quem estava por trás dos ataques, mas o nível de coordenação indicava um grupo altamente organizado. A polícia agiu rápido e três dias depois cerca de 60 pessoas haviam sido presas, revelando o plano suicida. Nove pessoas executaram os ataques: oito homens e uma mulher, esposa de um dos terroristas. Restava saber quem eles eram.

O Estado Islâmico chegou a assumir a autoria dos ataques, mas as autoridades afirmam que os suspeitos pertenciam a um grupo extremista islâmico chamado National Thawheed Jamaath. Com era de se esperar, as atenções logo se voltaram para a também pequena comunidade muçulmana do país, que representa outros 10% da população. Hotéis passaram a proibir o uso de qualquer tipo de cobertura facial, e um congressista chegou a discutir uma proibição nacional de adereços religiosos como burcas e nicabs.

O caso chamou a atenção para o processo de radicalização islâmica no país, com a revelação de que famílias “bem-educadas e da elite” estavam aderindo a grupos extremistas. Dois dos terroristas, Imsath Ahmed Ibrahim e Ilham Ahmed Ibrahim, eram membros de uma das famílias muçulmanas mais ricas da capital e ligada à elite política e empresarial do Sri Lanka. Ambos eram filhos do proprietário da maior exportadora de pimentas do país. Inshan Seelavan, identificado como “mentor” dos ataques, possuía uma fábrica de cobre na cidade de Colombo. Abdul Lathief Jameel Mohamed chegou a estudar na Inglaterra entre 2006 e 2007. Todos morreram nos ataques.

O president do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, exigiu a renúncia de um dos ministros da defesa do país, Hemasiri Fernando, e do Inspetor Geral de Polícia Pujith Jayasundara, em razão da negligência com relatos de inteligência que levaram aos ataques. Foram feitos alertas aos serviços de segurança do Sri Lanka – incluindo um memorando enviado ao Inspetor Geral de Polícia dez dias antes, mas nenhuma medida foi tomada para impedir os atentados.

Abaixo, vídeos de câmeras de segurança gravam o arrepiante momento em que um dos terroristas entra dentro de uma igreja.

27. Criança: vigilância total


Karatau, Jambyl, Cazaquistão | 24 de Abril

Quando falamos em nossos filhos não existe meio termo: é dedicação total, proteção total e vigilância total.

Por que?

Porque o mal existe e está presente em quem menos se espera, onde menos se espera. Todos os anos citamos pelo menos um caso de uma criança assassinada por um maníaco cuja morte teria sido evitada se os pais fossem super protetores. E quando digo super protetores não quero dizer colocar o filho dentro de uma bolha para ele crescer alienado, mas sim protegê-lo, mesmo que de longe, na idade onde é mais vulnerável.

Os pais da pequena Aruai Berik, 9, cometeram um erro muito comum: achavam que viviam num lugar onde crimes não existiam ou pessoas ruins não existiam. Por isso, quando o avô não pôde buscar a neta na escola de dança no dia 24 de abril de 2019, eles autorizaram o professor de dança a deixá-la vir sozinha. A casa ficava a menos de um quilômetro da escola e a menininha já sabia o caminho de cor de tantas vezes ir e vir. Ela nunca chegou.

Seu corpo foi encontrado queimado dias depois.

Como muitos maníacos adormecidos, Zhaksylyk Baydildaev, 37, tinha um demônio dentro de si, um demônio que ele não controlou quando viu a pequena Berik caminhando sozinha na rua. Ele olhou para um lado, para o outro, e não viu ninguém. Era a oportunidade perfeita. A garotinha foi atraída até um lote baldio onde foi brutalmente estuprada e morta com golpes na cabeça antes de ser incendiada.

Condenado em novembro de 2019, Baydildaev, casado e pai de família, passará o resto da vida atrás das grades. E mais. Será quimicamente castrado através do esteroide anti-andrógeno ciproproterone.

Abaixo vídeo de uma câmera de segurança capta o momento em que Aruai Berik caminha atrás do seu assassino em direção a morte.

28. O EsquartejadorRússia


Krasnoiarsk, Krai de Krasnoiarsk, Rússia | Maio

Em meados de 2019 moradores da região de Kirov relataram a polícia o desaparecimento de uma mulher de 44 anos. Por mais de um ano ninguém a via e para a polícia o marido de 51 anos revelou não saber do seu paradeiro já que ela abandonara o lar após uma briga.

Usando um radar geoespacial, a polícia escaneou a chácara onde o casal morava e logo eles encontraram algo estranho debaixo da terra. Era os pedaços da mulher. Preso, o marido confessou ter assassinado, esquartejado e enterrado a esposa após uma crise de ciúmes.

Mas mais surpresas estavam por vir.

Dando uma olhada no apartamento onde o homem morava na cidade de Krasnoiarsk, investigadores de polícia notaram uma carne muito estranha na geladeira. Era o que sobrou da mãe do homem. A mulher de 83 anos morava com o filho e foi morta em maio de 2019. O homem então picou o corpo e armazenou na geladeira. A maior parte do corpo estava faltando e o homem não revelou o que fez com a carne e os órgãos sumidos.

Os nomes dos envolvidos não foram divulgados.

Abaixo, vídeo da polícia russa mostra perita examinando o apartamento, incluindo a geladeira onde foi encontrado o que restou da mãe do acusado.

29. O serial killer do FacebookAfrica do Sul


Vila de Numbi, Mpumalanga, África do Sul | Maio

Acusado: Julius Thabiso Mndawe | 25 anos

Crime: Mpumalanga, na língua Zulu, quer dizer “o lugar onde o Sol nasce”, é uma província sul-africana que faz fronteira com Moçambique e Suazilândia. No domingo, 14 de julho de 2019, o Sol nasceu em Mpumalanga, mas não tão brilhante como nos outros dias. Neste dia, a polícia exumou três corpos de mulheres no quintal de uma casa na vila de Numbi. A descoberta dos corpos ocorreu após a prisão de Julius Thabiso Mndawe, 25. No total, cinco corpos de mulheres foram desenterrados do quintal do serial killer. As vítimas foram identificadas como Tokkie Tlaka, 24, Banele Khoza, 15, Noxolo Mdluli, 19, Felicia Shabangu, 17, e Nomthandazo Mdluli, 19 – as quatro últimas foram assassinadas em 2018 e Tokkie Tlaka em maio de 2019. Julius Thabiso atraia as vítimas através do Facebook; ele as estuprava e as estrangulava, enterrando-as em seu quintal. “Aqui está uma senhorita do Facebook“, disse ele aos policiais ao apontar uma das covas. “Nós prendemos o suspeito após ele matar uma mulher de 24 anos na semana passada. Através de investigações, o acusado disse à polícia que ele matou uma de 15 anos também e apontou para a cova e nós exumamos o corpo na sexta-feira. Mais tarde ele confessou que havia mais três corpos enterrados em seu quintal, o que levou a polícia a continuar as exumações no domingo, e três corpos foram encontrados”, revelou Leonard Hlathi, porta-voz da polícia de Mpumalanga. Abaixo, o serial killer aparece no tribunal para ser acusado.

30. Criança AssassinaEstados Unidos


Fawn River Township, Michigan, Estados Unidos | 6 de Maio

Vítima: Pauline Randol | 51 anos

Crime: Mulher amorosa e de grande coração, Pauline Randol fez tudo o que podia para ajudar o seu filho mais novo, de nove anos. O menino, que havia sido adotado em 2016, era mentiroso e violento. Certa vez, Pauline confessou a um médico que estava aterrorizada com o pensamento de que poderia estar criando um potencial serial killer. O menino vinha de um lar problemático. Sua mãe biológica usou drogas durante a gravidez; ele tinha problemas psiquiátricos e supostamente viveu um inferno antes de ser adotado. Pauline fez a sua parte, mas amor e carinho não foram o suficiente, então ela marcou uma consulta com um especialista para o dia 7 de maio. Mãe e filho, entretanto, não chegaram a ir. A criança, cujo nome não foi divulgado [mas fotos podem ser vistas no perfil do Facebook de Pauline] matou a própria mãe com um tiro de rifle na sala de estar. Quando a polícia chegou, o menino mentiu: caçadores haviam matado a sua mãe. Depois mudou de versão, foi o seu pai adotivo. Preso, e apesar da idade, o garoto foi oficialmente acusado de assassinato e levado para ser tratado em uma instituição mental. A lei do estado do Michigan o considera não competente para ir a julgamento, já que tem menos de 10 anos, mas a promotoria trabalha para levá-lo a um tribunal. O caso corre sob segredo de justiça.

31. Familicídio DuploNepal


Miklajung, Panchthar, Nepal | 20 de Maio

Duas famílias inteiras foram massacradas na noite de 20 de Maio em Miklajung, sul do Nepal.

Os corpos das famílias Sherma e Phiyak foram encontrados mutilados. Ao todo, nove pessoas foram assassinadas, cinco da família Sherma e quatro da família Phiyak.

As vítimas foram identificadas como sendo Dhanraj Sherma, 41, Jasmita Phiyak, 36, Mana Kumari Phiyak, 26, Iksha Sherma, 6, Yobana Sherma, 13, Muna Sherma, 8, Bam Bahadur Phiyak, 74, e sua esposa Pharsi Phiyak, e Aashika Khajum Limbu, 12.

A polícia acredita que o assassino em massa seja Man Bahadur Makhin, marido de uma das vítimas, Kumari Phiyak.

Bahadur Makhin foi encontrado morto em sua casa. A perícia afirmou que ele cometeu suicídio. Com o principal suspeito morto é difícil saber o que realmente aconteceu, mas acredita-se que Makhin tenha assassinado a esposa e sua família, além da família do irmão da esposa (Dhanraj Sherma), devido a desavenças após a separação.

32. Monstruosidade, Monstruosidade, MonstruosidadeBrasil


Brasília, Distrito Federal, Brasil | 31 de Maio

“Fui bombeiro por 12 anos. Vi muita tragédia humana… mas nunca vi algo parecido. Nessa vida de policial, vemos muita coisa ruim. Esse caso foi a natureza humana no seu mais brutal aspecto”.

[Guilherme Sousa Melo, delegado de polícia]

“É um caso gravíssimo, extremamente bizarro, e que precisa ser mais estudado. Infanticídio não é tão raro. Mas o quadro chama atenção por envolver, além de infanticídio, extrema brutalidade, com pré-amputação peniana… Essas duas mulheres, em outros países, seriam sentenciadas à pena de morte ou à prisão perpétua…Tudo tende a nos levar a enquadrá-las para o lado da psicopatia.”

[Raphael Boechat, psiquiatra e professor da UNB]

Não é necessário exagerar sobre o caso Rhuan Maycon. A verdade já é o suficiente.

Rosana Auri da Silva Cândido, 27, certamente não era uma boa mãe, prova disso é que um juiz deu a guarda de seu filho, Rhuan Maycon da Silva Castro, 9, ao pai.

Mas em 2014, Rosana e sua namorada, Kacyla Pryscila Santiago Damasceno Pessoa, 28, fugiram de Rio Branco, no Acre, com os filhos de ambas: Rhuan, filho de Rosana, e uma menina de 4 anos (na época), filha de Kacyla.

Para não deixar rastros já que as famílias paternas das crianças as buscavam desesperadamente, Rosana e Kacyla pingaram de cidade em cidade até se estabeleceram em Samambaia do Sul, Brasília.

Para Rhuan e a filha de Kacyla, ter uma vida nômade era o menor dos problemas. Durante cinco anos, os dois passaram por abusos físicos e psicológicos indescritíveis. Eles não frequentavam a escola, passavam fome e eram torturados pelas próprias mães. Rosana e Kacyla obrigavam os filhos pequenos a manterem relações sexuais entre si e em 2018 Rosana cortou com uma faca o pênis e os testículos do filho. Mais tarde, ela diria que Rhuan queria ser uma menina, por isso o mutilou. Durante um ano, sem ir até um hospital, Rhuan sofreria de dores e dificuldades ao urinar.

Mas o pior estava por vir.

Na noite de 31 de maio de 2019, as duas mulheres foram até o quarto do pequeno Rhuan. Rosana observou seu filho enquanto dormia antes de lhe desferir uma facada no peito. Assustado, Rhuan ainda se levantou e se ajoelhou ao lado da cama. Enquanto Kacyla o segurava, Rosana desferiu mais 11 golpes de faca no próprio filho antes de começar a cortar a sua cabeça. Quando a cabeça de Rhuan foi separada do corpo, seu coração ainda batia. Ele foi decapitado vivo pela própria mãe.

A barbárie continuou.

Enquanto Rosana esquartejava o filho, Kacyla acendia a churrasqueira. A ideia era assar partes do corpo, fazendo com que a carne se desprendesse dos ossos. Elas até tinham um martelo que usariam para triturar os ossos.

Rosana retirou toda a pela do rosto de Rhuan. Para tornar o corpo ainda mais irreconhecível, a própria mãe também tentou retirar, com a faca, os globos oculares da vítima.

Após tentar assar o tórax, cabeça, pernas e braços, as mulheres desistiram ao perceberem que a carne não desprendia dos ossos como elas esperavam. Resolveram então dividir as partes do corpo em duas mochilas infantis. Uma delas foi jogada em um bueiro e encontrada por crianças.

À polícia, a mãe de Rhuan disse que apenas “sentia ódio e nenhum amor pela criança”.

Em um caso como este, não há o que dizer. Nos resta apenas o silêncio da incredulidade.

No vídeo abaixo, Kacyla, ao lado de Rosana, fala sobre o crime.

33. Colheita Maldita em Larga EscalaChina


China | Junho de 2019

“Milhares de inocentes foram mortos por seus corpos, abertos enquanto ainda estavam vivos para que seus rins, fígado, coração, pulmão, córnea e pele fossem removidos e transformados em mercadoria para venda”.

Prática da Roda da Lei é uma prática espiritual chinesa que combina meditação e exercícios de qigong com uma filosofia moral centrada nos princípios da verdade, compaixão e tolerância. Em 1999, os praticantes deste grupo espiritual foram banidos da sociedade pelo partido comunista chinês após 10 mil membros aparecerem na frente da sede do partido em Pequim em um protesto silencioso. Desde então, a prática foi criminalizada e milhares de praticantes presos. Uma simples busca na Internet para fins de pesquisa pode levar o indivíduo a cadeia.

Em junho de 2019, o China Tribunal, um tribunal independente baseado em Londres que investiga ações criminosas do governo chinês, publicou um relatório onde afirma que a China opera um gigantesco esquema de tráfico de órgãos humanos. Segundo o tribunal, tal esquema é monstruoso e configura crimes contra a humanidade.

“Por anos em toda China [isso aconteceu] em uma grande escala, e continua hoje. A colheita já matou centenas de milhares de vítimas. Vítima a vítima e morte a morte, cortando os corações e outros órgãos de pessoas vivas, inocentes, inofensivas e pacíficas, constitui uma das piores atrocidades em massa deste século. Transplantes de órgãos para salvar vidas é um triunfo social e científico. Mas matar o doador é criminoso.”

[Hamid Sabi, conselheiro do China Tribunal]

Ainda segundo o tribunal, a maioria das vítimas seriam pessoas presas por supostamente estarem ligadas a Prática da Roda da Lei.

Os investigadores do tribunal ouviram depoimentos de médicos chineses que fugiram do país. Um ex-cirurgião da região de Xinjiang, e que agora mora em Londres, revelou ter removido os rins de um prisioneiro ainda vivo. Já outro médico chinês que fazia residência no Hospital Geral do Exército de Shenyang revelou que trabalhava na “colheita” de fígados, rins e córneas de prisioneiros “não executados completamente”. Huige Li, professor de farmacologia no Centro Médico da Universidade de Mainz, Alemanha, que também deu o seu testemunho, revelou que “não executados completamente” significava muitas vezes um prisioneiro que havia levado um tiro no lado direito do tórax, o que não o matava imediatamente, para que a circulação sanguínea continuasse para os órgãos durante a colheita.

Há muitos anos o mundo suspeita do esquema assassino chinês de tráfico de órgãos. Um estudo profundo do canadense David Matas de 2016 sobre a questão foi mundialmente aclamado. Matas, que pesquisa e investiga a suspeita desde o início dos anos 2000, chegou a ser indicado ao Prêmio Nobel da Paz em 2010 pelos seus trabalhos.

O governo chinês nega todas as acusações.

34. Maníaco em SérieBrasil


Planaltina, Goiás, Brasil | 2 de Junho

Acusado: Marinésio dos Santos Olinto | 41 anos

Crime: o cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto tinha um truque para engambelar mulheres: as abordava na rua se dizendo motorista de transporte por aplicativo. O preço era uma pechincha. Como o transporte no entorno de Brasília é uma tragédia, proliferou-se um mercado irregular de vans e motoristas piratas, por isso algumas mulheres aceitavam entrar. Como citado por nós no post sobre Patrick Kearney, aceitar carona ou entrar em carro de estranhos é uma péssima ideia. No caso de Planaltina, as vítimas logo percebiam que haviam entrado numa cilada. Duas irmãs tiveram que usar uma barra de ferro encontrada no carro para escapar. Já outra foi esganada, mas conseguiu lutar contra ele e fugir. Outra vítima teve que pular do carro em movimento. Essas tiveram sorte. Pelo menos 10 outras foram estupradas e duas assassinadas. Genir Pereira de Sousa, 47, foi estuprada e estrangulada após ser pega pelo maníaco em um ponto de ônibus. Já a advogada Letícia Sousa Curado Melo, 26, foi estrangulada em 23 de agosto após aceitar uma corrida oferecida por Marinésio. “Ele não sabe explicar por que mata. Só vai lá e executa. Não tem um perfil de mulher, de idade, escolhe aleatoriamente[Jane Klébia, delegada de polícia].

35. Menino de FamíliaBrasil


São José dos Pinhais, Paraná, Brasil | 4 de Junho

“Meu filho não é bandido, é menino de família, que cresceu com base, com educação, com tudo que tinha direito. Ele quer ser médico, estudava muito e fazia teatro há três anos”.

[Denise Beckmann]

Reportagens de TV com entrevistas a vizinhos de Denise Beckmann confirmam o que ela disse: seu filho, Luiz Gustavo Otovicz, 14, tinha tudo o que ela podia oferecer. Mãe cuidadosa e presente, Denise era separada do marido e morava com seus filhos adolescentes Erica Luiza, 12, e Luiz. Ambos estudavam e participavam de atividades artísticas e esportivas. Fotos no perfil do Facebook de Denise mostram uma família feliz e unida. Ela fazia tudo pelos filhos e adorava ser mãe, como atesta a legenda desta foto publicada em 5 de maio de 2018.

“Minha família era perfeita. Batalhei muito para dar do bom e do melhor. Comiam o que queriam. Viajávamos muito. Meu filho fazia banco pra mim. Minha filha fazia bolo.”

[Denise Beckmann]

Luiz Gustavo, em sua superfície, era um garoto como qualquer outro. Gostava de games, era parceiro da irmã, ajudava a mãe, ia a escola e participava de atividades artísticas. Seu perfil do Facebook, porém, mostra um adolescente enigmático. Suas últimas fotos postadas o mostram com colegas mascarados em um campo de paintball. Em uma das fotos, ele está apontando uma arma. Sua mãe Denise comentou com um coração. Já outra foto parece mais misteriosa: o anime de um garoto cujo rosto é mostrado após tirar uma máscara. A legenda: Luiz.

Em 4 de junho de 2019, Denise, como fazia todos os dias, saiu do trabalho por volta do meio-dia para ir até a sua casa fazer o almoço para os filhos e levar Erica a escola. Ao chegar deparou-se com uma cena horrorosa: Luiz Gustavo acabara de matar a irmã Erica a golpes de martelo. A vítima sofreu tantos golpes que ficou completamente desfigurada. Em desespero, Denise avançou sobre o corpo da filha e Luiz recuou. Então, Luiz tentou matar a própria mãe desferindo um golpe de martelo em sua nuca. Ele só parou quando o cabo quebrou. Luiz tentou fugir pulando da janela, mas machucou as pernas. “Eu não conseguia parar”, teria dito ele a vizinhos que o cercaram

Todas as cartas estão na mesa: psicopatia, surto psicótico, amnésia dissociativa, desorganização psíquica momentânea ou outro transtorno psíquico? O caso corre sob sigilo total.

36. Monstro AssassinoBrasil


Bairro Pedreira, São Paulo, Brasil | 9 de Junho

Espancador de mulheres e crianças. Possessivo. Ladrão de banco e assaltante. Este é um pedaço do currículo de Paulo Cupertino Matias, 48.

Trabalhando em uma oficina, ele parecia ter deixado a vida criminosa para trás. Mas era tudo fachada. As peças de automóveis eram roubadas e dentro de casa ele continuava a espancar a esposa e os filhos. Pior ainda era saber que sua filha adolescente, Isabela Tibcherani, 18, estava namorando um rapaz. Ele não aceitava.

Em 9 de junho de 2019, querendo oficializar o namoro e mostrar ao pai da namorada que ele tinha boas intenções, Rafael Miguel, 22, namorado de Isabela e conhecido por ter aparecido na televisão no papel de Paçoca, personagem da novela infantil “Chiquititas”, do SBT, foi até a casa do sogro para conversar com ele. Mas Rafael não foi sozinho. Ele chamou os pais, João Alcisio Miguel, 52, e Miriam Selma Miguel, 50, para apresentá-los à família da namorada.

Foi Miriam quem bateu na porta da casa de Paulo e o próprio atendeu. Ele abriu a porta e viu Miguel, seus pais, e sua filha Isabela. “Vamos conversar?” Perguntou a mãe de Miguel. Sem dizer uma palavra, Paulo puxou a filha pelo braço e a empurrou para dentro de casa, então olhou para Miguel e disse: “Por quê você não veio conversar antes comigo?” Antes que Miguel pudesse responder, Paulo puxou uma arma e disparou três vezes, matando Miguel e seus pais.

O crime chocou o Brasil pela brutalidade.

Caçado por toda polícia de São Paulo, Paulo Cupertino foi capaz de evadir e até o momento permanece foragido.

37. Sangue na SelvaCongo


Província de Ituri, Djugu, Congo | 11 de Junho

“Matar não é suficiente. Nós temos que aterrorizar as pessoas”.

Um dos países mais caóticos do mundo, a República Democrática do Congo vive em guerras desde o início de sua história moderna. Hoje não é diferente e enquanto tropas militares trocam tiros com rebeldes ao mesmo tempo em que ambos cometem atrocidades inimagináveis por onde passam, os grupos étnicos do país que não se gostam aproveitam a bagunça para também promoverem massacres.

Dois desses grupos, Lendu e Hema, vivem em guerras desde a ocupação belga no início do século passado. Em janeiro de 2020, a ONU publicou um relatório onde aponta que milícias armadas na província de Ituri estão dizimando a população Hema, configurando segundo a entidade “crimes contra a humanidade”.

Segue alguns crimes apontados no relatório:

  • entre maio e junho de 2019, homens Lendu atacaram várias aldeias no território de Mahagi; na aldeia de Alur 60 pessoas foram assassinadas;
  • 10 de junho de 2019: uma emboscada matou quatro membros dos Lendu – os Lendu acusaram os Hema de planejarem e contratarem pistoleiros para o crime;
  • entre 10 e 14 de junho de 2019 os Lendu promoveram diversos ataques a aldeias Hema – houve violência sexual, saques e queimas de comunidades inteiras;
  • 10 de junho de 2019: uma mulher de 25 anos foi estuprada por um grupo Lendu na frente do marido e dos três filhos. O marido tentou defendê-la e foi assassinado juntamente com o filho de 8 anos – a criança foi decapitada;
  • 11 de junho de 2019: 49 pessoas Hema foram assassinadas em aldeias na localidade de Tche;
  • 11 de junho de 2019: 16 pessoas Hema foram assassinadas e mutiladas em Rule;
  • entre 2 e 18 de setembro de 2019 35 pessoas Hema foram assassinadas em ataques nas localidades de Bahema e Bahema Badjere;
  • 14 de setembro de 2019: 14 pessoas Hema, das quais 11 eram crianças, foram decapitadas em Bukatsele;
  • 18 de setembro de 2019: 10 pessoas Hema foram mortas nas aldeias de Koli e Kpatiz;

“Uma das principais questões dos ataques é o controle da terra pelos Lendu. Estes consideram as terras do território Djugu como sua propriedade ancestral e exigem uma fronteira clara entre eles e as populações Hema. A barbárie que caracteriza esses ataques – como decapitações de mulheres e crianças com facões, desmembramentos e o fato de carregar certas partes do corpo das vítimas como troféus de guerra – reflete a vontade dos agressores de traumatizarem de maneira duradoura as populações Hema, para forçá-las a fugir e não retornar às suas aldeias”.

[Trecho do relatório da ONU sobre os conflitos em Djugu]

38. Batalha MedievalInglaterra


Stratford, Londres, Inglaterra | 17 de Junho

Acusada: Asta Juskauskiene | 35 anos

Crime: Bizarrice pouca é bobagem. A coisa já começa estranha quando uma mulher casada, mãe de quatro filhos, decide largar o marido após conhecer um garotão na Internet. E o tal garotão era um ex-detento que acabara de sair de uma cadeia da Lituânia, um dos países barra-pesada do leste europeu. Manipuladora, enquanto Mantas Kvedras, 25, não chegava, Asta Juskauskiene se divertia sexualmente com o ex-marido, Giedrius Juskauskas, 42, que ainda nutria esperanças de uma reconciliação. Quando o novo amor barra pesada chegou da Lituânia, Asta o colocou para dentro de casa. Como o marido continuava nas sombras, e querendo resolver a situação da melhor maneira possível, a loira inglesa teve uma ideia original: uma batalha medieval entre os dois pretendentes num beco de Stratford, Londres. Quem sobrevivesse ao duelo teria o direito à sua bela e delicada mão. Sim, eles aceitaram esta loucura. Mais novo e provavelmente com a alma mais preparada para o abate de pessoas, o jovem lituano não teve muitas dificuldades em mutilar o ex-marido de Asta com 35 facadas. Condenados em janeiro de 2020, Asta e Mantas poderão pegar a perpétua [a fase de sentença está marcada para 7 de fevereiro de 2020].

39. Sugar KillerEstados Unidos


Salt Lake City, Utah, Estados Unidos | 18 de Junho

Vítima: Mackenzie Speth Lueck | 23 anos

Crime: A universitária americana Mackenzie Lueck não escondia de ninguém o que fazia em aplicativos de namoro como Seeking Arrangement e Tinder: conhecer sugar daddies. Ela procurava homens com mais de 35 anos, MUITO bem resolvidos financeiramente e que poderiam lhe dar “mimos” em trocas de “favores” sexuais ou empresariais. “Tente o Tinder e seja franca quanto a isso. Minha [bio] diz: ‘Quero um relacionamento SD/SB com uma conexão real.’ Se [eles] não sabem o que é isso não valem realmente o seu tempo. Defina suas preferências de idade a partir dos 35 anos. Você terá mais sorte lá. Me envie mensagens privadas se você tiver mais perguntas! Eu tenho experiência“, comentou Mackenzie em um grupo privado do Facebook após pergunta de uma participante. Em outro comentário ela diz que tem experiência no site Seeking Arrangement, mas no Tinder era melhor porque lá ela havia conseguido dois sugar daddies. Seu perfil do Instagram também deixava claro o que ela procurava. Interessados não faltavam. O problema é que no mundo escondido da Internet os lobos espreitam. Em 17 de junho ela saiu para um date com um suposto sugar daddy e desapareceu. O que restou do seu cadáver carbonizado foi encontrado enterrado no quintal do imigrante nigeriano Ayoola Ajayi, 31. “Havia um buraco de cinco centímetros no lado esquerdo do crânio com parte do couro cabeludo faltando“, disseram as autoridades.

40. Horror NarcoMéxico


Rosario Tesopaco, Sonora, México | 21 de Junho

A carnificina promovida pelos narcotraficantes mexicanos parece coisa saída da mente de um roteirista de filmes gore. Mas estamos falando do nosso mundo real e o que acontece praticamente todos os dias em algum lugar do México nos dá uma dimensão do quanto ainda falta para atingirmos o mínimo de civilidade enquanto civilização.

Se alguém tiver estômago para assistir ao vídeo abaixo, ele mostra três homens capturados após um enfrentamento entre cartéis rivais. Eles são torturados e castrados vivos. Não satisfeitos, os agressores enfiam os genitais das vítimas em suas bocas e os obrigam a mastigá-los e comê-los. Por fim, os homens são decapitados.


41. Ex-ManíacaBrasil


Paulista, Pernambuco, Brasil | 25 de Junho de 2019

Vítima: Raissa Sotero Rezende | 14 anos

Crime: a adolescente Raissa Rezende foi brutalmente assassinada em junho de 2019. Ela foi espancada, esfaqueada, afogada e teve a cabeça batida em pedras pela ex-namorada de apenas 15 anos que sofria de um ciúme doentio. O relacionamento das duas foi marcado por violências físicas e psicológicas, ameaças e um sentimento de posse da assassina pela vítima. Quando começou a namorar aquela que viria a ser sua algoz, Raissa mudou, se afastou dos estudos e da família, e chegou a passar 20 dias desaparecida, em companhia da acusada. Suas pernas eram a marca do relacionamento: continham várias cicatrizes, resultados de ameaças a faca da namorada. Finalmente, após cerca de 1 ano e meio, Raissa tomou coragem e pôs um ponto final no relacionamento abusivo, e isso aumentou ainda mais a ira da agora ex. Com medo, Raissa mudou de casa e de escola. Mas no final de junho de 2019, ela foi atraída pela ex até a praia de Maria Farinha, em Paulista, grande Recife, e assassinada. Para assassinar Raissa, sua ex contou com a ajuda de outra menina de 15 anos. Enquanto a amiga filmava com um celular e gritava palavras de apoio, a ex maníaca agredia violentamente Raissa, que usava seu uniforme de escola. O vídeo foi compartilhado e se tornou viral no WhatsApp. As agressões só foram interrompidas quando uma mulher apareceu e começou a questionar as agressoras. Em resposta, e para justificar o seu ato, a ex-maníaca retruca que Raissa “comeu homem casado“. Veja o vídeo abaixo. Atenção! Vídeo não recomendado para pessoas sensíveis! 


42. Inveja AdolescenteRússia


Arkhangelsk, Arcangel, Rússia | 29 de Junho

Vítima: Viktoria Averina | 17 anos

Crime: quando o corpo da adolescente Viktoria Averina foi encontrado num prédio abandonado na cidade de Arkhangelsk a polícia pensou que ela havia sido morta por um maníaco. O rosto de Averina estava desfigurado e seu corpo continha hematomas consistentes com tortura. Somente um homem sádico e doente poderia ter feito isso, pensaram. Mas a verdade era muito pior. Viktoria foi assassinada por duas amigas de colégio, Lina e Irina, ambas de 16 anos. O motivo do crime é surreal: Viktoria era mais bonita do que as amigas. Em 29 de junho as adolescentes atraíram a amiga até o local do crime e a atacaram com socos, pontapés e pedaços de pau. Em dado momento uma delas pegou uma garrafa e quebrou na cabeça da vítima. Para punir a amiga pela beleza extrema, Lina e Irina pegaram os cacos de vidro da garrafa quebrada e retalharam o rosto dela. Para terminar o serviço, pegaram um cinto e enforcaram Viktoria. A investigação policial concluiu que o crime foi motivado pela inveja das amigas da beleza de Viktoria. Por ser mais bonita, Viktoria fazia mais sucesso na escola e os rapazes falavam mais nela. Ambas assassinas combinaram o assassinato em reuniões pessoais, conversas telefônicas e trocas de mensagens. Discutiram o local e como iria matá-la, bem como métodos para esconder o corpo e evidências. Elas usaram luvas de borracha além de terem levado cintos, sacolas plásticas e produtos de limpeza.

43. Honra defendidaPaquistao


Multan, Província de Punjab, Paquistão | 30 de Junho

Muhammad Ajmal e sua esposa Kira moravam com os dois filhos na Arábia Saudita. Ele era costureiro e o casamento não não estava indo muito bem, então Kira decidiu voltar para a terra natal do casal, o Paquistão, com os filhos.

A vida ia caminhando para os dois até Ajmal ver uma foto da mulher numa rede social. Ela estava na casa de amigos e havia homens na foto. Era o suficiente.

Ajmal voou de volta até o Paquistão e junto com seu pai, Muhammad Zafar, e seu irmão Ashmal, cometeu uma atrocidade que chocou os paquistaneses, mesmo a nação estando acostumada aos chamados crimes de honra.

Ajmal invadiu a casa da família da esposa e cruelmente assassinou a esposa, seus dois filhos – Aima e Aadil -, três cunhadas, dois dos filhos das cunhadas e sua sogra Tasleem Bibi. Quatro das vítimas foram trancadas em um quarto e queimadas vivas, as outras foram mortas a tiros de metralhadora.

Testemunhas afirmaram que após o massacre da própria família Ajmal saiu pela rua atirando pra cima, como se estivesse comemorando a honra defendida.

Ele foi preso juntamente com seu pai. O irmão permanece foragido.

44. Destino FatalGrécia


Chania, Creta, Grécia | 2 de Julho

Vítima: Suzanne Eaton | 60 anos

Crime: Imagine o contexto: você é uma cientista respeitada no mundo inteiro e acaba de ser convidada para mais uma conferência. E esta não é uma conferência qualquer, é a promovida pela Academia Ortodoxa da paradisíaca ilha grega de Creta. Pode dar errado? Pode. O currículo de Suzanne Eaton, 60, fala por si só. Professora de biologia molecular no Instituto Max Planck de Biologia Celular Molecular e Genética em Dresden, Alemanha, ganhadora de vários prêmios internacionais, faixa preta de Taekwondo, pianista etc. Por suas pesquisas era sempre chamada para participar de conferências mundo afora. Mas até mesmo nos lugares menos imagináveis eles existem. Eu falo dos maníacos. O grego Yiannis Paraskakis, 27, “só queria fazer sexo”. E ele escolheu a renomada cientista para descarregar suas necessidades. Adepta da filosofia “mente sã, corpo são”, Suzanne fazia uma corrida por uma bucólica estrada perto do hotel onde estava hospedada quando foi atingida levemente pelo carro do agressor, mas o suficiente para ela cair e bater a cabeça. Grogue, ela foi colocada dentro do carro e levada até uma casamanta da segunda guerra mundial onde foi estuprada três vezes e jogada dentro de um poço de ventilação. Ela teve “uma morte lenta e dolorosa”, revelou o médico-legista. Paraskakis, que é casado e tem filhos, poderá pegar a prisão perpétua se for condenado.

45. Massacre TribalPapua Nova Guiné


Vila de Karida, Província de Hela, Papua Nova Guiné | 8 de Julho

Dezoito pessoas: 10 mulheres, 6 crianças e dois fetos que jaziam nas barrigas de suas mães. Todos picados com facões na manhã de 8 de julho de 2019. As pessoas que apareceram depois não sabiam quais pedaços pertenciam a quem.

O massacre ocorreu nas remotas montanhas da província de Hela, na Papua Nova Guiné. Um dia antes, sete outras pessoas também foram massacradas numa aldeia vizinha. E os assassinos não pararam por aí. Nos dias seguintes eles continuaram promovendo massacres que ceifaram as vidas de um total de 30 pessoas, a maioria mulheres e crianças.

Segundo autoridades do país, a onda de matança se iniciou devido à rivalidade entre as tribos Oi Kiru e Libe. Em junho, um guerreiro Libe foi assassinado. Em retaliação, os Libe mataram seis membros da Oi Kiru, incluindo a mãe do líder da tribo. Enfurecido, o líder da Oi Kiru arregimentou os homens da tribo e saiu matando pelas montanhas, deixando um rastro de corpos picados por aldeias.

46. EnlouquecidaQuênia


Nairóbi, Quênia | 9 de Julho

Em 09 de julho de 2019 a comunidade na região de Thome, Nairóbi, se viu aterrorizada diante de uma chacina ocorrida em âmbito familiar. Joyce Wanjiru, de 32 anos, tirou a vida de seu esposo e dois filhos que contavam com 12 e 2 anos de idade, suicidando-se em seguida.

Presume-se que o esposo David Gitau tenha sido morto enquanto dormia, em razão de seu cadáver ter sido encontrado deitado na cama. O ataque da mulher foi iniciado com o uso de um machado para golpear o marido e com o estrangulamento dos filhos com toalhas de mesa. Posterior a chacina, a mulher se enforcou.

A tragédia chegou ao conhecimento da população após os trabalhadores que compravam comida de Joyce constatarem sua ausência no canteiro de obras onde comumente realizava sua mercancia.

Acerca do massacre, as autoridades policiais informaram que a família já havia incorrido em outras desinteligências, mencionando, ainda, que existiam relatos de agressões sofridas pelo marido, das quais ele se envergonhava, embora houvesse tentado procurar ajuda de terceiros. Familiares da autora dos crimes também evidenciaram que a mesma passava por problemas emocionais, que desencadeavam seus momentos de fúria.

47. Não saia com estranhosEstados Unidos


Utica, Nova Iorque, Estados Unidos | 14 de Julho

Vítima: Bianca Devins | 17 anos

Crime: Garota da Internet, a americana Bianca Devins passava a maior parte do seu tempo nas redes sociais, principalmente nos aplicativos Discord e TikTok. Descrita como tímida, Bianca tinha dezenas de amigos que conhecia online, então, sair para encontros com desconhecidos não era nenhum problema para ela. Foi o que ela fez na noite de 13 de julho de 2019 quando entrou no carro de Brandon Andrew Clark, 21, para ir até um concerto na cidade de Nova Iorque. Chegando ao local, eles se encontraram com um amigo de Brandon e os três fumaram maconha dentro do carro. Durante o concerto, Bianca beijou o amigo de Brandon. Na manhã seguinte fotos de Bianca com a cabeça parcialmente decapitada começaram a aparecer no 4chan e no Instagram. As fotos também foram postadas no Discord com a legenda, “Sorry fuckers, you’re gonna have to find someone else to orbit” (“Desculpe filhos da puta, vocês terão que encontrar outra pessoa para orbitar”, em tradução literal). Na gíria adolescente americana “orbitar” é quando um ex-namorado ou um homem segue os passos de uma pessoa nas redes sociais com a intenção de ter um encontro sexual ou romântico. Avisada, a polícia chegou até o carro de Brandon uma hora depois das imagens começarem a circular na Internet. Mesmo sob mira da polícia, Brandon continuou postando fotos no Instagram até tentar o suicídio se esfaqueando no pescoço. Acredita-se que o motivo do assassinato tenha sido Bianca ter ficado com o amigo de Brandon e não com ele.

48. Sem explicaçãoCanadá


Liard Hot Springs, Colúmbia Britânica, Canadá | 15 de Julho

Na noite de 13 de julho de 2019, o casal Lucas Fowler, 23, e Chynna Deese, 24, pararam em um posto de gasolina em Fort Nelson, Colúmbia Britânica. Eles estavam dirigindo uma Van Chevrolet 1986 que Lucas pacientemente consertou para uma viagem a dois pelo oeste do Canadá. O casal gostava de aventuras e nada poderia ser mais romântico para um casal da idade deles do que rumar sem destino em um carro velho pelas belas paisagens canadenses.

Nesse dia, uma câmera de segurança flagrou os dois dando um rápido mas amoroso abraço antes de abastecer o carro e irem embora.

Trinta e seis horas depois, seus corpos foram encontrados numa vala nos arredores da Alaska Highway, a cerca de 20 quilômetros de Liard Hot Springs – em um popular ponto de parada de viajantes.

Assassinados a tiros, este triste episódio foi apenas o começo de uma trágica série de eventos que parou o Canadá e chamou a atenção do mundo.

As mortes chocaram o Canadá, Estados Unidos e Austrália, isso porque Fowler era australiano e Deese americana. A mídia australiana acompanhou todas as reviravoltas do caso, imersa na misteriosa morte de um conterrâneo e sua namorada americana.

Enquanto as famílias de Folwer e Deese lidavam com as notícias angustiantes, outra família, esta canadense, estava prestes a enfrentar o que era, em suas palavras, uma “tristeza impensável” pela perda de um marido e pai.

Em 19 de julho, uma camionete abandonada e queimada foi encontrada perto do lago Deese. A descoberta levou a polícia a um corpo – uma terceira vida interrompida na lateral de uma remota estrada canadense (Canadá e suas estradas…alguém já ouviu falar na Highway of Tears?)

O veículo em chamas foi identificado como sendo de Keith McLeod, morador de Port Alberni. Á polícia, McLeod disse que no dia 12 de julho, seu filho Kam McLeod, 19, e o amigo Bryer Schmegelsky, 18, saíram para procurar emprego numa cidade vizinha e não voltaram.

Isso levou a polícia a fazer um apelo público. Eles acreditavam que os dois adolescentes desaparecidos, se já não estivessem mortos, estavam em perigo a mercê de um misterioso assassino das estradas.

O corpo encontrado perto da picape queimada de McLeod foi identificado como sendo de Leonard Dyck, 64, um professor universitário.

Então veio a bomba. Em 23 de julho, a polícia canadense disse que os dois adolescentes desaparecidos, Kam McLeod e Bryer Schmegelsky, na verdade não estavam desaparecidos, mas sim perpetuando uma onda de matança pelas estradas. Eles eram os assassinos de Fowles, Deese e Dyck.

Após incendiar o carro em que estavam, os adolescentes fugiram na Toyota Rav 4 de Leonard Dyck, percorrendo quase três mil quilômetros pela costa oeste canadense – uma distância aproximada de Londres a Moscou.

Com a ajuda do exército, uma verdadeira caçada humana se iniciou.

Em 29 de julho, a polícia canadense emitiu uma nota afirmando não ter conseguido localizar os adolescentes, o que causou grande alarme já que muitos evitavam pegar estradas com medo de serem vítimas. Mas em 2 de agosto uma pista importante surgiu quando um saco de dormir azul foi visto boiando no Rio Nelson, que corta a província de Manitoba. Cinco dias depois os corpos dos adolescentes foram encontrados em um pântano perto do rio. Uma autópsia revelou que McLeod e Schmegelsky suicidaram com tiros na cabeça.

Ao lado dos corpos a polícia encontrou uma câmera digital – que pertencia a Dyck – com vídeos gravados pelos adolescentes. Nos vídeos eles admitem a responsabilidade nos assassinatos e expressam o desejo de matarem mais pessoas.

No primeiro vídeo, Schmegelsky disse que eles foram os responsáveis pelos três assassinatos. Os dois adolescentes falam que planejam ir até Hudson Bay – onde deságua o Rio Nelson – para roubar um barco e fugir para a Europa ou África.

No vídeo seguinte, Schmegelsky diz que eles chegaram até o rio mas devido ao seu tamanho e forte correnteza tiveram que alterar os planos: suicídio.

No total eles gravaram cinco vídeos. No último eles expressam seus últimos desejos e testamentos e dizem que querem ser cremados.

Eles nunca falaram sobre o porquê dos assassinatos.

“O fato é que ele eram frios, sem remorso”.

[Kevin Hackett, Comissário de Polícia]

49. Inferno em ChamasJapão


Kyoto, Japão | 18 de Julho

Um dos estúdios de anime mais aclamados do Japão ardeu em chamas no dia 18 de julho de 2019.

Responsável por obras famosas como “A Melancolia de Haruhi Suzumiya” e “K-On!”, o Animação Kyoto vinha recebendo ameaças de morte de fonte anônima há mais de ano. Em outubro de 2018, avisados pelo estúdio que as cartas e e-mails continuavam a chegar, e cada vez mais assustadoras, a polícia chegou a fazer rondas no entorno do prédio.

Então, por volta das 10:30 de 18 de julho, um homem desgrenhado e corpulento, vestindo camiseta vermelha e jeans chegou a um dos estúdios da Animação Kyoto no bairro Uji, um prédio de três andares com vizinhança tranquila. Lá dentro, havia cerca de 70 funcionários. Empurrando as portas da frente, o homem já chegou despejando um grande tambor de gasolina no saguão e logo acendeu um isqueiro. “Morra!”, ele gritou.

Houve uma explosão e em 10 segundos o primeiro andar inteiro já ardia em mais de 500 graus celsius. Em 20 segundos o fogo já engolira o segundo andar. Em menos de um minuto uma densa fumaça negra e tóxica saia pelas janelas do último andar.

O fogo imediatamente carbonizou os corpos de 33 funcionários do Animação Kyoto. Outros três morreram nas semanas seguintes devido aos ferimentos. Entre as vítimas fatais estava Yasuhiro Takemoto, 47, um dos “monstros” do anime japonês.

Não havia dúvidas. Este era o maior assassinato em massa no Japão desde a segunda guerra mundial.

No meio do caos do incêndio, vizinhos do prédio começaram a sair de suas casas para ver o que estava acontecendo. Um deles viu quando um homem grande saiu do meio do fogo e caiu na rua visivelmente queimado. Uma mulher foi ao seu socorro e começou a borrifar água fria de uma mangueira em suas feridas. O homem se levantou, tropeçou e caiu de novo. “Eles plagiaram o meu trabalho! Eu exijo falar com o presidente da empresa“, dizia ele.

O assassino em massa era Shinji Aoba, 41, um homem “estranho”, “rude”, “esquisito”, e que “não tomava banho”, segundos seus vizinhos.

Com 90% do corpo queimado, Aoba ficou em coma por três meses e até a edição deste texto ainda estava internado no hospital.

O assassino foi a primeira vítima de queimaduras da história do Japão a receber enxertos de pele sintética. O sistema de saúde japonês tinha um suprimento limitado de pele de doadores e decidiu usar o estoque apenas para suas vítimas.

O caso continua sob investigação das autoridades japonesas e a alegação de Aoba de que teve um trabalho plagiado pelo estúdio Animação Kyoto não foi confirmada (ou desmentida). 

50. Caça às Bruxas!Índia


Vila de Nagar Siskari, Distrito de Gumla, Jharkhand, Índia | 21 de Julho

Como todos os moradores da remota e supersticiosa vila de Nagar Siskari, nordeste indiano, os idosos Suna Oraon, 65, Phagni Devi, 60, Chapa Bhagat, 65, e sua esposa, Piri Devi, 62, passaram uma vida inteira na pobreza, plantando e colhendo como meio de subsistência. Bhagat e sua esposa vendiam batatas; Oraon lavrador e Phagni Devi uma dona de casa.

Naquelas bandas da Índia, a crença no ocultismo está enraizada nos costumes e se fortalece século após século devido à ignorância e falta de acesso a educação e informação.

Em meados de julho, um morador local padeceu de causas desconhecidas e alguns começaram a espalhar o rumor de que a morte do homem deveu-se à bruxaria. Logo, os quatro idosos se tornaram os bodes expiatórios dos moradores supersticiosos; eles teriam “lançado um feitiço na aldeia”.

Na madrugada de 21 de julho de 2019, os quatro foram arrancados de casa por homens mascarados e espancados por mais de uma hora no centro da aldeia com “varas e armas afiadas” enquanto seus vizinhos e amigos que os conheciam de uma vida inteira assistiam. Os dois “bruxos” e as duas “bruxas” morreram em decorrência do espancamento.

A investigação do crime levou à prisão de oito pessoas.

No final de junho, mãe e filha acusadas de bruxaria foram espancadas e retalhadas por seus vizinhos na vila de Rowaoli, também em Jharkhand. No final de julho, duas mulheres e um homem foram obrigados a comerem excrementos humanos após serem acusados de bruxaria em Jhinjhari Mohalla.

Segundo reportagem do Times of India, somente entre maio de 2016 e maio de 2019, 123 pessoas morreram no estado de Jharkhand na chamada “caça às bruxas”.

51. InstagrammerRússia


Moscou, Rússia | 23 de Julho

Vítima: Ekaterina Karaglanova | 24 anos

Crime: A jovem russa Ekaterina Karaglanova se apresentava como influenciadora digital e tinha mais de 80 mil seguidores no Instagram que gostavam de compará-la à estrela de cinema Audrey Hepburn. A jovem vivia postando fotos de si mesma, escrevendo sobre seus planos de redecorar seu apartamento, e sobre viagens ao exterior. Ela vivia viajando pela Europa e em sua última foto ela aparece de perfil na ilha grega de Corfu, “viajar com frequência, mas não gasto mais de 3 a 5 dias em cada país“, escreveu na legenda. Sua próxima viagem seria para a Holanda, em comemoração ao seu aniversário de 25 anos, mas ela nunca fez esta viagem. Ekaterina foi assassinada por um amante, Maxim Gareyev, 33, dentro do seu apartamento. Os pais da vítima a encontraram dentro de uma mala. De acordo com a confissão do assassino, Gareyev teria ficado enciumado e revoltado após a jovem dizer que ele era “feio e que até uma cirurgia plástica não me ajudaria“. Além disso, Ekaterina teria dito que Gareyev era pobre e que ele levaria um ano juntando dinheiro até eles se encontrarem de novo para fazer sexo. Ele se sentiu ainda mais humilhado quando ela disse que ia viajar com seu novo amante, um sugar daddy de 52 anos. Maxim a esfaqueou várias vezes no pescoço e no peito. Abaixo vídeo da polícia russa mostra Gareyev confessando o crime.

52. Vovô ManíacoRomênia


Caracal, Condado de Olt, Romêmia | 25 de Julho

– “Por favor fique comigo na linha, estou muito assustada!”

– “Eu não posso ficar na linha com você, senhorita, eu tenho outras ligações”.

Um caso envolvendo um mecânico idoso e duas adolescentes desaparecidas abalou a Romênia em 2019, derrubando altas autoridades incluindo o chefe da polícia nacional, o Ministro do Interior, o Ministro das Telecomunicações e a Ministra da Educação.

A história começa em abril de 2019 com o desaparecimento de Luiza Melencu, 18. Três meses depois foi a vez de outra adolescente desaparecer. Alexandra Măceșanu, 15, sumir após sair de sua casa na vila de Dobrosloveni em direção à cidade de Caracal.

No dia seguinte ao seu desaparecimento, às 11h05 da manhã, o serviço de emergência romeno recebeu uma ligação. Era Alexandra. Ao operador, a adolescente revelou que havia sido sequestrada e que estava sendo mantida presa em uma casa em Caracal. O operador chamou oficiais de polícia que perguntaram se ela fora estuprada, ao que ela respondeu sim. Eles fizeram uma nova pergunta, indagando-a a respeito do endereço onde estava. Então a ligação foi interrompida. Às 11h06 Alexandra ligou novamente e esclareceu que fora atacada, vendada e colocada dentro de um carro cinza. Dentro da casa ela notou um cartão de visitas com o nome Lucian Gabriel Popescu, mas ela não sabia se era ou não o nome do seu sequestrador. Ela também mencionou que estava ligando do telefone dele, que ela achou na sala. Ela forneceu o endereço do cartão de visitas, a polícia verificou e comunicou a ela que o endereço era de um edifício, mas Alexandra reforçou que ela estava em uma casa isolada. A ligação caiu novamente. Às 11h12 houve uma nova ligação de Alexandra. Ela perguntou se a polícia estava a caminho porque estava com muito medo do sequestrador voltar. Durante as três ligações os operadores e os oficiais de polícia falaram com ela de forma irônica, enquanto Alexandra implorava por ajuda.

O operador desligou a chamada e Alexandra nunca mais retornou, mas a polícia resolveu rastrear a ligação e – 19 horas depois – chegou até a suposta casa. O morador era um senhor acima de qualquer suspeita: Gheorghe Dincă, 65 anos. Não demorou e ele confessou ter espancado, estuprado e assassinado Alexandra. Não só ela como Luiza Melencu. O que sobrou de Alexandra foi encontrado em um barril na propriedade. Seu corpo foi completamente incinerado. A polícia conseguiu recuperar apenas alguns dentes. Já o corpo de Luiza não foi encontrado. O acusado afirma ter descartado o cadáver na beira de um rio na região.

O caso gerou o caos na Romênia. Manifestantes invadiram as ruas da capital Bucareste inconformados com a forma como a garota foi tratada nas ligações que fez ao serviço de emergência e com a demora da polícia em agir. A indignação da população juntamente com a incapacidade das autoridades em responder aos questionamentos levou à queda do Ministro do Interior Nicolae Moga e do chefe da polícia nacional Ioan Buda. Mas não parou por aí. Acusado de todos os lados de não prestar um serviço de qualidade no atendimento à chamada da vítima, o Ministro das Telecomunicações da Romênia Sorinel Vasilca pediu demissão. Já a ministra da Educação Ecaterina Andronescu foi sumariamente demitida pelo primeiro ministro após dar (de forma irônica) a declaração “menininhas deveriam saber que não se entra em carros de estranhos“.

Muitos na Romênia acreditam que Dincă é um bode expiatório e que as meninas foram raptadas para tráfico humano, algo muito comum na Europa oriental. Seu julgamento deve ocorrer no início de 2020 e será a oportunidade para saber mais detalhes sobre a história.

53. Gamer PatéticoCanadá


Markham, Ontario, Canadá | 28 de Julho

Acusado: Menhaz Zaman | 23 anos

Crime: membros da comunidade gamer Perfect World Void – um servidor privado chinês para o jogo multiplayer Perfect World – ficaram chocados quando um de seus membros começou a postar que havia cometido um crime. “Acabei de matar minha família inteira, e provavelmente vou passar o resto da vida na cadeia se conseguir sobreviver. Espero ter te feito rir em algum ponto, espero que você se lembre dos bons tempos. Vou sentir falta de todos vocês“, escreveu o usuário “Menhaz” na madrugada de 28 de julho. Quando alguns outros membros da comunidade duvidaram, Menhaz enviou as fotos de várias pessoas mortas em poças de sangue. O gamer Menhaz é Menhaz Zaman. Após toda sua família ir dormir ele os degolou um a um. Morreram seus pais Momotaz Begum, 50, e Moniruz Zaman, 59, sua irmã Malesa Zaman, 21, e sua avó Firoza Begum, 70. Num grupo do Perfect World no aplicativo Discord, Menhaz continuou a conversa com seus amigos virtuais: “Eu sou um patético covarde e um sub-humano. Por eu ser ateu, eu não acredito que existe vida após a morte, então tenho medo de morrer. Quero que eles morram para não sofrerem com uma pessoa sub-humana patética como eu, e muito egoísta. Sou apenas patético.” O chat terminou horas depois quando o garoto escreveu: “A polícia está aqui. Adeus.

54. Os Eletricistas


Vila de Bidaya, Omã | 29 de Julho

O crime que chocou o sultanato do Omã mostra duas coisas: o quanto a vida é frágil e o quanto todos nós estamos vulneráveis ao mal.

Não aguentando mais o quebra-quebra do ar-condicionado de seu quarto, Hammoud al-Balushi arranjou um técnico para dar uma olhadinha no equipamento.

Em 29 de julho o técnico apareceu em sua casa juntamente com outro homem para consertarem o dito-cujo. A visita terminou com o assassinato de Hammoud e toda a sua família, degolados e massacrados a marteladas.

As fontes sobre o caso não revelam o motivo do crime, apenas que os técnicos resolveram se divertir numa tarde sangrenta ao invés de quebrar a cabeça no conserto do ar-condicionado.

O primeiro a ser morto foi Hammoud, degolado por uma faca. Então os homens se viraram para sua esposa e três filhos, com idades de 6 a 12 anos, e os mataram esfaqueados e a golpes de martelo.

Os corpos da família só foram encontrados dois dias depois, dando tempo para ambos assassinos fugirem do país. Um deles, o indiano Mujibullah Mohammed Hanif, foi preso meses depois.

Dica do dia: tome cuidado com quem você deixa entrar em sua casa.

55. Barbárie Brasil


Altamira, Pará, Brasil | 29 de Julho

Cabeças decapitadas enfileiradas sobre um saco preto. Corpos carbonizados. Em um vídeo divulgado nas redes sociais e na imprensa, detentos jogam futebol com uma das cabeças.

As cenas do massacre no presídio de Altamira são chocantes, mas extremamente comuns nos presídios brasileiros, pelo menos desde 2016 quando os dois maiores grupos criminosos do Brasil, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV), romperam uma trégua de anos e iniciaram uma disputa de caráter nacional pelo controle do crime.

Na série de rebeliões em penitenciárias do Amazonas em 2017, por exemplo, presos de uma facção torturaram, degolaram, arrancaram órgãos e até comeram partes dos cadáveres dos integrantes do grupo rival.

A crueldade fora do comum é difícil de compreender, mas tem um objetivo tático e não é exclusividade dos grupos criminosos brasileiros. Ao longo da história, a decapitação tem sido usada como forma de “desumanização” do oponente e estratégia de demonstração de poder.

Os 58 mortos na rebelião de Altamira fez os urubus sobrevoarem durante horas os céus em torno do presídio. Dezesseis pessoas foram decapitadas e esquartejadas e 41 queimadas vivas.

Abaixo um dos vídeos gravados pelos presos mostra várias cabeças recém decepadas.


56. Completamente descompensadoAlemanha


Stuttgart, Baden-Württemberg, Alemanha | 31 de Julho

Acusado: Issa Mohammed | 28 anos

Crime: Nascido na Jordânia, Issa Mohammed imigrou para a Alemanha em 2015 e – com um passaporte falso – mentiu para as autoridades do país afirmando ser um sírio fugido da guerra. Assim, ao mesmo tempo em que trabalhava no McDonald’s, ele conseguia ajuda financeira do governo devido ao seu status de refugiado. Em 2018 ele se mudou para Stuttgart, compartilhando um apartamento com o alemão Wilhelm L., 36. Aparentemente a convivência entre os dois não era boa já que o irmão de Mohammed revelou que em maio de 2019 os dois conversaram por telefone e Mohammed confessou que “seu colega de quarto estava fazendo de sua vida um inferno então ele também faria da dele um inferno“. Mas ninguém podia imaginar o quão sangrento e bizarro seria esse inferno. No final de julho, acreditando que Wilhelm o havia dedurado às autoridades, Mohammed o esperou na frente do prédio em que moravam e quando Wilhelm chegou com a sua filha de 11 anos, Mohammed, totalmente transtornado, começou a atacá-lo com uma espada de samurai. Na frente da filha da vítima e de dezenas de pessoas que passavam na rua, Mohammed retalhou a golpes de espada Wilhelm, que ficou estirado e mutilado no meio da rua. Durante o massacre, testemunhas gritavam desesperadas, algumas ousaram chegar perto do assassino, mas com uma espada gigantesca nas mãos e sangue nos olhos ninguém pode fazer nada a não ser ligar para a polícia. 


57. Crueldade ExtremaMéxico


Ixtapan de la Sal, México | Agosto

Acostumados com as atrocidades cometidas pelos narcotraficantes quase que diariamente, os mexicanos não se chocam fácil. Mas em setembro de 2019, quando um vídeo se tornou viral nas redes sociais, todos no país abriram a boca em choque e pensaram consigo mesmos: “Isso eu nunca tinha visto!”

O vídeo foi supostamente gravado por membros do cartel de drogas Familia Michoacana e mostra um homem sendo horrivelmente mutilado por um cão da raça pit-bull. A vítima, que não foi identificada, supostamente seria um agressor sexual. Mas é possível que seja apenas um desafeto do grupo ou membro de algum grupo rival.

Completamente despido, a vítima tem as mãos amarradas para trás. Os agressores abrem suas pernas, um deles segura a perna direita enquanto outro pisa na esquerda, de modo que elas fiquem bem afastadas. Então o cão entra em ação: ele morde os genitais da vítima, arrancando seus testículos e o pênis, os mastiga e come. Para abafar os gritos da vítima, os sicários amarram um pano em sua boca.

O vídeo não mostra o que aconteceu depois, mas é possível que a vítima tenha sido deixada agonizando até a morte ou sido morta.

O vídeo pode ser visto clicando neste link.

58. O Assassino do Caixão de MetalTailândia


Bangkok, Tailândia | Agosto

Os vizinhos de Apichai Ongwisit, 40, não gostavam muito de se relacionar com ele. Ongwisit era esquisito, vivia rodeado de mulheres, e muitas delas nunca mais eram vistas. Além disso, eles sempre escutavam gritos e brigas entre ele e sua namorada Warinthorn Chaiyachet, 22. Em meados de julho de 2019, vizinhos ligaram para a polícia após mais uma briga violenta do casal. Policiais levaram os dois para a delegacia, fizeram um boletim de ocorrência e os liberaram.

Vivendo em um “relacionamento sexual doentio”, e temendo que a jovem o deixasse enquanto dormia, Ongwisit a trancou dentro de um caixão de metal, deixando-a lá por dois dias. Quando abriu o corpo já começava a apodrecer. Ele então colocou o cadáver em um saco, amarrou uns pesos com cordas e jogou num lago no fundo da sua casa.

Cinco meses depois a polícia apareceu com um mandato de busca na casa de Ongwisit a procura da moça desaparecida e logo mergulhadores a acharam no fundo do lago.

Ao conversarem com os vizinhos, investigadores ouviram suas suspeitas: “Eu acho que tem mais gente no lago”. O falatório na região era que Ongwisit matava mulheres e jogava seus corpos no lago que ele havia infestado de peixes carnívoros. Só sobravam os ossos.

Em 17 de janeiro de 2020, mergulhadores fizeram um pente fino no lago e encontraram 288 ossos e fragmentos de ossos humanos pertencentes a pelo menos três pessoas. Uma pesquisa sobre a vida de Apichai Ongwisit revelou que várias mulheres que se envolveram com ele desapareceram, incluindo amigas, namoradas e prostitutas. Seu pai, em 1983, foi condenado por matar e esquartejar uma adolescente de 15 anos.

Até a publicação deste texto a polícia tailandesa estava planejando dragar o lago para saber a real extensão dos crimes de Ongwisit.

59. Estrangulador de MulheresNigeria


Porto Harcourt, Rios, Nigéria | Agosto

Acusado: Gracious David-West | 39 anos

Crime: Mulheres em Porto Harcourt, sul da Nigéria, estavam sendo mortas em quartos de hotéis desde junho de 2019 e a polícia não parecia estar preocupada. “Eu não sei porque pessoas vão dormir com pessoas que elas não conhecem“, comentou o chefe de polícia Mustapha Dandaura. Já o governo local se desculpou após emitir um comunicado que parecia culpar as vítimas. Após algumas manifestações nas ruas com mulheres carregando cartazes com a inscrição “Respeitem as mulheres, não as matem”, e mais alguns corpos aparecendo, a polícia agiu e prendeu Gracious David-West, 39, em 19 de setembro de 2019. “Eu mato sozinho“, confessou ele aos investigadores. David-West foi ligado ao assassinato de 15 mulheres em sete estados da Nigéria, nove somente entre junho e setembro de 2019 em Porto Harcourt. Ele atraía mulheres para quartos de hotéis, jantavam, faziam sexo e depois as ameaçava com uma faca, as amarrava e as estrangulava. “Minha mãe foi envenenada e morreu de doença. Eu sou o único filho do meu pai. Não tenho ninguém, trabalho sozinho, eu nem mesmo tenho uma casa. Eu não sei o que está me causando isso, eu realmente não sei o que me me leva a fazer isso, mas depois de fazer isso, fico arrependido, começo a chorar“, disse ele.

60. Pesadelo croataCroácia


Zagreb, Croatia | 1 de Agosto

Acusado: Igor Nadj | 36 anos

Crime: “Um dos piores crimes desde que a Croácia ganhou sua independência”. “A pior matança no país nos últimos 20 anos”. Estas foram algumas das manchetes que a mídia croata publicou após um horrendo massacre numa modesta casa do bairro Kajzerica, na capital do país. O crime que chocou a Croácia foi perpetuado pelo motorista de Uber Igor Nadr. Em primeiro de agosto de 2019, Igor invadiu a casa da sua namorada e dizimou toda sua família – ele só poupou um bebê de sete meses fruto de seu relacionamento com Maya Tojagić, 35. Além da namorada, morreram os pais dela, Dragomir Tojagić ,61, e Filjka Tojagić, 63, sua irmã Josipa Tojagić, 29, seu filho de 10 anos fruto de um relacionamento anterior e o namorado de Josipa, Davor Paušak , 29. Ao ser cercado pela polícia após uma caçada que durou horas, Nadr deu um tiro na própria cabeça. Os motivos pelos quais Igor promoveu esse massacre permanecem desconhecidos. A mídia croata especula que o crime foi motivado pelos ciúmes doentios que Igor nutria de Maya. Conhecidos revelaram que eles sempre discutiam devido aos excessos de Igor, mas que ele sempre se desculpava com a namorada.

61. Racista homicidaEstados Unidos


El Paso, Texas, Estados Unidos | 3 de Agosto

Acusado: Patrick Wood Crusius | 21 anos

Crime: “Muitas pessoas pensam que a luta pela América já está perdida. Eles não podem estar mais errados. Isto é apenas o começo da luta pela América e Europa. Eu me sinto honrado em encabeçar a luta pela recuperação do meu país da destruição”. Em 3 de agosto de 2019 um manifesto de duas mil e trezentas páginas intitulado “The Inconvenient Truth” (A Verdade Inconveniente, em tradução literal) foi publicada no fórum da Internet 8chan. O autor relatava sobre uma “invasão hispânica no Texas” e que os mexicanos tinham um plano de separar a América em territórios raciais. Os brancos estavam sendo substituídos pelos imigrantes, “se nós nos livrarmos de pessoas o suficiente, então nossa vida será mais sustentável“, dizia o texto. O autor também mostrava simpatia por Brenton Harrison Tarrant, o assassino em massa australiano que matou 51 pessoas na Nova Zelândia em março de 2019. O manifesto que apareceu no 8chan foi escrito pelo americano Patrick Crusius. Horas após publicá-lo, Crusius saiu de sua casa em Allen, perto de Dallas, e dirigiu 11 horas até El Paso, na fronteira com o México. Lá, invadiu uma loja do WalMart e metralhou 22 pessoas com uma AK-47 – 13 americanos, 1 alemão e 8 mexicanos. 

62. PornogrinderEstados Unidos


Dayton, Ohio, Estados Unidos | 4 de Agosto

Acusado: Connor Stephen Betts | 24 anos

Crime: Apenas 13 horas depois de Patrick Crusius massacrar 22 pessoas em uma loja do WalMart, os Estados Unidos testemunharam outro assassinato em massa perpetuado por um jovem branco e desequilibrado. Portando um fuzil AR-15, Connor Stephen Betts abriu fogo na entrada do bar Ned Peppers em Dayton, Ohio, cidade distante mais de dois mil e quinhentos quilômetros de El Paso. Mas diferentemente de Patrick Crusius, a ação de Betts não teve motivação racial. Ele era apenas raivoso, violento e tinha o desejo de matar pessoas, sejam elas quem fosse. Existe a suspeita de que ele sofresse de alucinações. Em 2012 Betts foi suspenso da escola após uma lista com pessoas a serem “mortas e estupradas” ter sido descoberta entre os seus pertences. Ele também era o vocalista de uma banda musical chamada Menstrual Munchies, descrita como sendo do gênero pornogrind – um estilo musical baseado na misoginia e dominação masculina, e que também aborda temas que vão do gore à violência e necrofilia. Nove pessoas morreram no ataque: Lois Oglesby, 27, Megan Betts, 22, Nicholas Cumer, 25, Logan Turner, 30, Thomas McNichols, 25, Derrick Fudge, 57, Monica Brickhouse, 39, Saeed Saleh, 39, e Beatrice Warren-Curtis, 36. O número de vítimas poderia ter sido maior não fosse o rápido trabalho policial. Apenas 32 segundos após Betts começar a fuzilar as pessoas no bar, policiais chegaram até o local e mataram o jovem assassino em massa. 

63. El JugueteroMéxico


Culiacán, Sinaloa, México | 4 de Agosto

Justiceiro, serial killer, sicário? No mês de agosto de 2019 um homem resolveu fazer justiça com as próprias mãos ao sair matando a bandidagem de Culiacán, capital do estado de Sinaloa e antro de narcotraficantes.

Mas não era todo bandido. Este assassino (ou assassinos) tem predileção pelos ladrões de carro. Ele matou cinco em poucos dias, então o caso estourou na mídia e os assassinatos cessaram.

Ele foi apelidado de “El Juguetero” (Homem dos Brinquedos) pelos mexicanos por deixar carros em miniaturas em cima dos corpos das vítimas. Em um corpo ele deixou seis, em outro dez (e mais um na mão do falecido), em outro 13. O número seria a quantidade de carros que o suposto ladrão roubou.

A polícia do México ainda não prendeu o brincalhão assassino.

Abaixo imagens de uma das vítimas.

64. Casamento SangrentoAfeganistão


Cabul, Afeganistão | 17 de Agosto

O contrato de casamento acabara de ser assinado e as festividades estavam a todo vapor. Cerca de 850 pessoas estavam presentes e os recém-casados alegremente cumprimentavam um a um, mas entre as centenas de amigos e familiares havia alguém que não fora convidado.

O que deveria ser uma noite de comemoração intensa se transformou em uma cena de carnificina inimaginável quando Abu Asim al-Pakistani, um homem-bomba do ISIS, se explodiu em frente à banda que tocava em um dos ambientes do Shahr-e-Dubai, uma gigantesca casa de eventos da capital afegã.

Os noivos sobreviveram mas 92 outras pessoas não. Da banda que tocava, apenas o tecladista sobreviveu.

Eles eram todos pobres, pessoas comuns. O noivo era um costureiro. Quem poderia imaginar que essa gente poderia ser um alvo?”

[Mohammad Zahir Ahmadi, proprietário do Shahr-e-Dubai]

No pior ataque terrorista do ano de 2019 no Afeganistão, fica o entendimento de que o ódio não precisa de uma razão. Para aqueles que carregam a maldade dentro de si, o alvo não precisa ser o seu inimigo direto. Eles só querem infligir o máximo de dano possível. Querem que as pessoas e a sociedade civilizada fiquem em permanente estado de medo e infelicidade, mesmo em épocas e dias de alegria.

Abaixo reportagem da Deutsche Welle sobre o ataque.

65. Garoto Nota ARússia


Vila de Patrikeevo, Ulyanovsk, Rússia | 18 de Agosto

Acusado: Timur Kimaletdinov | 16 anos

Crime: um estudante brilhante e vencedor de várias competições escolares. Timur Kimaletdinov era conhecido na região onde morava como o filho que toda família gostaria de ter. Tranquilo e educado, o jovem vivia para a família e para os estudos. Mas nas profundezas de sua mente havia algo errado. Em 18 de agosto de 2019, Timur assassinou toda a sua família com um machado. Morreram sua mãe Marina Kamaletdinova, seus dois irmãos gêmeos, Sofia e Anton, 4, e seus avós Lidia, 69, e Viktor, 66. Depois de matar toda a família, Timur subiu no alto de uma torre de transmissão e pulou para a morte. Ele escreveu um bilhete dizendo que amava sua família, especialmente seus avós, e que era uma “chatice” matá-los. Os avós foram mortos, segundo o bilhete, para que eles não sofressem pela perda da filha e dos netos. Em uma mensagem de voz enviada a um de seus amigos após o crime, Timur disse que foi “bem fácil” matá-los. Amigos do adolescente disseram que ele tinha ciúmes da mãe pelo tempo que ela dispensava aos seus irmãos Sofia e Anton e não gostava quando a mãe pedia para ele olhá-los, ele não gostava de ser a “babá” dos irmãos. Timur teria confessado a um amigo o plano de matar a família mas o amigo não acreditou nele. “O menino era um estudante brilhante, um participante e vencedor de várias competições intelectuais para alunos brilhantes“, disse o promotor Vasily Zima.

66. Possuída por Jinn


Belém, Palestina | 22 de Agosto

Vítima: Israa Ghrayeb | 21 anos

Crime: Como muitas jovens de seu tempo, a aspirante a maquiadora Israa Ghrayeb gostava de se exibir nas redes sociais. Um gosto perigoso já que a opressora e extremamente machista sociedade muçulmana não costuma tolerar mulheres com comportamentos tão “livres”. No início de agosto, Israa publicou um pequeno vídeo em seu perfil do Instagram ao lado do namorado. Era apenas uma selfie de um passeio com ele, mas foi o suficiente para que ela fosse assassinada. Irado, seu irmão Ilhab, a mando do próprio pai, torturou e espancou Israa na casa da família. Numa tentativa desesperada de fugir, Israa pulou do segundo andar e quebrou a espinha. Hospitalizada, Israa continuou publicando posts no Instagram dizendo que ficaria incapacitada por pelo menos dois meses e que precisaria de uma cirurgia. “Eu sou forte e tenho desejo por viver – se eu não tivesse esse desejo, eu teria morrido ontem. Não me enviem mensagens dizendo para eu ser forte, eu sou forte. Talvez Deus seja o juiz daqueles que me oprimem e me machucam“, ela escreveu. Cada vez mais raivosos com os posts de Israa na Internet, seu irmão e outros homens da família foram até o hospital e a espancaram até a morte. Um vídeo gravou os gritos de desespero e agonia da jovem. Após sua morte, uma onda de protestos tomou as ruas de Belém. Sua família publicou uma nota afirmando que ela morrera de causas naturais por estar possuída por Jinn – um espírito malicioso da cultura islâmica -, depois disseram que ela sofria de transtornos psicológicos, depois mudaram mais uma vez a versão: ela morrera de ataque cardíaco. Em resposta ao caso, a polícia prendeu três familiares suspeitos do assassinato.

67. Assassinato de alto escalãoAlemanha


Berlim, Alemanha | 23 de Agosto

Quando Zelimkhan Khangoshvili, 40, buscou refúgio na Alemanha em 2016, ele já havia escapado de uma série de tentativas de assassinato. Ele queria distância de sua vida passada como comandante das tropas chechenas na segunda guerra contra os russos entre 1999 e 2009.

Zelimkhan e sua família se estabeleceram em Berlim, onde frequentava as orações de sexta-feira em uma mesquita local. Na sexta-feira, 23 de agosto de 2019, ele saiu da mesquita e caminhou por um caminho arborizado, como sempre fazia. Mas apesar de ter visto os horrores da guerra, sobrevivido a ela e a várias tentativas de assassinato, esse dia foi o fim para Zelimkhan Khangoshvili. Ele teve a vida ceifada por um assassino que disparou dois tiros em sua cabeça usando uma pistola com silenciador.

Não há dúvidas que Zelimkham foi assassinado pelo governo da Rússia. Há anos exilados chechenos, ucranianos, georgianos e até mesmo russos que de alguma forma desagradaram o Kremlin ou o serviço secreto russo estão sendo misteriosamente assassinados. Todos os anos citamos algum caso nos 101 crimes notórios e horripilantes que envolve o governo russo.

Mas o que talvez os russos não contassem é que o assassino fosse pego tão facilmente.

À luz do dia, testemunhas viram o crime e chamaram a polícia que prendeu o assassino quando este tentava fugir com uma scooter. Ele não teve o nome divulgado, mas a inteligência alemã descobriu que ele acabara de sair de uma prisão russa após cumprir pena por assassinato. Ele recebeu um passaporte sob o nome falso de Vadim Sokolov. Dias depois ele foi até a embaixada da França em Moscou, apresentou o passaporte e recebeu um visto especial para viajar pela Europa. “Uma identidade falsa com um passaporte verdadeiro só pode ser providenciado por autoridades russas“, citou um oficial americano de acordo com uma reportagem do Wall Street Journal.

O homem então voou para Paris e de lá para Varsóvia, onde ficou vários dias antes de viajar para Berlim. Ele deixou seus pertences no hotel da capital polonesa, indicando que o plano era de voltar.

Em 4 de dezembro de 2019, o governo alemão expulsou dois diplomatas russos do país alegando que a Rússia se recusou a cooperar na investigação do assassinato. Dois dias depois, a mídia alemã noticiou que o assassino “Sokolov” fora transferido para uma prisão desconhecida na Alemanha pois o serviço secreto do país recebera informações de um plano do governo russo para assassinar Sokolov dentro da prisão onde ele estava.

68. O CarteiroAfrica do Sul


Cidade do Cabo, África do Sul | 24 de Agosto

Vítima: Uyinene Mrwetyana | 19 anos

Crime: O assassinato da estudante Uyinene Mrwetyana simboliza perfeitamente a violência casual sofrida pelas mulheres da África do Sul. Também é um exemplo de como agressores e maníacos sexuais estão em qualquer lugar, até mesmo onde menos se espera. Em 8 de agosto, Mrwetyana visitou uma agência dos correios para saber sobre uma encomenda. Três semanas depois, o simpático e prestativo atendente Luyanda Botha, 42, a contatou dizendo que a encomenda já havia chegado. Segue o que ele confessou a polícia: “Ela chegou após o horário de fechamento. Eu destranquei a porta e quando a falecida procurava sua encomenda, eu comecei a fazer avanços sexuais. Ela não correspondeu e me olhou assustada. Eu a puxei pelos punhos e a forcei para perto de mim…Eu coloquei meus dedos em sua vagina e então coloquei meu pênis em sua vagina. A falecida lutou comigo enquanto eu a violentava sexualmente. Ela conseguiu correr mas eu a peguei e a joguei no chão. Eu a tranquei numa sala mas a falecida ficou gritando então eu a estrangulei. Ela lutou de volta e eu peguei um peso de dois quilos e comecei a bater na cabeça dela“. Após matar a estudante, Botha levou o seu corpo até os arredores da cidade e ateou fogo. Julgado meses depois, o assassino pegou três penas de prisão perpétua. Dias depois do assassinato uma mulher escreveu em seu perfil no Facebook um longo desabafo e revelou que dias antes foi à mesma agência de correios e quase se tornou uma vítima de Botha.

69. O Feiticeiro de Fiji


Montanhas Nausori, Ilhas Fiji | 25 de Agosto

Acusado: Mohammed Raheesh Isoof | 62 anos

Crime: Um feiticeiro com habilidades “especiais”. Uma família inteira morta. Os habitantes da Ilha de Fiji ainda se perguntam o que realmente aconteceu em uma isolada área das Montanhas Nausori. Em 26 de agosto de 2019, os cadáveres de uma família inteira foram encontrados lá. O carpinteiro Nirmal Kumar, 63, sua esposa Usha Devi, 43, a filha Nileshni Kajal, 34, e as netas Samara, 8, e Sana, 11, todos envenenados com pesticida. O único sobrevivente foi um bebê de 11 meses. Ele foi encontrado por um fazendeiro em cima do peito de Nileshni. O principal suspeito é o feiticeiro Mohammed Isoof, que já havia visitado a família três vezes para tratar as dores abdominais de Usha Devi. A cada visita o ritual de cura era feito em um local diferente, e a família sempre bebia uma poção mágica preparada pelo bruxo. A do dia 25 não continha apenas ervas medicinais. Mohammed negou participação nas mortes e disse que apenas levou a família até o local já que estava tendo um caso com Nileshni. Até a presente data o motivo do crime ainda não havia sido divulgado e uma nova audiência de preparação para o julgamento de Mohammed deve ocorrer no dia 22 de janeiro de 2020.

70. Revelação Fatal IIIndonésia


Teirisi, Java Ocidental, Indonésia | 26 de Agosto

Em 26 de agosto um cadáver foi descoberto na floresta Mount Kalong, na região de Indramayu, Java Ocidental. A vítima tinha cortes de facão pelo corpo e o rosto desfigurado após sofrer golpes de uma grande pedra.

A vítima foi identificada como Nyawa Carudin, 32, e o motivo pelo qual ele foi morto choca tanto quanto quem planejou o assassinato.

Casado com quatro esposas e pai de dois filhos, Carudin vivia uma vida que não era dele. O homem pai de família era uma máscara para a sociedade. Carudin era gay.

Aos 32 anos, Carudin chegou à conclusão de que não podia mais esconder quem ele era, por isso, disse à sua mãe que iria se assumir homossexual.

Sua mãe, identificada apenas como DRH, 50, não gostou nem um pouco da conversa. Para ela era melhor ter um filho morto do que um filho gay, não importando Carudin ser seu filho único.

DRH contratou cinco assassinos profissionais para dar cabo do filho. A polícia da Indonésia divulgou apenas suas iniciais: WRSN, 55, WRD, 27, PJ, 17, BJ, 16, e IG, 30.

Para ajudar na tarefa, a mãe de Carudin o convenceu a ir com um dos assassinos até a montanha para a realização de uma “limpeza espiritual”.

Abaixo reportagem da TV indonésia mostra alguns dos envolvidos, usando balaclavas, incluindo a mãe de Carudin.

71. Gangue dos Meninos EstupradoresAfrica do Sul


Cidade do Cabo, África do Sul | 1 de Setembro

Vítima: Janika Mallo | 14 anos

Crime: Mesmo acostumados ao noticiário diário de estupros e feminicídios, o brutal assassinato da adolescente Janika Mallo chocou os sul-africanos. Ela foi encontrada seminua ao lado de um monte de entulhos no jardim da casa da avó. Ao lado do corpo havia vários preservativos e um enorme bloco de concreto ensanguentado que foi usado para esmagar sua cabeça. Quando a família encontrou seu corpo eles não conseguiram identificá-la tamanha a brutalidade que deixou seu “cérebro escorrendo” do lado esquerdo da cabeça espatifada. Dois adolescentes conhecidos da vítima foram presos e acusados do crime: Alistair Abrahams, 18, e um menor de 16 anos. Ambos pertenciam a uma gangue de garotos que atormentavam as meninas da região de Heinz Park, cometendo estupros em série. Os assassinatos de Uyinene Mrwetyana [Crime 68] e Janika Mallo, além de vários outros de mulheres jovens, causaram vários protestos na Cidade do Cabo. Em 4 de setembro centenas de pessoas protestaram durante o Fórum Econômico Mundial que acontecia na Cidade do Cabo.

72. Meio metroVietnã


Hanói, Vietnã | 1 de Setembro

Acusado: Nguyen Van Dong | 53 anos

Crime: Por causa de uma disputa que envolvia meio metro de terra, o vietnamita Nguyen Van Dong assassinou o irmão caçula e sua família. As discussões começaram em 2016 quando o irmão mais novo de Van Dong, Nguyen Van Hai, 50, comprou de outro irmão uma parte do terreno em que os três irmãos moravam com suas famílias. Em 1 de setembro, após passar uma noite sem dormir refletindo sobre a disputa com o irmão mais novo, Van Dong decidiu acabar com a briga massacrando a facadas o irmão, sua cunhada Doan Thi Viet, 49, sua sobrinha Nguyen Thi Bac e o filho de sua sobrinha, o bebê Nguyen Do Huyen, de apenas 1 ano de idade. A nora e outro filho de seu irmão sobreviveram ao ataque. Falando à mídia local, o psicólogo Dao Trung Hieu disse que os assassinatos estavam “enraizados na ganância e no interesse próprio de uma sociedade cada vez mais materialista que destrói os valores e laços familiares tradicionais. A ética social está se degenerando seriamente. Alguns chamam isso de câncer da alma…As pessoas são indiferentes e se importam apenas com elas mesmas nesta sociedade materialista“. Em dezembro, Van Dong foi condenado a pena de morte no Vietnã, o que significa ser executado por um pelotão de fuzilamento.

73. Mentalidade MedievalÍndia


Vila de Naushehra Dhalla, Tarn Taran, Índia | 15 de Setembro

Amanpreet Kaur, 22, e Amandeep Singh, 24, se conheciam desde a infância e o carinho que um nutria pelo outro fez florescer uma paixão que culminou no casamento dos dois em agosto de 2018. De início, os pais do casal não aceitavam o romance mas acabaram cedendo tamanho era o amor entre eles.

Mas o tio da moça, Massa Singh, e os dois filhos dele, Gurbhinder Singh e Surjit Singh, eram contra o casamento. Por algum motivo eles não aceitavam a vontade de Amanpreet de estar com Amandeep. A pressão do tio e primos era tamanha que o casal planejou se mudar para o Canadá para viver uma vida em paz. Mas não deu tempo.

Após voltarem de uma reza, os parentes de Amanpreet cruelmente assassinaram o casal.

Sem se importarem com nada, o tio e primos da moça – os irmãos Singh e outros oito filhos de outros tios – atacaram Amanpreet e Amandeep a luz do dia. Voltando da igreja em uma moto, o casal foi surpreendido quando um carro bateu na traseiro da moto jogando os dois ao chão. Após derrubarem as vítimas no chão, os parentes de Amanpreet passaram com o pneu do carro em cima deles, depois desceram e os atacaram com golpes de espada e punhal. Para finalizar, os assassinos deram oito tiros em Amandeep e três tiros no rosto de Amanpreet.

74. Matador de criançasPaquistao


Chunian, Paquistão | 16 de Setembro

Quatro crianças – com idades entre 8 e 12 anos – desapareceram de Chunian, norte do Paquistão, entre os meses de junho e setembro de 2019.

Em 17 de setembro, um dia após o desaparecimento de Muhammad Faizan, os restos mortais de três vítimas foram encontrados nas dunas de areia nos arredores da cidade, o que indicou a ação de um serial killer.

Suhail Shehzad, 27, se tornou um suspeito no caso quando seus familiares foram até a polícia reportar o seu desaparecimento. Segundo um irmão dele, Shehzad pegou o trator da família para cavar alguma coisa e nunca mais voltou. A polícia o prendeu no início de outubro e testes de DNA revelaram que o material biológico (sêmen) encontrado nos cadáveres era dele. Ele confessou todos os quatro assassinatos. Shehzad utilizava um riquixá e oferecia dinheiro às vítimas para elas o ajudarem a cortar madeira.

Abaixo uma reportagem da TV paquistanesa sobre o caso.

75. Estado Narco


Amsterdã, Holanda | 18 de Setembro

Vítima: Derk Wiersum | 44 anos

Crime: “Com este assassinato um novo limite foi cruzado”. Estas foram as palavras de Erik Akerboom, chefe máximo da polícia holandesa. Isso pode soar como novidade para muitos, mas a bucólica e deslumbrante Holanda é o México da Europa, um “estado narco” cujo crime organizado “fugiu totalmente do controle“. Claro, eu exagero, a Holanda não tem a criminalidade mexicana e os narcotraficantes holandeses estão longe da loucura homicida de seus colegas do continente americano, mas o país está assustado. As autoridades são as primeiras a admitir que a Holanda está num caminho perigoso e o assassinato de um proeminente advogado à luz do dia chocou a nação e destruiu um conceito equívoco que os holandeses tinham: o de que os cartéis de drogas só matavam uns aos outros. Casado e pai de dois filhos, Derk Wiersum foi assassinado na frente de sua esposa do lado de fora de sua bela casa em Amsterdã. Wiersum era advogado de um homem cujo codinome era “Nabil B” – um ex criminoso que se tornou uma testemunha protegida pelo estado. Ativo entre os narcotraficantes locais, Nabil B virou a casaca quando seu irmão foi assassinado em 2018. Na Holanda, a criminalidade é gerida principalmente por marroquinos e holandeses descendentes de marroquinos. É a chamada Mocro Mafia. O chefão, Ridouan Taghi, 41, é “um dos homens mais perigosos do mundo“. Era. Após ordenar matar o homem “errado”, Taghi viu que a coisa ficou preta e fugiu para os Emirados Árabes, mas foi preso em dezembro de 2019 e extraditado para a Holanda onde deve enfrentar, em 2020, julgamento por seus vários crimes.

76. Matador de SenhorasÍndia


Vila de Hadida, Savarkundla, Gujarat, Índia | 24 de Setembro

No final de setembro de 2019 investigadores de Savarkundla estavam verificando imagens de câmeras de segurança de um pequeno comércio na Vila de Hadida, no noroeste indiano, em busca de qualquer coisa que pudesse fornecer uma pista do assassinato de Ujiben Ghodadara, uma senhora de 70 anos estrangulada dentro de casa.

Em dado momento eles viram um homem em cima de uma bicicleta passando pela rua. Na pequena vila de 350 famílias, ninguém conhecia aquele homem. A polícia não sabia mas estava olhando para um serial killer.

Foi até fácil tirar as confissões de Milan Rathod, 34.

“Durante o interrogatório, Rathod confessou ter um prazer sádico em matar suas vítimas. Ele confessou ter matado Ghodadara e outras quatro no passado.”

[Ashok Yadav, inspetor geral da polícia de Bhavnagar]

Uma das “outras” foi Pachi Kacharia, 60, estrangulada em sua casa na vila de Loyanga, local a 50 quilômetros de Hadida.

O primeiro assassinato foi em 2002, quando ele tinha apenas 17 anos, ao estrangular a própria tia, Shantu Rathod.

Rathod procurava por mulheres de idade, as quais não podiam oferecer qualquer resistência. Após estrangulá-las ele roubava seus pertences. Mas o roubo era apenas parte de sua fantasia – os seus troféus.

“Ele simplesmente liberava seu estresse psicológico matando mulheres. Ele primeiramente estrangulava a vítima e depois a sufocava. Após a vítima morrer, ele costumava se sentar perto do corpo por um tempo e tirava seus ornamentos. Ele mantinha um dos ornamentos apenas para contemplar depois, de modo que pudesse ter satisfação do assassinato”.

Quando a polícia prendeu Rathod, ele usava o anel da última vítima e estava em direção a casa daquela que seria a sua quinta vítima.

77. Vídeo snuffEstados Unidos


Anchorage, Alasca, Estados Unidos | 2 de Outubro

Acusado: Brian Steven Smith | 48 anos

Crime: em 30 de setembro de 2019 uma mulher foi até uma delegacia de polícia em Anchorage, Alasca, e contou uma história assustadora. Ela revelou que estava andando por uma rua quando viu um cartão de memória SD no chão. Ao chegar mais perto ela percebeu que havia uma etiqueta no cartão. Um olhar mais aguçado e ela pôde ler “Homicide at midtown Marriott” (Homicídio no Marriott do centro, em tradução literal). Curiosa, ela levou o cartão para casa e o que ela viu era horrível: o assassinato real de uma mulher. As imagens mostravam um homem espancando, estuprando e estrangulando uma mulher. “Minha mão está ficando cansada…Morra! Morra!“, dizia o homem no vídeo. Enquanto a vítima agonizava o agressor apenas ria. Havia 39 fotos e 12 vídeos no cartão de memória, todos gravados pelo assassino. Dois dias depois o corpo de Kathleen Jo Henry, 30, foi encontrado na beira de uma estrada. A investigação apontou que o vídeo fora gravado no Hotel Marriott, no centro da cidade de Anchorage. Câmeras de segurança e o registro de hóspedes revelaram o assassino: Brian Steven Smith, casado e pai de família. No interrogatório ele confessou outro assassinato, de Veronica Abouchuk, 53, desaparecida em julho de 2018. Smith revelou que descartou o corpo de Veronica em uma estrada e que por vezes voltava ao local e praticava necrofilia. Em maio de 2019, o corpo de uma outra mulher foi encontrado em uma estrada do Alasca. Shirley Skeek, 27, desapareceu em dezembro de 2018. Sete meses após seus restos mortais terem sido encontrados a polícia do Alasca anunciou que ela foi assassinada. Até a data de publicação deste texto ninguém havia sido formalmente acusado pelo assassinato de Sheek.

78. Madrugada SangrentaEstados Unidos


Nova Iorque, Estados Unidos | 5 de Outubro

Acusado: Randy Rodriguez Santos | 24 anos

Crime: este caso parece com aqueles episódios da série de horror “Contos da Cripta” onde um lunático foge de um manicômio e sai matando a esmo quem cruza o seu caminho. Randy Rodriguez Santos tinha um histórico de violência e doença mental. Quebrou o nariz do pai com um soco e bateu na mãe. Com medo do filho, a mulher o expulsou de casa. Vivendo nas ruas, Randy apenas piorou a sua situação ao passar o dia bebendo e fumando crack. Ameaçava as pessoas e foi preso várias vezes por roubo e agressão. Em uma de suas prisões, durante uma audiência, teve de ser algemado a um banco ao agredir funcionários do tribunal. Mesmo assim, fora de si, chutava loucamente os policiais que o cercavam. Ajudado por ONGs que pagavam sua fiança, Randy nunca passava muito tempo na cadeia. Em um sistema falho e numa sociedade que não dá a mínima para pessoas como Randy, seu destino era óbvio: cadeia ou morte. Mas foi pior (para outras pessoas). Na madrugada de sábado, 5 de outubro, ele arranjou uma enorme barra de ferro e saiu andando pelo bairro de Chinatown, em Manhattan, a procura de outros sem abrigo para matar. Ele atacou brutalmente cinco homens que dormiam nas ruas com golpes na cabeça, quatro morreram. O mais velho, Chuen Kwok, tinha 83 anos.

79. Massacre austríacoÁustria


Kitzbühel, Tirol, Áustria | 6 de Outubro

Acusado: Andreas Exenberger | 25 anos

Crime: na noite de sábado, 6 de outubro, Andreas Exenberger foi até a casa da sua ex-namorada, que havia terminado com ele dois meses antes, e exigiu ter uma conversa com ela. Mas o pai de Nadine Hinterholzer, 19, pediu que ele fosse embora. Andi E. foi embora, mas voltou às quatro da manhã armado, invadiu a casa da ex-namorada e matou todo mundo que estava lá dentro. Morreram os pais da sua ex, Vater Rupert, 59, e Mutter Andrea, 51, o irmão Bruder Kevin, 25, além de Nadine e seu novo namorado, o jogador de hóquei Florian Janny, 24. Horas depois Andi se entregou a polícia afirmando “eu matei cinco pessoas“. Para a polícia o crime foi motivado por ciúmes após o fim do relacionamento entre Exenberger e Nadine. A arma estava registrada no nome do irmão do acusado. Se condenado Andreas poderá pegar a prisão perpétua. “Nunca houve um evento dessa forma em Kitzbuehel. É uma tragédia e nós estamos profundamente chocados. Foi um ato completamente irracional“, disse o prefeito Klaus Winkler.

80. Uma cabeça que caiRússia


Tchita, Krai da Transbaicália, Rússia | 6 de Outubro

Vítima: Elizaveta | 18 anos

Crime: Qual a possibilidade de você estar jogando futebol na rua com os amigos e em dado momento ver um homem no alto de um prédio em sua janela jogando fora roupas sujas de sangue? Tsyren-Dorzhi Tsyrenzhapov, 38, fez isso. Mas fez mais. Não satisfeito, após se desfazer de roupas encharcadas de sangue, passou a jogar pela janela do décimo segundo andar do apartamento onde morava pedaços de um corpo. Estarrecidas, crianças que jogavam bola perto do prédio foram conferir o que parecia ser uma bola com cabelos que ele arremessou. Era uma cabeça humana [veja no vídeo abaixo]. Os pedaços do corpo pertenciam a uma jovem de 18 anos chamada Elizaveta. Não há informações sobre o relacionamento entre assassino e vítima, somente que Tsyrenzhapov a matou a facadas e picou seu corpo no apartamento que alugava no bairro de Bogomyagkova, em Tchita. Segundo reportagens de sites russos, Elizaveta cresceu em um orfanato e trabalhava em um clube de strip-tease. Já outras fontes citam que ela trabalhava em um café.


81. Serial Killer Adolescente


LaMgabhi, Distrito de Manzini, Suazilândia | 13 de Outubro

A investigação do assassinato do adolescente Maswati Fakudze, 15, levou investigadores da Suazilândia a capturarem o mais novo serial killer que se tem notícia no país.

Fakudze foi assassinado em 13 de outubro por outro adolescente de 16 anos – seu nome não foi divulgado devido à lei Suázi que protege a identidade de menores de idade envolvidos em crimes violentos. Ele caminhava tranquilamente quando o assassino o surpreendeu com uma pedrada na cabeça. Após ser morto, Fakudze teve o corpo jogado no Rio Ingcwembe.

E este não foi o primeiro assassinato cometido pelo adolescente Suázi.

Tudo começou em 12 de julho de 2017 quando, aos 13 anos, ele assassinou Qiniso Mhlanga com uma pancada na cabeça. O corpo da criança foi encontrado com mutilação no pescoço oito dias depois num barranco do rio Sidwashini.

Ele voltaria a matar em 2 de junho de 2018. Phiwayinkhosi Kunene, 8, foi assassinado com uma pancada na cabeça e seu corpo encontrado dez dias depois de desaparecer. O pai da vítima cometeu suicídio um dia antes do cadáver ser encontrado pois muitos na comunidade o apontavam como o assassino do próprio filho.

Em 19 de fevereiro de 2019 o adolescente assassino fez sua terceira vítima, Senzelwe Mandisa Hlophe, de apenas 3 anos de idade. Como as outras vítimas, a criança foi morta com uma pancada na cabeça e quando seu corpo foi encontrado alguns órgãos internos estavam faltando. A faca que o assassino usou para estripar a vítima foi encontrada ao lado do corpo.

Preso em outubro de 2019 após o assassinato de Fakudze, o adolescente serial killer Suázi foi formalmente acusado de quatro homicídios.

82. Homem VenenoÍndia


Eluru, Andhra Pradesh, Índia | 16 de Outubro

Acusado: Vellanki Simhadri | 38 anos

Crime: O professor de educação física Kati Nagaraju, 49, saiu de sua casa em 16 de outubro após dizer a esposa que ia ao banco fazer um depósito. Quando ele não voltou, sua família foi até a polícia. No dia seguinte seu corpo foi encontrado perto de uma faculdade. Nagajaru foi a última vítima de Vellanki Simhadri, um serial killer que assassinou 10 pessoas em 20 meses no estado indiano de Andhra Pradesh. Simhadri enganava suas vítimas dizendo que duplicaria o dinheiro delas usando pedras mágicas. Após convencê-las a lhe dar todo dinheiro e joias, o assassino as levava até um local isolado onde realizava um ritual. Ele também as enganava dizendo que sabia sobre tesouros escondidos em florestas. Ao fim do ritual, Simhadri dava às vítimas um líquido que ele dizia ser uma oferenda sagrada – uma mistura cuja substância principal era cianeto para ser mais preciso. As vítimas morriam em segundos.

83. Maníaco MirimChina


Dalian, Província de Liaoning, China | 20 de Outubro

Acusado: Cai Moumou | 13 anos

Crime: novo na idade e um maníaco em formação. O chinês Cai Moumou não era bem visto pelas meninas do bairro em que morava na cidade de Dalian. Pelo menos três relataram aos pais que não gostavam dele pois ele as seguia na rua e fazia comentários estranhos além de tocá-las de forma não natural. Na escola, seus colegas o achavam esquisito e por várias vezes os professores contactaram seus pais para saber porque o garoto não estava frequentando as aulas. Os pais trabalhavam o dia inteiro e não tinham tempo para o adolescente, então, sem supervisão, ele vagava pelas ruas ao invés de ir a escola. Em 20 de outubro de 2019, uma criança de 10 anos desapareceu. A menina voltava da aula de pintura que ficava perto de sua casa quando cruzou com Moumou. O menino aproveitou, atraindo-a até um beco onde tentou estuprá-la. A pequena criança reagiu e Moumou a esfaqueou mais de sete vezes, matando-a na hora. Enquanto os pais e a vizinhança procuravam a menina, Moumou filmou a movimentação da janela de sua casa e postou na Internet. Por ser menor de 14 anos, Cai Moumou não foi acusado de nenhum crime. O caso teve grande repercussão na China devido a natureza do crime e o fato do garoto não poder ser processado.

84. Protestos violentosChile


Chile | 23 de Outubro

O Chile viveu um verdadeiro caos em 2019 com a onda de protestos e tumultos causados pelo aumento da tarifa do metrô, do custo de vida, privatizações e desigualdade social.

Os protestos começaram na capital Santiago e logo grupos passaram a vandalizar toda a cidade, incendiando trens, saqueando supermercados e destruindo bens públicos. O governo reagiu com força policial, o que apenas piorou a situação.

No total, 29 pessoas morreram em decorrência dos protestos.

Em 23 de outubro, em San Pedro de la Paz, um homem atropelou uma multidão de manifestantes, matando duas pessoas. Uma das vítimas era uma criança de 4 anos. Veja o vídeo aqui.

Em Renca, no norte de Santiago, cinco pessoas morreram queimadas vivas quando a fábrica de roupas em que trabalhavam foi incendiada por manifestantes.

Em 19 de outubro, o professor de inglês Mateusz Maj levou um tiro na cabeça disparado pelo próprio sogro que tentava conter manifestantes que queriam saquear o mercado da família. Acidentalmente ele acertou o genro que morreu horas depois no hospital.

85. Massacre da Família LeBarónMéxico


Bavispe, Sonora, México | 4 de Novembro

Um dos crimes mais chocantes de 2019 aconteceu em uma remota, rochosa e fria estrada nas montanhas de Sierra Madre, no estado mexicano de Sonora.

É um lugar hostil. Narcotraficantes mexicanos – empunhando armas norte-americanas – dominam a região. E em algum lugar na Sierra Madre fica a fazenda La Mora, residência de uma comunidade Mormón.

Fundamentalistas norte-americanos mórmons começaram a se mudar para o México por volta de 1890, fugindo das leis americanas que proibiam a poligamia. A questão é que a poligamia também era (e ainda é) ilegal no México, mas eles foram aceitos em território mexicano já que eram pessoas importantes em suas comunidades, líderes de igreja.

Com o tempo, a comunidade mórmon cresceu em número e riqueza, comprando terras nos estados de Sonora e Chihuahua, criaram fazendas e fundaram outras colônias. Uma dessas colônias era a LeBarón, fundada por Alma LeBarón em 1920 no estado de Chihuahua.

Quando o patriarca Alma LeBarón morreu, a colônia passou a ser liderada por seu filho Joel. A Igreja LeBarón cresceu ainda mais, mas como em muitos casos envolvendo religiosos fanáticos, um dos irmãos de Joel, Ervil, o segundo no comando da igreja – um psicopata e desequilibrado que tinha 13 esposas e dezenas de filhos – querendo mais poder, brigou com o irmão e voltou para os Estados Unidos onde fundou uma seita só para ele. Em 1972, Ervil ordenou o assassinato de seu irmão Joel no México e dezenas de outros, incluindo uma de suas esposas e dois de seus filhos. Acredita-se que os seguidores de Ervil tenham assassinado mais de 25 pessoas.

Pai e filhos. Da esquerda para a direita: Ervil, Joel, Verlan, Alma, e Floren. Foto: Wikipedia.

Com o passar do tempo, a poligamia foi sendo eliminada nas colônias e os mórmons americanos-mexicanos viveram uma existência pacífica. Isso até 2009 quando novamente o sobrenome LeBarón virou notícia no mundo associado a violência.

Neste ano, os mórmons nos estados do norte do México foram advertidos nos termos mais claros possíveis pelos cartéis de drogas: “tierra sin ley”. Os mórmons se queixavam da violência e crimes e receberam uma mensagem de que moravam numa terra sem lei. Benjamin LeBarón – bisneto do fundador do grupo, Alma – deu uma entrevista a um jornal local criticando a extorsão e a intimidação exercidas sobre os agricultores locais e criou um grupo chamado SOS Chihuahua, onde incentivava as pessoas a denunciarem os abusos às autoridades. Em julho do mesmo ano, Benjamin e seu cunhado, Luis Widmar, foram sequestrados dentro de casa e no dia seguinte seus corpos foram encontrados com sinais de espancamento e tortura extrema.

Benjamin LeBarón e Luis Widman foram torturados e assassinados por narcotraficantes mexicanos em julho de 2009. Foto: Facebook LebBarón.

A mensagem dos narcotraficantes à família LeBarón era clara: não se intrometa conosco; não se intrometa em nossos interesses comerciais ou no bom funcionamento de nossas rotas de drogas para o norte. Não fale com a polícia nem chame a atenção para o que acontece por aqui. Quem fala demais acorda com a boca cheia de formigas.

Dez anos se passaram e nesse período a família LeBarón e os mórmons do norte mexicano estabeleceram uma espécie de paz silenciosa com os cartéis. Mas em novembro de 2019 essa “paz” foi quebrada com o brutal assassinato de nove membros da comunidade mórmon – sendo quatro descendentes dos LeBarón – metralhados e queimados vivos.

Por segurança, os mórmons daquela região sempre saem em comboios, e no dia 4 de novembro de 2019 três picapes deixaram a fazenda La Mora em direção a um casamento numa outra fazenda nas proximidades. Havia 17 pessoas nos três veículos, todas mulheres, crianças e bebês. Em algum ponto da estrada os três carros foram interceptados e as mulheres mórmons não tiveram nem tempo de pensar: um dos carros chegou a explodir de tantos tiros que levou. Seus ocupantes – Rhonita Miller, 30, seus quatro filhos Krystal Miller, 10, Howard Miller, 12, e os gêmeos Titus Miller, 8 meses, e Tiana Miller, 8 meses – morreram queimados vivos.

Rhonita Miller e seus filhos gêmeos Titus e Tiana. Foto: Facebook.

Christina Langford Johnson, 29, desceu de um dos carros com as mãos para cima e implorou para que os agressores parassem de atirar, pois só haviam crianças ali. Ela foi metralhada juntamente com Dawna Langford e seus filhos Rogan Langford, 2, e Trevor Langford, 11. As outras crianças conseguiram escapar e esconderam nos arbustos. Não se sabe se o assassino (ou assassinos) não as viu ou se elas foram poupadas.

A comunidade mórmon diz que suas famílias foram vítimas de uma emboscada. Já o governo mexicano acredita que os narcotraficantes os confundiu com um grupo rival. O caso ainda não foi solucionado e a pergunta que fica é: qual será o próximo capítulo desta história sangrenta?

Vídeo: avô das vítimas, com a voz embargada, filma o carro ainda saindo fumaça onde morreram sua nora e netos.

86. Oleg, o NapoleãoRússia


São Petersburgo, Rússia | 8 de Novembro

O historiador russo Oleg Sokolov, 63, era o maior especialista de seu país em história militar francesa. Membro do alto escalão da Sociedade Militar Histórica da Rússia e conselheiro do Instituto de Ciências Sociais, Econômicas e Políticas da França, Oleg lecionava na Universidade Estadual de São Petersburgo e na universidade francesa de Sorbonne.

O seu conhecimento em história francesa era tão grande que recebeu a Légion d’Honneur da França, condecoração dada a civis ou militares que contribuíram à nação. Oleg, entretanto, tinha uma obsessão específica: Napoleão Bonaparte, o grande general francês do século XIX. E sua obsessão beirava à loucura, isso porque Oleg se considerava Napoleão reencarnado.

Essa obsessão fez dele uma figura muito importante no mundo das encenações históricas, além de consultor em vários filmes. Ele organizava bailes a fantasia e vivia recriando as batalhas da era napoleônica com ele interpretando Napoleão ou algum de seus generais.

O historiador Oleg Sokolov em foto de 2014, quando fez o papel de Napoleão Bonaparte em uma reencenação da guerra de São Petersburgo. Foto: Olga Maltseva | AFP.

Alguns alunos da universidade o consideravam excêntrico, já outros estranho, mas inofensivo às vistas da maioria. Em algumas ocasiões chegou a assediar e ameaçar alunas, entretanto, a universidade não deu ouvidos às queixas das vítimas. 

E foi com uma de suas alunas, a brilhante Anastasia Yeshchenko, 24, que Sokolov iniciou um romance em 2013. Também especialista em Napoleão, Anastasia era chamada de Josefina [Josefina de Beauharnais, esposa de Napoleão] pelo professor. Juntos o casal publicou vários artigos acadêmicos enquanto viviam a fantasia da França napoleônica.

Em 9 de novembro de 2019, um bêbado Oleg Sokolov caiu nas congelantes águas do Rio Moika. Testemunhas viram e o socorreram a tempo. Dentro da sua mochila o horror: braços humanos.

Um dia antes, durante uma suposta discussão, Sokolov assassinou Anastasia com quatro tiros, então arrastou o seu corpo para um quarto e durante a noite recebeu amigos para uma noite de bebida. No dia seguinte saiu cedo e comprou uma serra. Oleg decapitou e desmembrou Anastasia. No interrogatório, disse que planejava se matar no domingo, 10 de novembro, vestido de Napoleão, na praça principal de São Petersburgo.

No vídeo abaixo, imagens de Sokolov e Yeschenko em uma festa estilo napoleônica que o professor ofereceu em 2018.

87. Banho de Sangue


Irã | 15 de Novembro

“O líder supremo vive como um Deus. Nós, o povo, vivemos como mendigos”.

O pior crime de 2019 foi executado por um governo e praticamente não teve repercussão no mundo.

Dilacerado por sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos e União Europeia, e a horrorosa e corrupta gestão econômica dos aiatolás, mergulharam o Irã nos seus mais terríveis dias desde a revolução islâmica de 1979. Um país em frangalhos, sem emprego, com a população sem acesso a saúde ou educação – 75% da população é pobre. Quando os aiatolás decidiram aumentar o preço da gasolina em 15 de novembro de 2019 a faísca foi lançada. Mesmo vivendo num país autoritário e sanguinário, a população se revoltou.

Os iranianos saíram às ruas em protesto. No dia seguinte mais de 50 cidades em todo o país, incluindo a capital Teerã, registraram manifestações e esse número aumentou para 100 no segundo dia. Acuados por décadas de repressão, o povo iraniano decidiu que era hora de dar um basta, uma nova revolução talvez, para mudar o que não vem dando certo.

Temendo uma nova primavera árabe em seu próprio quintal, o líder supremo iraniano Ali Khamenei – segundo reportagem da Reuters – deu a ordem: “Você tem a minha ordem. Faça o que tiver que fazer para acabar com isso“. Em outras palavras: mate!

Em menos de duas semanas o governo iraniano massacrou mil e quinhentos civis em um banho de sangue digno dos filmes do Quentin Tarantino. Muitos eram mortos com tiros diretamente na cabeça. Outros sete mil foram presos e torturados nas prisões.

Espertamente, o governo iraniano cortou a Internet do país e outras comunicações via satélite logo no começo das manifestações, o que impediu o alastre de informações e a verdade sobre o que estava acontecendo. Quando as comunicações foram restabelecidas semanas depois, as redes sociais foram inundadas com posts sobre centenas de corpos de adultos e adolescentes boiando em rios, muitos com sinais de tortura extrema. Vídeos obtidos pela BBC persa mostra policiais batendo e atirando em cidadãos.

A Anistia Internacional publicou em seu perfil do Twitter um vídeo que mostra atiradores de elite iranianos atirando contra os protestantes desarmados.

O governo iraniano não divulgou o número total de mortos ou presos durante os protestos. A Anistia Internacional revelou que um mês após o início das manifestações pessoas ainda estavam sendo presas por participarem dos atos. Se forem julgadas pelo sistema judicial corrupto iraniano totalmente subordinado aos aiatolás dificilmente escaparão da pena de morte.

88. Dennis Rader indianoÍndia


Azamgarh, Uttar Pradesh, Índia | 24 de Novembro

Acusado: Nasiruddin | 38 anos

Crime: como o americano Dennis Rader, o indiano Nasiruddin ficou durante semanas observando uma família da cidade de Azamgarh. Anotou seus horários, verificou questões de segurança e planejou o melhor momento para executar seu plano. Na noite de 24 de novembro de 2019 ele invadiu a casa, “eu empurrei a porta e entrei no quarto. Uma vara de bambu caiu no chão e o marido da mulher acordou. Eu acertei a cabeça dele com um tijolo que peguei do lado de fora. Bati duas vezes. Ele caiu da cama no chão e morreu. A mulher acordou com o barulho. Eu bati nela duas vezes também. Havia um bebê dormindo no meio dos dois. Eu também bati na cabeça do bebê e ele morreu. Eu dei tijoladas em todo mundo que vi“, revelou o assassino. Enquanto a mulher agonizava, Nasiruddin a estuprou repetidamente. Como Dennis Rader, Nasiruddin ficou várias horas na casa e em dado momento voltou a estuprar a mulher que já havia morrido. Então, a outra filha do casal, uma garotinha de 10 anos acordou. “Ela veio perguntando da mãe dela porque queria água. Eu falei pra ela ficar quieta e ela começou a falar ‘ladrão, ladrão’, então eu dei uma tijolada nela, e depois a estuprei também“. O necrófilo assassino gravou o ataque em vídeo e mostrou à cunhada, que ficou chocada com o teor macabro do conteúdo e chamou a polícia. Existem suspeitas que o mesmo tenha cometido crimes semelhantes, na parte setentrional da Índia, como Haryana, Délhi e Benguela Ocidental.

89. Pneu vazioÍndia


Shamshabad, Telangana, Índia | 27 de Novembro

Vítima: Potula Priyanka Reddy | 26 anos

Crime: Na tarde de 27 de novembro de 2019, a veterinária Potula Priyanka Reddy estacionou sua scooter perto de um pedágio e tomou um táxi em direção à cidade de Hyderabad para uma consulta médica. Quando ela voltou, já a noite, percebeu que um dos pneus de sua moto estava vazio. (Uma técnica muito usada por maníacos sexuais assassinos). Então, como num passe de mágica, apareceram quatro homens super dispostos a ajudá-la. Ela, óbvio, percebeu o que estava acontecendo, mas no silêncio da noite, cercada por lobos famintos, Priyanka Reddy foi presa fácil. Ela só podia gritar, mas de nada adiantou. Os quatro homens a estupraram repetidas vezes num matagal até a vítima sangrar e perder a consciência. Quando ela acordou, eles a amordaçaram, a enrolaram num pano e a transportaram de caminhão (dois eram caminhoneiros) até uma ponte distante onde encharcaram o seu corpo com diesel e gasolina e a queimaram viva. Mesmo acostumados com casos de estupros coletivos quase todas as semanas, o assassinato de Priyanka Reddy chocou os indianos e a polícia levou apenas 24 horas para prender todos os agressores. Nas imediações da ponte onde Priyanka Reddy foi encontrada morta a polícia descobriu outro corpo feminino carbonizado, mas as autoridades indianas não ligaram os dois casos aos quatro maníacos, até porque eles tiveram pouco tempo de vida para cooperar ou confessar alguma coisa. Em 6 de dezembro, durante a reconstituição do crime, a polícia indiana matou os quatro acusados – Jollu Naveen, Chintakunta Chennakeshavulu, Jollu ShivaMohammad Areef. Segundo as autoridades, a polícia apenas revidou quando dois dos homens tentaram tomar as armas dos policiais. O ato “heroico” mereceu comemoração por toda a Índia e doces foram ofertados aos policiais pela população. Abaixo, imagem do cadáver carbonizado da vítima.

90. O humanitarista na terra devastadaAfeganistão


Jalalabad, Província de Nangarhar, Afeganistão | 4 de Dezembro

“Acho que todo mundo tem alguma coisa a fazer como ser humano, mas expressar em voz alta é embaraçoso, principalmente para um cara vindo de Kyushu”.

[Tetsu Nakamura]

Enquanto muitos famosos ou pessoas comuns posam de bons samaritanos ajudantes da humanidade nas redes sociais em uma clara estratégia de melhoramento da imagem ou aumento do número de seguidores, o japonês Tetsu Nakamura, 73, fazia o contrário, não expressava e nem mostrava, apenas fazia, talvez por isso seja completamente desconhecido. 

Após se formar em medicina na Universidade de Kyushu, ele conseguiu um emprego no Paquistão imaginando que poderia mergulhar em sua paixão: a coleta de insetos. Mas uma experiência no país mudou sua vida. Ele testemunhou um mar de refugiados vindos do vizinho Afeganistão, fugindo da guerra trazida pela União Soviética.

Nas três décadas seguintes, o humanitarista Nakamura dedicaria a vida para reconstruir os sistemas de agricultura e irrigação destruídos pela guerra. “Um canal de irrigação fará mais do que 100 médicos. Me sinto muito feliz quando eu vejo água jorrando em um canal para uma aldeia“, dizia ele.

Em 2010, Nakamura finalizou o Canal Marwarid, no distrito de Khewa, que atualmente fornece água para cerca de 600 mil habitantes.

Mesmo quando o Afeganistão se tornou um dos piores lugares do mundo a partir de 2001 com a invasão dos Estados Unidos em retaliação ao ataque ao World Trade Center, Nakamura permaneceu no país. Segundo ele, sua missão era “iluminar cantos escuros“, além disso, “eu seria feliz se morresse aqui“. E Nakamura morreu.

Em 4 de dezembro, assassinos profissionais cercaram o carro em que Nakamura viajava e o alvejaram com vários tiros. Ele morreu a caminho do hospital. Os atiradores ainda não foram identificados.

Para aqueles que o conheceram o que fica são sua memória e realizações. Determinado a fazer o melhor que podia e ajudar o máximo de pessoas possível, Nakamura é parte do seleto grupo de seres humanos que doa a vida ao próximo e não pede nada em troca.

91. Arroz ao CérebroFilipinas


Talisayan, Ilha de Mindanau, Filipinas | 5 de Dezembro

Acusado: Lloyd Bagtong | 21 anos

Crime: Com histórico de doença mental, o jovem filipino Lloyd Bagtong era conhecido em sua região como alguém problemático e que vivia bebendo. Ele não fazia nada da vida. Por isso, quando um corpo sem cabeça foi encontrado em um barranco, a vizinhança já tinha o seu principal suspeito. Na manhã de 5 de dezembro ele viu uma moça bonita – cujo nome não foi divulgado – andando pelas redondezas e decidiu segui-la. Quando ela se dirigiu a ele falando em inglês, Bagtong se enfureceu por não entender o que ela dizia e a espancou até a morte. Ele então a despiu, arranjou um facão, cortou a cabeça, a enrolou nas roupas da vítima e levou consigo para casa. Lá, cozinhou a cabeça da mulher, removeu a carne e o cérebro. Como estava com fome, fez uma mistura cozinhando o cérebro da vítima com arroz. Depois de saciado enterrou o crânio no quintal. Três dias depois, quando a polícia o estava levando para uma outra cidade para realização de testes de sanidade mental, Bagtong pediu permissão para urinar. As algemas foram tiradas e ele supostamente pegou a pistola de um policial, atirando em seguida, mas não atingiu ninguém. Os policiais revidaram e ele foi morto a tiros.

92. Massacres e mais MassacresCongo


Aldeia de Mantumbi, Beni, Congo | 5 de Dezembro

Forças Democráticas Aliadas (FDA) é um grupo rebelde que nasceu em Uganda e se espalhou pelo vizinho Congo. É considerado uma organização terrorista pelo governo ugandês e um dos mais mortais grupos que atuam no caótico Congo.

Em meados de outubro de 2019, o governo do Congo lançou uma ofensiva contra o grupo. Em retaliação, a FDA fez o que é sua especialidade: cometer atrocidades contra inocentes.

Pelo menos 100 pessoas foram massacradas em menos de um mês em vilas remotas do nordeste do país. Em 5 de dezembro, a FDA decapitou vivas 16 pessoas na aldeia de Mantumbi, na fronteira com Uganda. E não parou por aí. Os massacres continuaram pelo meses de dezembro e janeiro de 2020.

Somente na cidade congolesa de Beni, desde 2014, a FDA já assassinou mil pessoas.

Especialistas da ONU estimam que o grupo tenha cerca de 450 homens, de várias nacionalidades, a maioria mercenários.

Abaixo, reportagem da TV francesa sobre os massacres cometidos pela FDA.

93. A Garota de UnnaoÍndia


Unnao, Uttar Pradesh, Índia | 5 de Dezembro

A Garota de Unnao não teve o nome divulgado, mas tinha 23 anos e acreditava no amor.

Ingênua, acreditou na proposta de casamento de um homem da região onde morava. Durante um ano este homem somente quis fazer sexo com ela e chegou a gravar algumas relações sexuais, usando-as para chantagear a Garota de Unnao.

Quando ela decidiu que não queria mais vê-lo, a Garota de Unnao foi estuprada pelo suposto pretendente e por um amigo dele.

Envergonhada, ela não disse nada por meses, até que em março de 2019 foi até a polícia e fez uma queixa de estupro. Os homens foram presos, mas meses depois saíram para aguardar o julgamento em liberdade.

Em 5 de Dezembro de 2019, quando a Garota de Unnao caminhava sozinha em direção ao tribunal para uma audiência do caso, os dois homens que a haviam estuprado – Shivam Trivedi e Shubham Trivedi -, mais outros três familiares – Harishankar Trivedi, Ram Kishore Trivedi e Umesh Bajpai – a cercaram, espancaram, encharcaram com gasolina e atearam fogo.

A Garota de Unnao morreu no dia seguinte.

94. Queimados VivosMéxico


Reynosa, Tamaulipas, México | 6 de Dezembro

No início de dezembro um vídeo emergiu nas redes sociais mostrando dois homens sendo queimados vivos nos arredores de Reynosa, cidade que faz fronteira com o estado americano do Texas.

As vítimas seriam rivais do Los Metros, grupo aliado ao Cartel do Golfo, cuja sede é em Matamoros, cidade conhecida mundialmente por ter abrigado as operações do narcosatânico Adolfo de Jesus Constanzo.

O vídeo gravado por membros do Los Metros é horripilante e mostra as vítimas sendo imediatamente engolidas pelas chamas. Gritos de desespero podem ser ouvidos até o momento em que as vítimas são finalmente silenciadas por tiros.

Enquanto os homens agonizam no fogo, um dos criminosos cita uma série de recentes desaparecimentos de mulheres de Reynosa. De fato, várias mulheres desapareceram da cidade no último ano. O motivo de tais desaparecimentos permanece um mistério.

Abaixo o vídeo compartilhado nas redes sociais.


95. Ritual FinanceiroNigeria


Ikoyi-Ile, Osun, Nigéria | 8 de Dezembro

Muitas mulheres se relacionam com o homem errado. Quando vêem já estão num relacionamento doentio. Algumas são traídas. Outras sofrem violência psicológica. Já outras sofrem violência física. Muitas também morrem. Foi o caso da nigeriana Favour Daley-Oladele, 22, que teve a má sorte de escolher um garoto supersticioso como namorado que faria tudo por dinheiro, até matá-la.

O namorado dela, Adeeko Owolabi, 22, seguindo as ordens do “profeta” Segun Philip, 42, levou adiante um plano diabólico para enriquecer. Segue o que ele contou à polícia:

“Eu a levei a uma casa que disse ser do meu tio, mas a casa era um antro de ritualistas. Eu quebrei um pilão na cabeça dela e ela caiu. O profeta, então, usou uma faca e um facão para desmembrar o corpo que foi dividido em três partes: seios, cabeça e pernas. Nós enterramos algumas partes do corpo ao lado da igreja do profeta chamada Capela da Salvação da Solução enquanto alguns órgãos vitais foram dados à minha mãe para ela comer e fazer uma limpeza espiritual”.

Já o profeta Philip revelou:

“Eu não sou um profeta, mas um herbalista que se engaja na limpeza espiritual daqueles que vem à minha casa. Eu usava a Capela da Salvação da Solução como um encobrimento, de forma que as pessoas não soubessem o que realmente faço. Owolabi veio até mim para rituais financeiros e eu disse a ele que precisávamos de um ser humano completo para os rituais. Em 8 de dezembro ele trouxe sua namorada para minha igreja e nós a matamos e desmembramos seu corpo para o ritual financeiro”.

Para ficarem ricos, a matriarca da família, Bola, mãe de Owolabi, comeu o guisado de carne humana – coração e seios refogados com vegetais – preparado pelo profeta.

No vídeo abaixo publicado no Twitter colegas da universidade onde a vítima cursava Sociologia fazem uma passeata em sua homenagem.

96. Emboscada


Inates, Níger | 10 de Dezembro

No pior ataque terrorista da história do Níger, uma emboscada realizada por militantes do ISIS matou 71 soldados em uma base militar em Inates, perto da fronteira com o Mali.

Como um cancer que se alastra rapidamente, grupos fundamentalistas islâmicos estão pouco a pouco se espalhando pelo coração da África. Tudo começou em 2012 quando militantes separatistas tomaram o nordeste do Mali, fazendo a França enviar tropas militares ao país para expulsá-los. Nos anos seguintes novos grupos apareceram e expandiram seus ataques para a região central do Mali, Burkina Faso e Níger.

O ataque no Níger aconteceu em uma faixa de terra que fica entre o Mali e Burkina Faso, é nesta região que hoje se concentra os terroristas e consequentemente as operações anti-terrorismo.

No crime que chocou o Níger, o presidente Mahamadou Issoufou declarou três dias de luto. Todos os 71 soldados mortos foram enterrados em um cemitério militar chamado Praça dos Mártires.

97. Menino o EstripadorTailândia


Khon Kaen, Isan, Tailândia | 15 de Dezembro

Em 2005 mulheres que trabalhavam no mercado do sexo começaram a aparecer estranguladas na região de Isan, nordeste da Tailândia. A primeira foi a dançarina de strip-tease Warunee Pimpabut, 25, estrangulada em um quarto de hotel na província de Mukdahan. A segunda foi a massagista Pongpan Sapsai, estrangulada em seu local de trabalho na província de Lampang. Outra massagista, Porntawan Pangkabut, 37, foi morta na província de Udon Thani. Sompong Pimpornpirom, 25, foi a quarta mulher – também massagista – a ser estrangulada. Os assassinatos ocorreram num espaço de seis meses, entre janeiro e junho, e após uma extensa investigação a polícia tailandesa prendeu Somkid Pumpuang, 41 anos na época.

Além dos quatro assassinatos, o assassino em série ainda foi condenado por um quinto – Phatchari Amataniran, cantora de boate, morta em 11 de junho de 2005 – e pegou a pena de morte, sentença posteriormente comutada para prisão perpétua. Devido à sua estatura (e às últimas três letras de seu primeiro nome), recebeu o apelido da imprensa de “Menino o Estripador”, também em alusão à Jack, o Estripador, o assassino em série londrino do século XIX que matava prostitutas.

Catorze anos depois de ser preso, o serial killer recebeu o perdão das autoridades e foi solto em 17 de maio de 2019 por bom comportamento. Bem, vocês já devem saber o que aconteceu.

Em dezembro Rassami Mulichan, 51, apareceu estrangulada em sua casa na cidade de Khon Kaen. Não demorou quase nada para que a polícia chegasse ao suspeito: Menino o Estripador. O serial killer estava morando na casa da vítima após seduzi-la pelo Facebook dizendo ser um bem sucedido advogado. Duas semanas depois de colocar o homem dentro de casa a vítima foi encontrada morta com as mãos amarradas e um fio elétrico em volta do pescoço. Somkid foi preso dentro de um trem uma semana depois.

Veja no vídeo abaixo o momento da prisão.

98. O Frequentador de Bares ToddyÍndia


Mahbubnagar, Telangana, Índia | 16 de Dezembro

Acusado: Yerukali Srinu | 42 anos

Crime: Na série Mindhunter da Netflix, agentes do FBI que estudam serial killers aprendem através de um deles, Edmund Kemper, que tais assassinos muitas vezes se aproximam de policiais. Seja pela emoção de estar no fio da navalha escutando as histórias dos assassinatos que eles mesmos cometeram ou apenas para ter informações privilegiadas dos casos. Em dezembro de 2019 a polícia indiana ficou surpresa quando verificou a agenda telefônica de Yerukali Srinu e encontrou dezenas de telefones de policiais. Nada demais não fosse Srinu um serial killer que matou pelo menos 17 mulheres desde 2009. Ele frequentava os chamados “Bares Toddy” – estabelecimentos típicos de algumas partes da Índia onde é servido uma bebida levemente alcoólica feita a partir da seiva das palmeiras, chamada de toddy – a procura de mulheres. Ingenuamente muitas caíam na conversa fiada de Srinu e aceitavam acompanhá-lo até locais distantes apenas para serem estranguladas até a morte e ter seus pertences roubados. Quando investigadores bateram em sua porta para lhe fazer perguntas sobre uma mulher assassinada em 16 de dezembro, ele imediatamente ligou para o chefe de polícia de Mahbubnagar para avisar que homens queriam invadir a sua casa. O delegado mandou uma viatura mas sua tática para ganhar algum tempo não deu certo e ele foi preso. Abaixo uma reportagem da TV indiana sobre o caso.

99. Motociclistas da Morte


Arbinda, Soum, Burkina Faso | 24 de Dezembro

Militantes islâmicos planejaram uma tarde homicida na quente e pobre Burkina Faso cujo roteiro parece uma mistura de Mad Max (1979) com Fogo contra Fogo (1995).

Como a gangue de motoqueiros das estradas de Mad Max, mais de uma centena de militantes do grupo Estado Islâmico no Grande Saara subiram em motocicletas e seguiram pelo insólito deserto árido em direção ao martírio, atravessando paisagens sem vida e vilarejos abandonados.

Na encruzilhada da morte eles tomaram dois caminhos: um grupo se dirigiu até uma base militar enquanto outro rumou até a cidade de Arbinda – menos de 10 mil habitantes, sem asfalto e no meio do nada; pura terra.

Obviamente, o grupo que atacou a base militar teve menas sorte. Eles mataram sete soldados antes de serem liquidados pelo exército burquinense.

Já o grupo de Arbinda teve mais sorte em seu objetivo.

Munidos de armas velhas – mas ainda sim letais – o grupo chegou em Arbinda e começou a matar. O alvo principal era mulheres. Nas ruas de poeira, 31 mulheres e quatro homens caíram atingidos pelas balas dos terroristas. O ataque só não foi pior porque o exército interviu rapidamente por terra e por ar. Ainda assim, o confronto entre militares e terroristas nas ruas de Arbinda durou horas, o que me fez lembrar da antológica cena do tiroteio de Fogo contra Fogo, com a diferença de que Arbinda é um pouco diferente de Los Angeles.

O ataque a Arbinda foi o pior do ano em Burkina Faso e deixou 34 civis, 7 soldados e 80 terroristas mortos.

100. O Fetichista da MorteEstados Unidos


Bennington Township, Michigan, Estados Unidos | 24 de Dezembro

Vítima: Kevin Bacon | 25 anos

Crime: Em outubro de 2019 Michael Parks descansava em sua casa em Bennington Township quando gritos apavorantes o fizeram sair para fora. A visão que ele teve foi bizarra: um homem desesperado vestindo cueca e colete de couro, amarrado com correntes e sangrando. “Me ajuda! Me ajuda! Ele quer me matar!”, gritava ele. Quando a polícia chegou Michael Parks estava em companhia do homem desesperado e de Mark Latunski, 50. Para a polícia Latunski disse que tudo não passou de um mau entendido. Ele e o homem combinaram um encontro sexual regrado a fetiches sexuais extremos e o homem, aparentemente, não estava preparado. Dois meses depois o cabeleireiro Kevin Bacon não teve a mesma sorte. Após conhecer Latunski através do aplicativo de paquera homossexual Grindr, ele aceitou o convite para um encontro e não voltou mais. Seu corpo foi encontrado numa sala secreta no porão de Latunski pendurado pelos pés. Os testículos estavam faltando pois foram cortados, fritados e comidos pelo acusado. Com um histórico severo de doenças mentais graves, Latunski era mestre em química e foi demitido em 2019 após parar de tomar sua medicação antipsicótica, o que levou, segundo a empresa, a uma impossibilidade de convivência. Preso, seu advogado pediu um exame de sanidade mental que ainda não ficou pronto.

101. WahhabismoSomália


Mogadíscio, Somália | 28 de Dezembro

Acusado: grupo terrorista Al-Shabab

Crime: O mais letal ataque terrorista na Somália desde 2017 deixou 85 pessoas mortas, outras 12 simplesmente evaporaram quando um carro bomba explodiu nos arredores da capital Mogadíscio. Um ônibus que levava estudantes universitários virou ferro retorcido. As ruas ficaram cheias de cadáveres. O grupo radical islâmico Al-Shabab reivindicou a autoria do ataque afirmando que o alvo era um comboio de militares turcos e somalis. Em julho, o Al-Shabab já havia cometido outro crime de manchete: uma mulher bomba detonou seu cinturão de explosivos no prédio da prefeitura de Mogadíscio matando o prefeito Abdirahman Omar Osman e outras cinco pessoas. Perdendo força desde o início da década passada, o Al-Shabab foi expulso de Mogadíscio em 2011 e seus integrantes, desde então, tem perdido seus principais redutos, mas o grupo ainda controla amplas zonas rurais, onde executam operações de guerrilha e atentados suicidas. O objetivo da organização terrorista é estabelecer um estado islâmico da corte Wahhabi (movimento do islamismo sunita ultraconservador, extremista e fundamentalista).

Epílogo


Chegamos ao final de mais uma edição dos 101 Crimes Notórios e Horripilantes.

Se você sobreviveu até aqui, espero que não tenha perdido a fé na humanidade, pois para cada pessoa má existem muitas outras boas que fazem e trabalham para que este seja um mundo melhor para se viver. Seja uma delas! Como citamos todos os anos, o objetivo do post não é deixá-lo paranoico com o mundo, mas apenas dar uma visão realista do que ocorre à nossa volta.

Compartilhe o post com seus amigos e deixe o seu comentário. O que achou da lista? Que crime mais te marcou? Alguma sugestão ou crítica? Algum link ou vídeo quebrado? Algum erro ortográfico? Deixe-nos saber sua opinião.

Fontes consultadas: [1] FACEBOOK MONSTER Serial killer used Facebook to lure four women and a 15-year-old girl before raping them and burying their bodies near his home – The Sun; [2] Graveyard of ‘Facebook serial killer’ is worse than a horror movie – Times Live; [3] Serial Killer Arrested In Eastern Rwanda – KT Press; [4] 9-year-old accused of shooting, killing mom – WoodTV; [5] Judge closes hearing for 9-year-old accused of murder – WoodTV; [6] Mom allegedly shot dead by 9-year-old son feared she was ‘raising the next serial killer’ – The New York Post; [7] 4 lynched in Jharkhand for ‘practicing’ witchcraft – Times of India; [8] Four people dragged out of homes, lynched by mob in Jharkhand – Hindustan Times; [9] Villagers Lynch 4 Elderly People For Practicing Witchcraft, ‘Casting Spell’ On Them – International Business Times; [10] Mãe que viu filho matar irmã: ‘Ele é um menino de ouro, mas tem uma doença’ – UOL; [11] ‘Jealous’ lover ‘confesses’ to murder of beauty blogger found ‘shoved in suitcase’ – Metro; [12] Ekaterina Karaglanova, a influencer russa encontrada morta em mala – BBC Brasil; [13] Menino de 5 anos morto pela irmã teve os olhos furados e estava cercado por velas, diz polícia – G1; [14] The racist theory that underlies terrorism in New Zealand and the Trump presidency – Washington Post; [15] Brenton Harrison Tarrant: 5 Things On TheAlleged New Zealand Mosque Shooter – Hollywood Life; [16] Elderly Russian woman suspected of being serial killer after man’s body parts found in her fridge – Independent; [17] SERIAL KILLER GRAN ‘Russian Sweeney Todd’ handed out ‘snacks made from human flesh after killing noisy children in her neighbourhood’ – The Sun; [18] ‘Cannibal’ pig slaughterer, 80, dubbed the Granny Butcher confesses to three murders in Russia with one ‘victim’s’ internal organs found in her fridge – Daily Mail; [19] Rajkot: Elderly woman’s murderer turns out to be serial kill – Times of India; [20] Mexico ambush: How a US Mormon family ended up dead – BBC; [21] Mexican police chief arrested in connection to Mormon family killings – The Guardian; [22] Father of woman executed alongside eight relatives by Mexican drug cartel reveals two nephews were murdered and another kidnapped by drug lords 10 years ago – as he blasts the killers for stoking terror in their Mormon community – Daily Mail; [23] ‘El 50’, presunto jefe de plaza del CJNG en Coatzacoalcos y ligado a masacre en un bar, es detenido por la Semar – Telemundo; [24] Extorsión y política en la masacre del bar Caballo Blanco de Coatzacoalcos – Presencia; [25] Families begin burying the 28 victims of Mexico bar fire – LA Times; [25] Burkina Faso: Many women killed in suspected jihadist attack – BBC; [26] Bangladesh condena 16 à morte por assassinato de estudante queimada viva após denunciar assédio sexual – BBC News Brasil; [27] Crete ‘struggling with shame’ after rape and murder of US scientist – The Guardian; [28] Caracal murder case: Transcript of Romanian teen’s emergency calls reveals questionable reaction of authorities – Romania Insider; [29] Police exhume body of murdered LASU final year female student – Legit; [30] LASU students stage walk for colleague allegedly killed for ritual – Legit; [31] Tanzanian business people among 28 suspects arrested for ritual killings of children – The Citizen; [32] Girl, 7, found dead as child killers spill more blood – The Citizen; [33] Codey Herrmann, killer of Aiia Maasarwe, jailed for at least 30 years in Melbourne – The Guardian; [34] Aiia Maasarwe attacked by killer in ‘stereotypical, primitive male rage’ – The Guardian; [35] Bangkok murder pond searched as police may have arrested an evil serial killer just like his father in 1983 – Thai Examiner;

Equipe OAV:

Daniel Cruz
Criação, direção, artes e texto

Luana
Crime 46

Elisa
Crime 18

Marcus Santana
Crime 26

Marcus Santana
Crime 88

Hiago

Universo DarkSide – os melhores livros sobre serial killers e psicopatas

http://www.darksidebooks.com.br/category/crime-scene/

Curta O Aprendiz Verde No Facebook

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão)
Deixe o seu comentario:
DarkSide Books

RELACIONADOS

Receba nosso conteúdo por e-mail!

Digite o seu endereço de e-mail:

OAV TV

OAV TV

Queremos você!

Queremos Você!

O Aprendiz Verde no WhatsApp!

OAV no Whatsapp

Siga-nos no Twitter

As últimas notícias

Categorias

× Receba nosso conteúdo no WP